IFE
19/04/2023

IFE Tecnologia Exponencial 127

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores: Ana Eduarda Rodrigues, Cristina Rosa, Felipe Diniz e Maria Luísa Lunardi
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
19/04/2023

IFE nº 127

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores: Ana Eduarda Rodrigues, Cristina Rosa, Felipe Diniz e Maria Luísa Lunardi
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Tecnologia Exponencial 127

Transição Energética e ESG

GEAPP: Fundo de US$ 35 milhões para acelerar a transição energética

O Banco Asiático de Desenvolvimento e a Aliança Global de Energia para Pessoas e Planeta (GEAPP) anunciaram um novo fundo de capital para acelerar o acesso à energia limpa e as transições em países do sudeste e sul da Ásia. O GEAPP, uma aliança filantrópica que inclui a Fundação IKEA, a Fundação Rockefeller e o Bezos Earth Fund, fornecerá um capital inicial de US$ 35 milhões para o fundo, que será estabelecido e administrado pelo ADB. O objetivo do fundo é enfrentar os desafios das mudanças climáticas e o acesso à energia na Ásia e além, incluindo o apoio a sistemas de armazenamento de energia em baterias no Vietnã e a desativação antecipada de iniciativas de carvão na Indonésia. A meta do GEAPP é reduzir quatro gigatoneladas de emissões futuras de carbono, expandir o acesso à energia limpa para um bilhão de pessoas e possibilitar 150 milhões de novos empregos. (PEi - 14.04.2023) 
Link Externo

EUA: Energias eólica e solar atingem 12% de geração de energia nos EUA em 2022

A energia eólica e solar representaram um recorde de 12% da eletricidade global em 2022, com os EUA em 15%, de acordo com um relatório do think tank de energia Ember. Mais de 60 países agora geram mais de 10% de sua eletricidade de energia eólica e solar. A energia solar foi a fonte de eletricidade global que mais cresceu pelo décimo oitavo ano consecutivo, aumentando 24% em relação ao ano anterior. A geração eólica aumentou 17% em 2022. Nos EUA, a participação da energia eólica e solar na geração total de eletricidade aumentou de 13% em 2021 para 15% em 2022. O relatório constatou que os EUA tiveram o maior aumento absoluto do mundo na geração de gás em 2022, enquanto caiu ligeiramente no resto do mundo. O crescimento da geração eólica e solar em 2022 atendeu a 80% do aumento da demanda global de eletricidade e 68% do aumento da demanda nos EUA. A meta dos EUA para 100% de energia limpa até 2035 é alcançável. (Renews.biz - 12.04.2023) 
Link Externo

União Europeia: Criação de instrumento financeiro visando uma transição energética justa

O Just Transition Fund (JTF) é um novo instrumento financeiro no âmbito da Política de Coesão da UE (2021-2027) para apoiar territórios que enfrentam desafios socioeconómicos ligados à transição para a neutralidade climática. O fundo está relacionado com as metas de neutralidade climática do Pacto Ecológico Europeu e representa 5% do orçamento total da Política de Coesão, cerca de 19,2 mil milhões de euros. Espera-se que mais 25,4 bilhões de euros venham de investimentos mobilizados. Os governos nacionais devem elaborar Planos de Transição Territorial Justa (TJTP), em consulta com as partes interessadas regionais e locais. A Comissão determina quais os territórios elegíveis para financiamento, em diálogo com cada Estado-Membro da UE. (Smart Cities - 06.04.2023) 
Link Externo

União Europeia: Novo acordo sobre a diretiva de energia renovável carece da ambição necessária

