IFE
09/01/2023

IFE Energia Nuclear 19

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
09/01/2023

IFE nº 19

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Energia Nuclear 19

Políticas Públicas e Planos de Governo

Brasil: Lei de ampliação da participação do setor privado na mineração de urânio

O ex-presidente Jair Bolsonaro sancionou em dezembro de 2022 a Lei 14.514/2022, que permitirá uma maior participação de entes privados na atividade de mineração nuclear. A nova legislação surgiu a partir de uma medida provisória aprovada pela Câmara, em novembro, e pelo Senado, em dezembro. A proposta mantém o monopólio da INB na atividade de mineração nuclear, mas permite que a estatal se associe a parceiros privados. A expectativa é que a medida aumente os investimentos na produção nacional de urânio – minério usado para produzir o combustível nuclear usado nas usinas de Angra dos Reis (RJ). A Presidência aprovou a lei com alguns vetos. Um dos trechos barrados condicionava a exportação de minérios nucleares pela INB à aprovação do ministro de Minas e Energia. Outra parte vetada alterava a estrutura da Agência Nacional de Mineração (ANM) para criar cargos em comissão. (Valor Econômico - 06.01.2023)
Link Externo

CTMSP e CAPES: Acordo para buscar soluções nucleares para o Brasil

O Centro Tecnológico da Marinha de São Paulo (CTMSP) e a CAPES assinaram um acordo de cooperação técnica para investir na formação de pessoal altamente qualificado e na investigação acadêmico-científica para o Setor Nuclear Brasileiro. A iniciativa é para buscar soluções tecnológicas para o desenvolvimento de reatores a serem utilizados na geração de energia elétrica, em submarinos, e áreas como agricultura e saúde. Pelo acordo, a CAPES vai proporcionar duas bolsas de pós-doutorado e R$ 500 mil em recursos de custeio, em um investimento de até R$ 598,4 mil. Para Zena Martins, diretora de Programas e Bolsas no País, essa cooperação é a realização de um sonho em conjunto. “Estamos dando o primeiro passo em uma proposta que a gente acredita”, declarou. (Petronotícias - 23.12.2022)
Link Externo

Bielorrússia: Nova unidade nuclear deve ser conectada à rede elétrica

De acordo com Victor Karankevich, ministro da Energia da República da Bielorrússia, espera-se que a segunda unidade da usina nuclear na Bielorrússia seja conectada ao sistema de energia do país nos primeiros três meses de 2023. Karankevich ainda afirma que a "usina nuclear bielorrussa é o projeto mais importante para o setor de energia nacional e a sua segunda unidade está 97% concluída". Em suma, os trabalhos de comissionamento programados estão em andamento nesta unidade. (WNN - 19.12.2022)
Link Externo

China: Reator de Fangchenggang deve começar a operar no primeiro semestre de 2023

A unidade 3 da usina nuclear de Fangchenggang, na Região Autônoma de Guangxi, na China, não começará a operar até o primeiro semestre de 2023, anunciou a China General Nuclear (CGN) em comunicado à Bolsa de Valores de Hong Kong. A unidade – a primeira de dois reatores de demonstração Hualong One (HPR1000) em construção no local – deveria começar a funcionar no segundo semestre de 2022. Em um comunicado a companhia diz que “fez recentemente uma avaliação geral da construção da unidade Fangchenggang 3, a fim de realizar a operação de alta qualidade do primeiro reator dos projetos de demonstração da tecnologia HPR1000 da empresa e garantir a segurança e estabilidade a longo prazo. operação da unidade quando colocada em operação. Após a devida consideração, foi decidido ajustar o tempo esperado de início da operação da unidade 3 de Fangchenggang para o primeiro semestre de 2023.” (Petronotícias - 22.12.2022)
Link Externo

EUA: Uma nova era para a energia nuclear pós-Lei de Redução da Inflação

A energia nuclear fornece energia para os EUA desde 1957, com pouco alarde divulgando sua confiabilidade inabalável e atributos livres de carbono. No entanto, com foco cada vez maior em iniciativas de descarbonização e um influxo de investimentos dos setores público e privado, a energia nuclear tem ganhado destaque como um ativo indispensável na luta contra as mudanças climáticas. Juntamente com a recente aprovação da Lei de Redução da Inflação de 2022 (IRA), o cenário atual aponta para uma nova era de crescimento e investimento significativos para a indústria nuclear. O IRA, além de fornecer novos créditos fiscais de produção para usinas nucleares existentes, oferece vários créditos de tecnologia neutra destinados a fontes de energia de baixo ou zero carbono, que agora abrangem energia nuclear. (Reuters - 21.12.2022)
Link Externo

