IFE
27/06/2023

IFE Tecnologia Exponencial 137

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores: Ana Eduarda Rodrigues, Cristina Rosa, Felipe Diniz e Maria Luísa Lunardi
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
27/06/2023

IFE nº 137

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores: Ana Eduarda Rodrigues, Cristina Rosa, Felipe Diniz e Maria Luísa Lunardi
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Tecnologia Exponencial 137

Transição Energética e ESG

IEA e IFC: Investimento em energia limpa deve triplicar nas economias emergentes

Um novo relatório da Agência Internacional de Energia (IEA) e da Corporação Financeira Internacional (IFC) destaca a necessidade de aumentar significativamente os investimentos em energia limpa nas economias emergentes e em desenvolvimento para atender às metas climáticas do Acordo de Paris. O relatório afirma que os investimentos anuais devem mais do que triplicar, passando de US$ 770 bilhões em 2022 para até US$ 2,8 trilhões no início da década de 2030. O relatório destaca que os investimentos públicos por si só não serão suficientes para fornecer acesso universal à energia e combater as mudanças climáticas. Em vez disso, é necessário um aumento significativo do financiamento privado, com dois terços do financiamento para projetos de energia limpa nessas economias vindo do setor privado. O financiamento privado atual de US$ 135 bilhões por ano para energia limpa nessas economias precisaria aumentar para US$ 1,1 trilhão por ano na próxima década, de acordo com o relatório. (Renews.Biz – 21.06.2023)
Link Externo

IRENA: Adição de energias renováveis deve triplicar até 2030

A Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA) divulgou o primeiro volume do World Energy Transitions Outlook (WETO) 2023, que apresenta um caminho para corrigir o curso do aquecimento global e atingir a meta de 1,5 °C estabelecida no Acordo de Paris. O relatório destaca a necessidade de maior ambição global na implantação de energias renováveis, juntamente com infraestrutura física, políticas e regulamentações adequadas, além de capacidades institucionais e da força de trabalho. O WETO 2023 enfatiza a eletrificação e a eficiência energética como impulsionadores fundamentais da transição, com suporte da energia renovável, hidrogênio limpo e biomassa sustentável. O relatório acompanha a implementação em todos os setores de energia e destaca o progresso alcançado até o momento, incluindo adições recordes de capacidade renovável global de 300 GW em 2022. No entanto, a distância entre os resultados atuais e as metas necessárias continua a crescer. Os países devem adicionar uma média de 1.000 GW de capacidade de energia renovável anualmente até 2030, bem como aumentar significativamente o uso direto de energias renováveis em setores de uso final. (IRENA – 22.06.2023)
Link Externo

DTEK: Adesão à iniciativa ucraniana de recuperação de energia

A maior empresa privada de energia da Ucrânia, DTEK, está se unindo a uma coalizão global apoiada pela ONU para revitalizar o setor de energia do país, que foi danificado pela guerra, e ajudar a transformá-lo em uma potência de energia verde. A Ukraine Energy Initiative, criada pelo Pacto Global das Nações Unidas, busca coordenar esforços entre parceiros do setor para promover um setor de energia verde e moderno, ao mesmo tempo em que fornece energia limpa e segura para os parceiros da Ucrânia na Europa. O objetivo da coalizão é: conectar parceiros internacionais com empresas ucranianas em busca de apoio; abrir os fluxos de capitais para financiar a recuperação e transformação do setor de energia; ajudar as empresas ucranianas a planejar um futuro com emissões zero de carbono; incubar e acelerar a indústria de energia sustentável da Ucrânia; compartilhar as melhores práticas do setor; e fornecer um local para consolidar a experiência global de transição sustentável. (Renews.Biz – 21.06.2023)
Link Externo

Quênia e Senegal se juntam à IEA

O Conselho de Administração da Agência Internacional de Energia (IEA) aprovou por unanimidade a adesão do Quênia e do Senegal como países membros da IEA, demonstrando o crescente envolvimento da agência em questões de energia e clima na África. Com essa decisão, o corpo de membros da IEA passará a contar com três países da África subsaariana, incluindo a África do Sul. A inclusão do Quênia e do Senegal na Família da IEA permitirá uma cooperação mais estreita em segurança energética, acesso à energia e questões climáticas. A IEA já vem trabalhando em parceria com ambos os países em diversas áreas-chave, como desenvolvimento geotérmico, eletrificação fora da rede e soluções de cozinha limpa. (IEA – 22.06.2023)
Link Externo