Em março de 2023, os colegisladores da UE chegaram a um acordo sobre a Diretiva de Energia Renovável (RED III). A meta vinculativa estabelecida para a UE é de 42,5% de energia renovável até 2030, com uma meta voluntária de 45%. Cada estado membro contribuirá para essa meta, já que deve ser incluído em seu Plano Nacional de Clima e Energia a ser elaborado até junho de 2023. A diretiva também inclui a obrigação de os Estados-Membros acelerarem a implantação de energia renovável, designando “áreas de acesso” onde o processo de licenciamento seria acelerado. Projetos de energia renovável também seriam considerados de “interesse público primordial”. Os governos locais devem garantir que tenham voz na definição dessas áreas. A nova RED também define submetas para setores específicos, como edifícios, aquecimento e automóveis. (Smart Cities - 07.04.2023) 
Link Externo

OIES e CSEI: Evento debate reforma do Mercado da Eletricidade na Europa

O Oxford Institute for Energy Studies (OIES) e o Copenhagen School of Energy Infrastructure: CSEI organizaram um evento conjunto sobre "Reforma do Mercado da Eletricidade na Europa" na Copenhagen Business School. Malcolm Keay apresentou uma proposta para uma abordagem de dois mercados, que está sendo considerada, juntamente com outras ideias para "mercados divididos", como parte da Revisão dos Arranjos do Mercado de Eletricidade do Governo do Reino Unido. (Oxford Institute for Energy Studies - 07.04.2023) 
Link Externo

Ember: Brasil tem maior queda absoluta de emissões do setor elétrico em 2022

Segundo relatório do think tank britânico de energia, Ember, o Brasil teve a maior queda absoluta do mundo nas emissões do setor elétrico em 2022. O país emitiu 69 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente no ano passado, uma queda de 34% em relação a 2021, quando emitiu 105 milhões de toneladas. Apenas a Ucrânia teve uma queda percentual semelhante, de 38%, mas principalmente devido à guerra com a Rússia. A Ember avaliou 78 países, representando 93% da demanda global de eletricidade. A redução deveu-se principalmente à diminuição do uso de usinas termelétricas e ao aumento da geração de energia hidrelétrica. As energias eólica e solar também contribuíram para a redução, já que combinadas globalmente atingiram um recorde de 12% da eletricidade produzida em 2022, acima dos 10% em 2021. (Broadcast Energia - 11.04.2023) 
Link Externo

Geração Distribuída

ABGD: Geração própria de energia elétrica atinge 19 GW

Na última semana, o Brasil alcançou a marca de 19 GW de capacidade em geração própria de energia elétrica, também chamada de Geração Distribuída (GD). O resultado, puxado pela energia solar, com 98,6% do total em GD, conta também com a evolução de outras fontes, como a biomassa, o biogás, a energia eólica, a energia movida a potencial hidráulico e a cogeração a gás natural. De acordo com Guilherme Chrispim, presidente da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD), o setor tem mantido a média de acrescentar 1 GW de capacidade instalada ao sistema por mês. “Atualmente, a GD responde por cerca de 70% de toda a potência de energia solar do Brasil, com chances reais de aumentar ainda mais esse percentual neste ano”, disse. Atualmente, a geração própria de energia conta com 1,8 milhão de usinas de microgeração e minigeração distribuídas pelo País e 2,3 milhões de unidades consumidoras que utilizam a GD no país. (ABGD - 13.04.2023) 
Link Externo

Armazenamento de Energia

EUA: Sunrun lança programa de armazenamento na Califórnia

A Sunrun, uma das principais empresas de instalação solar residencial dos EUA, está lançando um novo serviço de assinatura chamado "Shift" para ajudar os clientes a se adaptarem ao fim da medição líquida na Califórnia. O programa incorpora sistemas de armazenamento de baterias co-localizadas para ajudar os clientes a aumentar seu autoconsumo durante os horários de pico, quando as tarifas de eletricidade são mais altas, e reduzir as exportações de baixo valor para a rede. O programa não fornece energia de backup, o que deve limitar as horas de trabalho, custos de equipamentos e possíveis atualizações de painel necessárias para sistemas de backup domésticos convencionais. A transição da Califórnia de net metering para um regime de net billing entrou em vigor em 15 de abril, e a mudança foi contestada por defensores da energia distribuída e fornecedores de soluções. (Renwable Energy World - 12.04.2023) 
Link Externo

