IFE
22/03/2023

IFE Mobilidade Elétrica 147

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Carolina Tostes e Vinicius José da Costa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
22/03/2023

IFE nº 147

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Carolina Tostes e Vinicius José da Costa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Mobilidade Elétrica 147

Políticas Públicas e Regulatórias

Alemanha: Hamburgo encomenda novos ônibus elétricos para frota municipal

A Verkehrsbetriebe Hamburg-Holstein GmbH (VHH) está encomendando até 100 ônibus elétricos da MAN Truck & Bus. A VHH também encomendou recentemente 95 ônibus elétricos Mercedes-Benz Citaro E, com opção para mais 155. A VHH já solicitou os primeiros 48 eBuses do novo acordo-quadro com a MAN. A entrega dos veículos está prevista para a virada do ano 2023/2024. Em 2022, a VHH optou pela MAN eBuses pela terceira vez: o pedido incluiu 30 ônibus elétricos individuais e 6 ônibus elétricos articulados. O ônibus totalmente elétrico da MAN entrou em produção em série em 2020 e, até o momento, foram recebidos mais de 1.000 pedidos. Em 2022, a quota de eBuses vendidos foi de cerca de doze por cento dos autocarros urbanos vendidos pela MAN na Europa. (Green Car Congress - 18.03.2023) 
Link Externo

EUA: Primeira rodada de programa para financiamento de infraestrutura de carregamento e abastecimento

A primeira rodada de financiamento de até US$ 700 milhões do novo Programa de Concessão Discricionária de Infraestrutura de Carga e Abastecimento (CFI) de US$ 2,5 bilhões do Departamento de Transporte dos EUA foi aberta. Os US$ 700 milhões são alocados para os anos fiscais (AF) 2022 e 2023 para implantar o carregamento de VE e outros projetos alternativos de infraestrutura de abastecimento de veículos estrategicamente em locais acessíveis ao público em comunidades urbanas e rurais, bem como ao longo de Corredores de Combustível Alternativo (AFCs) designados. O Programa de Subsídios Discricionários do CFI se baseia no Programa de Fórmula de Infraestrutura Nacional de Veículos Elétricos (NEVI) de US$ 5 bilhões, para o qual a Federal Highway Administration (FHWA) publicou padrões mínimos finalizados em fevereiro. O programa concede doações competitivas para projetos que atendem a uma variedade de candidatos a preencher lacunas na rede nacional de carregamento e abastecimento alternativo e aumentar a infraestrutura nas comunidades urbanas e rurais. (Green Car Congress - 15.03.2023) 
Link Externo

UE: Comissão Europeia apresenta dois projetos de lei em resposta aos subsídios dos EUA

A Comissão Europeia (CE) divulgou dois projetos de lei em resposta aos subsídios dos EUA que a Comissão teme estarem atraindo empresas européias de tecnologia limpa para a América do Norte. A Lei Europeia de Matérias-Primas Críticas ajudaria o bloco a garantir o fornecimento dos metais necessários para construir baterias, turbinas eólicas e outras tecnologias verdes. A Lei de Matérias-Primas Críticas foi apresentada paralelamente à Lei da Indústria Líquida Zero , que visa aumentar a fabricação da UE de tecnologias neutras em carbono ou “líquidas zero” para garantir cadeias de abastecimento seguras, sustentáveis ​​e competitivas para energia limpa em vista de alcançar as ambições climáticas e energéticas da UE. Além de uma lista atualizada de matérias-primas críticas, a Lei de Matérias-Primas Críticas identifica uma lista de matérias-primas estratégicas que são cruciais para tecnologias importantes para as ambições ecológicas e digitais da Europa e para aplicações espaciais e de defesa, ao mesmo tempo em que estão sujeitas a riscos potenciais de fornecimento em o futuro. O regulamento incorpora as listas de matérias-primas críticas e estratégicas na legislação da UE. O regulamento estabelece referências claras para as capacidades domésticas ao longo da cadeia estratégica de abastecimento de matérias-primas e para diversificar o abastecimento da UE até 2030. (Green Car Congress - 17.03.2023) 
Link Externo

