IFE
25/11/2022

IFE Hidrogênio 108

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas, José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito, Luana Oliveira e Sofia Paoli
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
25/11/2022

IFE nº 108

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas, José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito, Luana Oliveira e Sofia Paoli
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Hidrogênio 108

Políticas Públicas e Financiamentos

Alemanha: Governo planeja € 550 milhões adicionais para economia verde de hidrogênio

A ministra do desenvolvimento alemã, Svenja Schulze, anunciou que a Alemanha contribuirá com € 550 milhões (US$ 572 milhões) para uma nova economia global de hidrogênio verde . Com o tempo, o financiamento aumentará para € 2,5 bilhões à medida que mais dinheiro for fornecido pelo Banco de Desenvolvimento KfW da Alemanha, de acordo com Stefan Wenzel, secretário de estado do Ministério Federal de Economia e Proteção Climática da Alemanha. Apresentando o hidrogênio verde como uma parte vital de uma “transição energética justa” longe dos combustíveis fósseis nas economias emergentes, Schulze disse em entrevista coletiva na conferência climática da ONU em Sharm El-Sheikh, Egito, que o financiamento ajudará a substituir o “gás natural na produção industrial” juntamente com fertilizantes à base de combustíveis fósseis. (Hydrogen Central - 16.11.2022) 
Link Externo

Canadá: Ministro anuncia até $ 800 milhões em financiamento de projetos para promover o setor de combustíveis limpos

Com um dos planos climáticos mais abrangentes e detalhados do mundo, uma riqueza de recursos naturais e uma força de trabalho qualificada, o Canadá está se estabelecendo como um fornecedor global de escolha para energia limpa em um mundo net-zero. No dia 14 de novembro, Jonathan Wilkinson, Ministro de Recursos Naturais, anunciou que aproximadamente 60 projetos foram selecionados para receber financiamento do Fundo de Combustíveis Limpos (CFF) de US$ 1,5 bilhão do Governo do Canadá. Esses projetos representam uma primeira parcela das candidaturas de mais alta classificação da chamada de propostas do ano passado e têm um valor total combinado de mais de US$ 3,8 bilhões. Eles incluem instalações de produção, bem como estudos de engenharia e design de viabilidade e front-end, abrangendo sete jurisdições e cobrindo cinco tipos diferentes de combustível. O governo federal está em negociações para finalizar os termos de financiamento de cada projeto, e o investimento federal total nesses projetos será de até US$ 800 milhões. (Newswire Canadá - 14.11.2022) 
Link Externo

Mundo: Banco Mundial lança parceria para desenvolvimento de H2 de baixo carbono

O Grupo do Banco Mundial anunciou a criação da Hydrogen for Development Partnership (H4D). O anúncio ocorreu no chamado dia da Energia da COP-27, realizada no Egito, e representa uma nova iniciativa global para impulsionar a implantação de hidrogênio de baixo carbono em países em desenvolvimento. De acordo com o comunicado enviado à imprensa, a ideia é de colocar o H4D para ajudar a catalisar financiamento significativo para investimentos em hidrogênio nos próximos anos, tanto de fontes públicas quanto privadas. A parceria pretende promover o desenvolvimento de capacidade e soluções regulatórias, modelos de negócios e tecnologias para a implantação do insumo de baixo carbono nos países em desenvolvimento. Dentre as atividades da parceria H4D, a serem hospedadas no Programa de Assistência à Gestão do Setor de Energia (ESMAP) do Banco Mundial, estão a convocação e cooperação internacional para aumentar a base de conhecimento para países em desenvolvimento; desenvolvimento de capacidades seguindo uma abordagem de bens públicos globais; compreensão dos requisitos dos mercados emergentes e do setor privado para a implantação de hidrogênio de baixo carbono e seus derivados; criação de oportunidades para informar a inovação e para novas tecnologias ganharem visibilidade. (Banco Mundial - 15.11.2022) 
Link Externo

