IFE
05/07/2023

IFE Tecnologia Exponencial 138

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores: Ana Eduarda Rodrigues, Cristina Rosa, Felipe Diniz e Maria Luísa Lunardi
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
05/07/2023

IFE nº 138

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores: Ana Eduarda Rodrigues, Cristina Rosa, Felipe Diniz e Maria Luísa Lunardi
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Tecnologia Exponencial 138

Transição Energética e ESG

IRENA: Adição anual de energias renováveis deve triplicar até 2030

O relatório World Energy Transition Outlook 2023 (WETO 2023) da Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA, na sigla em inglês) destaca a necessidade de ações imediatas e maior ambição global na implantação de energias renováveis para corrigir o curso climático e alcançar a meta de 1,5 °C estabelecida pelo Acordo de Paris. O relatório enfatiza a importância da eletrificação e da eficiência energética como impulsionadores fundamentais da transição, juntamente com o uso das energias renováveis, hidrogênio de baixo carbono e biomassa sustentável. Embora tenham sido feitos progressos no setor de energia, com adições recordes de capacidade renovável global em 2022, o relatório destaca que a lacuna entre o progresso atual e as necessidades é cada vez maior. Para cumprir as metas, é necessário adicionar em média 1.000 GW de capacidade renovável a cada ano até 2030, além de aumentar significativamente o uso direto de energias renováveis nos setores finais de consumo. (IRENA – 22.06.2023)
Link Externo

Generate Capital e McKinstry: Parceria pretende impulsionar a descarbonização de cidades nos EUA

A Generate Capital e a McKinstry estabeleceram uma parceria para oferecer uma nova solução de energia limpa chamada Iniciativa Viridis. Com base em um modelo de energia como serviço (EaaS), essa iniciativa tem como objetivo ajudar cidades a descarbonizar suas operações, atingir metas ESG e economizar dinheiro por meio da eficiência energética. A parceria entre as duas empresas começou em 2019, quando a Generate contratou a McKinstry para implementar melhorias de desempenho energético em um dos maiores distritos escolares dos Estados Unidos. Agora, eles estão replicando o modelo EaaS para modernizar a infraestrutura de energia e reduzir o impacto ambiental em outras localidades. A abordagem EaaS ajuda a mitigar riscos financeiros e operacionais, permitindo que municípios, universidades, escolas e hospitais atualizem sistemas de energia antigos, realizem manutenção adequada e reduzam emissões. (Power Grid – 22.06.2023) 
Link Externo

ETIP SNET: As prioridades do sistema de energia da Europa traçadas para 2031

A Plataforma Europeia de Inovação Tecnológica Redes Inteligentes para Transição Energética (ETIP SNET) divulgou o roteiro de pesquisa e inovação (P&I) do sistema de energia para o período de 2022 a 2031. O roteiro tem como objetivo guiar o caminho de dez anos em direção a um sistema de energia neutro em carbono até 2050, com ênfase em energias renováveis, redes inteligentes e armazenamento. O roteiro se baseia em nove casos de uso de alto nível e detalha vários conceitos de projetos prioritários para cada caso. Esses projetos abrangem áreas como integração entre setores, armazenamento de energia em larga escala, interações entre operadores de sistema de transmissão e distribuição, mercados atacadistas regionais de energia, penetração massiva de energias renováveis, participação crescente dos consumidores no mercado de energia e fornecimento de serviços de flexibilidade por edifícios e indústrias. (Smart Energy – 28.06.2023)
Link Externo

CCC: Tempo se esgotando para o Reino Unido cumprir os compromissos climáticos

O Comitê de Mudanças Climáticas (CCC, na sigla em inglês) expressou preocupação de que o Reino Unido não esteja cumprindo suas metas de redução de emissões e que o tempo esteja se esgotando para alcançar a mudança de ritmo necessária para atingir compromissos associados a neutralidade de carbono. O CCC destacou que a taxa de redução anual de emissões fora do setor de fornecimento de eletricidade deve quadruplicar nos próximos sete anos para alcançar a meta de redução de 68% até 2030. Recomendações incluem uma reforma rápida do planejamento, aumento do plantio de árvores, aceleração da implantação de aquecimento elétrico e gerenciamento adequado das decisões de expansão de aeroportos. Alguns especialistas alertam que as propostas para alcançar as metas de descarbonização podem colocar o Reino Unido em risco de uma crise energética futura, destacando a importância de equilibrar a segurança energética e a economia com a redução de emissões. (Smart Energy – 29.06.2023)
Link Externo