Inovação e Tecnologia

7-Eleven: Nova rede de carregamento rápido na América do Norte

O grupo 7-Eleve anunciou a construção da sua própria rede de carregamento rápido nos Estados Unidos e Canadá no nome ‘7Charge’, prometendo se tornar uma das maiores redes na América do Norte. A 7-Eleven contará com uma combinação de carregadores CCS e CHAdeMO, de acordo com o anúncio. Embora a 7-Eleven não forneça números específicos sobre o número de estações planejadas ou o número de pontos de carregamento por estação em sua carta atual, um anúncio de 2021 falou de pelo menos 500 pontos de carregamento CC em 250 locais até o final de 2022. "Por mais de 95 anos, a 7-Eleven inovou para atender às necessidades de nossos clientes - oferecendo conveniência onde, quando e como eles querem", disse Joe DePinto, presidente e diretor executivo da 7-Eleven. “Agora, estamos inovando mais uma vez para atender nossos clientes onde eles estão, expandindo nossos negócios para fornecer aos motoristas de EV a conveniência do futuro... hoje.” (Electrive 17.03.23) 
Link Externo

AIT: Projeto EMBOPOWER vai desenvolver caminhões BEV e FCEV

O instituto de tecnologia da Áustria, AIT, iniciou o EMPOWER, novo projeto da UE. Nos próximos anos, a AIT e seus parceiros irão desenvolver dois novos caminhões emissão zero, analisando tanto os acionamentos elétricos por bateria e a célula de combustível. EMPOWER é a abreviação de Multi-POWERtrain ecológico, modular e flexível para veículos pesados de longo curso e tem um orçamento de €18 milhões. Os parceiros do projeto incluem IVECO e Air Liquide, que provavelmente assumirão a infraestrutura H2, além de FPT Motorenforschung AG, IFP Énergies nouvelles, Politecnico di Torino, Istituto per Innovazioni tecnologiche Bolzano, Lead Tech, Villinger GmbH, Fundación CIDETEC, CT Engineering GmbH, Gruber Logistics e Brembo, especialista em freios. (Electrive - 15.03.23) 
Link Externo

BP: Infraestrutura de recarga em inaugurada na França

A BP fez uma parceria com a empresa imobiliária Compagnie de Phalsbourg na França para construir mais de 25 hubs de HPC até 2025. O empreendimento marca a estreia no mercado da subsidiária de infraestrutura de cobrança BP Pulse na França. Os 25 parques de carregamento rápido estarão localizados em centros comerciais, principalmente nos arredores das principais cidades e perto das principais rodovias. Cada um será equipado com “tecnologia de carregamento de última geração”, incluindo estações de carregamento de 300 kW. (Electrive - 17.03.23) 
Link Externo

Tesla: Primeiro Supercharger V4 do mundo é conectado na Holanda

A Tesla conectou suas primeiras estações de carregamento rápido de quarta geração. Os 16 Superchargers V4 estão localizados em Harderwijk, na Holanda. A principal diferença em relação à geração anterior é, além da carcaça mais alta, o cabo de carregamento mais longo. Isso deve facilitar o uso dos carregadores por outras marcas. Os novos Superchargers em Harderwijk estão inicialmente abertos apenas para veículos Tesla, já que a Tesla quer testar e avaliar o desempenho das novas estações. No entanto, em breve, todos os outros EVs também podem se conectar lá. O processo de carregamento para veículos Tesla permanece o mesmo, como visto nos primeiros vídeos de carregamento feitos em Harderwijk. (Electrive - 16.03.23) 
Link Externo

Volvo Penta e Gradall: Colaboração no conceito de escavadeira elétrica

A Volvo Penta e o fabricante norte-americano de escavadeiras de lança telescópica Gradall Industries estão apresentando o mais recente desenvolvimento em sua parceria na CONEXPO esta semana - uma versão eletrificada da escavadeira de rodas XL 4100 V do fabricante original. A máquina com conceito de emissão zero, denominada EL41H4, está em exibição no Gradall Booth, W41500. A máquina conceitual é totalmente alimentada por duas baterias Volvo Penta, combinadas com o ciclo de trabalho da escavadeira, que se encaixam perfeitamente no compartimento do motor existente. O sistema de transmissão elétrica da Volvo Penta também inclui o sistema completo de alta tensão – motores elétricos, caixas de câmbio, inversores, caixas de junção e cabeamento. (Green Car Congress - 16.03.2023) 
Link Externo