Reino Unido: Acordo global em tecnologia verde abrirá portas para UK PLC

O Reino Unido está hoje liderando um acordo global para tornar as tecnologias verdes mais baratas e acessíveis em todo o mundo, ao mesmo tempo em que cria empregos verdes para gerações, tanto no país quanto no exterior, disse Grant Shapps no dia 11 de novembro. Falando nas negociações da COP27 no Egito, o Secretário de Negócios anunciou um investimento de mais de £ 65 milhões para ajudar a acelerar o desenvolvimento de novas tecnologias verdes – apoiadas pelo talento e experiência de empresas britânicas. Isso se baseia no legado da COP26 em Glasgow, onde o Reino Unido fundou uma coalizão de países para escalar e acelerar o desenvolvimento e a implantação de tecnologias limpas e reduzir os custos nesta década, conhecida como Agenda Inovadora. Essas medidas ajudarão a expandir todo um mercado global de tecnologias de energia limpa, tornando-as acessíveis e acessíveis aos países em desenvolvimento - e permitindo que as empresas do Reino Unido compartilhem seu talento e experiência nessa indústria vital e crescente. (Governo do Reino Unido - 11.11.2022) 
Link Externo

Reino Unido: Estudo de hidrogênio a partir de biogás no País de Gales recebe financiamento do governo

Um estudo de viabilidade para produzir hidrogênio a partir do biogás da Cardiff East Waste Water Treatment Works recebeu um financiamento de £ 372.931 do Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial. Costain está trabalhando com a Dwr Cymru Welsh Water, Wales and West Utilities e a fabricante de alimentos e bebidas Princes Group no estudo, que avaliará se o hidrogênio pode abastecer caldeiras para fornecer calor para a pasteurização de sucos de frutas. O programa é financiado pelo Portfólio de Inovação Net Zero do Departamento de Negócios, Energia e Indústria (BEIS) de £ 1 bilhão, que visa acelerar a comercialização de tecnologias e processos inovadores de energia limpa até as décadas de 2020 e 2030. O financiamento do projeto H2Juice vem do Programa de Acelerador de Hidrogênio Industrial de £ 26 milhões da BEIS (Stream 2A), que demonstrará a viabilidade da troca de combustível industrial de ponta a ponta para o hidrogênio. O estudo levará cinco meses com a possibilidade de conceder mais financiamento no Fluxo 2B subsequente, para realizar mais engenharia e um demonstrador. (H2 View - 14.11.2022) 
Link Externo

Reino Unido: Governo desloca fundos para Fundo Ayrton de energias limpas

O governo do Reino Unido comprometeu até £ 1 bilhão por meio do Fundo Ayrton para apoiar pesquisa, desenvolvimento e demonstração (PD&D) de energia limpa entre abril de 2021 e março de 2026. Isso faz parte do compromisso mais amplo do Reino Unido de enfrentar as mudanças climáticas e gastar £ 11,6 bilhões do International Climate Finance (ICF) no mesmo período. O Fundo Ayrton visa acelerar a transição para a energia limpa nos países em desenvolvimento, criando e demonstrando tecnologias inovadoras de energia limpa e modelos de negócios. Especificamente, suporta PD&D em torno de 3 temas: suprimentos de energia limpa flexíveis e de baixo custo adequados aos recursos dos países em desenvolvimento; demanda supereficiente por meio de serviços, processos e equipamentos inovadores que atendem às necessidades de consumidores e empresas pobres; e sistemas de entrega inteligentes e recursos para gerenciar energia limpa variável e reduzir os custos de fornecimento de energia limpa confiável. (Governo do Reino Unido - 11.11.2022) 
Link Externo

Produção

Austrália: Horizon avança projeto ao produzir primeira molécula de H2V

A Horizon Power, uma empresa de energia, avançou com o seu projeto que está sendo desenvolvido na Austrália Ocidental denominado por “Denham Hydrogen Demonstration Project” ao produzir a primeira molécula de hidrogênio na atual fase de comissionamento. A planta conseguiu produzir uma quantia de 13.230 litros de hidrogênio. Espera-se que o projeto entre em operação contínua no ano de 2023. Assim que operacional, a planta será capaz de produzir hidrogênio suficiente para abastecer o equivalente a 100 residências. Por fim, no que concerne ao uso final, o gás será destinado para sistemas de energia (microrredes) no país. (Horizon - 14.11.2022) 
Link Externo

https://www.horizonpower.com.au/about-us/news-announcements/horizon-power-leads-the-country-in-demonstration-of-hydrogen-for-energy-use/