BNEF: Novas Perspectivas para Futuros Energéticos Regionais

A BloombergNEF, braço de pesquisa do grupo Bloomberg, publicou recentemente o relatório New Energy Outlook, que apresenta dois cenários que descrevem o futuro da economia global de energia de uma gama de países (China, Europa e Austrália). O primeiro cenário é o Cenário de Transição Econômica, que é provável de ocorrer com base nas políticas e tecnologias atuais. Ele prevê um aumento de temperatura de 2,6 graus Celsius até o final do século. O segundo cenário é o Cenário Net Zero, que representa um esforço conjunto para alcançar emissões líquidas zero de carbono até 2050. Este cenário envolve maior implantação de energias renováveis, energia nuclear, hidrogênio e bioenergia. O relatório destaca que as maiores economias de energia do mundo compartilham alguns atributos universais para a descarbonização (mesmas curvas de custo de tecnologia para energia eólica, módulos solares, baterias de íons de lítio e eletrolisadores de hidrogênio) e que seus mercados de capitais devem cumprir um papel importante no financiamento necessário para descarbonização das economias. (BNEF – 28.06.2023)
Link Externo

Armazenamento de Energia

Rystad Energy: Instalações de armazenamento de bateria devem ultrapassar 400 GWh até 2030

De acordo com a Rystad Energy, as instalações anuais de armazenamento de baterias (BESS, na sigla em inglês) devem ultrapassar 400 GWh até 2030, representando um aumento de dez vezes em relação às adições anuais atuais. Esse aumento na capacidade de armazenamento reflete a importância crescente do armazenamento de energia no cenário energético global. Em 2022, as adições de capacidade global de BESS aumentaram 60% em comparação com o ano anterior, totalizando mais de 43 GWh de novas instalações. Este ano, espera-se que sejam adicionados mais 74 GWh, um aumento de 72%. Isso se deve em grande parte à redução dos custos dos sistemas de armazenamento de bateria, os incentivos na América do Norte, programas de financiamento governamental na Europa e à expansão robusta da capacidade renovável na China. Com base em um cenário de política de status quo, a Rystad Energy prevê que as instalações anuais de armazenamento de baterias ultrapassarão 400 GWh até 2030. (Smart Energy – 23.06.2023)
Link Externo

França: Armazenamento residencial ainda é um mercado de nicho

A SolarPower Europe informou que o número de sistemas de armazenamento de energia de baterias (BESS, na sigla em inglês) em edifícios residenciais na Europa ultrapassou 1 milhão em 2022, um aumento significativo em relação às 650.000 instalações em 2021. Esse crescimento foi impulsionado principalmente pelo aumento dos preços da energia devido à crise na Ucrânia. A previsão é que o número de residências com baterias acopladas a instalações solares triplique para 3,5 milhões até 2026. No entanto, a França está ficando para trás nesse crescimento. Embora a Alemanha, Itália, Áustria, Reino Unido e Suíça liderem o mercado, a França continua sendo um nicho de mercado. Apenas cerca de 1.000 dos 566.000 sistemas fotovoltaicos residenciais na França estavam equipados com acumuladores domésticos até o final de 2022, em comparação com as 220.000 novas baterias residenciais instaladas na Alemanha no mesmo período. (PV Magazine – 30.06.2023)
Link Externo

TenneT: Holanda precisa de 9 GW de BESS até 2030

A operadora do sistema de transmissão (TSO, na sigla em inglês) da Holanda, TenneT, afirma que o país precisará de 9 GW de capacidade de armazenamento de energia em larga escala (BESS, na sigla em inglês) conectada à sua rede até 2030. A volatilidade da rede devido ao aumento da energia eólica e solar é um desafio para os TSOs, e os projetos BESS de 70 MW a 500 MW podem ajudar a aliviar esses desafios. Além disso, o BESS em larga escala pode fornecer serviços como transporte de energia, balanceamento de frequência, inércia e potência reativa. Embora o mercado de armazenamento de energia em escala de rede na Holanda ainda não tenha decolado devido a desafios regulatórios, a TenneT destaca os benefícios do BESS e como ele pode ser monetizado. Além dos 9 GW de sistemas de armazenamento em larga escala, a TenneT também prevê 2,2 GW de baterias de VEs (presumivelmente habilitados para V2G), 4,2 GW de "baterias domésticas" e 3,7 GW de "baterias solares fotovoltaicas" para ajudar na flexibilidade da rede. (Energy Storage – 22.06.2023)
Link Externo

