IFE
19/01/2023

IFE Tec. Exponencial 115

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores: Ana Eduarda Rodrigues, Cristina Rosa, Felipe Diniz e Maria Luísa Lunardi
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
19/01/2023

IFE nº 115

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores: Ana Eduarda Rodrigues, Cristina Rosa, Felipe Diniz e Maria Luísa Lunardi
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Tec. Exponencial 115

Transição Energética e ESG

Transição energética em 2023: para uma nova era

A perspectiva para a transição de baixo carbono continua extremamente promissora. Globalmente, a Bloomberg NEF, empresa de pesquisa, espera que as adições de capacidade de energia limpa aumentem pelo menos 18% em 2023, ignorando os problemas da cadeia de suprimentos e os atrasos na interconexão para atingir outro recorde histórico de mais de 450 GW. Os compromissos de sustentabilidade de empresas e instituições financeiras permanecem em alta, apesar de algumas controvérsias de alto nível. A definição de novas metas baseadas na ciência, em particular, atingiu um novo recorde em 2022, e muitos outros governos estão tomando medidas para promover a divulgação corporativa dos riscos climáticos. Portanto, se 2023 marca o início de uma nova era na transição de baixo carbono, não será uma era caracterizada por qualquer tipo de desaceleração. Muito pelo contrário: a transição só vai acelerar e expandir. (BNEF - 10.01.2023)
Link Externo

Relatório: Garantindo a Transição Energética

O mundo está enfrentando uma crise energética global sem precedentes, mas soluções de curto prazo levarão a um futuro sombrio – para alcançar a segurança energética e a sustentabilidade, a única solução é acelerar a transição de baixo carbono. É necessária uma reavaliação abrangente dos sistemas de energia para priorizar soluções que promovam a segurança e a sustentabilidade, ao mesmo tempo em que criam resiliência a possíveis choques. Em “Garantindo a Transição Energética”, novo relatório publicado pelo World Economic Forum, organização Internacional para a Cooperação Público-Privada, é proposto uma estrutura e 10 ações principais para alinhar respostas imediatas com metas de longo prazo para acelerar uma transição energética justa, sustentável e segura. (WE Forum – 12.01.2023)
Link Externo

Cenários de energia de longo prazo e estratégias de desenvolvimento de baixa emissão: inventário e alinhamento

Em novo relatório publicado pela International Renewable Energy Agency (IRENA), “Cenários de energia de longo prazo e estratégias de desenvolvimento de baixa emissão: inventário e alinhamento”, é fornecida uma análise comparativa de 24 cenários de energia de longo prazo (LTES) e 36 estratégias de desenvolvimento de longo prazo com baixa emissão de gases de efeito estufa (LT-LEDS) para explorar os desafios e oportunidades associados às transformações estruturais necessárias para alcançar a neutralidade de carbono e cumprir as metas da Convenção do Acordo Paris. Sendo assim, o relatório fornece uma ferramenta de planejamento vital para orientar o sistema de energia para um futuro limpo. (IRENA - janeiro, 2023)
Link Externo

'Alemanha está a caminho de não atingir as metas climáticas de 2022'

Espera-se que a Alemanha tenha falhado em atingir as suas metas climáticas novamente em 2022, embora a produção de energia renovável tenha atingido recordes, de acordo com a Agora Energiewende. A principal razão tem sido o país queimando carvão e petróleo para compensar a escassez de gás natural. Segundo cálculo do Agora Energiewende, o consumo de energia caiu 4,7% no ano passado devido ao aumento de preços e ao clima ameno. No entanto, as emissões de gases de efeito estufa não diminuíram, porque o aumento do uso de carvão e petróleo anulou as reduções de emissões por meio da economia. Durante 2022, a energia renovável produziu 10% a mais de eletricidade, com a produção atingindo um nível recorde de 248 TWh. Isso ocorreu devido ao clima favorável. (Renew.Biz - 12.01.2023)
Link Externo