A Siemens Energy, uma empresa multinacional de energia, e a Quinto Energy, uma empresa que atua em soluções energéticas verdes, assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) para desenvolver um projeto que tem por finalidade construir uma planta de hidrogênio verde (H2V) na Bahia, Brasil. A planta contará com a tecnologia de eletrólise que será alimentada a partir de 20 GW de capacidade instalada que vai gerar 65 TWh de energia elétrica renovável por ano. Com tamanha capacidade, é esperado que seja produzido uma quantia de 1 milhão de toneladas de H2V por ano. Ademais, em termos de uso final, o projeto visa estabelecer uma parceria entre o Brasil e Alemanha, visando exportar todo o gás produzido. (Canal Energia - 16.11.2022) 
Link Externo

Egito: AMEA Power assina acordo com governo do Egito para desenvolver planta de H2V de 1 GW

A AMEA Power, uma empresa que atua na área de energia, assinou um acordo com o governo do Egito para desenvolver um projeto que tem por finalidade construir uma planta de hidrogênio verde (H2V) na cidade costeira de Ain Sokhna, Egito. A planta contará com duas fases de desenvolvimento, cada uma contando com uma capacidade de produção de 500 MW a partir de eletrolisadores que serão alimentados por energias renováveis. Ademais, as partes esperam que a primeira etapa seja concluída no ano de 2027, mas ainda não há uma expectativa para a segunda fase. Em termos de uso final, o gás será utilizado para produzir amônia a partir da síntese de Haber – Bosch, que pretende ser exportada para outros países, além de utilizar o próprio H2V para descarbonizar as indústrias do país. (H2 View - 16.11.2022) 
Link Externo

Índia: Flexens e KIP Infra assinam LOI para desenvolver planta de 300 MW de H2V

A Flexens, uma empresa que atua de acordo com a transição energética e a fornecedora KIP Infra, assinaram uma Carta de Intenções (LoI) para desenvolver um projeto que tem por finalidade construir uma planta de hidrogênio verde (H2V) em Kokkola, Índia. A planta contará com a tecnologia de eletrólise com capacidade de produção de 300 MW e será alimentada a partir de energias renováveis. Espera-se que a planta esteja operacional no ano de 2027. Este projeto visa desenvolver a economia do H2V na Índia, a ponto de promover a descarbonização local. Por fim, em termos de uso final, o gás vai ser destinado ao setor elétrico, a fim de regular a oferta e demanda de energia, além da produção de fertilizantes. (Flexens - 15.11.2022) 
Link Externo

Indonésia: Empresas assinam MoU para desenvolver planta de 10 MW de H2V

A ReNu Energy, uma empresa que atua de acordo com a transição energética, a sua subsidiária Countrywide Hydrogen, além da Anantara Energy Holdings, assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) para desenvolver um projeto que possui finalidade em construir uma planta de hidrogênio verde (H2V) na Indonésia . A unidade de produção contará inicialmente com um eletrolisador com capacidade de 10 MW que será alimentado a partir de energias renováveis. A partir da capacidade planejada, espera-se que sejam produzidas cerca de 1.650 toneladas de hidrogênio anualmente. Ademais, é estimado que o projeto esteja operacional em 2025. Por fim, em termos de uso final, o gás será utilizado para consumo local, visando ser exportado ao decorrer do tempo. (ReNu Energy - 17.11.2022) 
Link Externo

Armazenamento de Energia

Reino Unido: Projeto de tanque de hidrogênio líquido alimenta ambições de aviação zero carbono