EUA: Carolina do Norte inclui usinas nucleares em plano de descarbonização

O plano inicial de carbono adotado pela North Carolina Utilities Commission (NCUC) estabelece um caminho para alcançar uma redução de 70% nas emissões de carbono de instalações de geração elétrica de propriedade pública até 2030 e neutralidade de carbono até 2050. Nesse caso, a intenção é obter tal resultado por meio de medidas razoáveis, incluindo extensões de licença para usinas de energia nuclear e a consideração de nova capacidade nuclear. (WNN - 04.01.2023)
Link Externo

Emirados Árabes: Combate as mudanças climáticas com energia nuclear

Os Emirados Árabes Unidos (EAU), país de quase 10 milhões de habitantes, estão classificados entre os que apresentam maior índice de vulnerabilidade aos impactos das mudanças climáticas, com clima mais quente, menos chuvas, secas, aumento do nível do mar e mais tempestades esperadas. Manter o país habitável no longo prazo significa enfrentar as mudanças climáticas. Uma das maneiras pelas quais o país lida com os desafios é reduzindo a pegada de carbono de seu sistema de energia com energia nuclear – uma estratégia que, por meio da cooperação com a AIEA, está ajudando a replicar em outros países. Em 2007, após cuidadosa consideração, os EAU decidiram desenvolver um programa civil de energia nuclear. Apenas oito anos após o início da construção em 2012, um reator de energia nuclear de design sul-coreano, o primeiro de uma série de quatro, foi conectado à rede dos Emirados Árabes Unidos. A nova usina nuclear localizada em Barakah, quase 300 quilômetros a oeste da capital do país, Abu Dhabi, é a primeira do mundo árabe. (AIEA – 01.12.2022)
Link Externo

Finlândia: EPR pronto para retomar a operação de teste

Segundo a operadora Teollisuuden Voima Oyj (TVO), a produção de eletricidade de teste no Olkiluoto 3 (OL3) EPR na Finlândia será retomada em 27 de dezembro, após uma investigação sobre a causa dos danos nas bombas de água de alimentação. Nesse caso, a produção regular de eletricidade está programada para começar em 8 de março de 2023. No início deste mês, a TVO disse que a data mais próxima para retomar a produção de eletricidade em OL3 havia sido adiada para 25 de dezembro, o que levaria a produção regular de eletricidade a começar em fevereiro de 2023. (WNN - 22.12.2022)
Link Externo

França: Atraso em carregamento de reator gera impacto nos custos do projeto

O carregamento de combustível no reator Flamanville 3 EPR, na França, foi adiado por pelo menos mais seis meses, com o custo estimado na conclusão aumentando em mais US$ 530 milhões, anunciou a EDF. Em uma atualização de 16 de dezembro, a EDF disse que o carregamento de combustível – anteriormente programado para o segundo trimestre de 2023 – agora está programado para o primeiro trimestre de 2024. A empresa declarou que o atraso mais recente se deve “principalmente a estudos complementares necessários para estabelecer um novo processo para o tratamento térmico de alívio de tensões (SRHT) de algumas soldas que foram aprimoradas nos últimos dois anos, localizadas perto de áreas sensíveis equipamentos para o funcionamento da usina nuclear.” (Petronotícias - 19.12.2022)
Link Externo

Japão: Reversão de diretrizes de geração de energia nuclear

O Japão quer reverter a política sobre a geração de energia nuclear e pretende reabrir usinas que estavam fechadas e construir novas, marcando o fim das medidas iniciadas após o tsunami que causou um grande acidente na central atômica de Fukushima em 2011. A proposta, anunciada pelo primeiro-ministro Fumio Kishida, prevê o fim da regra que determina o fechamento de usinas nucleares depois de 60 anos de uso e a construção de novas e mais modernas unidades de geração de energia pela fissão atômica. O governo deve apresentar formalmente a proposta na próxima sessão do parlamento, porém Kishida ressaltou que a política também será discutida com membros da sociedade civil antes de ser aprovada pelo premiê, segundo o canal de televisão “NHK”. (Valor Econômico - 22.12.2022)
Link Externo