O papel dos movimentos verde na transição energética

Os impactos cada vez mais evidentes do aquecimento global têm sido motivo de preocupação por muitas décadas. Com a ajuda de players mundiais, várias ações foram implementadas para enfrentar o problema. As empresas de eletricidade verde nas economias emergentes, que são responsáveis por defender o desenvolvimento de novas tecnologias e amadurecer o mercado de energia verde por meio da mobilização de investimentos, podem desempenhar um papel crítico na consecução desses objetivos. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, organização mundial, medidas críticas para acelerar a transição energética incluem dissociar o crescimento econômico do consumo de energia, integrar inovações tecnológicas revolucionárias e abordar a equidade. Paralelamente, a International Energy Agency (IEA), organização internacional, afirma que atingir a neutralidade até 2050 requer uma expansão maciça de investimentos em tecnologias de energia limpa e medidas de eficiência. Por fim, segundo a IEA, para a descarbonização, a eletricidade substitui os combustíveis fósseis em setores-chave. (WE Forum - 10.01.2023)
Link Externo

Geração Distribuída

Brasil: São Paulo é o segundo Estado com maior potência instalada de geração distribuída

O Estado de São Paulo é o segundo do país com maior potência instalada de sistemas de geração distribuída (GD) de energia solar fotovoltaica em telhados, pequenos negócios e terrenos, totalizando 2,1 GW, informou a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). A região possui mais de 248,3 mil conexões operacionais, espalhadas por 645 municípios, ou 100% dos municípios paulistas. Atualmente são mais de 291,5 mil consumidores de energia elétrica que já contam com redução na conta de luz, maior autonomia e confiabilidade elétrica. (BroadCast Energia – 12.01.2023)  
Link Externo

Brasil: Governo analisa programa para facilitar acesso da população à energia solar fotovoltaica

O governo Luiz Inácio Lula da Silva analisa a criação de um programa para facilitar o acesso da população, sobretudo os mais pobres, à chamada geração distribuída (GD). O principal foco é a energia solar, com a instalação de painéis fotovoltaicos nas residências. A proposta foi apresentada pelo grupo de transição ao ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, em reunião na primeira semana de janeiro e foi bem recebida. A sugestão foi incluída no relatório final do Grupo de Trabalho de Minas e Energia da Transição como uma das medidas prioritárias a serem tomadas pelo novo governo. No documento, o grupo explica que o programa tem como objetivo permitir que populações vulneráveis tenham acesso à energia renovável de baixo custo. O prazo previsto para a implementação é de 100 dias. (O Estado de São Paulo – 06.01.2023)  
Link Externo

Brasil: Geração solar no RJ ultrapassa 77,5 mil conexões

O estado do Rio de Janeiro possui atualmente 77,5 mil conexões operacionais de energia solar em telhados, fachadas e pequenos terrenos. A região conta com 666,1 MW em operação nas residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos, atingindo mais de 90 mil consumidores. Desde 2012, a geração própria de energia solar já proporcionou ao Rio de Janeiro mais de R$ 3,5 bilhões em investimentos, 19,9 mil empregos e a arrecadação de mais de R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos. Os dados são da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). A potência instalada no território fluminense coloca o estado na nona posição do ranking nacional da entidade, segundo a qual o Rio de Janeiro responde sozinho por 4,1% de toda a potência instalada na modalidade. (ABSOLAR – 12.01.2023) 
Link Externo

Brasil: Paulínia aposta em solar e incentiva população a fazer o mesmo

A Câmara de Paulínia (SP) está operando desde o dia 6 de dezembro de 2022 com um sistema de energia solar instalado na cobertura do estacionamento de sua sede. No local, são 292 painéis fotovoltaicos de 550W, que juntos estão gerando uma economia média de 85% no valor da conta de luz. Ao todo, o custo mensal caiu de R$ 24 mil para R$ 3,6 mil no primeiro mês. Através do sistema fotovoltaico, também foi possível instalar no estacionamento da Câmara o primeiro ponto de abastecimento público do município para veículos elétricos. Com o objetivo de incentivar os moradores da cidade a aderirem aos sistemas fotovoltaicos, Paulínia decidiu divulgar os dados de forma pública para que a população possa conferir os benefícios gerados pelo sistema instalado na Câmara de Vereadores. O painel interativo está disponível para acesso no site da própria Câmara de forma online. Nele, são apresentadas informações, em tempo real, sobre questões relacionadas à geração e a economia de dinheiro. (ABSOLAR – 11.01.2023) 
Link Externo