Reino Unido: Banco de Infraestrutura define o primeiro investimento em armazenamento de energia

O Banco de Infraestrutura do Reino Unido investiu £ 75 milhões (US$ 93 milhões) em um fundo de armazenamento e energia renovável administrado pela Gresham House e fez seu primeiro investimento em tecnologia de armazenamento de energia. O fundo investirá em geração renovável e instalações de armazenamento de eletricidade de curta duração para maximizar as conexões de rede. O banco também destinou £ 125 milhões ao Equitix UK Electricity Storage Fund, que se concentrará em uma combinação de modelos inovadores de negócios de armazenamento de energia de curta e longa duração. Os investimentos seguem um compromisso do governo do Reino Unido de atingir zero emissões líquidas de carbono até 2050. (Smart Energy - 06.04.2023) 
Link Externo

EUA: Nova York corre o risco de perder a meta de 6 GW até 2030

O mercado de armazenamento de energia de Nova York está prestes a decolar, impulsionado por fortes objetivos políticos, mas pode ser tarde demais para o estado dos EUA atingir uma meta de implantação de 6 GW até o prazo de 2030. A governadora Kathy Hochul dobrou a meta de Nova York para 6 GW no início de 2021, com a maior parte do valor esperado vindo de instalações de armazenamento de energia em grande escala. No entanto, fontes da indústria expressaram preocupação de que pode ser tarde demais para atingir essa meta a tempo. O Energy Storage Roadmap 2.0 do estado foi bem recebido, mas os projetos em Nova York tendem a ter longos prazos de entrega e o ISO não é uma área fácil de se trabalhar. mercado de armazenamento de energia.(Energy Storage - 13.04.2023)
Link Externo

Veículos Elétricos

ABVE: Venda de automóveis eletrificados no Brasil cresce 50% no primeiro trimestre

A venda de carros eletrificados aumentou 50% no primeiro trimestre de 2023, em relação ao mesmo período do ano passado, totalizando 14,787 mil unidades emplacadas. Apenas em março foram emplacados 5,989 mil unidades, alta de 55,5% em base de comparação anual, segundo a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE). Segundo a entidade, os números confirmam o aquecimento do mercado de eletrificados leves no Brasil no início deste ano. Nesta categoria incluem-se os automóveis híbridos plug-in, que podem ser recarregados por conector externo, e os não plug-in, somando veículos, comerciais leves, utilitários e SUVs. A frota total de veículos eletrificados em circulação no país até o final de março totalizou 141,291 mil unidades, de acordo com a ABVE. O crescimento dos eletrificados continua sendo puxado pelos veículos elétricos híbridos não plug-in, especialmente pelos modelos flex movidos a etanol. (Broadcast Energia - 09.04.2023)
Link Externo

GWM: Acordo com a WEG para recarga de VEs

Como parte de sua estratégia de comercializar apenas VEs no Brasil, a GWM, maior montadora de veículos da China, anunciou que irá construir uma ampla rede para recarga em concessionárias, estacionamentos, shoppings e outros estabelecimentos comerciais. Para tal, a companhia assinou um contrato com a WEG, empresa global de equipamentos eletroeletrônicos, que irá fornecer todo o suporte tecnológico e os carregadores do projeto. Dentro da parceira, a montadora chinesa vai oferecer aos seus clientes um carregador de parede com 7,4 kW de potência (CA), a ser comercializado em qualquer concessionária da marca. A WEG também vai fornecer os carregadores rápidos de 30 kW (CC), que serão instalados em todas as concessionárias da GWM e estarão disponíveis inclusive para recarga de veículos de outras marcas. (CanalEnergia - 06.04.2023)  
Link Externo

