IFE
29/09/2022

IFE Hidrogênio 99

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas, José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito, Luana Oliveira e Sofia Paoli
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
29/09/2022

IFE nº 99

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas, José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito, Luana Oliveira e Sofia Paoli
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Hidrogênio 99

Políticas Públicas e Financiamentos

Europa: String recebe € 12,4 milhões de financiamento da UE para construir 12 estações de reabastecimento de hidrogênio

A String Megaregion recebeu € 12,4 milhões de euros da UE para construir uma rede transfronteiriça de 12 estações de abastecimento de hidrogênio para caminhões e automóveis. O programa da UE, Connecting Europe Facility (CEF), concedeu os fundos para o projeto de infraestrutura de hidrogênio 'Greater4H', que visa estimular a mudança do diesel para o hidrogênio na Alemanha, Dinamarca, Suécia e Noruega para transporte rodoviário pesado. A nova infraestrutura de hidrogênio possibilitará o descarte de caminhões a diesel a partir de 2025 e permitirá que outros veículos movidos a hidrogênio sejam reabastecidos na rede. A String Megaregion é uma organização de membros que conecta governos locais e regionais dos quatro países europeus. Três parceiros privados, GP Joule, Everfuel e Hynion, construirão os postos de abastecimento de hidrogênio, que ficarão localizados entre Hamburgo e Oslo. (Innovation News Network - 15.09.2022) 
Link Externo

Europa: Everfuel recebe € 7,67 milhões para construir oito postos de abastecimento de hidrogênio

A empresa dinamarquesa de hidrogênio verde, Everfuel, recebeu uma doação de € 7,67 milhões (US $ 7,67 milhões) para financiar parcialmente oito estações de reabastecimento de hidrogênio na Alemanha, Suécia e Dinamarca. Vindo como parte do projeto GREATER4H, liderado pela STRING, que planeja implantar um total de 14 estações de reabastecimento de hidrogênio ao longo de um importante corredor de tráfego de Hamburgo, Alemanha, para Oslo, Noruega, as estações Everfuel terão uma construída na Alemanha, duas na Suécia, e cinco na Dinamarca. O financiamento foi fornecido através do programa EU Connecting Europe Facility (CEF) Alternative Fuels Infrastructure Facility (AFIF), que se espera apoiar a implantação da infraestrutura de hidrogênio no norte da Europa. Todos os postos poderão fornecer hidrogênio a partir de dispensadores de 350 e 700 bar, facilitando o reabastecimento de veículos de passeio e pesados. (Everfuel - 13.09.2022) 
Link Externo

EUA: Anunciado financiamento estadual de US$ 16,6 milhões para armazenamento de hidrogênio

A governadora Kathy Hochul anunciou um financiamento de US$ 16,6 milhões para cinco projetos de armazenamento de energia de longa duração que ajudarão a aproveitar a energia renovável e fornecer energia armazenada à rede elétrica de Nova York. A líder do estado também anunciou um adicional de US$ 17 milhões em financiamento competitivo disponível para projetos que promovem o desenvolvimento e a demonstração de tecnologias inovadoras escaláveis de armazenamento de energia de longa duração, incluindo hidrogênio. Os projetos apoiarão a atual meta da Lei de Liderança Climática e Proteção Comunitária de instalar 3 GW de armazenamento de energia até 2030, facilitando o desenvolvimento adicional para 6 GW. (Governo de Nova York - 08.09.2022) 
Link Externo

Reino Unido: BEIS nomeia consórcio para apoiar testes de uso de hidrogênio para aquecimento

Foi revelado, no dia 8 de setembro, que o Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial (BEIS) do Reino Unido nomeou o consórcio HyTech para apoiar a avaliação da viabilidade, custos e benefícios do uso de hidrogênio para aquecimento no Reino Unido. Liderado pela especialista independente em energia DNV, o consórcio aproveitará a experiência da Progressive Energy, Frontier Economics, Enertek International, Flex Process e Dave Lander Consulting. O trabalho incluirá um programa de testes pioneiros, com os resultados dos projetos definidos para permitir decisões estratégicas em 2026 sobre o papel do hidrogênio no aquecimento. A Northern Gas Networks anunciou, em agosto de 2022, que seu projeto HyDeploy viu até 20% de hidrogênio misturado com gás natural em sua rede pública em Winlaton, atendendo a demanda de 668 residências, uma igreja e uma escola por 11 meses. (H2 View - 08.09.2022) 
Link Externo

