IFE
11/07/2023

IFE Tecnologia Exponencial 139

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores: Ana Eduarda Rodrigues, Cristina Rosa, Felipe Diniz e Maria Luísa Lunardi
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
11/07/2023

IFE nº 139

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores: Ana Eduarda Rodrigues, Cristina Rosa, Felipe Diniz e Maria Luísa Lunardi
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Tecnologia Exponencial 139

Transição Energética e ESG

McKinsey: Descarbonização pode causar escassez de minerais críticos até 2030

A McKinsey se uniu ao crescente coro que alerta para a escassez nos próximos anos de metais que são essenciais para a transição à energia limpa, o que poderia reduzir a adoção de VEs, turbinas eólicas e painéis solares. Esses déficits provavelmente vão desacelerar os esforços globais de descarbonização ao aumentar os custos das cadeias de suprimentos e, consequentemente, os preços dos produtos com baixo teor de carbono, afirmou a McKinsey. A escassez de matérias-primas resultaria em emissões adicionais de 400 milhões a 600 milhões de toneladas de gases de efeito estufa em 2030, estima o relatório. Isso minaria os planos internacionais de limitar as temperaturas globais, conforme estabelecido no acordo climático de Paris. A McKinsey recomenda que os investimentos em mineração, refino e fundição cresçam para algo entre US$ 3 trilhões e US$ 4 trilhões até 2030, um aumento anual de 50% em comparação com a década anterior. (Valor Econômico - 05.07.2023)
Link Externo

IRENA: Publicação de relatório sobre estatísticas de energias renováveis em 2023

A Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA, na sigla em inglês) publicou recentemente um relatório com um conjunto de dados abrangentes sobre capacidade e uso de energia renovável em todo o mundo. Os dados do relatório Estatísticas de Energia Renovável 2023 abrangem a capacidade de geração de energia, geração real de energia e balanços de energia renovável para mais de 150 países e regiões. Esses dados são obtidos de várias fontes, incluindo questionários IRENA, estatísticas nacionais, relatórios de associações industriais e consultorias. O relatório também inclui estatísticas de investimentos em energias renováveis, compiladas de diversas instituições financeiras. Os dados são apresentados em unidades como MW e GWh. O relatório fornece uma visão geral das principais tendências do setor em todo o mundo e está disponível no site da IRENA. (IRENA – julho, 2023)
Link Externo

WEF: Publicação de novo relatório sobre transição energética

Após uma década de progresso, a transição energética global estagnou em meio à crise energética global e às volatilidades geopolíticas, de acordo com o relatório Fostering Effective Energy Transition 2023 do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês). O Energy Transition Index, que compara 120 países com base no desempenho atual do sistema de energia e na prontidão para realização da transição energética, conclui que, embora tenha havido amplo progresso na implementação de energias renováveis, existem desafios pendentes com relação a equidade da transição – como por exemplo, acessibilidade à energia e desenvolvimento econômico sustentado – devido aos países que mudaram seu foco para a segurança energética. (WE Forum – 28.06.2023)
Link Externo

IRENA e SPC: Parceria visa acelerar a transição energética no Pacífico

A Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA, na sigla em inglês) e a Comunidade do Pacífico (SPC, na sigla em inglês) renovaram seu acordo de parceria para promover a implantação de energias renováveis nos países das Ilhas do Pacífico. A parceria visa acelerar a implementação da Iniciativa dos Faróis dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (SIDS, na sigla em inglês), coordenada pela IRENA. As duas organizações trabalharão em conjunto para fornecer apoio regional e nacional aos países do Pacífico, incluindo aprimoramento e implementação de contribuições determinadas nacionalmente, capacitação, assistência técnica e facilitação de projetos. (IRENA – 04.07.2023)
Link Externo

Reino Unido: Falta de apoio preocupante para a qualificação da mão-de-obra visando transição energética

Uma pesquisa realizada pela City & Guilds e Engineering UK revelou que os trabalhadores do setor de energia no Reino Unido não estão convencidos de que o setor esteja adequadamente preparado para a transição para fontes de energia limpa. A pesquisa levantou preocupações sobre a falta de liderança e apoio no treinamento e requalificação necessários para cumprir as metas de descarbonização até 2035. Apenas 42% dos entrevistados acreditam que o governo fornece apoio suficiente, enquanto uma porcentagem semelhante acredita que as empresas do setor estão preparadas para cumprir a meta de 2035. A pesquisa também revelou que 60% dos profissionais de setores como petróleo e gás acreditam que a descarbonização do sistema de energia colocará seus empregos em risco nos próximos dois anos. No entanto, 91% estão dispostos a considerar um papel na energia limpa. A pesquisa destaca a necessidade de criar oportunidades de requalificação e investir em habilidades ecológicas para garantir uma força de trabalho preparada para o futuro. (Renews.Biz - 06.07.2023)
Link Externo