PwC Brasil: VEs terão forte impulso nas vendas a partir de 2027

O Brasil ainda está definindo seu caminho na transição energética, mas pesquisas já começam a apontar o enorme potencial do país no cenário futuro de mobilidade sustentável, com destaque para as estimativas de crescimento nas vendas de carros elétricos. Segundo as projeções sobre Eletrificação Veicular realizadas pela PwC Brasil, as vendas de VEs no Brasil terão forte impulso a partir de 2027. Um dos destaques é que os números indicam que o país terá uma frota eletrificada (elétricos e híbridos) de 35 milhões de veículos em 2040. A conclusão inicial é que uma ampla disponibilidade de veículos elétricos, especialmente os veículos comerciais, e um aumento da infraestrutura de carregamento são alguns dos aspectos que podem impactar na velocidade da eletrificação. Sendo assim, um dos segmentos que puxará a eletrificação é o de veículos comerciais e transporte coletivo. Estima-se um crescimento de 100% nas vendas de caminhões elétricos urbanos e ônibus elétricos em 2028. (Inside EVs - 06.04.2023) 
Link Externo

Hitech-E: Inauguração de fábrica de VEs compactos no Paraná

A Hitech Eletric, montadora e comercializadora de Veículos Elétricos (VEs), vai inaugurar sua nova fábrica em Campo Largo (PR) para montagem de VEs utilitários, destinados ao transporte de mercadorias. O CEO da companhia, Rodrigo Contin, afirmou que a unidade já está operando desde o início de março com a produção de 50 VEs por mês, mas que ainda faltam as últimas implementações, confirmando a inauguração oficial para o fim do mês de abril. Segundo o executivo, a construção começou do zero em outubro do ano passado, sendo algo modelado desde 2020. Os primeiros lotes com cerca de 75 veículos já foram comercializados e a fabricante vem colhendo os pedidos para as próximas entregas, tendo a WEG, empresa multinacional brasileira de equipamentos eletroeletrônicos, como seu parceiro comercial, fornecendo packs de baterias para autonomias de 140 km e 280 km, além dos inversores. (CanalEnergia - 11.04.2023) 
Link Externo

EUA endurece regras de emissões para acelerar a transição aos VEs

O governo dos Estados Unidos introduziu recentemente padrões mais rígidos para as emissões dos carros, uma medida que visa garantir que 67% dos carros vendidos no país até 2032 sejam elétricos. Essa meta é mais ambiciosa do que a apresentada pelo presidente Joe Biden há dois anos, para que metade dos carros vendidos nos Estados Unidos em 2030 sejam zero emissões (elétricos, híbridos plug-in ou hidrogênio). A Casa Branca, no entanto, não estabelece uma cota específica de veículos limpos à venda. A Agência de Proteção Ambiental (EPA) planeja reduzir progressivamente a quantidade média de emissões poluentes dos veículos novos produzidos por cada fabricante, a fim de fazer com que montem mais carros elétricos. (Exame - 12.04.2023)  
Link Externo

Walmart: Instalação de carregadores de VEs em milhares de lojas até 2030

O Walmart planeja construir uma rede de carregamento de VEs nos EUA, adicionando carregadores a milhares de locais até 2030. A empresa, que já possui cerca de 1.300 estações de carregamento de VE em 280 locais, planeja levar carregadores para supermercados e mercados de bairro do Walmart. O Walmart observou que há “uma loja ou clube localizado a 16 quilômetros de aproximadamente 90% dos americanos”, colocando esses carregadores ao alcance da maioria dos motoristas de VEs. A extensa rede de carregamento de VEs do Walmart pode fornecer um concorrente significativo para lojas de conveniência que procuram adicionar a capacidade. Além do seu grande impacto, o Walmart também está posicionando o carregamento de VE como complementar à sua experiência de compra na loja. (Utility Dive - 10.04.2023) 
Link Externo