Japão: Plano para maximizar uso de energia nuclear

O governo do Japão adotou um plano para estender a operação dos reatores nucleares existentes e substituir as antigas instalações por novas e avançadas unidades. A medida faz parte de uma política que aborda a escassez global de combustível após a invasão da Ucrânia pela Rússia e busca alcançar a neutralidade de carbono até 2050. No dia 22 de dezembro realizou-se a reunião governamental de implementação do Comitê Executivo de Transformação Verde (GX), durante a qual foi elaborado um roteiro para os próximos dez anos como “política básica para a concretização das diretrizes do GX”. Sob a nova política – que descreve a energia nuclear como “uma fonte de energia que contribui para a segurança energética e tem um alto efeito de descarbonização” – o Japão maximizará o uso dos reatores existentes reiniciando o maior número possível e prolongando a vida operacional dos antigos além do limite atual de 60 anos. O governo também disse que o país desenvolverá reatores avançados para substituir aqueles que estão desativados. (Petronotícias - 25.12.2022)
Link Externo

Japão e República Tcheca: Fórum dedicado a SMRs

Representantes seniores de autoridades reguladoras nucleares se reuniram recentemente em Viena para identificar e discutir desafios regulatórios relacionados a SMRs e compartilhar experiências sobre mudanças e adaptações às práticas regulatórias exigidas por essas tecnologias promissoras. A reunião bianual do Forum SMR de Reguladores, de 28 de novembro a 2 de dezembro, também foi fortalecida com a inclusão dos últimos membros, Japão e República Tcheca, que aderiram ao Fórum este ano, aumentando seu número de membros para onze países. “A flexibilidade fornecida por reatores nucleares avançados é um trunfo para muitos países que consideram tais reatores”, disse Anna Hajduk Bradford, Diretora da Divisão de Segurança de Instalações Nucleares da AIEA, em seu discurso de abertura. “Esses novos reatores apresentam características inovadoras em relação à segurança nuclear, por exemplo, maior confiança na segurança inerente e passiva. Ao mesmo tempo, alguns aspectos regulatórios específicos precisam ser examinados mais a fundo. (AIEA - 22.12.2022)
Link Externo

Suécia e França: Acordo visando a aquisição de reatores nucleares

O primeiro-ministro sueco, Ulf Kristersson, delineou a possível parceria em Paris na terça-feira (03/01), em sua primeira viagem a uma capital da UE desde que a Suécia assumiu a presidência rotativa do Conselho da UE por seis meses, em 1º de janeiro. "A parceria sueco-francesa tem um bom potencial em energia nuclear", disse Kristersson no pátio do Palácio Elysée, ao lado do presidente francês Emmanuel Macron. "O novo governo sueco está determinado a construir novas usinas nucleares e estamos muito impressionados com a experiência francesa" nessa área, acrescentou. Kristersson afirmou a jornalistas suecos durante sua visita que a Suécia precisa comprar dois reatores. "Estou totalmente aberto a que a França seja um dos países que garantirá que a Suécia tenha mais energia nuclear", acrescentou. (Euronews - 03.01.2022)
Link Externo

Reino Unido: Fundo de investimento para produção de combustível nuclear

O Reino Unido disse que seu fundo de 75 milhões de libras destinado a ajudar a aumentar a produção doméstica de combustível nuclear para usinas de energia e reduzir a dependência do fornecimento de urânio russo está aberto para aplicações. O fundo, anunciado em julho, concederá doações a empresas envolvidas na conversão de urânio, uma etapa fundamental no processo de criação de combustível nuclear a partir do metal. Dentro desse contexto, ele permanecerá aberto para inscrições de segunda-feira até 20 de fevereiro. (REUTERS - 02.01.2023)
Link Externo

Romênia: Projeto de Lei cobra conclusão de centrais nucleares

O projeto de lei submetido ao parlamento da Romênia cobre um acordo de apoio estatal com a Nuclearelectrica relacionado ao projeto estimado de 7 bilhões de euros para concluir duas unidades em Cernavoda, onde estão localizados os dois reatores existentes no país. Segundo o ministro da Energia, Virgil Popescu, é uma lei muito importante, que espera-se ser adotada o mais rápido possível pelo parlamento, a fim de avançar com o projeto das novas unidades em Cernavoda. Além disso, o ministério da energia diz que o objetivo é colocar o Cernavoda 3 em operação no final de 2030 e o Cernavoda 4 no ano seguinte. (WNN - 21.12.2022)
Link Externo