Geração Distribuída

Alemanha: Preços médios da energia solar na aumentaram 10% no 2º trimestre

O preço médio dos sistemas fotovoltaicos residenciais na Alemanha, com e sem armazenamento de bateria, aumentou cerca de 10% no segundo trimestre de 2023 em comparação com o primeiro trimestre. Os preços estão 21,9% mais altos em comparação com o segundo trimestre de 2022. Embora os preços dos módulos estejam em queda no mercado internacional, os especialistas não esperam uma queda significativa nos preços dos sistemas fotovoltaicos nos próximos meses. A pesquisa revelou que os preços variam de € 18.500 a € 45.500 para um sistema de referência de 10 kW de energia solar e 10 kWh de capacidade de armazenamento da bateria. Os preços reais dependem de vários fatores, como o contexto de instalação, a região e a origem dos produtos. (PV Magazine – 22.06.2023)
Link Externo

Armazenamento de Energia

Rystad Energy: Instalação global de BESS ultrapassarão 400 GWh anualmente até 2030

As instalações anuais de sistemas de armazenamento de energia por bateria (BESS, na sigla em inglês) devem aumentar dez vezes entre 2022 e 2030, de acordo com a empresa de pesquisa Rystad Energy. A empresa prevê um crescimento médio anual composto de 33% nesse período, abrangendo os setores residencial, comercial e de escala de rede. Espera-se que a capacidade instalada chegue a cerca de 421 GWh em 2030, com uma potência de 110 GW. O crescimento acelerado deste ano é atribuído a reduções de custo, financiamento nacional e programas de incentivo nos EUA e na Europa, além da expansão da capacidade na China. O BESS tem uma variedade de aplicações, desde otimização do uso de energia em sistemas residenciais e comerciais até serviços de equilíbrio de rede em larga escala e integração com outras fontes de energia renovável. No futuro, o BESS também desempenhará um papel importante como ativo de transmissão. (Energy Storage – 15.06.2023)
Link Externo

TenneT: Holanda precisa de 9 GW de BESS até 2030

A Operadora do Sistema de Transmissão holandesa, TenneT, afirmou que o país precisará de 9 GW de capacidade de armazenamento de energia por bateria em escala de rede conectada à sua rede até 2030. A TenneT identificou desafios imediatos em sua rede elétrica, como volatilidade da frequência, inércia e tensão devido ao aumento da energia eólica e solar. O armazenamento em grande escala poderia ajudar a aliviar esses desafios, além de facilitar o transporte de energia pela rede e fornecer equilíbrio por meio de resposta de frequência rápida, reserva de contenção de frequência, inércia e potência reativa. No entanto, o mercado de armazenamento em escala de rede na Holanda ainda não decolou devido a desafios regulatórios. A TenneT também previu a implantação de 2,2 GW de baterias de veículos elétricos, 4,2 GW de baterias domésticas e 3,7 GW de baterias fotovoltaicas até 2030, para auxiliar na flexibilidade da rede, além dos 9 GW de sistemas em escala de rede. (Energy Storage – 22.06.2023)
Link Externo

Wood Mackenzie: Crescimento do armazenamento de energia estagnou no início de 2023

O mercado de armazenamento de energia adicionou 2.145 MWh de nova capacidade nos primeiros três meses deste ano, representando uma queda de 33% em comparação com o primeiro trimestre de 2022 e 26% em relação ao quarto trimestre de 2022, de acordo com o relatório US Energy Storage Monitor da Wood MacKenzie e ACP. Essa queda marca a primeira diminuição consecutiva da capacidade instalada desde 2015. No entanto, os pesquisadores estão otimistas, considerando que esses desafios são provavelmente temporários. O crescimento do mercado de armazenamento de energia está fortemente ligado ao crescimento da energia eólica e solar, uma vez que as baterias de armazenamento são necessárias para fornecer resiliência a esses recursos intermitentes. Prevê-se que o crescimento no armazenamento de energia acelere à medida que os problemas da cadeia de suprimentos sejam resolvidos e as redes de energia do país se adaptem ao aumento de projetos eólicos e solares. (Utility Dive – 20.06.2023)
Link Externo