EUA/EPA: Acelerar a adoção de VEs representa riscos para a confiabilidade da rede elétrica

A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA, na sigla em inglês) decidiu endurecer os padrões de emissão para carros e caminhões convencionais movidos a gasolina, em uma tentativa de acelerar a transição para VEs. Um dia antes, no entanto, um white paper expôs possíveis problemas que poderiam afetar o carregamento de VE em caso de distúrbios no sistema de energia em massa. O documento pedia “engajamento antecipado e troca de informações” entre concessionárias de energia elétrica e fabricantes para “facilitar a antecipação e a resolução oportuna de possíveis problemas de confiabilidade da rede”. Ele alertou em particular que os efeitos da dinâmica da rede, controles e estabilidade do sistema devido ao comportamento eletrônico de potência das cargas de carregamento de VEs “podem criar novos riscos de apagões generalizados e em cascata”. (Power Grid - 12.04.2023) 
Link Externo

Gestão e Resposta da Demanda

Equigy: Agregação de flexibilidade demonstrada na plataforma blockchain

A Flexcity, fornecedora europeia de serviços de flexibilidade, está em parceria com a Equigy, uma plataforma de balanceamento coletivo, para fornecer serviços de reserva secundária (aFRR) para a TenneT na Holanda. A subsidiária da Veolia, Flexcity, poderá oferecer novos serviços aos seus parceiros e fortalecer sua participação no balanceamento da rede. A Equigy permite a integração de pequenas unidades descentralizadas por meio de sua plataforma de balanceamento de multidão e conexão com o processo aFRR da TenneT. A Flexcity conseguiu se pré-qualificar com rapidez e sucesso para os serviços aFRR da TenneT e integrá-los ao seu portfólio de flexibilidade. A plataforma visa estabelecer um novo padrão europeu para menor flexibilidade agregada para participar em diferentes mercados de TSO, permitindo que TSOs parceiros trabalhem juntos para promover e melhorar o mercado de energia renovável. Vários de Flexcity' Os parceiros de flexibilidade da empresa participarão desse novo serviço, que deverá integrar ainda mais as energias renováveis ​​ao fornecimento de energia da rede. (Smart Energy - 11.04.2023) 
Link Externo

Eficiência Energética

EDP ES: Investimento de R$2,3 mi em projetos de eficiência energética

A EDP ES, subsidiária da empresa de distribuição de energia elétrica EDP Brasil, anunciou os projetos contemplados na Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética – CPP 001/2022. Serão destinados cerca de R$2,3 milhões para o incentivo de iniciativas com objetivo da conservação e o uso racional da energia elétrica na área de atuação no estado do Espírito Santo. Segundo a distribuidora, as iniciativas selecionadas abrangem consumidores residenciais, hospitais e entidades beneficentes, escolas e iluminação pública, promovendo a transformação através da eficiência energética, estimulando o desenvolvimento de novas tecnologias e a criação de hábitos e práticas sustentáveis do uso de energia elétrica. Os projetos vencedores foram avaliados por uma comissão julgadora formada por colaboradores da EDP, conforme critérios técnicos estabelecidos no edital e a ação é regulada pela Aneel. (CanalEnergia - 10.04.2023) 
Link Externo

EUA: Grupos de consumidores solicitam audiência para discutir metas de eficiência energética

Quatro grupos de defesa do consumidor e do clima pediram à Comissão de Serviço Público (PSC, na sigla em inglês) da Flórida para realizar uma audiência sobre a modernização das regras de eficiência energética do estado antes do trabalho que será feito no próximo ano para definir novas metas de economia de energia. O PSC aprovou algumas mudanças no processo de definição de metas em março, mas os críticos da decisão dizem que ela foi tomada com pouca discussão e não adiciona transparência suficiente ao processo. Já se passaram cerca de 30 anos desde que o PSC atualizou suas regras de eficiência energética, disse George Cavros, advogado de política energética e diretor da Southern Alliance for Clean Energy. Os grupos que solicitam uma audiência querem um “processo mais interativo” para discutir possíveis atualizações, disse ele. “Sentimos que será um processo que informará melhor a Comissão sobre o leque de opções que eles têm.” (Utility Dive - 11.04.2023) 
Link Externo