Dinâmica Internacional

Coréia do Sul: Solicitação para que ONU vigie programa nuclear da Coreia do Norte

O presidente da Coreia do Sul instou o chefe do órgão de vigilância nuclear das Nações Unidas (ONU) a intensificar o monitoramento do programa de armas da Coreia do Norte. Yoon Suk-yeol pediu a Rafael Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), que apoie os esforços para impedir que o Norte se envolva em provocações nucleares e desnuclearizar o país, de acordo com o gabinete presidencial. Grossi disse que simpatizava plenamente com a ideia e que a AIEA faria o possível para salvaguardar o regime internacional de não proliferação de armas. (Valor Econômico - 16.12.2022)
Link Externo

EUA e Irã: Nova ação diplomática pode indicar acordo nuclear

O portal Reuters, em análise publicada no dia 19 de dezembro, destacou a relação diplomática entre os EUA e Irã no que diz respeito aos termos de um acordo nuclear. Por quase dois anos, os Estados Unidos tentaram e falharam em negociar uma retomada do acordo nuclear de 2015 com o Irã, mas Washington e seus aliados europeus se recusam a fechar a porta para a diplomacia. Suas razões refletem o perigo de abordagens alternativas, as consequências imprevisíveis de um ataque militar ao Irã e a crença de que ainda há tempo para alterar o curso de Teerã. A subida íngreme para reviver o pacto tornou-se mais íngreme este ano. O Irã reprimiu brutalmente os protestos populares, os drones iranianos supostamente abriram caminho para ajudar a guerra da Rússia na Ucrânia e Teerã acelerou seu programa nuclear, o que aumenta o preço político para dar alívio às sanções ao Irã. (Reuters - 19.12.2022)
Link Externo

EUA: Aumento de produção estratégica de urânio

Mais três empresas - enCore Energy, Ur Energy e Uranium Energy Corp - foram selecionadas para fornecer urânio produzido internamente para a reserva estratégica federal de urânio dos EUA. Ao mesmo tempo, a Ur Energy anunciou um aumento da produção em sua mina operacional de Lost Creek após a expansão de seus contratos de vendas. Dentro deste contexto, o Departamento de Energia da Administração Nacional de Segurança Nuclear (NNSA) dos EUA emitiu no início deste ano uma solicitação para comprar até um milhão de libras (385 tU) de U3O8 produzido domesticamente. (WNN - 20.12.2022)
Link Externo

EUA e Coreia do Sul: Exercícios simulados sobre ataque nuclear norte-coreano

A Coreia do Sul e os Estados Unidos estão planejando exercícios militares contra um possível ataque nuclear da Coreia do Norte, disse uma autoridade sênior dos Estados Unidos, enquanto Pyongyang sinaliza um esforço para produzir mais armas nucleares em 2023. "As ações e declarações da RPDC causam preocupação crescente", disse uma autoridade sênior dos Estados Unidos ao “Nikkei Asia”, referindo-se à República Popular Democrática da Coreia, o nome oficial da Coreia do Norte. (Valor Econômico - 04.01.2023)
Link Externo

Israel: Oposição aberta ao retorno do acordo nuclear com o Irã

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, prometeu intensificar seus esforços para impedir o retorno ao acordo nuclear com o Irã ao expor sua oposição abertamente e em público, em uma aparente mudança de uma abordagem mais cautelosa adotada pelo governo anterior. “Agiremos poderosa e abertamente em nível internacional contra o retorno ao acordo nuclear – não apenas em conversas com líderes a portas fechadas, mas também poderosa e abertamente na arena da opinião pública global”, disse Netanyahu em uma reunião de gabinete. Netanyahu está há muito tempo entre os oponentes mais vocais do acordo original, argumentando que ele fornece ao Irã um caminho para um arsenal nuclear que representaria uma ameaça existencial para Israel. (Bloomberg - 03.01.2023)  
Link Externo