Produção

Alemanha/EUA: Topsoe e First Ammonia assinam MoU para a produção de H2V

A Topsoe, uma empresa dinamarquesa que atua em soluções de descarbonização, e a First Ammonia, assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) para desenvolver um projeto que tem por finalidade a produção de amônia verde no norte da Alemanha e no sudoeste dos Estados Unidos (EUA). Sob a parceria, as empresas vão desenvolver plantas de H2V com capacidade somada de 5 GW, sendo o suficiente para a produção de 5 milhões de toneladas métricas de amônia verde por ano. O projeto está sendo estabelecido por fases, tendo a primeira com o intuito de desenvolver 500 MW de capacidade de eletrólise, planejando estar operacional no ano de 2025. (First Ammonia – 14.09.2022)
Link Externo

Austrália: ENGIE toma decisão final de investimento em planta de H2V

A ENGIE anunciou que tomou a Decisão Final de Investimento (FID) para desenvolver seu projeto que é denominado como “Yuri” e tem como objetivo produzir hidrogênio verde (H2V) em escala industrial em Pilbara, Austrália Ocidental. A planta contará com a tecnologia de eletrólise que será alimentada a partir de energias renováveis e, em sua primeira fase, que possui conclusão prevista para o ano de 2024, portará uma capacidade de produção de 640 toneladas do gás. Por fim, em termos de uso final, o hidrogênio será utilizado como matéria-prima de carbono zero para a unidade de produção de amônia da Yara Austrália em Karratha. Isto será fundamental para o desenvolvimento do mercado de amônia renovável, atendendo aos mercados locais e de exportação. (ENGIE – 16.09.2022)
Link Externo

Egito: FFI planeja desenvolver planta de H2V de 9,2 GW

A Fortescue Future Industries (FFI), uma empresa que atua no desenvolvimento do mercado de hidrogênio, está planejando desenvolver um projeto que tem por finalidade construir uma planta de hidrogênio verde (H2V) no Egito, e, para iniciar com os procedimentos, a empresa conversou com o presidente egípcio Abdel Fattah sobre o desenvolvimento de seu projeto. A unidade de produção contará com a tecnologia de eletrólise com capacidade de produção de 9,2 GW e será alimentada a partir de energias renováveis. A FFI já assinou um Memorando de Entendimento (MoU) para realizar estudos, visando o desenvolvimento da produção de hidrogênio verde no Egito. (Fortescue Future Industries – 10.09.2022)
Link Externo

EUA: BayoTech anuncia estar desenvolvendo uma planta de hidrogênio de baixo carbono

A BayoTech, uma empresa que atua em soluções de hidrogênio, anunciou que está desenvolvendo um projeto que tem por finalidade construir uma planta de hidrogênio no município de Ypsilanti, Michigan, Estados Unidos (EUA). A unidade de produção, denominada como “BayoGaaS™ Hydrogen Hub”, contará com a produção do hidrogênio a partir de tecnologias de baixo carbono, sendo capaz de produzir 350 toneladas do gás por ano. Em termos de uso final, o gás será utilizado para atender à demanda das montadoras que planejam testar veículos de célula a combustível no Centro Americano de Mobilidade. Por fim, vale salientar que o planejamento é que a planta entre em operação já no ano de 2023.(BayoTech – 13.09.2022)
Link Externo

Malásia: Projeto H2bicus avança e planeja início de operação em 2027

O projeto H2biscus, que visa desenvolver uma planta de hidrogênio na Malásia, avançou com o desenvolvimento após cinco empresas anunciarem parceria, visando promover e garantir o fornecimento da energia primária que vai ser utilizada na planta. A unidade de produção contará com a tecnologia de eletrólise que será alimentada a partir de energia hidrelétrica na ordem de grandeza de no mínimo 900 MW, promovendo a produção do hidrogênio verde (H2V). Ademais, a unidade de produção contará com uma capacidade de produção de 7 mil toneladas do gás por ano, com planejamento para entrar em operação em 2027. Por fim, no que concerne ao uso final, o H2V vai ser utilizado localmente, além de ser exportado para a Coréia em forma de amônia. (H2 View – 15.09.2022)
Link Externo

Armazenamento e Transporte

EUA: Estado de Nova York concede US$ 12,7 milhões a três projetos de armazenamento de hidrogênio

A Autoridade de Pesquisa e Desenvolvimento de Energia do Estado de Nova York (NYSERDA) concedeu quase US$ 13 milhões a três projetos de armazenamento de hidrogênio na esperança de promover a integração de energia renovável e reduzir as emissões no estado. Kathy Hochul, governadora do estado de Nova York, disse: “Abordagens inovadoras e com visão de futuro para transformar a maneira como a energia é armazenada são essenciais para combater as mudanças climáticas e fazer a transição para uma economia de energia limpa. (New York State - 08.09.2022) 
Link Externo