Brasil: Sudeste e Centro-Oeste já têm GD solar em todos os municípios

As regiões Sudeste e Centro-Oeste do Brasil já contam com ao menos um sistema de energia solar instalado no segmento de geração distribuída (GD) em todos os seus respectivos municípios. É o que aponta um levantamento realizado pelo Canal Solar, com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Na região Sudeste estão localizados os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, que somam juntos mais de 572,5 mil conexões em 1.668 cidades. Já os números da região Centro-Oeste, formada pelos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, além do Distrito Federal, contam hoje com 196,5 mil sistemas fotovoltaicos instalados em 467 cidades. Os números apurados pelo Canal Solar mostram que o território brasileiro possui 5.570 municípios, dos quais menos de 50 ainda não usufruem dos benefícios da fonte solar no segmento de GD. (ABSOLAR – 10.01.2023) 
Link Externo

Geração e autoconsumo, o caminho para a energia limpa na Argentina

Com grandes projetos travados pela crise econômica e falta de infraestrutura, a Argentina parece ver um caminho alternativo para maior sustentabilidade de sua matriz energética em pequenos empreendimentos de energia renovável, promovidos por indústrias, empresas e usuários privados sensíveis às questões ambientais. São iniciativas para cobrir o consumo próprio, por vezes com o acréscimo da chamada geração distribuída, em que os usuários-geradores que possuem excedente de eletricidade podem injetá-la no sistema elétrico nacional e assim gerar um crédito tarifário. As iniciativas de geração distribuída acabam de ultrapassar 1.000 projetos já em operação, segundo os últimos dados oficiais. (Pressenza - 10.01.2023)
Link Externo

Armazenamento de Energia

Espanha introduz descontos para armazenamento vinculado a fontes renováveis

O Ministério da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico da Espanha (Miteco) lançou uma chamada para oferecer descontos para projetos de armazenamento vinculados a instalações de energia renovável. Os desenvolvedores de projetos interessados poderão enviar propostas de 18 a 20 de janeiro. O Instituto para a Diversificação e Poupança de Energia (IDAE) vai gerir os abatimentos, que serão atribuídos em regime de concorrência. Projetos de armazenamento de energia de todas as tecnologias, exceto armazenamento de hidrogênio, serão aceitos para permitir a implantação comercial em grande escala de armazenamento de energia. O programa tem um orçamento total de 150 milhões de euros. A ajuda cobrirá entre 40% e 65% de cada investimento, com um máximo de 15 milhões de euros por empresa e projeto. (PV Magazine - 09.01.2023)
Link Externo

Veículos Elétricos

Tendência de crescimento no mercado de VEs

O comércio de veículos elétricos segue em constante crescimento nos últimos anos. Segundo Clemente Gauer, responsável por Corporate Affairs da Tupinambá, um estudo da consultora AlixPartners estima que a participação dos elétricos nas vendas pode chegar a 33% em todo o mundo até 2028 e a 54% até 2035. No Brasil, as vendas ainda são bem mais modestas do que nos principais centros, como Europa e Estados Unidos, porém os números também estão crescendo. No primeiro semestre de 2022, foram emplacados 3.395 veículos elétricos no País, em aumento de 19% em relação às vendas totais de 2021. Ainda segundo o Corporate Affairs da Tupinambá, um estudo divulgado pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) prevê que, até 2035, dois terços dos veículos vendidos no país serão eletrificados, caso as empresas por aqui sigam as tendências internacionais. (Summit Mobilidade - 09.01.2023)  
Link Externo