Veículos Elétricos

GWM: Soluções inovadoras impulsionam a eletrificação no Brasil

A GWM é uma das montadoras que defende uma solução eclética para a transição energética. Durante a apresentação no Electric Days Brasil, Oswaldo Ramos, Diretor de Operações da GWM no Brasil, explicou a necessidade de abraçar as diferentes tecnologias e as vantagens de cada uma, com ênfase nos modelos híbridos e híbridos plug-in, suas primeiras ofertas aqui no país. O executivo começa a apresentação destacando que existe uma revolução em curso e que o nosso mercado está de fora. Existe a necessidade de abraçar a tecnologia em diversas formas, não apenas nas opções de propulsão dos veículos, mas em áreas como condução autônoma e veículos mais inteligentes. Ademais, o executivo da GWM também destacou a importância das outras opções de propulsão que avançam no mercado, como os veículos movidos a hidrogênio, que são promissores em aplicações específicas, como longa distância, ficando o desafio por conta de viabilizar a produção em escala do hidrogênio verde. (Inside EVs - 26.06.2023)  
Link Externo

Toyota defende híbrido plug-in no Brasil

A Toyota, até o momento, é a única fabricante a oferecer um carro híbrido flex, aceitando também o etanol, mesmo que o biocombustível seja defendido por muitas outras empresas como uma forma mais rápida de descarbonização. Para a maior produtora de veículos do Japão, não há um caminho definitivo para reduzir as emissões, preferindo trabalhar com tecnologias diferentes e evoluindo de acordo. Modelos como Corolla Hybrid e Corolla Cross Hybrid, tem um impacto pequeno na rotina dos motoristas, porém muito maior no aumento da autonomia e na redução das emissões de poluentes. A explicação é que carros com sistemas HEV, com uma bateria pequena carregada com o movimento do veículo, dispensam qualquer infraestrutura diferente, sendo mais democrática do que um PHEV, ou elétrico, que exigiria um investimento extra para ter um carregador residencial. (Inside EVs - 26.06.2023)  
Link Externo

CATL: Criação de centros de reciclagem de baterias

A CATL, maior fabricante de baterias do mundo, está buscando parcerias para estabelecer locais de reciclagem na Europa e América do Norte, impulsionada pela crescente demanda e avanço dos veículos elétricos. A empresa está expandindo sua produção internacionalmente e busca dominar toda a cadeia de suprimentos de baterias, incluindo a reciclagem. A CATL está iniciando a produção de baterias na Europa e pretende avançar em outros mercados, como os Estados Unidos. O objetivo é aproveitar o potencial desse segmento, que se tornará crucial nos próximos anos, e estabelecer uma posição de liderança na reciclagem de baterias. (Inside EVs - 29.06.2023)  
Link Externo

ABVE: Redes de postos inauguram estações para VEs

A implementação de parcerias tem impulsionado a criação de redes de postos de recarga para veículos elétricos (VEs) no Brasil. Atualmente, existem cerca de 3.200 eletropostos públicos ou semipúblicos no país, de acordo com a ABVE. Empresas como EzVolt, em parceria com Jaguar Land Rover e Volvo, possuem mais de 600 carregadores distribuídos em 13 estados, incluindo sete ultrarrápidos nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. A meta da Vibra, empresa investidora da EzVolt, é estabelecer um corredor elétrico de 9 mil km no país. Outras empresas, como GM e Audi, também possuem parcerias com empresas como WEG, Eletricus, EDP, Volkswagen, Porsche e Raízen para soluções de recarga residencial, móvel e estações de recarga rápida em diferentes localidades. (Valor Econômico - 28.06.2023) 
Link Externo

Montadoras ampliam oferta de elétricos

A eletromobilidade ganha espaço no país, com maior oferta de veículos, preços mais atraentes, busca por sustentabilidade em entregas urbanas e melhor relação custo-benefício em transporte pesado. Só no segmento de automóveis e comerciais leves, as vendas de eletrificados cresceram 43% em 2022 sobre 2021, com quase 50 mil unidades, segundo a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE). Em 2023, o número de montadoras no segmento passou de 27 para 34 e, em maio, as vendas subiram 90% sobre igual período de 2022, para 6,4 mil unidades. A expectativa é alcançar 70 mil unidades vendidas em 2023, segundo o presidente da ABVE, Ricardo Bastos. (Valor Econômico - 28.06.2023) 
Link Externo