Veículos Elétricos

UE: Parlamento europeu aprova novas regras para produção de baterias

O Parlamento Europeu aprovou novas regras para a produção de bateria no bloco que visam diminuir a pegada de carbono da produção do produto em toda a cadeia. Após passar pelo parlamento, a proposta deve ser aprovada individualmente em todos os países da União Europeia para começar a ser aplicada. É esperado que entre em vigor no próximo ano. “Pela primeira vez, temos uma legislação de economia circular que cobre todo o ciclo de vida de um produto - uma abordagem que é boa tanto para o meio ambiente quanto para a economia. As baterias funcionarão bem, serão mais seguras e fáceis de remover”, disse o eurodeputado italiano Achille Variati. Segundo as novas regras, baterias grandes para VEs, indústrias e veículos como scooters terão que ter uma etiqueta indicando a pegada de carbono provocada pela produção. Os fabricantes terão que prestar contas sobre os impactos ambientais e sociais das cadeias de suprimentos e cumprir níveis mínimos sobre o uso de materiais reciclados, como lítio e cobalto. (Valor Econômico - 14.06.2023) 
Link Externo

Toyota: Subsídio para desenvolvimento de baterias de VEs

A Toyota receberá um subsídio de cerca de US$ 853 milhões do governo japonês para expandir a produção de baterias de veículos elétricos, em uma tentativa de aumentar a produção doméstica e se tornar menos dependente das cadeias de suprimentos relacionadas à China. O incentivo monetário surge no momento em que as empresas japonesas - lideradas pela Panasonic, fornecedora da Tesla – detêm menos de 10% de participação na utilização de baterias automotivas, enquanto os fornecedores chineses – principalmente CATL e BYD – controlam mais de metade, de acordo com a SNE Research. A Toyota disse que usará o dinheiro para desenvolver a próxima geração de baterias de íons de lítio, que usam a tecnologia bipolar de fosfato de ferro de lítio e têm o potencial de oferecer 20% mais autonomia em veículos elétricos e custar cerca de 40% menos do que as baterias de íons de lítio da geração atual. (Inside EVs - 17.06.2023)  
Link Externo

Kibon: Adoção de frota de VEs com sistema de recarga da GreenV

A Kibon, marca nacional líder do segmento de sorvetes, anunciou recentemente sua nova frota de veículos elétricos como parte do plano estratégico para neutralizar as emissões da Unilever, multinacional britânica considerada a terceira maior empresa de bens de consumo do mundo. E para apoiar a infraestrutura de carregamento, a empresa firmou uma parceria com a GreenV, startup especializada em soluções tecnológicas para a mobilidade elétrica. O acordo prevê a instalação de pontos de carregamento para a nova frota de veículos elétricos da Kibon - até o final do ano, serão instalados um total de 29 carregadores. Dos 29 pontos de carregamento previstos para 2023, quatro já estão em pleno funcionamento. O objetivo é que, em 2026, todos os Centros de Distribuição da marca de todo o país tenham veículos elétricos em suas frotas, além de unidades para carregar os automóveis, que têm autonomia de até 250 km com carga total. (Inside EVs - 18.06.2023)  
Link Externo

Itaipu: Uso de ônibus elétrico em transporte de funcionários

A Itaipu Binacional realizou uma sessão pública do leilão eletrônico para contratação de serviço de transporte coletivo de empregados, colaboradores e atendimentos especiais, com uso de um ônibus elétrico. A ideia é substituir um dos 21 ônibus da frota da Itaipu por um modelo elétrico. A adoção do ônibus elétrico permitirá à empresa avaliar o desempenho do veículo em termos de autonomia, eficiência energética e adaptação às necessidades dos empregados. Além disso, o estudo levará em consideração a infraestrutura de recarga necessária para suportar a frota de ônibus elétricos em potencial, incluindo as melhores práticas de implementação. Essa iniciativa representa o primeiro passo em direção à implantação total de ônibus elétricos no transporte coletivo na empresa, alinhada às metas de sustentabilidade da empresa e às diretrizes do Governo Federal, que valoriza a transição para uma matriz energética mais limpa e a redução das emissões de carbono no setor de transportes. (CanalEnergia – 20.06.2023)  
Link Externo