Uso Final

Alemanha: Siemens e Deutsche Bahn testam trem de hidrogênio e estação móvel de reabastecimento

O CEO da Siemens, Dr. Roland Busch, e o Dr. Richard Lutz, CEO da Deutsche Bahn – juntamente com Hartmut Höppner, Secretário de Estado do Ministério Federal de Digital e Transporte (BMDV) – fizeram a primeira viagem no trem de hidrogênio Mireo Plus H, no que é descrito como um marco para o projeto 'H2goesrail', lançado em novembro de 2020. Um evento de demonstração do reabastecimento móvel foi realizado no Centro de Teste e Validação da Siemens em Wegberg-Wildenrath, Renânia do Norte-Vestfália. No futuro, o hidrogênio substituirá os trens movidos a diesel. Busch afirmou que o trem Mireo Plus H não emite nada além de água, pode viajar até 160 kmh e oferece um alcance de cerca de 800-1.000 km. Ao longo de uma vida útil de 30 anos, um único trem evitará a emissão de até 45 mil toneladas de dióxido de carbono (CO2). (H2 View– 12.09.2022)
Link Externo

Austrália: País solicita mudanças na estrutura regulatória para permitir a mistura de hidrogênio na rede de gás

O governo australiano recebeu chamadas da Australian Energy Market Commission (AEMC) para fazer alterações nas estruturas regulatórias nacionais e de varejo para permitir a mistura de hidrogênio e gás renovável na infraestrutura de gás existente. Em seu relatório final para uma revisão de hidrogênio e gás renovável, a AEMC propôs recomendações e rascunhos de regras, que a comissão afirma serem etapas críticas para o desenvolvimento de uma indústria nacional de hidrogênio e gás renovável. Espera-se que as recomendações abram o caminho para a criação de estruturas regulatórias nacionais para fornecer com segurança misturas de hidrogênio e gases renováveis para eletrodomésticos em residências e empresas, apoiando os planos de redução de emissões da Austrália. (H2 View– 12.09.2022)
Link Externo

Estados Unidos: SoCalGas\Universidade da Califórnia trabalharão em projeto de mistura de hidrogênio

A Southern California Gas Co. (SoCalGas) e a Universidade da Califórnia, Irvine (UCI) anunciaram uma proposta de colaboração para demonstrar como o hidrogênio eletrolítico pode ser misturado com segurança à infraestrutura de gás natural existente no campus da universidade. O projeto visa ajudar a entender melhor como combustíveis limpos e o hidrogênio renovável podem ser entregues em escala através do sistema de gás natural existente na Califórnia, seja para clientes existentes conectados à rede de gás, ou para gerar eletricidade limpa em células a combustível. A demonstração é um próximo passo importante no estabelecimento de um padrão estadual de injeção de hidrogênio renovável que promoveria as metas de energia limpa e resiliência da Califórnia. Se aprovado, o SoCalGas pode começar a testar a mistura de hidrogênio na UCI já em 2024. O projeto inicialmente misturaria 5% de hidrogênio para aumentar gradualmente a mistura de hidrogênio até 20%, resultando em reduções de emissões de CO2 potencialmente significativas. (H2 Bulletin – 12.09.2022)
Link Externo

Europa: Haskel e HyGear fazem parceria para oferecer reabastecimento de hidrogênio para o mercado europeu

A Haskel Hydrogen Systems Group e a HyGear fizeram uma parceria para oferecer geração combinada de hidrogênio e infraestrutura de reabastecimento para o mercado europeu. As empresas revelaram, no dia 13 de setembro, que planejam aproveitar a experiência do sistema de reabastecimento da Haskel e a experiência em produção de hidrogênio da HyGear para fornecer estações de reabastecimento de ponta a ponta. Entende-se que a parceria se concentrará inicialmente no mercado da Europa Ocidental e em classes de veículos, incluindo HGVs, ônibus, caminhões de lixo, empilhadeiras, veículos comerciais leves e ferroviários. (H2 View– 13.09.2022)
Link Externo

Suécia: Portos de Estocolmo iniciam aquisição de posto de abastecimento de hidrogênio

Em mais um passo em direção à adoção do hidrogênio, a Ports of Stockholm anunciou que está iniciando o processo de aquisição de uma estação de abastecimento de hidrogênio em seu porto de Estocolmo Norvik, na Suécia. Entende-se que a estação planejada servirá veículos de trabalho no porto, já que os Portos de Estocolmo se esforçam para atingir sua meta ambiental de operações de caminhões sem combustíveis fósseis até 2025. O porto disse que o processo de aquisição incluirá a entrega da estação, bem como a entrada em operação, que deve ser concluída em janeiro de 2023. (H2 Bulletin – 12.09.2022)
Link Externo