Indústria Automobilística

Indústria brasileira desperta para o carro elétrico

O Brasil parece mais desperto ao tema da mobilidade elétrica. A BYD deve mesmo assumir o antigo complexo da Ford em Camaçari (BA). Com investimento de R$ 3 bilhões, a gigante chinesa e uma das maiores referências mundiais em produção de veículos eletrificados deve dividir o espaço em três fábricas: de carros híbridos e elétricos; de ônibus e caminhões elétricos; de processamento de lítio para baterias. A parte não tão boa é que, ao que tudo indica, a mesma BYD desistiu de adquirir também a planta da Stellantis em Campo Largo (PR), que era responsável pelo fabrico dos extintos motores E.Torq e, muito provavelmente, deve ser fechada. E há outros passos sendo dados. A WEG, empresa nacional já muito bem estabelecida no mercado de motores elétricos, anunciou um aporte de R$ 100 milhões para construir uma unidade de produção de baterias para veículos elétricos em Jaraguá do Sul (SC), mesma cidade de sua sede. Já para este ano deve ficar pronta a fábrica de ônibus elétricos da Eletra em São Bernardo do Campo (SP). São R$ 22 milhões provisionados para criar uma linha capaz de montar até 150 veículos mensalmente, sendo 1.800 ao ano. De lá, sairão produtos da família e-Bus. Por fim, a mineradora brasileira Sigma iniciará a produção de lítio no Vale do Jequitinhonha em abril, com a promessa de extrair 270 mil só este ano. Além disso, já captou R$ 800 milhões para triplicar a capacidade em 2024, chegando a 768 mil toneladas anuais. Esses e outros projetos indicam que, sim, a indústria nacional começa aos poucos a acordar para esta nova realidade chamada eletromobilidade. (Auto Papo - 18.03.2023) 
Link Externo

Montadoras asiáticas lideram corrida dos VEs no Brasil

Empresas asiáticas, em especial as chinesas, estão liderando o processo de eletrificação dos automóveis no Brasil, com anúncios de fábricas para produção exclusiva de carros elétricos, híbridos e híbridos plug-in. Os grupos europeus e americanos mais tradicionais aguardam decisões sobre uma política industrial com foco na descarbonização e o aval das matrizes para investimentos locais nas novas tecnologias de mobilidade. Líder global no desenvolvimento da tecnologia de veículos eletrificados e com eficiência na produção de baterias e semicondutores, a China registrou, em 2022, participação de quase 30% de eletrificados nas vendas totais de automóveis no mercado local, fatia inicialmente projetada para 2025. Com o consumo em crescimento acelerado, as fabricantes chinesas passaram a escolher outros países para expandir a tecnologia elétrica, e o Brasil entrou nessa rota. A aposta dos asiáticos é de alta constante do mercado, apesar de o segmento participar de apenas 2,5% das vendas de automóveis e não ter subsídios governamentais para a compra, como em outros países. Além disso, tem o etanol, considerado um “combustível verde” para amenizar os índices de emissão de carbono. Adalberto Maluf, presidente da ABVE, avalia que as chinesas, por serem competitivas, estarem à frente do ponto de vista tecnológico e produzirem as próprias baterias e semicondutores, não vão atrás apenas de mercados que têm estímulos e política pública, mas daquele que também não têm, como o Brasil. “Elas sabem que seus produtos podem competir inclusive com aqueles à combustão”, afirma. (O Estado de São Paulo – 13.03.2023)  
Link Externo

Montadoras asiáticas anunciam planos para o mercado sulamericano

A GWM (Great Wall Motor) e a BYD anunciaram investimentos de R$ 10 bilhões e R$ 3 bilhões, respectivamente, em operações no País. A primeira comprou a fábrica da Mercedes-Benz em Iracemápolis (SP), e a segunda está prestes a fechar a aquisição da planta da Ford em Camaçari (BA), ambas desativadas. A previsão é que, acertada a compra da fábrica na Bahia, a produção comece no fim de 2024 ou início de 2025. “O certo é que vamos produzir veículos de alta tecnologia e desenvolver uma cadeia produtiva local”, informa Segundo Henrique Antunes, diretor de vendas e marketing da BYD. “Queremos estar na vanguarda da eletrificação brasileira.” Já com a fábrica em Iracemápolis (SP) passando por adaptações, a GWM pretende iniciar a produção de híbridos flex na primeira metade do próximo ano. O Brasil entrou no radar de investimentos da companhia em razão de suas energias verdes, como a hidrelétrica e a solar, afirma James Yang, CEO da empresa no Brasil e na América Latina. A Chery escolheu a vizinha Argentina e deve investir R$ 2 bilhões para produzir carros elétricos e baterias, segundo fontes locais. Entre as montadoras instaladas no Brasil há mais tempo, só a japonesa Toyota e a Caoa Chery produzem modelos híbridos flex (com motor elétrico que auxilia o motor principal a etanol ou gasolina). (O Estado de São Paulo – 13.03.2023)  
Link Externo