Raízen: Uso de caminhões elétricos em abastecimento de aviões

A Raízen realizou uma operação inédita de abastecimento de aeronaves utilizando um caminhão 100% elétrico no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos (SP). A operação realizada em uma aeronave da companhia aérea Azul, faz parte de um projeto-piloto para uma transição futura de parte da frota da companhia no segmento de aviação, de forma a contribuir na descarbonização do transporte aéreo, responsável por cerca de 2% das emissões globais de gases de efeito estufa e considerado um dos mais difíceis de descarbonizar. Segundo vice-presidente de Supply Chain da Raízen, Juliano Tamaso, a ação é "o pontapé inicial" nas iniciativas voltadas para o uso de soluções renováveis para abastecimento de aeronaves, mas também serve como piloto para outras aplicações de descarbonização logística, inclusive na entrega de combustíveis em postos de abastecimento, segmento em que a empresa gerencia 3 mil caminhões por dia. (Broadcast Energia - 20.06.2023)  
Link Externo

Brasil: Procura por VEs usados cresce 300% em 2023

O aumento das vendas de carros elétricos no Brasil também começa a impulsionar o mercado de seminovos eletrificados. Prova disso é um aumento de 300% na busca por veículos elétricos seminovos, nos últimos 12 meses. Os dados são da plataforma de consulta veicular para pessoas físicas Olho no Carro. Embora a procura por veículos dessa categoria ainda seja baixa em relação ao total mensurado pela empresa, esse aumento é reflexo de um movimento que vêm acontecendo no mercado automotivo brasileiro e mundial: o interesse crescente pelos carros elétricos e eletrificados (híbridos e híbridos plug-in). Segundo a Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto), até o momento, em 2023, foram vendidos 8.423 automóveis eletrificados, um aumento de 98% se comparado ao mesmo período do ano passado. Espera-se que, até o final do ano, sejam comercializados aproximadamente 17 mil veículos seminovos eletrificados. (Inside EVs - 21.06.2023)  
Link Externo

Vibra avança em infraestrutura e anuncia novos eletropostos rodoviários

A Vibra energia tem como meta estruturar a maior rede de carregamento rodoviário para veículos elétricos do país, e para isso anuncia a inauguração de três novos eletropostos nos próximos meses. Atualmente, a empresa de energia possui uma rede que recebeu recentemente seis novos eletropostos ultra rápidos localizados nos Postos Petrobras em rodovias no interior de São Paulo e Rio de Janeiro. Estes eletropostos seguem o padrão do Posto Arco-Íris, em Roseira (SP), o primeiro nestes moldes, em um projeto de infraestrutura em rodovias que contempla um corredor elétrico de 9 mil quilômetros quando estiver finalizado. Além da criação de uma rede de eletropostos rodoviários, a Vibra também investe em soluções para clientes corporativos que estão fazendo a transição energética para frotas eletrificadas. (Inside EVs – 22.06.2023)  
Link Externo

BNEF: Frota de VEs deverá alcançar 100 milhões em 2026

Uma pesquisa da BloombergNEF (BNEF) mostra que a adoção de veículos elétricos deve disparar nos próximos anos, com mais de 100 milhões de VEs de passageiros esperados nas estradas até 2026 e mais de 700 milhões até 2040, acima dos 27 milhões no início deste ano. Ainda segundo a pesquisa, a eletrificação agora está se espalhando para todos os setores do transporte rodoviário e em economias emergentes como Índia, Tailândia e Indonésia. Com isso, o valor das vendas de VEs em todos os segmentos deverá atingir US$ 8,8 trilhões em 2030 e US$ 57 trilhões em 2050 no cenário de transição econômica, que pressupõe que nenhuma nova política seja implementada. Os veículos e as baterias são agora uma parte central da política industrial de muitos países e a competição para atrair investimentos aumentará nos próximos anos. (CanalEnergia – 23.06.2023)  
Link Externo