Sodexo inicia operação com VUC elétrico em Curitiba

A Sodexo On-site, empresa de serviços de alimentação corporativa, em parceria com a Coopercarga Logística Curitiba, inicia a operação do primeiro Veículo Urbano de Carga (VUC) 100% elétrico. A iniciativa visa reforçar o compromisso ESG, sigla que resume os objetivos de governança ambiental, social e corporativa da empresa. O veículo realizará a distribuição entre o centro logístico da Coopercarga e os pontos de atendimento da Sodexo na região, como hospitais e instalações de indústrias de engenharia e eletrônica. Responsável por trazer a iniciativa para dentro da companhia, Marina Baptista Zanin, Gerente de Logística e Abastecimento da Sodexo On-site Brasil, conta que além dos benefícios sustentáveis que o veículo elétrico entrega, à frente da condução do veículo estará uma mulher, trazendo ainda mais diversidade para o mercado de transporte. (Mobilidade Sampa - 09.01.2023)  
Link Externo

Brasil ocupa a 20ª posição no ranking sobre infraestrutura para VEs

O segmento e a infraestrutura de carregamento para veículos elétricos permanecem como exceção à regra na indústria automotiva global, que enfrenta vários desafios de ordem econômica e política. Essa é a conclusão da 3ª edição da análise 'EV Charging', compartilhada pela Roland Berger, empresa global de consultoria estratégica. Em linhas gerais, o estudo mostra que as vendas de carros elétricos e o desenvolvimento da infraestrutura de carregamento têm avançado em quase todas as regiões do planeta. Esta terceira edição cobre os 30 principais mercados, representando mais de 93% do total das vendas globais de veículos elétricos. A China ocupou novamente o primeiro lugar, seguido da Alemanha e Holanda que ficaram em segundo e terceiro lugares, respectivamente, tirando os EUA do pódio. O Brasil, presente a partir da segunda análise, ficou na 20ª posição neste terceiro estudo da consultoria europeia. (Inside EVs - 10.01.2023)   
Link Externo

Reciclagem de baterias de VEs já é uma realidade no Brasil

Nos últimos meses, a BMW Group Brasil, a metalúrgica Tupy e o Senai Paraná fecharam uma parceria para criar processos sustentáveis que garantam a recuperação de compostos químicos das baterias de carros elétricos. Com investimentos iniciais de R$3,4 milhões, cada empresa trará conhecimentos específicos para os estudos dentro da sua área de atuação. A missão da parceria é desenvolver a reciclagem de baterias de lítio por hidrometalurgia, sendo o processo mais ecológico para reciclagem de carros elétricos. A iniciativa prevê um novo cenário para o uso de minerais reciclados na fabricação de baterias novas. Assim, a dependência de matéria-prima mineral primária seja consideravelmente reduzida. Com duração de 2 anos, é esperado que os primeiros resultados saiam ainda no primeiro trimestre deste ano. (Click Petróleo e Gás - 10.01.2023)  
Link Externo

BYD estuda fabricar carros elétricos no Paraná

A BYD, fabricante chinesa de automóveis elétricos, estuda implantar uma fábrica de veículos elétricos no Paraná, e o presidente da empresa, Tyler Li, discutiu o assunto em reunião realizada com o vice-governador do Estado, Darci Piana. A possibilidade é que a planta seja instalada em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, onde ficava a indústria Sttelantis, que fabricava motores para a Fiat. (BroadCast Energia – 11.01.2023)  
Link Externo

Turquia: BERD concede empréstimo para apoiar a adoção de VE

O Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (BERD, sigla em inglês) concedeu um empréstimo de US$ 110 milhões à Enerjisa Enerji A.S. na Turquia para financiar um pacote de investimento abrangente que inclui a expansão da infraestrutura de carregamento de veículos elétricos (VE) do país. Os recursos do empréstimo permitirão à Enerjisa modernizar sua rede de distribuição de eletricidade com equipamentos eficientes e aplicativos de rede inteligente e expandir sua infraestrutura de carregamento de VE. Os investimentos fazem parte de um programa de gastos de capital aprovado pelo regulador de energia do país. Além de modernizar as aplicações de rede e expandir sua rede de carregamento de VEs, o investimento permitirá à Enerjisa expandir seus negócios de energia distribuída por meio de sua subsidiária Enerjisa Customer Solutions, que fornece soluções de energia sustentáveis e inovadoras. (Electric Energy Online - 11.01.2023)
Link Externo