Volkswagen: Primeiro VE para o mercado brasileiro será lançado até 2025

Das três maiores fabricantes de veículos do Brasil - Fiat, Volkswagen e Chevrolet -, a fabricante alemã é a única que ainda não tem um modelo elétrico em sua gama de automóveis e comerciais leves. Mas ao que tudo indica, essa situação deve mudar nos próximos dois anos, quando a Volkswagen lançará seu primeiro carro elétrico no Brasil. O modelo, ainda não revelado, é um dos 15 lançamentos anunciados no ano passado. O representante movido a energia elétrica deverá ser o ID.4. Falando no pacote de equipamentos, caso o ID.4 venha ao Brasil, será o Volkswagen mais tecnológico já vendido no Brasil. (Auto Esporte - 16.03.2023) 
Link Externo

Audi: Metas e Estratégias para a eletromobilidade

A Audi lançará 20 novos carros até 2025, metade deles elétricos, enquanto se esforça para lançar apenas novos EVs em todo o mundo a partir de 2026. Falando na conferência anual da empresa alemã, o CEO da Audi, Markus Duesmann, saudou o anúncio como sendo “à beira da maior iniciativa de produto em nossa história”. Ele disse: “Até 2025, teremos lançado cerca de 20 novos modelos, mais de 10 dos quais serão totalmente elétricos. Definimos o curso para ser 100% elétrico. Até 2027, buscamos oferecer um veículo totalmente elétrico em cada segmento principal”. Duesmann também reafirmou o plano da Audi de encerrar a produção de carros a combustão em 2033 – sete anos após o lançamento do novo modelo final – e eliminar gradualmente os modelos à medida que aumenta sua linha de VEs. A empresa pretende alcançar emissões líquidas zero até 2050. (G7 - 16.03.2023) 
Link Externo

Honda: Conversão de fábrica de VEs nos EUA

A Honda publicou mais detalhes sobre a conversão de suas fábricas no estado americano de Ohio para a futura produção de carros elétricos e os componentes para eles. Para as conversões de fábrica planejadas, as duas linhas de produção que atualmente fabricam motores de combustão e híbridos serão consolidadas em uma linha para a produção de carros elétricos. Em termos de garantir as matérias-primas necessárias nos EUA, que precisam ser de origem local para se qualificar totalmente para os subsídios da Lei de Redução da Inflação, a Honda também já firmou acordos, como o acordo anunciado no final de fevereiro com a Ascend Elements para o fornecimento de níquel, cobalto e lítio a partir de baterias de íon de lítio recicladas. A empresa vem renovando sua estratégia BEV ultimamente e está em processo de criação de uma divisão especializada para lidar com a tecnologia de veículos sem emissões. (Electrive - 15.03.23) 
Link Externo

Nikola: Fabricação de baterias sairá da Califórnia para o Arizona até abril de 2023

A Nikola Corporation disse que sua mudança para a transição da fabricação de baterias de Cypress, Califórnia para sua instalação de fabricação em Coolidge, Arizona - após a aquisição da Romeo Power, com sede em Cypres (postagem anterior) - deve ser concluída até abril de 2023, meses antes de o cronograma inicial. A capacidade de agilizar esse processo apoia ainda mais o compromisso contínuo de Nikola em implementar medidas de economia de custos, reunindo a montagem do caminhão Nikola, a montagem do módulo de energia da célula de combustível e a produção do módulo e do pacote de bateria sob o mesmo teto. Isso inclui a automação da linha de baterias voltada para melhorar a qualidade e aumentar a eficiência. Espera-se que uma presença de engenharia de bateria permaneça na Califórnia em uma instalação separada para se concentrar no desenvolvimento da próxima geração de software e módulos do sistema de gerenciamento de bateria da Nikola. (Green Car Congress - 17.03.2023) 
Link Externo

Sandvik: Novos polos de produção de VEs na Malásia

A fabricante sueca Sandvik está procurando atender à crescente demanda por veículos elétricos a bateria na indústria de mineração. Para esse fim, a empresa quer criar uma nova fábrica na Malásia. “A Malásia está entre os países tecnologicamente mais desenvolvidos do Sudeste Asiático e tem mão de obra qualificada abundante, fortes fornecedores industriais locais e infraestrutura confiável”, diz Mats Eriksson, presidente da Sandvik Mining and Rock Solutions. “Nossos clientes de mineração na Ásia-Pacífico desfrutarão de prazos de entrega mais curtos para equipamentos fabricados de acordo com os mesmos padrões Sandvik de qualidade e segurança.” A fábrica se concentrará na produção de veículos de mineração totalmente elétricos. No entanto, de acordo com a Sandvik, carregadores e caminhões convencionais e gaiolas de bateria também sairão da linha de produção lá. (Electrive - 13.03.23) 
Link Externo