Um novo projeto visa desenvolver tecnologias e peças-chave para o armazenamento de hidrogênio líquido, um combustível zero emissão que pode desempenhar um papel significativo nos esforços do Reino Unido e internacionais para reduzir o impacto ambiental da aviação. Visando componentes leves e métodos de fabricação capazes de fornecer grandes tanques de armazenamento de hidrogênio líquido para futuras aeronaves, o esquema Aether é liderado pelos especialistas em fabricação aeroespacial de Farnborough, Tisics, e cofinanciado pelo Aerospace Technology Institute (ATI), um programa conjunto do governo e da indústria. (Hydrogen Central - 17.11.2022) 
Link Externo

Uso Final

Egito: Turbina a gás opera com mistura de hidrogênio na fábrica de Sharm El Sheikh

A usina elétrica de Sharm El Sheikh, no Egito, operou com sucesso a turbina a gás GE LM6000 com mistura de hidrogênio e gás natural. As demonstrações ocorreram durante a COP27 e representam a primeira vez que a turbina a gás foi operada com combustível misto no continente africano. O projeto resultou de um acordo de cooperação entre a Egyptian Electricity Holding Company (EEHC), a GE, a Hassan Allam Construction e a empresa egípcia de EPC PGESCO e faz parte do programa de fornecimento de energia de emergência do país. A EEHC possui e opera a fábrica de Sharm El Sheikh. A GE liderou a concepção, planejamento e execução do projeto, bem como a construção do sistema de mistura de hidrogênio e gás natural. (World Energy - 17.11.2022)
Link Externo

Estados Unidos: Air Products e Linde fornecerão hidrogênio líquido à NASA

A NASA revelou que concedeu contratos à Air Products e à Linde para o fornecimento de até 6.800 toneladas de hidrogênio líquido para uso em suas instalações. Os contratos incluem vários pedidos de entrega com preços fixos, com valores máximos de aproximadamente US$ 57,3 milhões para a Air Products e US$ 29,1 milhões para a Linde. Definido para começar em 1º de dezembro de 2022, a NASA disse que os contatos consistem em um período base de dois anos, seguido por uma opção de estender os contatos até 30 de novembro de 2025. Sob os contatos, a Air Products fornecerá até 5.940 toneladas de hidrogênio líquido para a sede no Alabama, EUA, enquanto a Linde deverá entregar até 857 toneladas para o centro em Ohio, bem como na Flórida. A NASA usa hidrogênio líquido combinado com oxigênio líquido como combustível em motores de foguetes criogênicos (Nasa - 14.11.2022).
Link Externo

Estados Unidos: Hidrogênio verde será usado como combustível substituto em usina de pico, em Nova Jersey

A Ohmium International, sediada nos EUA, está pronta para fornecer 120MW de seus eletrolisadores PEM para produção de hidrogênio verde. O hidrogênio será usado como combustível de carbono zero substituindo o uso do gás natural em uma usina de pico de Nova Jersey, EUA .A empresa revelou que finalizou um acordo com a NovoHydrogen para que seus eletrolisadores modulares sejam implantados na fábrica. O hidrogênio verde produzido pelos eletrolisadores Ohmium deverá ser queimado em uma das 10 turbinas da usina, reduzindo as emissões gerais de carbono da usina. (H2 View - 17.11.2022)
Link Externo

India: Tata Motors/Cummins assinam MoU para desenvolver caminhões e ônibus movidos a hidrogênio no país

A fim de trabalhar em conjunto no projeto e desenvolvimento de soluções de tecnologia de zero emissão de carbono para veículos comerciais na Índia, incluindo motores de combustão interna movidos a hidrogênio, células de combustível e sistemas de veículos elétricos a bateria, a Cummins e a Tata Motors assinaram um acordo Memorando de Entendimento (MoU). A parceria está de acordo com o plano da Índia de “Energia para o crescimento sustentável” e de alcançar zero emissões líquidas de carbono até o ano de 2070. O motor de célula de combustível de hidrogênio de quarta geração faz parte da linha de produtos de emissão zero da Cummins. A tecnologia de célula de combustível é oferecida em módulos simples de 135 kW e módulos duplos de 270 kW e foi projetada para atender aos requisitos de ciclo de trabalho, desempenho e embalagem de veículos e ônibus médios e pesados. (Cummins - 14.11.2022)
Link Externo