NEA: Novas abordagens para energia nuclear são necessárias

Em dezembro, foi realizada a Conferência de Varsóvia sobre Financiamento Nuclear, o último de uma série de eventos organizados pela Agência de Energia nuclear (NEA), o Ministério do Clima e Meio Ambiente da Polônia e o Quadro Internacional para a Cooperação em Energia Nuclear (IFNEC). A conferência reuniu formuladores de políticas, representantes do setor financeiro e especialistas em financiamento nuclear para discussões pessoais. Durante o evento, apontou-se questões como a necessidade de um novo pensamento sobre o financiamento de tecnologias nucleares, o financiamento público e privado para esse tipo de energia no contexto da crise atual de segurança energética e o papel das tecnologias avançadas em energia nuclear e geração de hidrogênio associada. (NEA - 12.12.2022)
Link Externo

Reuters: Hackers russos atacaram laboratórios nucleares dos EUA

Uma equipe de hackers russa conhecida como Cold River atacou três laboratórios de pesquisa nuclear nos Estados Unidos no verão passado, de acordo com registros da Internet analisados pela Reuters e cinco especialistas em segurança cibernética. Entre agosto e setembro, quando o presidente Vladimir Putin indicou que a Rússia estaria disposta a usar armas nucleares para defender seu território, Cold River atacou os Laboratórios Nacionais de Brookhaven (BNL), Argonne (ANL) e Lawrence Livermore (LLNL), de acordo com registros da Internet. (REUTERS - 06.01.2023)
Link Externo

Ucrânia: AIEA e Rosatom abrem negociação sobre zona de proteção de Zaporizhzhia

Alexey Likhachev, diretor-geral da Rosatom, e Rafael Mariano Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA), mantiveram conversações, que a empresa russa disse mostrar uma proximidade significativa de posições sobre um projeto de declaração sobre uma zona de segurança e proteção na usina nuclear de Zaporizhzhia. De acordo com a Rosatom, após as negociações, durante a reunião, foram discutidas abordagens para a criação de uma zona de proteção de segurança nuclear e física na central nuclear de Zaporizhzhia. (WNN - 22.12.2022)
Link Externo

Ucrânia: AIEA fornece atualização sobre a situação atual de Usina

Uma linha de energia de backup de 330 quilovolts (kV) para a Usina de Zaporizhzhya (ZNPP), que havia sido desconectada devido a danos causados por bombardeios, ainda não foi restaurada, enfatizando ainda mais o frágil suprimento de eletricidade da rede, segundo Rafael Grossi, diretor-geral da AIEA. Embora todos os seis reatores no ZNPP estejam desligados, a usina continua a receber a eletricidade fora do local necessária para funções essenciais de segurança e proteção nuclear da última linha de energia externa principal de 750 kV em operação. Em caso de perda de energia externa, os 20 geradores de backup a diesel do local estão prontos para fornecer ao local a eletricidade necessária para os equipamentos de segurança. o trabalho para restaurar a linha Ferosplavna 1 (330 Kv) começou em 30 de dezembro, mas ainda não está claro quando o trabalho será concluído. (AIEA - 06.01.2022)
Link Externo

Inovação Tecnológica

Energia Nuclear pode ser utilizada para prever derretimento de geleiras

Globalmente, as geleiras vêm perdendo massa desde a década de 1970. A proporção entre neve fresca e derretimento do gelo foi desequilibrada pelo aquecimento global. Agora existe outro método mais preciso de previsão do movimento das geleiras, que pode ajudar os glaciologistas a modelar com mais precisão de seu comportamento e, por sua vez, prever seu futuro. Isso pode ajudar os tomadores de decisão no planejamento do recuo ou desaparecimento total das geleiras. “Usamos uma técnica existente de medição de radionuclídeos em solos e outros materiais sólidos e, pela primeira vez, aplicamos isso à água, gelo e neve”, disse Stefan Röllin, pesquisador da Divisão de Química Nuclear do Laboratório Spiez. (AIEA - 05.01.2023)
Link Externo

GE Hitachi e Holtec: Projetos para construção de SMR no Reino Unido

A GE Hitachi Nuclear Energy (GEH) apresentou um pedido de entrada de Avaliação de Projeto Genérico (GDA) para seu pequeno reator modular BWRX-300 (SMR) ao Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial (BEIS) do Reino Unido. Enquanto isso, a Holtec International disse que pretende apresentar em breve um pedido para seu projeto SMR-160. O GDA é um processo realizado pelo Office for Nuclear Regulation (ONR) e pela Environment Agency (EA) para avaliar os aspectos de segurança, proteção e proteção ambiental de um projeto de usina nuclear. Sean Sexstone, vice-presidente executivo de tecnologia nuclear avançada da GEH, disse acreditar “que o BWRX-300 é a tecnologia ideal para ajudar o Reino Unido a cumprir suas metas de descarbonização e segurança energética”. A Holtec também anunciou que “está pronta para entrar no processo de avaliação de design genérico regulatório do Reino Unido para SMR-160 no GE 1início de 2023, permitindo o início da construção da primeira unidade do Reino Unido já em 2028“. (Petronotícias - 24.12.2022)
Link Externo