BorgWarner: Ônibus e comerciais leves devem puxar eletrificação no Brasil

A BorgWarner apresentou sua visão sobre a transição energética no Electric Days Brasil 2023, destacando o potencial da mobilidade elétrica no segmento de veículos comerciais no país. A empresa acredita que a transição pode ser liderada por veículos de transporte de cargas e passageiros, especialmente comerciais e ônibus. O Brasil possui uma quarta maior frota de veículos comerciais do mundo, e a eletrificação nesse setor pode trazer benefícios psicológicos e ambientais. A descarbonização é vista como uma solução indispensável para reduzir as doenças respiratórias relacionadas à respiração veicular. Com o transporte rodoviário sendo responsável por 70% das emissões do setor, a transição para veículos comerciais elétricos poderia reduzir significativamente as emissões. A BorgWarner prevê um aumento de 400% na frota eletrificada até 2025. (Inside EVs – 27.06.2023)  
Link Externo

Gestão e Resposta da Demanda

Energy Portal: O papel da Inteligência Artificial em edifícios inteligentes e na otimização de Resposta à Demanda

A tecnologia avançada dos edifícios inteligentes, juntamente com a integração da inteligência artificial (IA), está revolucionando o gerenciamento de energia e a resposta à demanda. Os sistemas de edifícios inteligentes alimentados por IA podem aprender com dados históricos e em tempo real, otimizando o consumo de energia e tornando os edifícios mais eficientes e ecologicamente corretos. A IA analisa dados de várias fontes, como previsões meteorológicas e padrões de ocupação, para prever a demanda de energia e ajustar os sistemas prediais em conformidade. Isso não apenas reduz o desperdício de energia, mas também cria um ambiente confortável para os ocupantes. (Energy Portal – 30.06.2023)
Link Externo

Eficiência Energética

Cemig: Investimento em iluminação e UFVs de 40 Apacs

A Cemig concluiu as ações de eficiência energética realizadas em 40 Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (Apacs) de sua área de concessão, além da sede da Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados. O investimento de R$ 9 milhões teve como principais focos a modernização da iluminação e instalação de 39 UFVs, englobando o Programa de Eficiência Energética da companhia, regulado pela Aneel. Também foram trocados equipamentos obsoletos como chuveiros, geladeiras e freezers. As plantas solares foram instaladas em 38 unidades, localizadas em 34 cidades diferentes do estado de Minas Gerais. (CanalEnergia - 26.06.2023)  
Link Externo

Rede 5G traz oportunidades para melhorar a eficiência energética

As empresas de telecomunicações ocuparam o quarto lugar no consumo de energia na categoria de serviços e o 13º no ranking geral em 2022, de acordo com a EPE e o IBGE. Com a implantação da rede 5G, que requer mais antenas, as operadoras que possuem experiência em geração distribuída e alimentação eficiente de pontos de sinal serão beneficiadas. O 5G foi projetado com foco na eficiência energética e permite uma distribuição mais eficiente dos componentes computacionais, otimizando o processamento. Além disso, a nova rede traz oportunidades para melhorar a eficiência energética, permitindo um controle mais dinâmico do uso da rede e conectando mais dispositivos IoT (Internet das Coisas) em setores como transporte, manufatura e energia, conforme destaca a Deloitte, líder global na prestação de serviços de consultoria, assessoria e serviços relacionados. (Valor Econômico - 28.06.2023) 
Link Externo

Aneel: Suspensão do prazo para distribuidoras fazerem aportes para descumprimento de metas de eficiência

A Aneel suspendeu o prazo para que as distribuidoras tenham que fazer aportes de capital destinados a reverter o descumprimento de critério de eficiência com relação à gestão econômico-financeira para o ano de 2022. A decisão atende pleito da Abradee. Os contratos de concessão prorrogados com base em lei de 2013 possuem, entre suas cláusulas, métricas de melhoria contínua na prestação do serviço que devem ser avaliadas pela agência. Os parâmetros mensuram a eficiência no serviço e na gestão econômica e financeira da concessão, que devem ser alcançados ou superados pela empresa ao longo dos primeiros cinco anos de contrato. (Broadcast Energia - 27.06.2023) 
Link Externo