Tesla: Expansão de Gigafactory Berlin aumentará produção anual

A Tesla apresentou sua solicitação ambiental para expandir a Gigafactory Berlin para produzir um milhão de veículos por ano. Ao aumentar a produção de um novo veículo para o volume em uma nova fábrica, a Tesla geralmente considera 5.000 unidades por semana como meta. Depois de iniciar a produção no final de 2021, a Tesla originalmente pretendia alcançar isso na Gigafactory Berlin até o final de 2022. Mas a meta era ambiciosa em meio a uma crise contínua na cadeia de suprimentos global. A montadora deve atingir sua meta de 5.000 unidades por semana relativamente em breve. (Electrek - 16.03.2023) 
Link Externo

VinFast: Abertura de fábrica nos EUA é adiada para 2025

A fabricante vietnamita VinFast irá abrir a sua primeira planta nos Estados Unidos mais tarde do que o previsto. Cerca de um ano atrás, a montadora divulgou planos para a instalação no Condado de Chatham, Carolina do Norte, dizendo que as operações começariam em julho de 2024, mas a data de abertura agora foi adiada para 2025. "Precisamos de mais tempo para concluir os procedimentos administrativos", escreveu VinFast em um comunicado. "Precisamos de mais tempo para concluir os procedimentos administrativos", escreveu VinFast em um comunicado. (Electrive - 14.03.23) 
Link Externo

Volkswagen: Novo centro de competências em VEs em Kassel, na Alemanha

A Volkswagen Group Components está expandindo sua fábrica em Kassel, no centro da Alemanha, abrindo um novo centro de competência para eletrônica de potência que agrupará todas as áreas relevantes para o desenvolvimento de inversores de pulso para unidades eletrônicas. Para esse fim, a VW Components mudaria lentamente seu portfólio para o local, produzindo mais motores elétricos e componentes eletrônicos, como inversores de pulso. De acordo com a VW, o fabricante está se preparando para sair do negócio de motores de combustão. Por esse motivo, a produção de sistemas de exaustão no local de Kassel deve ser descontinuada “a longo prazo”. No entanto, a VW não anunciou a data exata. (Electrive - 17.03.23) 
Link Externo

Volkswagen: PowerCo inicia construção de segunda gigafábrica

A PowerCo do Grupo Volkswagen iniciou a construção de sua segunda fábrica de células PowerCo. A Gigafactory Valencia iniciará a produção da célula unificada em 2026. O Grupo Volkswagen fez da tecnologia de baterias um elemento central de sua estratégia NEW AUTO e estabeleceu a PowerCo, uma empresa separada de baterias. Desde seu lançamento em julho de 2022, a PowerCo decidiu três locais para fábricas de células: Salzgitter, Valencia e St. Thomas em Ontário/Canadá, dois deles já em construção. A capacidade de produção anual de Valência é inicialmente de 40 GWh, mas tem potencial para ser expandida para 60 GWh no futuro. A PowerCo tem como objetivo fabricar baterias sustentáveis ​​em Valência. A fábrica de células será totalmente abastecida com eletricidade verde gerada por energia solar e eólica, por exemplo, por uma nova fazenda solar de 250 hectares nas imediações. O ciclo da matéria-prima será fechado diretamente no site da fábrica de células. (Green Car Congress - 18.03.2023) 
Link Externo

Volkswagen: Novas metas e estratégias para o mercado de VEs

A marca VW aumentou suas metas de vendas de carros elétricos na Europa e na América do Norte. Na Europa, até 80% dos carros vendidos pela VW devem ser BEVs até 2030, em vez dos 70% planejados anteriormente; na América do Norte, uma participação BEV de 55% está planejada até então - em vez dos 50% anteriores. Para garantir que oito em cada dez novos Volkswagens sejam elétricos a bateria até 2030, a marca Wolfsburg quer lançar dez novos modelos BEV até 2026. No anúncio, a Volkswagen cita o ID.3 revisado, o ID.3 GTX, o ID. Buzz com longa distância entre eixos ou o ID.7 - e, claro, o ID.2. Portanto, nem todos os dez modelos são fundamentalmente novos; variantes de modelos bem conhecidos também estão incluídas. (Electrive - 15.03.23) 
Link Externo