Microrredes e VPP

CPUC: Novas regras para programa de incentivo à microrrede

A Comissão de Serviços Públicos da Califórnia (CPUC, na sigla em inglês) aprovou regras para seu Programa de Incentivo de Microrrede (MIP, na sigla em inglês) de US$ 200 milhões para PG&E, SCE e SDG&E. O programa destina-se a apoiar o desenvolvimento de microrredes comunitárias em comunidades desfavorecidas e vulneráveis, bem como comunidades tribais, que sofreram e provavelmente sofrerão falta de energia. O projeto aloca US$ 79,2 milhões para PG&E, US$ 83,3 milhões para SCE e US$ 17,5 milhões para SDG&E para construir projetos que possam operar de forma independente por períodos prolongados e atender a vários clientes. A decisão visa promover a tecnologia de resiliência de microrredes, distribuir os benefícios das microrredes de forma equitativa entre essas comunidades vulneráveis e fornecer insights para ações futuras que podem aumentar a resiliência do sistema de energia para beneficiar todos os clientes. (Power Grid - 11.04.2023) 
Link Externo

Tecnologias e Soluções Digitais

ConnectMore: Projeto desenvolve ferramentas para identificar os melhores locais para pontos de carregamento de VEs

A SP Energy Networks da Grã-Bretanha liderou o desenvolvimento de uma nova ferramenta para identificar os melhores locais para instalar pontos de carregamento públicos de VEs. A ferramenta chamada ConnectMore, um dos principais resultados do projeto, compreende um mapa interativo e uma calculadora de custos para usuários como autoridades locais, promotores imobiliários, proprietários de sites e operadores de pontos de recarga para investigar padrões de transporte atuais e futuros, juntamente com a capacidade da rede elétrica e, assim, identificar os melhores locais para pontos de recarga de VEs. A ferramenta também emite uma cotação imediata para conexão à rede elétrica para determinar a relação custo-benefício do local potencial. (Smart Energy - 12.04.2023) 
Link Externo

Tauron: Medição inteligente como componente principal da nova agenda de pesquisa

A distribuidora polonesa Tauron anunciou uma agenda de pesquisa renovada, com vários aspectos focados no desenvolvimento e distribuição de tecnologia de medição inteligente. A nova agenda de pesquisa da concessionária segue a conclusão de sua Agenda de Pesquisa Estratégica de 2018, que, de acordo com a concessionária, viu vários empreendimentos bem-sucedidos, como a implementação da tecnologia blockchain e o lançamento de uma microrrede em Bytom. Esta nova versão da agenda está focada em áreas de rápido desenvolvimento dentro da transição energética global, como o uso de hidrogênio verde, descarbonização do aquecimento, armazenamento de energia e uso de dados da rede inteligente. Segundo Tauron, em sua rede de distribuição, há um número crescente de medidores com leitura remota instalados, permitindo maior controle sobre o consumo de energia. Parte da pesquisa do grupo se aprofundará em soluções para aquisição, transmissão, processamento, armazenamento e análise de dados de consumo. (Smart Energy - 07.04.2023) 
Link Externo