EUA: SDG&E está a caminho de alcançar uma frota com zero emissões

Para avançar suas próprias metas e as da Califórnia de alcançar emissão zero até 2045, a San Diego Gas & Electric (SDG&E), empresa de energia, eletrificou mais de 20% de sua frota rodoviária e está a caminho de atingir 100% de eletrificação de seus automóveis de passageiros, picapes e veículos utilitários esportivos até 2030. Isso coloca a SDG&E no caminho certo para atingir sua meta de operar uma frota com emissões totalmente zero até 2035, antes dos mandatos estaduais. As últimas adições à frota da SDG&E incluem oito caminhões Ford F-150 Lightning totalmente elétricos e um carro com célula de combustível de hidrogênio com emissão zero. Além disso, a SDG&E também está trabalhando para transformar o transporte além de sua própria frota. Até o momento, instalou mais de 3.400 portas de carregamento e está construindo outros milhares para dar suporte a veículos e equipamentos médios e pesados. (Electric Energy Online - 10.01.2023)  
Link Externo

Canadá: Governo se move para aumentar a oferta de veículos elétricos para os canadenses

Em 21 de dezembro, o Ministro do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas, Steven Guilbeault, anunciou que o Governo do Canadá publicou propostas de regulamentos que estabelecem metas de vendas de veículos de emissão zero (ZEV, sigla em inglês) para fabricantes e importadores de novos carros de passageiros, SUVs e picapes. Os regulamentos exigirão que pelo menos 20 % dos veículos novos vendidos no Canadá tenham emissão zero até 2026, pelo menos 60 % até 2030 e 100 % até 2035. Além disso, o governo também anunciou que investiu em mais 50 mil estações de carregamento de veículos elétricos (VE) em todo o país, renovou o programa que oferece aos canadenses até US$ 5.000 e às empresas até US$ 10.000 para o custo de compra ou aluguel de um ZEV, fez investimentos históricos na fabricação de VEs no Canadá, o que significará que os ZEVs serão feitos no Canadá por trabalhadores automotivos canadenses e para os motoristas canadenses comprarem. (Electric Energy Online - 10.01.2023)  
Link Externo

Brasil: Eletrificados fecham 2022 com novo recorde

Brasil: Eletrificados fecham 2022 com novo recorde As vendas de veículos leves eletrificados no Brasil alcançaram mais um ano de recorde em 2022, com 49.245 emplacamentos, 41% acima das 34.990 unidades em 2021, de acordo com dados da ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico). No total, a frota eletrificada em circulação no Brasil é de mais de 126,5 mil automóveis e comerciais leves híbridos (HEV), híbridos plug-in (PHEV) e totalmente elétricos (BEV). Mas são os modelos híbridos que lideram o mercado, puxados pelos veículos flex, com 30.439 unidades comercializadas em 2022, ou 62%. Já os híbridos plug-in fecharam o ano com 10.348 emplacamentos, 21% dos eletrificados no ano. O bom momento para os eletrificados contrasta com o mercado de automóveis em geral. Em 2022, o país emplacou 2,1 milhões de veículos, queda de 0,7% em comparação a 2021. Foi o terceiro ano seguido em que o número de emplacamentos se manteve estável, de acordo com a Anfavea. (EPBR - 06.01.2022) 
Link Externo

Gestão e Resposta da Demanda

Mercado de sistema de gerenciamento de resposta da demanda deve aumentar até 2030

Estima-se que o mercado global de sistema de gerenciamento de resposta da demanda (DRMS) cresça a uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 7,8% de 2022 a 2030 e atinja um valor de US$ 45,6 bilhões durante o final do período previsto. Como um componente-chave do mercado, o DRMS pode ser visto como um dos sistemas essenciais de gerenciamento de carga de pico que tem vantagens significativas no equilíbrio da oferta e demanda de energia. No mercado global, a resposta da demanda (RD) e a eficiência energética (EE) trabalham em conjunto para dar suporte ao gerenciamento do lado da demanda (DSM, sigla em inglês), que incentiva os usuários a alterar seus níveis e padrões de consumo de eletricidade, além de fornecer benefícios adicionais, como maior confiabilidade da rede. Quando implementados no momento certo, os programas de RD e EE podem atrasar a necessidade de construção de usinas elétricas extremamente caras e danosas ao meio ambiente para a geração de eletricidade. (Open PR - 11.01.2023)
Link Externo