Polônia: Ballard anuncia pedido para 25 motores de célula de combustível de hidrogênio

A Ballard Power Systems anunciou um pedido de compra da Solaris Bus & Coach sp. z o.o., um dos principais fabricantes europeus de ônibus, para 25 motores de célula de combustível de hidrogênio. As células de combustível de 70kW serão instaladas nos ônibus de hidrogênio Urbino 12 da Solaris para implantação na operadora de transporte público polonês MPK Poznań e devem ser entregues no segundo semestre de 2023. Os ônibus serão parcialmente financiados pelo programa Green Public Transport do National Fund for Environmental Protection and Water Management. A MPK Poznań exige que 30% de sua frota seja de emissão zero até 2028. Esses 25 ônibus movidos a célula de combustível de hidrogênio aumentarão sua frota de emissão zero de 18% para 25%. (Ballard - 17.11.2022)
Link Externo

Reino Unido: GKN Aerospace oferece demonstrador terrestre para sistema de combustível de hidrogênio líquido

A GKN Aerospace entregou um demonstrador terrestre para um sistema de combustível de aeronaves de hidrogênio líquido. Ele foi projetado, construído e testado em colaboração com a Filton Systems Engineering, no âmbito do projeto Safe Flight financiado pelo Reino Unido. O projeto analisou a viabilidade do combustível de hidrogênio líquido como fonte para melhorar sistemas aéreos não tripulados (UAS) para busca e salvamento. “A equipe demonstrou abastecimento e armazenamento de hidrogênio líquido, condicionamento e distribuição de gás criogênico e o uso de células de combustível PEM para gerar energia elétrica”, disse Max Brown, vice-presidente de tecnologia da GKN. (GKN - 15.11.2022)
Link Externo

Tecnologia e Inovação

Espanha: H2SITE inaugura a primeira planta de produção de membranas de liga de paládio para obtenção de hidrogênio

O hidrogênio dá um novo passo para a transição energética graças ao H2SITE, que lançou a primeira fábrica de membranas do mundo para obter hidrogênio a partir de amônia ou metanol e separar o hidrogênio de misturas de gases de baixa concentração. A nova instalação industrializará a produção de membranas, utilizadas na construção de reatores e separadores de produção de hidrogênio. Membranas semelhantes feitas de ligas de paládio eram até agora muito caras, frágeis e difíceis de fabricar e dimensionar. A H2SITE conseguiu ultrapassar estes obstáculos. Para a sua construção, a H2SITE investiu mais de 3 milhões de euros, que prevê duplicar nos próximos anos para aumentar a capacidade de produção. (Business Wire - 17.11.2022) 
Link Externo

Global: Sky Blue Hydrogen explora a produção de hidrogênio limpo em locais de gás natural

O conceito de Sky Blue Hydrogen – explorando a produção de hidrogênio limpo no local em campos de gás natural – foi discutido na COP27. A grande maioria da produção de hidrogênio (96%) é atualmente por meio do gás natural, resultando em quantidades significativas de emissões de dióxido de carbono (CO2). Em sua apresentação na COP27, Belinda Perriman, destacou como o processo pode ser melhor integrado, armazenado e mais eficiente em termos de energia, com base em tecnologias comprovadas. Volumes adicionais de hidrogênio poderiam ser produzidos usando uma abordagem estrita de 'flares out', cortando as emissões de metano, e o conceito poderia ser escalável e replicado com “preços competitivos” em comparação com outras formas de hidrogênio. (H2 View - 16.11.2022) 
Link Externo