Volkswagen e BMW: Redução de preços de VEs na China

As joint ventures Volkwagen FAW-Volkswagen e SAIC Volkswagen estão reduzindo os preços de seus modelos de identificação na China em até 40.000 yuans (US$ 5.796). A razão é simples: as vendas caíram. A FAW-Volkswagen supostamente vendeu 9.572 unidades a menos em janeiro-fevereiro em comparação com o ano passado, correspondendo a uma queda de 8,3%. A VW e a BMW são os fabricantes mais recentes a aparentemente reagir à onda de cortes de preços iniciada pela Tesla em janeiro, quando os preços do Modelo Y caíram entre 29.000 e 48.000 yuans, dependendo da opção de condução. (Electrive - 13.03.23) 
Link Externo

Xpeng: Vendas de VEs estão aumentando gradativamente

A fabricante chinesa de carros elétricos Xpeng entregou 120.757 veículos no ano passado. De acordo com o relatório, as vendas totalizaram 26,86 bilhões de yuans (cerca de 3,67 bilhões de euros), um aumento de 28% em relação ao ano anterior. No entanto, a perda líquida da empresa subiu ao mesmo tempo de 4,86 bilhões de yuans para o referido valor de 9,14 bilhões de yuans ou 1,25 bilhão de euros. A Xpeng relatou sua margem bruta para o ano inteiro em 11,5%, uma queda de um ponto percentual em relação a 2021. “Reanalisamos de forma abrangente nossa estratégia e tomamos ações decisivas para executar nossa reestruturação organizacional e fortalecer nossas capacidades quando necessário”, disse He Xiaopeng, presidente e CEO da empresa, citado no relatório anual. (Electrive - 17.03.23) 
Link Externo

Volkswagen: Cenário para VEs no Brasil não é otimista

O avanço dos planos de eletrificação foi o destaque do anúncio dos resultados financeiros globais do Grupo Volkswagen, nesta terça-feira (14), em Berlim (Alemanha), além das boas margens alcançadas pela empresa. O encontro aconteceu em um clima de otimismo e teve anúncios de investimentos em tecnologia, mas sem espaço para países fora da Europa, China e América do Norte. Oliver Blume, CEO do Grupo Volkswagen, respondendo sobre os planos de descarbonização para o Brasil: “O Brasil está incluído no plano de investimento, mas quanto aos elétricos o quadro não é tão bom. Não exclui para o futuro, mas é preciso levar em conta a legislação. Brasil, África do Sul e Índia terão outras soluções, que serão desenvolvidas ao mesmo tempo.” (Auto Esporte - 14.03.2023)  
Link Externo

Xiaomi: Carro elétrico pode estrear antes do previsto, já em 2024

A Xiaomi, gigante empresa chinesa de eletrônicos de consumo que fabrica desde smartphones a aspiradores e lâmpadas, planeja fabricar um carro elétrico desde março de 2021. De acordo com um artigo sobre o assunto no CnEVPost, o CEO da Xiaomi, Lei Jun, disse durante uma reunião em 5 de março que o projeto de carro da empresa está progredindo "além das expectativas", com vários protótipos tendo completado recentemente os testes de inverno e a produção em massa prevista para começar já na primeira metade de 2024. De acordo com relatórios anteriores, a empresa chinesa confirmou que seu primeiro EV será um sedã equipado com um sistema Lidar fornecido pela Hesai Technology, sediada na Califórnia, onde Lei disse no ano passado que a Xiaomi estava testando sua própria tecnologia de assistência ao motorista que pretende ser de vanguarda. A primeira incursão da Xiaomi no mundo dos carros elétricos de passageiros terá um preço inicial de cerca de US$ 43.000 (R$ 225.000) quando for à venda na China no próximo ano, de acordo com a CnEVPost. (Inside EVs - 17.03.2023)  
Link Externo

Meio Ambiente

ESG: Volvo anuncia segunda expansão em postos de recarga no Brasil

Desde que começou a apostar nos carros híbridos plug-in e 100% elétricos a Volvo vem trabalhando para expandir os postos de recarga no Brasil, sendo que o último anúncio veio no final de junho do ano passado, ocasião em que prometeu a instalação de 13 postos de recarga rápida espalhados por Minas Gerais e São Paulo. Agora eis a segunda fase de expansão de eletropostos da Volvo em outros estados do país. No anúncio da segunda-feira (13) a Volvo trouxe alguns dados que mostram o cenário atual, onde pelo país temos 1.000 carregadores AC de conveniência urbana, ou seja, aqueles localizados em supermercados, shoppings, concessionárias, entre outros. A infraestrutura da Volvo em si passa por mais de 43 carregadores DC nas concessionárias da marca, bem como outros 13 pontos de recarga DC. Nesta segunda fase, os eletropostos da Volvo agregam outros estados fora do eixo São Paulo-Minas. (Inside EVs - 13.03.2023)  
Link Externo