Emirados Árabes Unidos: Adição de energias renováveis irá triplicar até 2030

Os Emirados Árabes Unidos planejam triplicar o montante de energias renováveis em seu mix de energia nos próximos sete anos como parte de sua Estratégia Nacional de Energia. A estratégia visa reduzir os efeitos das mudanças climáticas, alcançar a neutralidade climática e fortalecer a capacidade do país no setor de energia limpa. Além disso, busca atrair investimentos e inovação, fortalecer a cooperação internacional e equilibrar as necessidades de energia com a sustentabilidade dos recursos naturais. A estratégia tem como objetivo alcançar economias financeiras significativas, aumentar os investimentos nacionais em energia e aumentar a participação de energia limpa no mix energético total para 30% até 2031. Além disso, os Emirados Árabes Unidos aprovaram a Estratégia Nacional de Hidrogênio para impulsionar as indústrias de baixo carbono e se tornarem um dos maiores produtores mundiais de hidrogênio de baixo carbono até 2031. O país está comprometido em desenvolver seu setor de energia, atrair investimentos e promover um ambiente de investimento competitivo. (Renews.Biz – 05.07.2023)
Link Externo

IEA: Resiliência climática é a chave para as transições energéticas no Oriente Médio e Norte da África

A região do Oriente Médio e Norte da África (MENA, na sigla em inglês) está enfrentando desafios significativos devido às mudanças climáticas, que afetam os sistemas de energia da região. Entre 1980 e 2022, o MENA experimentou um aumento nas temperaturas e mudanças nos padrões de precipitação, resultando em eventos climáticos extremos, como secas e inundações. Esses eventos têm um impacto negativo nas pessoas, na economia e nos sistemas de energia da região. A demanda por eletricidade aumentou devido ao aumento das temperaturas, sobrecarregando ainda mais os sistemas de energia existentes. Além disso, a diminuição das chuvas e o aumento da aridez representam desafios para as usinas termelétricas movidas a combustíveis fósseis, que dependem de água doce para resfriamento. A Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) realizou uma avaliação de risco climático e exposição no MENA para identificar as implicações das mudanças climáticas nos sistemas de energia da região. Na visão da Agência, é crucial que os sistemas de energia do MENA incorporem resiliência climática para enfrentar esses desafios e garantir a segurança energética e a sustentabilidade da região. (IEA – 03.07.2023)
Link Externo

Geração Distribuída

Brasil: Adição de 4,2 GW de energia solar distribuída no primeiro semestre de 2023

O Brasil implantou 4,2 GW de nova capacidade de geração solar distribuída nos primeiros seis meses de 2023, atingindo uma capacidade acumulada de 22 GW. Isso incluiu a conexão de 365.000 novos sistemas de net-metering à rede. O segmento residencial foi responsável por cerca de 2,12 GW da nova capacidade, enquanto o segmento comercial contribuiu com aproximadamente 1 GW. São Paulo teve o maior crescimento, adicionando 656 MW, seguido por Minas Gerais com 460 MW. Oito estados brasileiros têm mais de 1 GW de capacidade instalada cada um. A maioria da capacidade adicionada veio de instalações locais, representando 77% da expansão observada em 2023 e 77% da capacidade total acumulada. (PV Magazine – 05.07.2023)
Link Externo

Armazenamento de Energia

IISD: Projetos de armazenamento devem ser prioridade imediata para a África do Sul

Um relatório do Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD, na sigla em inglês) destaca a necessidade de priorizar o armazenamento de baterias em larga escala na África do Sul para superar a crise de falta de energia no país. O relatório enfatiza que os sistemas nacionais de armazenamento devem ser uma prioridade imediata juntamente com a expansão da capacidade de geração renovável. A implantação de baterias em mercados comercial, industrial e residencial tem crescido na África do Sul, mas é necessária uma abordagem coordenada em nível nacional e municipal para o armazenamento em escala de rede. O relatório destaca que o armazenamento de energia em combinação com energia solar fotovoltaica pode reduzir a demanda por energia proveniente do carvão e otimizar a capacidade da rede. O armazenamento de energia também pode ajudar a nivelar a rede elétrica e fornecer flexibilidade ao sistema de transmissão do país. (Energy Storage – 07.07.2023)
Link Externo