Cemig: Ações de eficiência energética no Hospital São Francisco

A Cemig, o Governo de Minas e o Hospital São Francisco inauguraram uma série de melhorias que vão beneficiar a população atendida pelo SUS em Minas Gerais. Por meio do Programa de Eficiência Energética da companhia, foi substituída uma autoclave, importante equipamento de esterilização de materiais hospitalares, e também toda a iluminação do Hospital. No total, os investimentos destinados pela Cemig foram de R$ 791 mil. Com as entregas da Cemig, a instituição de saúde, que é filantrópica, vai economizar por volta de R$150 mil por ano, valor que poderá ser utilizado para outras despesas. Na eficientização, foram substituídas 5 mil lâmpadas e máquina esterilizadora, juntos, vão gerar uma economia de energia em torno de 475,3 MWh/ano. (CanalEnergia – 29.06.2023)  
Link Externo

Microrredes e VPP

Porto Rico: Microrredes trazem benefícios para famílias sem energia há mais de um ano

Duas microrredes rurais implantadas pela primeira cooperativa elétrica de Porto Rico estão gerando resultados inesperados. Na Cordillera Central, uma região montanhosa de Porto Rico, proprietários de VEs viajam para as pequenas cidades a fim de recarregar seus carros, o que impulsiona o comércio local. Essas microrredes também fornecem energia mais barata, resiliência energética e acesso a serviços médicos contínuos. A cooperativa recebeu financiamento para implantar mais 30 microrredes solares na área, efetivamente diminuindo os custos de energia e evitando apagamentos dispendiosos. Além disso, a cooperativa planeja interligar as microrredes para criar a primeira usina elétrica virtual de Porto Rico, atendendo a necessidade de nova geração de energia e promovendo a estabilidade da rede. (MicrogridKnowledge - 30.06.2023) 
Link Externo

Schneider Electric, Siemens e GE Vernova são nomeados os principais integradores de microrredes

A Schneider Electric, a Siemens e a GE Vernova foram nomeadas como principais integradoras de microrredes em um relatório da Guidehouse Insights. Essas empresas foram reconhecidas por sua estratégia e execução na instalação de recursos energéticos distribuídos (REDs) e outras tecnologias em microrredes. O mercado de microrredes está em crescimento devido aos esforços de descarbonização e à necessidade de independência e confiabilidade na geração de energia. As soluções de microrrede variam em termos de tamanho, funcionalidade e tecnologia, tornando a comparação entre elas um desafio. No entanto, à medida que os custos dos DERs diminuem e as tarifas de eletricidade aumentam, mais os clientes estão considerando as microrredes para atingir objetivos econômicos, de sustentabilidade e resiliência. (MicrogridKnowledge - 28.06.2023) 
Link Externo

NARUC e NASEO: Relatório destaca os benefícios e desafios das microrredes

A National Association of Regulatory Utility Commissioners (NARUC) e a National Association of State Energy Officials (NASEO) publicaram um relatório que destaca as vantagens potenciais das microrredes de energia limpa para os estados dos EUA. Essas microrredes oferecem benefícios como descarbonização, resiliência aprimorada, economia de custos e maior eficiência da rede. Os comitês estaduais de energia e as comissões de serviços públicos desempenham um papel importante na implementação dessas microrredes, enfrentando desafios relacionados à acessibilidade, custo e tecnologia. A publicação visa preencher as lacunas de informação, pesquisa, investimento, política e regulamentação que impedem o avanço das microrredes de energia limpa. O relatório discute considerações econômicas, tecnológicas e políticas para facilitar a construção e o desenvolvimento dessas microrredes. (TDWorld - 27.06.2023) 
Link Externo

Power Grid: Padrões abertos são a chave para escalar VPPs

A rede global de energia enfrenta desafios devido à crise climática, envelhecimento da infraestrutura e eventos climáticos extremos, cada vez mais frequentes. As usinas virtuais de energia (VPPs) são soluções pouco conhecidas que podem acelerar a descarbonização e fornecer uma distribuição confiável de energia. No entanto, a falta de padronização e a adoção lenta de protocolos abertos dificultam a integração eficiente dos recursos de energia distribuídos (REDs) nos VPPs. Barreiras regulatórias também podem impedir a implementação dos VPPs na rede. A adoção de protocolos abertos por fabricantes de hardware e provedores de plataforma de software é crucial para padronizar a comunicação e facilitar a troca de dados entre os sistemas VPP. Além disso, os condutores de energia desempenham um papel importante na extensão das soluções de VPPs e sistemas de gerenciamento de REDs (DERMS, na sigla em inglês), garantindo flexibilidade e escolha dos clientes. A colaboração entre todas as partes interessadas é necessária para promover a adoção de padrões abertos e maximizar o potencial dos VPPs na transição para uma energia limpa e confiável. (PowerGrid - 29.06.2023) 
Link Externo