Tecnologia e Inovação

Austrália: Módulo de eletrólise direta do ar para produzir hidrogênio a partir da umidade do ar

Pesquisadores da Universidade de Melbourne e da Universidade de Manchester projetaram um módulo de eletrólise direta do ar (DAE) para produzir hidrogênio usando água da atmosfera sem qualquer entrada de água líquida. Eles afirmam que seu novo módulo pode garantir um desempenho estável e fornecer hidrogênio verde para áreas remotas. A configuração do sistema proposto foi testada por doze dias com temperatura externa variando de 20°C a 40°C e a umidade relativa variando de 20% a 40%. O dispositivo foi capaz de produzir cerca de 1500 ml de hidrogênio em um dia e mostrou uma eficiência faradaica de cerca de 95%. A eficiência farádica é a medida da eficiência com que os elétrons participam de uma dada transformação eletroquímica. Os cientistas apresentaram a nova tecnologia em “Hydrogen production from the air”. (University of Houston - 08.09.2022)
Link Externo

Irlanda: A Universidade de Galway explorará a produção de hidrogênio verde a partir de água salgada

Um novo projeto liderado pela Universidade de Galway reuniu especialistas de sete países europeus para desenvolver eletrolisadores eficientes, explorando novos métodos para gerar hidrogênio verde a partir de fontes de água de baixa qualidade, como água do mar e águas residuais, com tratamentos mínimos. Financiado pelo Conselho Europeu de Inovação, o projeto ANEMEL projetou membranas que evitarão o uso de produtos persistentes e poluentes como materiais polifluorados e matérias-primas críticas – privilegiando metais abundantes como níquel e ferro. Tudo isso reduzirá o custo dos componentes do eletrolisador e melhorará sua reciclabilidade, reduzindo assim o desperdício e proporcionando uma vantagem competitiva. (Galway - 16.09.2022) 
Link Externo

Artigos

Hydrogen economy development in Brazil: An analysis of stakeholders' perception

O objetivo deste artigo é explorar as experiências, percepções e expectativas das partes interessadas no desenvolvimento da economia brasileira de hidrogênio. Para compreender a visão dos principais atores da economia brasileira do hidrogênio, foi realizada uma análise bibliográfica e documental, complementada por entrevistas e questionários com 32 especialistas de cinco categorias (empresas, entidades governamentais, centros de pesquisa, associações e universidades). O artigo apresentou diversos pontos, entre eles: a maioria dos entrevistados previu que uma economia brasileira de hidrogênio bem estabelecida se tornaria uma realidade a médio prazo (entre 6 e 10 anos). As oportunidades para o hidrogênio verde foram destacadas nos setores de cimento, mobilidade e fertilizantes. (Sustainable Production and Consumption – 2022)
Link Externo

System development and assessment for green hydrogen generation and blending with natural gas

Neste estudo, um sistema integrado é projetado e estudado para produzir hidrogênio renovável (verde) e misturá-lo com gás natural potencialmente disponível no Mar Negro para utilização na Turquia, para este artigo foi adotado um estudo de caso considerando a cidade de Zonguldak. Para utilizar as reservas de gás natural de forma mais ecológica e eficiente, misturá-lo com a adição de 20% de hidrogênio em volume é o foco principal deste estudo. Com a adição de 20% de hidrogênio em volume, o consumo de gás natural diminui de 46,55 Bm³ para 43,29 Bm³. As emissões de CO e CO2 potencialmente liberadas após a combustão diminuem de 0,05 g/dia e 32% para 0,02 g/dia e 28% quando o teor de hidrogênio na mistura aumenta de 5% para 20%, respectivamente. (Energy – 2022)
Link Externo

The chemical industry: from planetary problem to climate solution

Como parte da transição energética necessária, o relatório reconhece que o sistema de energia precisará construir fontes de energia renovável para produzir até 12 mil TWh para o sistema químico até meados do século, principalmente para alimentar a produção de hidrogênio verde. Além disso, o relatório afirma que a maior parte da energia será para a produção de matéria-prima de hidrogênio verde e representará quase 50% da demanda global total de hidrogênio verde em 2050. Portanto, a indústria química (e particularmente a de amônia) será fundamental para impulsionar o aumento de escala de produção de eletrolisadores. Por fim, o relatório estimou que, se a indústria química não se afastar das matérias-primas fósseis, até 640 milhões de toneladas de captura e armazenamento de carbono (CCS) seriam necessários todos os anos até 2050 e alertou que nenhuma ação poderia ver quatro graus de aquecimento global atribuídos. à indústria. (Systemiq – 2022)
Link Externo