Veículos Elétricos

EZVolt: Instalação de rede de eletropostos no Rio de Janeiro

A startup de eletromobilidade EZVolt, que compõe o portfólio de energias renováveis da Vibra, foi anunciada como uma das empresas que tiveram o projeto aprovado para o Sandbox.Rio, implementado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Simplificação. A startup irá instalar uma rede de eletropostos para a recarga de veículos elétricos em pontos mapeados na cidade. A EZVolt foi selecionada depois de uma chamada pública por projetos que buscavam serviços inovadores para a cidade do Rio, e que ainda não se enquadram nas regras vigentes. Com o Sandbox regulatório, estas soluções poderão ser testadas no Rio, através de autorização concedida pelo município e em um ambiente controlado. O estudo dos locais que receberão os pontos está na fase final e busca áreas com maior potencial de recarga de veículos. (Broadcast Energia - 04.07.2023)   
Link Externo

WDC e Enel X Way Brasil se unem para desenvolver setor de VEs

A WDC Networks, empresa de tecnologia, anunciou parceria com a Enel X Way Brasil para desenvolver o mercado de mobilidade elétrica e promover a independência dos proprietários de veículos elétricos e híbridos, que encontram desafios na rede de abastecimento em razão da inovação do modelo no país. Pelo acordo, a WDC Solar vai oferecer à sua rede de canais e instaladores a oportunidade de ofertar a solução Waybox Enel X Way/WDC com os kits de geradores fotovoltaicos já comercializados pela WDC, visando acelerar a descarbonização e a mobilidade com veículos elétricos alimentados com energia limpa. O Waybox é a estação de recarga compacta e inteligente da Enel X Way Brasil dedicada a todos os tipos de carros elétricos. Segundo a WDC Networks, a parceria traz uma abordagem diferente ao mercado, como mais um produto ou serviço que os integradores de Solar na base da WDC podem oferecer aos seus clientes, acompanhando um sistema de geração de energia solar já instalado na residência ou estabelecimento comercial. (CanalEnergia - 05.07.2023)  
Link Externo

VEs da BYD começarão a circular em São Paulo pela 99

A 99 e a BYD anunciaram uma nova iniciativa que colocará centenas de carros elétricos nas ruas. Serão 300 unidades do BYD D1, o primeiro veículo elétrico feito sob medida para atender aos aplicativos de transporte, que será disponibilizado para os motoristas da 99 em São Paulo (SP). Graças à parceria, que acontece dentro da Aliança Pela Mobilidade Sustentável, a 99 passará a ter a maior frota de veículos elétricos do país: as 300 unidades do BYD D1 estarão disponíveis para locação por motoristas parceiros entre julho e outubro deste ano e contarão com parte do valor do aluguel subsidiado pela plataforma, para impulsionar a iniciativa. (CanalEnergia - 06.07.2023)  
Link Externo

NREL: Construção de rede de carregamento exigirá US$ 127 bilhões até 2030

Haverá de 30 a 42 milhões de veículos elétricos nas estradas dos EUA em 2030, exigindo uma construção rápida e generalizada de infraestrutura de carregamento que será focada em residências e residências multifamiliares, de acordo com um novo relatório do Laboratório Nacional de Energia Renovável (NREL, na sigla em inglês). O cenário de adoção intermediária de aproximadamente 33 milhões de VEs híbridos plug-in exigirá 26,8 milhões de carregadores residenciais e 1 milhão de carregadores públicos, localizados perto de escritórios, lojas de varejo e em bairros de alta densidade. O investimento necessário para essa infraestrutura será de aproximadamente US$ 53 bilhões a US$ 127 bilhões, até 2030. O presidente Joe Biden quer que metade das vendas de veículos leves novos sejam elétricos até 2030 e está dirigindo o lançamento de uma rede de 500 mil carregadores públicos. (Utility Dive - 05.07.2023)  
Link Externo