Eficiência Energética

Neoenergia troca 2,6 mil lâmpadas de prédios públicos em Pernambuco

A Neoenergia Pernambuco, empresa de distribuição de energia elétrica, está realizando a substituição de cerca de 2,6 mil lâmpadas halógenas, fluorescente ou incandescente, em 28 instituições públicas do município de Ipojuca até o fim deste mês por equipamentos LED. Até agora, 21 prédios foram contemplados pela distribuidora. A ação faz parte do Programa de Eficiência Energética da Neoenergia Pernambuco, regulado pela ANEEL. As novas lâmpadas substituídas de tecnologia LED são mais eficientes pois elas conseguem gerar a mesma capacidade de iluminação com menor consumo de energia, podendo proporcionar uma economia de até 40% por ponto de iluminação. (CanalEnergia - 12.01.2023)   
Link Externo

Madrid trabalhará com administradores de propriedades em um modelo de construção sustentável

O Ministério do Meio Ambiente, Habitação e Agricultura da Comunidade de Madrid assinou um protocolo de atuação com o Colégio Profissional de Administradores de Imóveis da região (CAFMadrid) que permitirá a ambas as entidades trabalhar num modelo energético sustentável e eficiente para edifícios. O texto tem diferentes áreas de trabalho conjunto. Entre eles, a informação e divulgação das políticas do Executivo regional em matéria de habitação, qualidade na construção e urbanismo relacionados com a descarbonização, sustentabilidade, eficiência energética e mobilidade. A colaboração entre a Comunidade de Madrid e os administradores de imóveis será organizada por estas vertentes de interesse comum, e serão formalizados acordos específicos para cada uma delas, que serão assinados ao longo dos dois anos de vigência deste convênio. O Plano de Descarbonização do Governo de Madrid inclui 58 medidas, com um orçamento de 1 bilhão de euros. (Energías Renovables – 11.01.2023) 
Link Externo

Microrredes e VPP

GM, Ford e Google Nest lançam parceria para apoiar o desenvolvimento de usinas virtuais de energia

General Motors (GM), Ford e Google lançam uma nova parceria de usina virtual de energia (VPP), conhecida como VP3. Formado pelo Rocky Mountain Institute (RMI), uma organização sem fins lucrativos com o objetivo de impulsionar inovações para eficiência energética, o VP3 foi criado em reconhecimento ao trabalho crítico necessário para ampliar o mercado de Usinas Virtuais de Energia (VPPs). Com base na RMI, a iniciativa visa transformar a política, aumentar os VPPs e superar as barreiras ao crescimento do mercado de VPP. Com a orientação e apoio de seus membros, a parceria trabalhará para catalogar, pesquisar e comunicar os benefícios do VPP, desenvolver melhores práticas, padrões e roteiros em todo o setor, além de informar e moldar o desenvolvimento de políticas (Smart Energy – 12.01.2023).
Link Externo

Schneider explora correntes fluviais como novo recurso para microrredes

Uma vantagem das microrredes é que elas podem usar praticamente qualquer forma de geração, tornando-as capazes de colher os benefícios dos recursos locais. No entanto, eles usam energia solar, baterias e geradores de combustível fóssil. Mas a Schneider Electric, especialista global em gerenciamento de energia, começou a incorporar um recurso incomum em microrredes construídas em áreas remotas: as correntes dos rios. Em colaboração com a ORPC, uma pequena empresa de Portland, que fornece o RivGen Power System, os geradores fluviais garantem eletricidade quando o sol não está brilhando nos painéis solares de uma microrrede ou quando a bateria está descarregada. A ORPC tende a se concentrar em áreas do mundo com rios adequados, com profundidade e fluxo suficientes para oferecer uma corrente constante e, portanto, uma potência consistente. Igiugig, no Alasca, servirá como local da primeira microrrede criada por Schneider e ORPC usando a tecnologia de geração fluvial. (MicrogridKnowledge – 09.01.2023) 
Link Externo