China surpreende ao prorrogar incentivo para VEs até 2027

O mercado chinês de carros elétricos está em queda desde o início do ano. Desde que o governo local encerrou um subsídio de dez anos para a compra de carros ecologicamente limpos, apenas os vários movimentos feitos pelos fabricantes de carros locais. Para reverter o quadro, no entanto, Pequim está implementando um incentivo gigantesco para reanimar o mercado. Foi revelado um pacote de 75 bilhões de dólares que será usado para apoiar as vendas de carros elétricos ou carros que se enquadram na categoria NEV (New Energy Vehicle), que também inclui híbridos plug-in e células de combustível. O novo incentivo vem como uma extensão da medida já em vigor, que prevê uma isenção de imposto de compra para veículos de nova energia (NEV, na sigla em inglês) até o final do ano."A prorrogação por mais quatro anos superou as expectativas do mercado", disse Cui Dongshu, secretário-geral da Associação de Carros de Passageiros da China, acrescentando que o tamanho da medida sugere que nenhuma outra ação será tomada para apoiar as vendas com outras iniciativas. (Inside EVs – 23.06.2023)  
Link Externo

Gestão e Resposta da Demanda

JRC: Integração das energias renováveis exigirá flexibilidade até 7 vezes maior do sistema de energia da União Europeia

Um exercício de modelagem realizado por cientistas do Joint Research Centre (JRC) avaliou os requisitos e soluções de flexibilidade no sistema de energia da União Europeia (UE) até 2030 e 2050, considerando as metas ambiciosas de transição para uma matriz energética neutra em termos climáticos. O aumento significativo no uso de energias renováveis, combinado com capacidades limitadas de armazenamento e demanda variável dos consumidores, pode levar a flutuações de preços e pressões nas operações do sistema de energia. O relatório analisa os requisitos de flexibilidade em diferentes escalas de tempo: diária, semanal e mensal. Atualmente, os requisitos de flexibilidade correspondem a 11% da demanda total de eletricidade na UE, mas esse número aumentará para 24% em 2030 e 30% em 2050. Os requisitos de flexibilidade serão mais do que duplicados até 2030 e serão sete vezes maiores até 2050 em comparação com os números atuais. (União Europeia – 26.06.2023)
Link Externo

Eficiência Energética

EPE: White Paper de conceitos e indicadores de eficiência energética

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) lançou um novo White Paper de conceitos e indicadores de eficiência energética. O documento ressalta a implicação e a importância dos conceitos na seleção de indicadores e na sua efetividade para guiar políticas e medidas de eficiência e acordos internacionais, contribuindo para as discussões sobre eficiência energética, mudanças climáticas e transição energética. Também expõe a discussão do ‘Webinar on Energy Efficiency: Use and Limits of Energy efficiency Indicators in International Comparisons and their Implications for Climate Change Negotiations’, promovido pela EPE em outubro de 2022, com a colaboração do Ministério de Minas e Energia (MME) e participação de especialistas nacionais e internacionais renomados no tema. (EPE - 23.06.2023) 
Link Externo

EUA: HUD oferece financiamento para melhorar a eficiência energética e a resiliência de residências

O Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano (HUD, na sigla em inglês) abriu sua primeira rodada de pedidos de financiamento para o Green and Resilient Retrofit Program (GRRP), que fornecerá um total de US$ 4,8 bilhões em empréstimos diretos e doações para propriedades familiares assistidas pelo HUD para financiar projetos de energia verde. A agência habitacional publicou um conjunto de diretrizes e qualificações para possíveis candidatos ao GRRP. O GRRP foi estabelecido pela primeira vez sob a Lei de Redução da Inflação, que foi sancionada em agosto de 2022. A lei forneceu US$ 1 bilhão ao Escritório de Programas de Habitação Multifamiliar do HUD para implementar o projeto. (Utility Dive - 23.06.2023) 
Link Externo

Microrredes e VPP

Solar Power Accelerator: Inauguração de microrrede na Suécia

A empresa Solar Power Accelerator, desenvolvedora sueca de microrredes que instala energia solar em escala comercial, inaugurou sua primeira microrrede em Lomma, na Suécia. Espera-se que a microrrede de Lomma gere receita imediatamente para a empresa ao vender eletricidade excedente para o mercado ou por meio de contratos de compra de energia usando um modelo de energia solar fotovoltaica como serviço. Quando em modo ilhado, a eletricidade da microrrede da empresa pode ser utilizada pelo proprietário do prédio ou por propriedades vizinhas. A instalação também inclui uma infraestrutura de hipercarregamento de VEs. A missão da empresa é instalar 1 TWh de energia solar em toda a Suécia, com suas microrredes fornecendo pelo menos 5% da eletricidade do país nos próximos cinco anos. (Microgrid Knowledge - 23.06.2023) 
Link Externo