Tecnologias e Soluções Digitais

NREL: Plataforma recria usinas hidrelétricas em laboratório virtual

O Laboratório Nacional de Energia Renovável (NREL, na sigla em inglês) desenvolveu uma plataforma de emulação em tempo real para energia hidrelétrica. Essa plataforma utiliza dados de usinas hidrelétricas reais, modelos matemáticos e hardware para recriar usinas em um ambiente virtual de laboratório. O objetivo é estudar o funcionamento de diferentes projetos hidrelétricos e configurações de rede, permitindo testar novas tecnologias de forma eficiente e de baixo risco. A energia hidrelétrica é vista como uma peça fundamental para garantir a confiabilidade e resiliência das redes elétricas, especialmente à medida que mais energias renováveis são integradas. Construir protótipos hidrelétricos é caro e arriscado, por isso a plataforma do NREL oferece uma solução mais acessível. A plataforma está sendo expandida para abranger usinas de maior capacidade. (Power Engineering International - 28.06.2023) 
Link Externo

Tauron: Investimento em medidores inteligentes e modernização da rede

A empresa polonesa de distribuição de energia, Tauron, anunciou um investimento adicional de 743 milhões de dólares para o desenvolvimento da rede elétrica do país e instalação de 600 mil medidores inteligentes. O investimento planejado para 2024 tem o objetivo de conectar novos clientes, incluindo fontes de energia renovável, à rede, além de modernizar e reconstruir a infraestrutura elétrica existente. Ao longo dos últimos oito anos, a Tauron já investiu 4 bilhões de dólares em redes de distribuição. A empresa considera a distribuição de energia como o seu principal foco de investimento e enfatiza a importância da reconstrução da rede para o sucesso da transição energética. Além disso, o governo polonês implementou medidas para garantir o acesso estável e preços socialmente aceitáveis à energia. (Smart Energy - 28.06.2023) 
Link Externo

Digital4Grids: Relatório destaca a necessidade de compensar a troca de dados de energia para o aumento da flexibilidade na Europa

Um relatório preparado para a Comissão Europeia pela consultoria Digital4Grids destaca a necessidade de compensar a troca de dados de energia para aumentar a flexibilidade na Europa. O relatório enfatiza o potencial das plataformas digitais, como IoT, computação de ponta e arquiteturas de nuvem híbrida, para otimizar recursos de energia distribuídos em níveis de tensão mais baixos, bem como para gerenciar a flexibilidade da rede. A interoperabilidade e as Application Programmable Interfaces (APIs) são consideradas fundamentais para permitir a troca de dados em tempo real entre os REDs e os mercados de energia. O relatório destaca a necessidade de melhorar o intercâmbio de dados nos setores de energia, edifícios e mobilidade. Recomenda-se o uso de ontologias existentes, o suporte ao desenvolvimento de ecossistemas de negócios e o aproveitamento de arquiteturas de nuvem híbrida. Ações específicas são propostas, incluindo o uso de modelos de dados existentes, o desenvolvimento de uma arquitetura de referência e o estabelecimento de uma comunidade de código aberto. (Smart Energy - 30.06.2023) 
Link Externo

BKW Energie: Digitalização das inspeções de rede

A BKW Energie AG, operadora do maior sistema de distribuição da Suíça, anunciou uma parceria de cinco anos com a eSmart Systems para fazer a transição de suas inspeções de rede visual para um processo completo de inspeção virtual baseado em imagens. O programa de inspeções terá como foco a rede de distribuição com foco em estruturas de madeira, aço e concreto. Através da solução Grid Vision, baseada em IA, a BKW dará suporte à rede de distribuição de alta tensão com inspeção e manutenção. A parceria visa otimizar custos e proporcionar inspeções visuais mais seguras, precisas e eficientes. A BKW usará a solução, que consiste em mais de 40 modelos de IA treinados em mais de 15 milhões de imagens globais, para automatizar suas inspeções virtuais para melhorar a qualidade e a velocidade das inspeções. A parceria permitirá que a BKW Energie faça a transição de seus processos de inspeção para manutenção de ativos baseada em condição ao longo do tempo com o uso do Grid Vision Insight. (Smart Energy - 29.06.2023) 
Link Externo