ESG: Raízen inaugura nova estação de recarga rápida para VEs no ABC Paulista

A Raízen anunciou na quarta-feira (15/03) a inauguração de uma nova estação de recarga rápida para carros elétricos. O programa de eletromobilidade Shell Recharge, localizado no Posto Automan, em Santo André, no ABC Paulista, faz parte da estratégia da empresa em contribuir com a descarbonização do setor automobilístico. O eletroposto possui um carregador de 50 kW com um plugue CCS2 e um ChadeMo, que podem abastecer carros elétricos em aproximadamente 35 minutos com energia de fonte renovável. Além desta estação, a Raízen também possui outros eletropostos de recarga rápida acima de 50 kW implementados na capital, interior paulista – Campinas e Caraguatatuba - e no Rio de Janeiro. (Portal Solar - 15.03.2023) 
Link Externo

ESG: FedEx Express amplia frota de VEs no Brasil

O setor de logística é um dos segmentos que terá a expansão mais rápida na transição energética no Brasil. A FedEx Express, maior empresa de transporte expresso do mundo, anuncia a expansão da sua frota de veículos elétricos no Brasil. De acordo com o comunicado oficial, em 2023, começam a circular em Salvador (BA) e em Recife (PE) oito vans elétricas para atender clientes do Nordeste do País. A FedEx afirmou que planeja seguir ampliando a quantidade de veículos de emissão zero em sua frota brasileira. Uma das pioneiras na eletrificação, a FedEx se tornou a primeira empresa de cargas a ter veículos elétricos no Brasil, quando adicionou as primeiras unidades elétricas em sua frota em 2014. A meta global é substituir todos os veículos de carga por modelos elétricos até 2040. Uma ação que está programada para acontecer em fases, alinhada às projeções de aumento da disponibilidade de veículos elétricos comerciais e infraestrutura correspondente nos próximos anos. O objetivo é que, até 2025, 50% das compras de veículos de coleta e entrega da FedEx sejam modelos de emissão zero, aumentando para 100% de todas as aquisições de coleta e entrega até 2030. (Inside EVs - 17.03.2023)  
Link Externo

ESG: Volvo entrega primeiro caminhão elétrico pesado para a coleta de lixo no Marrocos

A Volvo Trucks entregou seu primeiro caminhão elétrico pesado para Rabat, Marrocos. O cliente é a empresa de coleta de lixo Arma, e este é o primeiro caminhão pesado elétrico a bateria de um fabricante global a entrar em operação comercial na África. O caminhão é um Volvo FE Electric, um dos seis modelos de caminhões Volvo totalmente elétricos, já em produção em série. A Volvo Trucks tem a mais ampla linha de caminhões elétricos disponíveis para transportes comerciais. A meta global da empresa é que, em 2030, 50% de todos os novos caminhões vendidos sejam elétricos. O caminhão de emissão zero produzido em série será usado para coletar lixo pela Arma em Rabat. Ao substituir o caminhão Volvo FE a diesel existente por um Volvo FE elétrico em uma rota típica. Marrocos tem metas climáticas ambiciosas, baseadas em grandes investimentos em energia renovável. O país é líder em energia solar e abriga a maior instalação de energia solar concentrada do mundo. (Green Car Congress - 17.03.2023) 
Link Externo

ESG: Blink Charging vai fornecer estações de carregamento para serviço postal dos EUA

A Blink Charging, fabricante, proprietária, operadora e fornecedora de equipamentos e serviços de carregamento de veículos elétricos, recebeu um contrato de entrega indefinida e quantidade indefinida (IDIQ) do Serviço Postal dos Estados Unidos (USPS) para vender até 41.500 carregadores de VEs para apoiar a infraestrutura da USPS como parte de sua estratégia de eletrificação de veículos. A Blink oferece uma gama de produtos e serviços para frotas para trazer práticas sustentáveis ​​e iniciativas ecológicas para as instalações da frota e criar um sistema de frota confiável e pronto. Esses produtos e serviços incluem hardware e software de gerenciamento que conecta veículos, motoristas e carregadores de veículos elétricos, além da capacidade de aproveitar a infraestrutura de carregamento de VEs existente, maximizar a economia de custos com controles de gerenciamento de energia e economizar no custo de manutenção vitalícia do veículo. (Green Car Congress - 17.03.2023) 
Link Externo