DOE: US$ 2 bilhões em subsídios para fabricação de VEs

O Departamento de Energia (DOE) dos EUA compartilhou planos de investir US$ 2 bilhões da Lei de Redução da Inflação para acelerar a fabricação doméstica de VEs. A lei, que contém créditos fiscais para veículos limpos para fabricantes qualificados, agora financiará subsídios de custos compartilhados para a produção doméstica de híbridos, híbridos elétricos plug-in, totalmente elétricos e VEs de célula de combustível, de acordo com o departamento. O programa priorizará projetos para reformar ou reequipar as instalações de fabricação que encerraram recentemente as operações ou devem fechar em breve. A nova oportunidade de financiamento do governo Biden visa ajudar as montadoras que lutam com o custo de fabricação de veículos elétricos. (Utility Dive - 05.07.2023)  
Link Externo

NREL: Relatório descreve requisitos de rede de carregamento de VEs nos EUA

Um novo relatório do Laboratório Nacional de Energia Renovável (NREL, na sigla em inglês) do Departamento de Energia dos EUA destina-se a servir como uma estrutura estratégica para o desenvolvimento de infraestrutura nacional de carregamento de veículos elétricos projetada para atender às necessidades de 30 a 42 milhões de VEs leves previstos para 2030. A estrutura delineada no relatório está alinhada com as metas estabelecidas pelo governo Biden-Harris, a indústria automotiva e o United Auto Workers para que os veículos com emissão zero representem a maioria das vendas de carros novos até 2030. O relatório, intitulado The 2030 National Charging Network: Estimating US Light-Duty Demand for Electric Vehicle Charging Infrastructure, detalha a análise quantitativa do NREL estimando o número, tipo e localização dos carregadores necessários para alimentar um número crescente de veículos elétricos leves em todo o país. Ele também inclui um novo nível de detalhamento em uma análise nacional da infraestrutura de carregamento de veículos elétricos. (Smart Energy - 06.07.2023)  
Link Externo

Novo Rota 2030 pretende intensificar produção nacional de VEs

A segunda fase do programa federal Rota 2030 vai focar em tecnologias de descarbonização que estão em estágios iniciais de desenvolvimento, afirmou a diretora do Departamento de Desenvolvimento da Indústria de Alta-Média Complexidade Tecnológica do MDIC, Margarete Gandini. Gandini comentou que a produção de eletrificados será intensificada com as novas regras da política automotiva e a retomada dos grupos de trabalho para o relançamento do Plano Nacional de Eletromobilidade. “A ideia agora é intensificar a produção nacional de eletrificados, já temos algumas iniciativas em curso”, ressaltou. De acordo com o MDIC, a segunda etapa do Rota 2030 tem lançamento previsto para agosto deste ano. (epbr - 06.07.2023) 
Link Externo

BYD: Investimento de R$ 3 bilhões em fábricas de VEs na Bahia

A chinesa BYD confirmou nesta terça o investimento de R$ 3 bilhões em um complexo fabril em Camaçari, na Bahia, para fabricação de veículos elétricos e processamento de minerais críticos para exportação. O complexo localizado a 50 km da capital do estado, Salvador, será composto por três células fabris: uma dedicada à produção de chassis para ônibus e caminhões elétricos; outra à produção de automóveis híbridos e elétricos; e a terceira voltada ao processamento de lítio e ferro fosfato. A unidade de carros híbridos e elétricos têm capacidade estimada de 150 mil unidades ao ano na primeira fase, podendo chegar a 300 mil unidades. Já a fábrica para processamento de lítio atenderá ao mercado externo, aproveitando a estrutura portuária existente no local. Segundo a BYD, a produção nacional vai permitir preços mais competitivos e a possibilidade ampliar o acesso à eletromobilidade para o consumidor brasileiro. (epbr - 04.07.2023) 
Link Externo

Gestão e Resposta da Demanda

Comissão Europeia analisa as pegadas energéticas do setor digital

A Comissão Europeia está avaliando o consumo de energia de dez ações digitais comuns como parte de sua estratégia para lidar com o aumento do consumo do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). O setor de TIC representa atualmente cerca de 7% do consumo global de energia e espera-se que duplique até 2030, chegando a 13%. A Comissão Europeia está buscando abordar essa questão como parte de sua transição para uma economia verde e digital. Um estudo realizado pela Ramboll Management Consulting e pela Resilio avaliou o consumo de energia de ações como streaming de vídeo, videogame, videoconferência, redes sociais, entre outros. O estudo concluiu que, embora os impactos energéticos individuais dessas ações possam parecer insignificantes, quando executadas repetidamente por todos os usuários ao longo do tempo, eles se tornam consideráveis e significativos. O estudo destaca a importância de conscientizar os usuários sobre o impacto de seus comportamentos digitais e incentivar a adoção de hábitos mais sustentáveis. (Smart Energy – 07.07.2023)
Link Externo