BDEW: Fornecedores de energia inseguros sobre as habilidades digitais necessárias para redução das emissões

Uma pesquisa realizada pela BDEW revelou que fornecedores de energia de 13 países reconhecem a importância da digitalização em suas operações, embora não tenham certeza das habilidades digitais específicas que serão necessárias no futuro. Mais de 60% das empresas fornecedoras já têm uma estratégia digital, mas a maioria não define um objetivo digital para toda a cadeia de valor. Os negócios digitais com maior potencial de crescimento incluem energia solar e armazenamento em baterias, serviços de mobilidade elétrica e soluções de combustível renovável. Cerca de metade das empresas não têm clareza sobre as competências digitais necessárias no futuro, mas 51% planejam aumentar o investimento em TI até 2025. A falta de um banco de dados uniforme, habilidades dos funcionários, sistemas desatualizados e relutância dos funcionários são desafios que impedem a digitalização. (Smart Energy - 28.06.2023) 
Link Externo

Segurança Cibernética

Governos estaduais e locais lutam para mitigar riscos cibernéticos nos EUA

Os governos estaduais e locais estão enfrentando desafios crescentes devido a ataques cibernéticos maliciosos, levando ao aumento da compra de seguro cibernético para mitigar riscos financeiros, de acordo com o relatório divulgado pela Moody's Investors Service. No entanto, os prêmios do seguro dispararam e as seguradoras estão impondo requisitos rigorosos de segurança cibernética. Para ajudar as entidades governamentais a protegerem suas redes, o Programa Estadual e Local de Concessão de Segurança Cibernética fornecerá cerca de US$ 1 bilhão em financiamento federal ao longo de quatro anos. As seguradoras estão obrigando os governos municipais a adotarem proteções adicionais, incluindo proteção de firewall, treinamento de funcionários e backups de dados. O relatório chega em um momento em que os governos estaduais e locais lidam com ataques de ransomware de alto perfil e violações de dados que afetaram milhões de residentes, destacando a necessidade de proteção cibernética robusta. (Cyber Security Dive - 27.06.2023) 
Link Externo

AEI: Cibercriminosos visam empresas de alto lucro

Um estudo do American Enterprise Institute (AEI) revelou que os cibercriminosos tendem a atacar empresas altamente lucrativas e que gastam generosamente em publicidade. As empresas que desrespeitam as regras de relato de eventos corporativos relevantes e falham em relatar ataques cibernéticos são alvos comuns. As perdas potenciais de ataques cibernéticos e fraudes aumentaram significativamente, atingindo US$ 10,2 bilhões no ano passado. Ransomware, malware e ataques distribuídos de negação de serviço causam o maior dano às empresas, desativando sistemas de TI e cortando o acesso a dados e serviços. As empresas com vínculos com o governo dos EUA ou com o setor de defesa são especialmente vulneráveis a um ataque cibernético, disseram os pesquisadores. O alvo pode se tornar um ponto de partida para os chamados ‘ataques da cadeia de suprimentos’, com o objetivo final de violar agências governamentais ou roubar segredos do governo. (Cyber Security Dive - 26.06.2023) 
Link Externo

Google: Programa de treinamento no âmbito da segurança cibernética

O Google está investindo US$ 20 milhões em um programa de treinamento em segurança cibernética para estudantes nos EUA. O programa será realizado em 20 centros de ensino superior e visa capacitar alunos de diversas origens para fornecer serviços de segurança a organizações com poucos recursos, como hospitais e escolas. O Google aceitará inscrições de centros de ensino superior interessados em estabelecer clínicas locais, e os funcionários do Google atuarão como mentores voluntários. Além disso, o Google oferece bolsas de estudos para que os alunos obtenham certificados de segurança cibernética gratuitamente. O programa visa abordar a escassez de profissionais de segurança qualificados e ajudar provedores menores de infraestrutura crítica a fortalecer suas defesas contra ataques sofisticados. (Cyber Security Dive - 23.06.2023) 
Link Externo