Autoridade hídrica do condado central do Texas desenvolverá uma microrrede

A RPower, com sede no Texas, desenvolverá uma microrrede de 10 MW para o Distrito de Melhoria e Controle de Água do Condado de Bell (WCID). O projeto “garante nossa conformidade com o Texas Water Code e traz benefícios para nossa comunidade”, de acordo com Ricky Garrett, gerente geral do WCID. Recentemente revisado em 2021 após a tempestade de inverno Uri, o Texas Water Code afirma que as concessionárias de água devem desenvolver um plano de preparação para emergências que inclua a capacidade de operar durante uma queda de energia prolongada. Além da conformidade com os códigos estaduais de água, o sistema ajudará a instalação a gerenciar seus custos de energia e aproveitar outras oportunidades de economia de custos, como programas de confiabilidade da rede. Um número crescente de concessionárias de água no Texas e em outros estados está investindo em microrredes para garantir a segurança pública e o acesso à água potável. (MicrogridKnowledge – 13.01.2023) 
Link Externo

Tecnologias e Soluções Digitais

Alliander está abrindo um laboratório de IA para digitalização da rede

A Alliander, operadora de rede holandesa, anunciou que abrirá um laboratório de Inteligência Artificial (IA) para redes de energia para coordenar a pesquisa em soluções de IA para permitir a digitalização da rede elétrica do país, a partir do subsídio concedido pela Organização Holandesa para Pesquisa Científica (NWO). O laboratório fará parte do Innovation Center for Artificial Intelligence (ICAI), uma rede nacional holandesa focada no desenvolvimento de tecnologia por meio da colaboração entre academia, indústria e governo na área de IA. O prêmio faz parte de um esquema de investimento mais amplo da NWO, que nos próximos dez anos, investirá US$ 26,9 milhões com o objetivo de conduzir pesquisas sobre IA confiável na Holanda. Para acelerar a transição energética, o sistema energético do país deve se tornar mais sustentável, descentralizado e digitalizado. Nos últimos anos, a rede elétrica holandesa tem enfrentado gargalos frequentes, pois a rede não tem mais capacidade para absorver novas fontes renováveis. (Smart Energy – 11.01.2023) 
Link Externo

Alemanha irá acelerar a implantação da medição inteligente a partir de 2025

O governo alemão adotou um projeto de lei para reiniciar a digitalização da transição energética e acelerar a implantação da medição inteligente. A lei, que entra em vigor na primavera de 2023, permite que a implantação da medição inteligente em larga escala comece imediatamente antes de se tornar obrigatória a partir de 2025 e fornece um roteiro com prazos vinculativos para alcançar uma implantação completa até 2030. Isso inclui uma implantação de 20% até o final de 2025, 50% até o final de 2028 e 95% até o final de 2030 para consumidores residenciais e pequenas empresas e geradores. Isso fornecerá a infraestrutura necessária para um sistema de energia neutro em termos climáticos até 2030, de acordo com uma declaração do Ministério Federal de Assuntos Econômicos e Proteção Climática (BMWK), que redigiu a lei. Robert Habeck, Ministro de Assuntos Econômicos e Proteção Climática, disse que a adoção do projeto de lei é um passo importante em direção a um sistema de energia digitalizado. (Smart Energy – 11.01.2023) 
Link Externo

Segurança Cibernética

EUA: Governadora de NY assina legislação para proteger a rede de energia de ameaças cibernéticas