EUA: Califórnia aprova financiamento de US$ 4,3 bilhões para eficiência energética

Os reguladores da Califórnia aprovaram US$ 4,3 bilhões em investimentos para esforços de eficiência energética de 2024 a 2027, juntamente com um orçamento previsto de US$ 4,6 bilhões de 2028 a 2031. Cerca de 14% do orçamento será canalizado para programas voltados para comunidades desfavorecidas e carentes. A eficiência energética tem sido uma parte essencial da estratégia da Califórnia para atingir suas metas climáticas, bem como reduzir a quantidade de energia necessária para atender sua carga. Os portfólios anteriores de eficiência energética adotados pela comissão forneceram três segmentos: aquisição de recursos, com foco nos impactos do sistema de economia de energia; suporte ao mercado, focado no suporte de longo prazo e tecnologias de eficiência energética; e equidade, com foco em garantir melhor acesso e maiores oportunidades para clientes carentes. (Utility Dive - 30.06.2023) 
Link Externo

Microrredes e VPP

EUA: Microrredes fortalecem estabelecimentos durante as tempestades em Nova Orleans

O programa “Get Light, Stay Light”, da organização sem fins lucrativos Feed The Second Line, está fornecendo microrredes solares gratuitas a proprietários de restaurantes em Nova Orleans. Esses restaurantes servirão como “santuários comunitários” durante as quedas de energia, como ocorreram durante o temporal Ida em 2021. O programa visa equipar 300 restaurantes com microrredes e é financiado pelo Departamento Federal de Energia dos EUA. Os restaurantes beneficiados concordam em abrir suas portas durante as quedas de energia e oferecer refúgio à comunidade. O programa também oferece treinamento em energia solar para trabalhadores dos restaurantes. O objetivo é criar uma cidade mais igualitária e preparada para tempestades, enquanto os restaurantes também se beneficiam da economia de custos de energia. (MicrogridKnowledge - 10.07.2023) 
Link Externo

EUA: Força Aérea investe em projeto de microrrede

A Força Aérea dos Estados Unidos está avançando em sua resiliência energética com um novo projeto de microrrede de corrente contínua (CC) na Kirtland Air Force Base (KAFB). A Concurrent Technologies Corporation (CTC) recebeu um contrato de US$ 4,8 milhões do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea (AFRL, na sigla em inglês) para desenvolver e implementar tecnologias de microrrede CC na base. O objetivo do projeto é demonstrar que uma microrrede CC pode aumentar a resiliência energética e melhorar a eficiência do sistema, mantendo a dependência de inversores CC para CA. Os inversores são um ponto comum de falha nas microrredes CA tradicionais. O projeto também documentará oportunidades de expansão da tecnologia para outras instalações militares. (MicrogridKnowledge - 07.07.2023) 
Link Externo

Tecnologias e Soluções Digitais

França: Inauguração de laboratório de pesquisa em redes inteligentes

O laboratório PUMA1 no Instituto Nacional de Energia Solar (INES) na França foi transformado em um laboratório de pesquisa de rede inteligente chamado "Laboratório de Controle de Rede". O objetivo principal é estudar o gerenciamento de redes elétricas com a integração em larga escala de energias renováveis, sistemas de armazenamento de baterias, armazenamento de hidrogênio e mobilidade elétrica. O laboratório permite testar novos conceitos, como redes de distribuição de corrente contínua e média tensão, antes da implementação no mundo real. A ênfase está nos conversores, que desempenham um papel importante no roteamento e controle de fluxo em redes descentralizadas. A plataforma permite projetar, desenvolver e testar conversores de potência em megawatts conectados à rede elétrica. Além disso, são utilizados sistemas de simulação em tempo real para criar modelos de microrredes inteligentes. (SmartEnergy - 07.07.2023) 
Link Externo