Tecnologias e Soluções Digitais

EUA: DOE concede US$ 3,9 milhões para computação de alto desempenho para inovação energética

O Departamento de Energia dos EUA (DOE) anunciou um investimento federal de US$ 3,9 milhões para 13 projetos que aproveitarão os recursos de computação de alto desempenho (HPC) do DOE National Laboratories para se conectar com parceiros da indústria. Esses projetos colaborativos de curto prazo abordarão os principais desafios de fabricação e acelerarão o desenvolvimento e a implantação de tecnologias de energia limpa para nos aproximar da meta da administração Biden-Harris de emissões líquidas zero de carbono até 2050. Como parte da iniciativa de Computação de Alto Desempenho para Inovação em Energia (HPC4EI) do DOE, os projetos selecionados aplicarão modelagem avançada, simulação e análise de dados a projetos que melhoram a eficiência da fabricação e exploram novos materiais para aplicações de energia limpa. (Eletric Energy Online - 23.06.2023) 
Link Externo

DTEK: Distribuidora ucraniana planeja rede inteligente para a região de Kiev

A DTEK Grids. a maior empresa de distribuição de eletricidade da Ucrânia, está planejando uma atualização de medição inteligente e rede inteligente de US$ 2,6 bilhões na região atingida pela guerra em torno da capital, Kiev. O objetivo é construir uma rede inteligente capaz de resistir a ataques militares e, ao mesmo tempo, acelerar a transição energética da Ucrânia. A rede elétrica regional de Kiev foi amplamente danificada em duas ocasiões em 2022 por ataques russos. Depois que as áreas foram liberadas, a DTEK conseguiu enviar equipes para reconectar residências e empresas. No entanto, apesar do restabelecimento da energia, que demorou cerca de 45 dias, a rede continua a necessitar de extensas reparações e grandes atualizações para a elevar aos padrões europeus modernos. Os planos da distribuidora, que ainda precisam ser aprovados pelo Ministério da Energia da Ucrânia, preveem a construção de uma rede inteligente com 20 mil km de novos cabos aéreos e subterrâneos, 250 subestações, 6 mil transformadores e quase um milhão de medidores inteligentes. (Smart Energy - 23.06.2023) 
Link Externo

Segurança Cibernética

EUA: DOE oferece recompensa de US$ 10 milhões para informações sobre o ataque hacker

O Departamento de Energia dos EUA (DOE) está oferecendo uma recompensa de US$ 10 milhões relacionada a informações sobre a gangue Clop ransomware, que é atribuída a amplas explorações das vulnerabilidades de transferência do software MOVEit com vítimas que incluem agências federais. O Departamento de Energia confirmou que os dados foram afetados por um ataque, e relatórios da CNN indicam que um possível ataque está sendo investigado contra o Escritório de Gestão de Pessoal dos Estados Unidos. O Departamento de Agricultura dos EUA também está lidando com uma violação de dados de fornecedores terceirizados. A agência notificou o Congresso e está trabalhando com as autoridades, a CISA e as entidades afetadas para investigar o incidente e mitigar os impactos da violação. (CyberSecurityDive - 20.06.2023) 
Link Externo

DNV: Esforços de segurança cibernética precisam ser intensificados

Apesar da conscientização sobre segurança cibernética, algumas organizações de energia não fizeram tanto progresso quanto o necessário, indica a DNV. No relatório “Prioridade Cibernética de Energia para 2023, a DNV relata que o setor de energia está ciente da crescente ameaça aos sistemas de TI e um certo progresso foi feito, mas há sinais de que a conscientização ainda não se traduz em ação suficiente. O estudo, que se baseia em uma pesquisa com 600 profissionais de energia em todo o mundo – metade deles na Europa – é oportuno, aparecendo poucos dias depois de relatos de um ataque cibernético russo ao Departamento de Energia dos EUA. A pesquisa (que inclui informações do setor de petróleo e gás) identifica a segurança cibernética como o quarto maior risco do ambiente corporativo, logo atrás dos riscos operacionais e técnicos, de segurança e financeiros. E isso não deve mudar no curto prazo, com um terço esperando que a segurança cibernética seja um dos três principais riscos de negócios em dois anos. (Smart Energy - 22.06.2023) 
Link Externo