A governadora do estado de Nova York, Kathy Hochul, assinou uma legislação que criará as mais fortes proteções de segurança cibernética do país para a rede de energia do estado. Essa ação, tomada durante uma onda global de ataques cibernéticos contra infraestrutura crítica, garantirá que a rede elétrica de Nova York permaneça confiável e segura. A legislação aprovada por unanimidade na Assembleia do Estado de Nova York e no Senado do Estado de Nova York, fortalece as proteções para o sistema de distribuição local e exige que as concessionárias protejam a infraestrutura crítica contra-ataques cibernéticos. A medida exigirá que as concessionárias se preparem para ataques cibernéticos em seus planos anuais de resposta a emergências, semelhante ao que as concessionárias fazem para se preparar para tempestades. As novas proteções fornecerão à Comissão de Serviço Público poderes de auditoria aprimorados para garantir que a infraestrutura crítica e os dados do cliente sejam protegidos. (Electric Energy Online - 09.01.2023)
Link Externo

EUA: DOE abre chamada para soluções de segurança cibernética para proteção de recursos de energia renovável e a rede elétrica

O Departamento de Energia dos EUA (DOE) e o Laboratório Nacional de Energia Renovável (NREL) anunciaram uma chamada de inscrições para o programa Clean Energy Cybersecurity Accelerator (CECA). O programa reúne especialistas federais, representantes do setor de energia e inovadores em um esforço unificado para desenvolver rapidamente soluções de segurança cibernética para recursos de energia renovável e outras operações de rede e trazê-los ao mercado mais rapidamente. O CECA é um componente-chave da estratégia do DOE para garantir que a infraestrutura de energia crítica da América permaneça confiável, resiliente e segura à medida que mais energia renovável é incorporada ao mix de geração para alcançar a visão ambiciosa do presidente Biden de um setor de eletricidade 100% limpa até 2035 e uma economia de zero emissão até 2050. (Electric Energy Online - 10.01.2023)
Link Externo

Eventos

17ª edição do Fórum GD – Região Sudeste acontecerá no Espírito Santo em 2023

A 17ª edição do Fórum Regional de Geração Distribuída (Fórum GD) já tem data para acontecer. O evento, que é voltado exclusivamente para a micro e minigeração de energia no Brasil, está confirmado para os dias 1 e 2 de março de 2023, em Vitória, no Espírito Santo. Promovido pela Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD) e organizado pelo Grupo FRG Mídias & Eventos, o fórum tem como principal objetivo reunir a cadeia produtiva do setor de geração distribuída (GD) com fontes renováveis da região Sudeste, bem como debater importantes assuntos envolvendo o setor com oportunidades de negócios, barreiras regulatórias, impedimentos jurídicos, tecnologias inovadoras, financiamento, capacitação e perspectivas de crescimento. O Fórum GD, contará com a participação dos principais players, especialistas do setor com foco em discutir os principais desafios e oportunidades para o setor. (ABGD - 11.01.2023) 
Link Externo

Webinar GESEL “Financiamento para Sistemas de Armazenamento de Energia”

Com o objetivo de fomentar as discussões envolvendo barreiras e oportunidades técnicas e regulatórias para os Sistemas de Armazenamento de Energia no Brasil, principais linhas de financiamento aplicáveis e respectivos aprimoramentos necessários, o GESEL, em parceria com a GIZ e Mitsidi irá realizar um Webinar no próximo dia 31/01, a partir de 10h. O armazenamento de energia permitirá o aproveitamento completo de usinas de Energia Renovável Variável, evitando curtailment, possibilitando a postergação de investimentos na expansão das redes, a redução de custos para os consumidores e tornando o sistema elétrico mais flexível. Das várias opções de armazenamento, as mais promissoras são as Baterias e Usinas Hidroelétricas Reversíveis. O sistema elétrico brasileiro exige soluções de armazenamento para manter a qualidade e confiabilidade dos serviços do sistema e assim se beneficiar dos baixos custos de Geração Renovável Variável. O evento contará abertura de Roberto Brandão (GESEL) e Jan Knaack (GIZ) e palestras de: Carlos Augusto Brandão (ABAQUE); Guilherme Arantes (BNDES); Emiliano Portela (BNB); Luiz Mello (Grupo Moura). A moderação será de Roberto Brandão (GESEL). Para inscrição, clique aqui.
Link Externo