Electra: Produção de lítio a partir de teste de reciclagem de baterias

A Electra Battery Materials Corporation recuperou com sucesso o lítio em seu teste de reciclagem de massa negra sendo conduzido em sua refinaria ao norte de Toronto. A Electra disse que a recuperação e subsequente produção de um produto de carbonato de lítio de grau técnico em um ambiente de escala industrial valida seu processo hidrometalúrgico proprietário e os esforços até o momento no comissionamento de seu maior complexo de refinaria. Massa negra é o termo da indústria usado para descrever o material restante depois que as baterias de íon-lítio vencidas são trituradas e todos os invólucros removidos. A massa negra contém elementos de alto valor, incluindo lítio, níquel, cobalto, manganês, cobre e grafite, que uma vez recuperados, podem ser reciclados para produzir novas baterias de íons de lítio. Conforme divulgado anteriormente, a Electra decidiu estender suas atividades de processamento e recuperação de massa negra até junho de 2023, além da meta inicial da empresa de 75 toneladas. A quantidade total de material a ser processado e recuperado até junho será definida nas próximas semanas. A empresa identificou várias fontes de fornecimento e está discutindo os termos e condições com os fornecedores. (Green Car Congress - 14.03.2023) 
Link Externo

ESG: Waze lança localizador de pontos de recarga para VEs

O Waze, aplicativo de navegação por GPS, lançou uma atualização que mostra onde estão eletropostos para carregamento de baterias de VEs. Além disso, segundo a empresa, a nova funcionalidade mostra os tipos de equipamentos de recarga em cada um destes pontos para verificar se são compatíveis com cada modelo de carro, van, caminhão e ônibus movidos à eletricidade. “A ascensão dos VEs no Brasil é evidente, tamanho o crescimento do número de vendas em um ano. As informações sobre estações de carregamento muitas vezes são desatualizadas ou não confiáveis, dificultando a vida dos motoristas que correm o risco de dirigirem até um ponto de carga e descobrirem no local que não podem usá-lo. Na Waze, nosso objetivo é desenvolver funcionalidades para que aqueles que dirigem veículos elétricos tenham a melhor experiência possível conosco”, disse em nota a diretora do Waze no Brasil, Heloisa Pinho. (Diário do Transporte - 14.03.2023)  
Link Externo

Estudos

EVX: Alto custo e lentidão derrubam satisfação com carregamento doméstico de VEs nos EUA

A satisfação dos proprietários de veículos elétricos com o carregamento doméstico diminuiu em 2022 devido aos altos custos e velocidade lenta para a conclusão da recarga. A informação é do Estudo de Propriedade de Experiência de Veículo Elétrico (EVX) dos Estados Unidos, realizado pela JD Power. Segundo a pesquisa, mais de dois terços dos donos de elétricos no país norte-americano usam carregador doméstico de Nível 2 e a satisfação com a modalidade caiu 12 pontos no ano passado, para 740 em uma escala de 1.000 pontos. A satisfação também caiu entre os proprietários que usam carregador de Nível 1 ou portátil de Nível 2. O estudo aponta que 85% da recarga regular de veículos elétricos é feita em casa, por isso ter uma experiência positiva com carregamento doméstico é fundamental para o cliente aderir definitivamente a um carro eletrificado. A satisfação é maior entre os clientes da Tesla e menor entre os da Chevrolet. (Automotive Business - 16.03.2023) 
Link Externo

MIT: Estudo aponta perfis de carregamento para reduzir a demanda e o custo da eletricidade

A implantação em larga escala de tecnologias de eletricidade para VEs a bateria e fotovoltaica pode aumentar os custos de eletricidade, aumentando a demanda de eletricidade de pico à noite e causando excesso de geração de eletricidade durante o meio-dia. Um novo estudo de pesquisadores do MIT examina esses riscos e como eles se amplificam ou se atenuam. Os pesquisadores usaram dados coletados em duas cidades de amostra: Nova York e Dallas. Os dados foram coletados de, entre outras fontes, registros anônimos coletados por meio de dispositivos de bordo em veículos e pesquisas que cuidadosamente reuniram amostras das populações para cobrir comportamentos de viagem variáveis. Eles mostraram as horas do dia em que os carros são usados ​​e por quanto tempo, e quanto tempo os veículos gastam em diferentes tipos de locais. Em um artigo, os pesquisadores relataram que, em ambos os locais, o atraso no carregamento doméstico quase eliminou os aumentos na demanda de pico. Da mesma forma, o carregamento no local de trabalho pode reduzir a demanda de pico e, ao mesmo tempo, cortar a redução da eletricidade fotovoltaica pela metade. Essas duas abordagens podem ser combinadas para atender às condições locais e aos planos de descarbonização. (Green Car Congress - 20.03.2023) 
Link Externo