CONNECTOW: Medição inteligente 5G será lançada em Wavre, na Bélgica

A iniciativa CONNECTOW está sendo desenvolvida por um consórcio formado pela cidade de Wavre e pelo provedor de soluções de conectividade B2B Citymesh, com o apoio de uma doação de € 3,9 milhões do Fundo Digital Connecting Europe Facility da União Europeia. Seu objetivo é implementar uma rede de comunicação 5G e ativar uma variedade de casos de uso e aplicativos para alcançar a visão de desenvolvimento estratégico da Wavre para 2030 de uma cidade mais inovadora, com eficiência energética, verde e inteligente. Espera-se que o projeto Réseau d'Énergies de Wavre (REW), parte da iniciativa CONNECTOW, traga melhorias significativas para o gerenciamento de energia e permita um modelo de distribuição peer-to-peer. O desenvolvimento de uma rede inteligente por meio de monitoramento, modelagem preditiva e painéis também garantirá que menos energia de combustível seja usada. A iniciativa também é vista como uma abordagem para atrair empresas de alta tecnologia, impulsionando a economia local. (Smart Energy - 10.04.2023) 
Link Externo

Segurança Cibernética

Restos de dados espreitam por toda a empresa, criando um risco comercial

O acúmulo de dados apresenta um enorme risco de segurança porque cria uma grande superfície de ataque, que é difícil de proteger. Quando uma organização tem pouca visibilidade dos dados em sua posse, ela se torna ainda mais vulnerável a vazamentos de dados, violações e ameaças internas e externas. Existem duas razões principais pelas quais o acúmulo de dados está aumentando como um risco de ameaça: o baixo custo de armazenamento de dados na nuvem e a força de trabalho híbrida/remota. Se você não tem uma maneira de identificar e encontrar os dados que possui, você pode ter dados obscuros, dados esquecidos ou dados ocultos, você está adicionando riscos que podem levar a violações de dados dispendiosas e outros incidentes cibernéticos. (CybersecurtityDive - 07.04.2023) 
Link Externo

Samsung Electronics: Funcionários vazaram dados corporativos no ChatGPT

Em três instâncias distintas, os funcionários da Samsung Electronics na unidade de negócios de semicondutores da empresa colocaram dados corporativos confidenciais no ChatGPT, de acordo com um relatório do The Economist Korea. Um funcionário da Samsung inseriu um código-fonte defeituoso relacionado ao programa de download do banco de dados de medição de instalações da Samsung Electronics para encontrar uma solução. Outro funcionário inseriu o código do programa para identificar equipamentos defeituosos para obter a otimização do código. O terceiro funcionário converteu uma gravação de smartphone de uma reunião da empresa em um arquivo de documento e o inseriu no ChatGPT para obter atas da reunião, de acordo com o relatório. Depois que os dados vazaram, a empresa implementou uma capacidade de upload de 1.024 bytes por prompt, de acordo com o relatório. A Samsung Electronics não respondeu aos pedidos de comentários. (CybersecurtityDive - 10.04.2023) 
Link Externo

Bitdefender: Líderes de segurança de TI ainda são instruídos a manter sigilo sobre violações de dados

Mais de 2 em cada 5 profissionais de TI e segurança nos EUA e na Europa Ocidental foram instruídos a manter uma violação cibernética confidencial, apesar de saberem que os incidentes devem ser divulgados, de acordo com um relatório divulgado pela Bitdefender. A disparidade nos EUA é ainda maior: 7 em cada 10 profissionais de TI e segurança disseram que receberam as mesmas instruções. O relatório é baseado em uma pesquisa com 400 profissionais de TI e segurança nos EUA, Reino Unido, Alemanha, França, Espanha e Itália. Mais da metade dos entrevistados disseram ter sofrido uma violação ou vazamento de dados nos últimos 12 meses. Nos EUA, esse número sobe para três quartos dos entrevistados. A questão da divulgação tem sido um problema entre as organizações do setor privado há décadas. Os executivos corporativos historicamente relutam em divulgar incidentes de segurança de dados, levando os reguladores de todo o mundo a pressionar por maior transparência para proteger clientes, acionistas e ajudar a prevenir a propagação de ataques maiores em todos os setores. (CybersecurtityDive - 06.04.2023) 
Link Externo