Israel/Marrocos: Países testarão uma nova forma de produção de hidrogênio verde

A israelense H2Pro e a Gaia Energy, assinaram um acordo à margem da Conferência do Clima das Nações Unidas no Egito (COP27) para a construção de uma usina de demonstração para produção de hidrogênio verde com capacidade de 10 a 20 MW. O projeto testará a tecnologia H2Pro, que pode reduzir o custo de produção do hidrogênio verde para US$ 1 por quilo. A inovação do H2Pro se resume ao uso de reatores eletrolíticos, nos quais o oxigênio e o hidrogênio são gerados em diferentes estágios de separação da água. Isso permite não apenas abandonar o uso da membrana, mas também produzir hidrogênio sob alta pressão, sem compressores caros. Ao mesmo tempo, fornece maior eficiência energética. (Global Energy - 11.11.2022) 
Link Externo

Eventos

ZeroAvia's 3rd Annual Hydrogen Aviation Summit

No dia 30 de Novembro de 2022 ocorrerá um evento online organizado pela ZeroAvia. O evento reunirá a indústria da aviação e líderes governamentais da América do Norte e da Europa para explorar o futuro de curto e longo prazo para a aviação de hidrogênio e seu papel crítico no combate às mudanças climáticas. Dessa forma, terá um fórum de discussão sobre questões críticas, como avanços tecnológicos, alavancas políticas, investimentos, estratégias de redução de emissões, impactos não relacionados ao CO2, sentimentos dos passageiros e necessidades de infraestrutura. (ZeroAvia - Novembro de 2022)
Link Externo

Artigos e Estudos

A review on production and implementation of hydrogen as a green fuel in internal combustion engines

Esta revisão fornece uma visão geral do uso do hidrogênio como combustível de combustão interna, abrangendo as operações tanto em motores de ignição por centelha (SI) quanto em motores de ignição por compressão (CI). A maioria das análises demonstraram que os combustíveis enriquecidos com hidrogênio marcaram um desempenho incrível do motor em termos de eficiência térmica, consumo de combustível e consumo de energia. Além disso, reduções nas emissões de escape, como fumaça, fuligem, HC, CO, CO2 e NOx, podem ser alcançadas em motores SI e CI com condições operacionais adequadas. Por fim,, comportamentos de combustão excepcionais foram observados em ambos os motores de combustão interna com a aplicação de combustível hidrogênio. (Fuel - 2022)
Link Externo

Design and experimental investigation of a new photoelectrochemical reactor for green hydrogen production

O presente estudo envolve o desenvolvimento, testes experimentais e avaliação de desempenho de um novo reator fotoeletroquímico para produção de hidrogênio verde. O reator é projetado exclusivamente para utilizar a luz solar disponível de forma mais eficaz. Um fotocátodo de óxido de cobre fabricado pela técnica de eletrodeposição é empregado como fotoeletrodo no reator. Como um contraeletrodo, o reator compreende um eletrodo revestido de dióxido de titânio que oferece alta estabilidade na presença de umidade e meios corrosivos. Os resultados deste estudo mostram que a maior taxa de produção de hidrogênio do reator é de 0,62 µg/s com uma intensidade de irradiação solar de 600 W/m2 e uma tensão aplicada de 2,0 V e que o atual reator atinge uma eficiência energética de 0,193% e uma eficiência exergética de 0,196% nessas condições (Chemical Engineering Science - 2022)
Link Externo

GESEL: Aplicações do Hidrogênio Verde no Brasil

Em artigo publicado pelo Portal de Hidrogênio Verde da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK), Nivalde José de Castro (Coordenador do GESEL), Sayonara Andrade Eliziário (Pesquisadora associada do GESEL) e Jéssica Luisa Alves do Nascimento (Pesquisadora do GESEL) tratam das diversas aplicações do Hidrogênio Verde no Brasil em meio ao contexto mundial. Segundo as autoras e o autor, “nota-se que muitos esforços estão sendo realizados, no Brasil e no mundo, para inserir o H2V em novos mercados e substituir o mercado de hidrogênio cinza, altamente emissor. Deste modo, novas oportunidades são vislumbradas e Brasil, por sua vez, apresenta vantagens competitivas”. (GESEL - 2022)
Link Externo