Genus: Plataforma de financiamento de medidores inteligentes de US$ 2 bilhões

A empresa indiana de medidores inteligentes Genus fechou uma joint venture com a afiliada do GIC, sediada em Cingapura, para estabelecer uma plataforma de financiamento de projetos de medidores inteligentes, com um pipeline inicial de US$ 2 bilhões. O GIC deterá 74% de participação na plataforma, enquanto o Genus terá os 26% restantes. A Genus será a fornecedora exclusiva da plataforma e serviços associados. O acordo também envolve um investimento de US$ 63,1 milhões da GIC na Genus. A plataforma será responsável por financiar projetos de medidores inteligentes nos próximos três a cinco anos. A Genus complementará sua capacidade de fabricação e execução com o acesso ao novo capital, visando a implantação de medidores inteligentes para melhorar a eficiência e a segurança energética na Índia. (SmartEnergy - 05.07.2023) 
Link Externo

Suíça: Inauguração de plataforma de gerenciamento de dados de medidores inteligentes

A empresa suíça BKW anunciou a implantação de uma plataforma de gerenciamento de dados de medidores como parte de seu programa de medidores inteligentes. A plataforma será acomodada pela Hansen Technologies em um contrato de cinco anos. Será implantado como um modelo de Software como Serviço (SaaS) na rede de medidores da BKW, que visa atingir 400 mil clientes até 2028. A implantação do medidor inteligente é uma resposta aos requisitos legais do governo federal suíço. A BKW e a Hansen já iniciaram o planejamento para a implantação da plataforma, prevista para o primeiro semestre de 2024. A solução da Hansen abrange toda a cadeia de valor da prestação, desde a implantação de dispositivos até a logística de energia, cobrança e atendimento ao cliente. (SmartEnergy - 04.07.2023) 
Link Externo

Como a realidade aumentada transformará a experiência do cliente para utilities

A realidade aumentada (AR, na sigla em inglês) está sendo adotada por concessionárias de energia elétrica para aprimorar a experiência do cliente e otimizar as operações. Um AR permite que os funcionários apresentem informações visualmente aos clientes, colaborando no local para obter feedback e garantir a instalação correta dos equipamentos. Ela também facilita a adoção de soluções alternativas de energia, oferecendo aos clientes a visualização de painéis solares e equipamentos de carregamento de VEs. A integração de dados e inteligência artificial (IA) em aplicativos de AR permite a personalização e eficácia nas decisões do cliente. A visualização através da AR gera confiança, constrói confiança e ajuda os clientes a entenderem o impacto das instalações em suas propriedades. A aprovação de projetos, a precisão de instalação e a redução de retrabalho trazem economia de custos para os motoristas, além de melhorar a eficiência operacional e satisfação do cliente. A adoção da AR cria uma solução mutuamente satisfatória para clientes e empresas no setor de serviços públicos de energia elétrica. (UtilityDive - 10.07.2023) 
Link Externo

Segurança Cibernética

EUA: Casa Branca divulga prioridades de orçamento cibernético para o próximo ano

A Casa Branca delineou suas prioridades orçamentárias de segurança cibernética para o ano fiscal de 2025 em um memorando enviado aos departamentos e agências executivas. O governo Biden está procurando conectar os investimentos em segurança cibernética aos cinco pilares da estratégia nacional de segurança cibernética lançada no início de março, mostra o documento. A carta aconselha as agências federais a priorizar os gastos com defesa de infraestrutura crítica, interrompendo e desmantelando agentes de ameaças. Os orçamentos das agências federais devem usar o poder de compra do governo para melhorar a responsabilidade na cadeia de fornecimento de software e fortalecer a defesa entre as agências, disse o memorando. (Cyber Security- 29.06.2023)  
Link Externo

Fortra: Ferramentas de IA ligadas a novos tipos de golpes

Ferramentas de inteligência artificial generativas, como o ChatGPT, podem estar ajudando na proliferação de golpes de e-mail mais convincentes com o objetivo de roubar dinheiro de empresas, de acordo com a empresa de segurança cibernética Fortra. No primeiro trimestre de 2023, as ameaças nas caixas de entrada corporativas atingiram novos recordes, com um quarto de todos os e-mails relatados classificados como maliciosos ou não confiáveis, disse a Fortra em um relatório recente. Os fraudadores parecem estar recorrendo à IA generativa para ajudá-los a criar mensagens de e-mail bem escritas em grande escala - sem a ortografia e a gramática ruins que historicamente têm sido associadas a golpes, disse John Wilson, pesquisador sênior de ameaças da Fortra. Evidências recentes também sugerem que os golpistas podem estar contando com a IA para realizar a tradução de idiomas, disse ele. (Cyber Security- 29.06.2023)  
Link Externo