NuScale: Projeto de planta padrão é concluído

O projeto padrão da usina (SPD) fornece aos clientes um projeto genérico para a usina nuclear VOYGR de pequeno reator modular (SMR) que servirá como ponto de partida para a implantação de projetos específicos do local. O SPD foi concluído antes do prazo e demonstra a preparação da NuScale para a construção de instalações e aquisição de equipamentos e fabricação de equipamentos de engenharia de longo prazo, disse a empresa. Ele abrange mais de 12.000 produtos para dar suporte às atividades de licenciamento e implantação do cliente, bem como um modelo 3D abrangente da usina. (WNN - 22.12.2022)
Link Externo

Rússia: Novas usinas nucleares flutuantes devem ser construídas

O Estaleiro Báltico, que constrói os quebra-gelos movidos a energia nuclear da Rússia, está investindo em um aumento de 50% de sua capacidade de construir as embarcações, bem como usinas nucleares flutuantes. O chefe do estaleiro, Alexey Rakhmanov, anunciou a mudança em uma reunião do Conselho Marítimo presidida por Denis Manturov, vice-primeiro-ministro da Rússia e ministro da Indústria e Comércio. Ainda segundo o Rakhmanov, assinou-se um pedido para criar um segundo turno completo para trabalhar no Estaleiro Báltico, com um investimento de cerca de US$ 84,7 milhões em equipamentos e infraestrutura. (WNN - 23.12.2022)
Link Externo

Rosatom: Desenvolvimento de combustível nuclear para RITM-200S

A Rosatom diz que o desenvolvimento de combustível nuclear para seu projeto Modernized Floating Power Units - com reatores RITM-200S - foi concluído. Este projeto possui uma unidade de energia flutuante atualizada que inclui dois dos reatores em uma barcaça, com potência térmica nominal de 198 MW cada. De acordo com a Rosatom, o núcleo do RITM-200S terá quatro vezes mais energia do que o núcleo do atual reator KLT-40S, bem como quase o dobro da vida útil do combustível nuclear, com reabastecimento necessário a cada cinco anos. (WNN - 20.12.2023)
Link Externo

Reino Unido: Novo método para recuperação de flocos radioativos

Uma técnica foi desenvolvida para sugar e mover uma substância radioativa lamacenta, conhecida como floculante, atualmente armazenada em tanques de efluentes legados no local de Sellafield em Cumbria, Reino Unido. Os tanques em que o material está atualmente armazenado não são mais adequados para o propósito, disse Sellafield Limited, e é necessário um método confiável para removê-lo e colocá-lo em contêineres modernos. Neste caso, são cerca de 83 metros cúbicos do material - classificado como rejeito de nível intermediário - em quatro tanques legados. (WNN - 19.12.2022)
Link Externo

TVEL: Robôs serão usados em testes para combustível REMIX

A TVEL da Rússia iniciará os primeiros testes de seu projeto de combustível TVS-5 em 2023 e fabricará os primeiros conjuntos roboticamente, segundo uma conferência. Relatando uma conferência realizada pelo especialista em combustível do grupo Rosatom da Rússia, TVEL, a revista do setor Strana Rosatom listou uma série de desenvolvimentos em andamento, incluindo os planos da TVEL para iniciar os testes de seu projeto TVS-5 no próximo ano em um dos novos VVER-1200 reatores da usina nuclear de Novovoronezh-II. Em suma, três conjuntos de combustível de teste serão produzidos e usados na planta para coletar dados de desempenho da vida real antes de serem levados para análise de laboratório. (WNN - 30.12.2022)
Link Externo

X-Energy e Paragon Energy Solutions: Protótipo do sistema de segurança SMR concluído

A X-Energy Reactor Company (X-energy) e a Paragon Energy Solutions trabalharam por dois anos para entregar, instalar e testar o protótipo do sistema de proteção do reator, um recurso de segurança fundamental dos reatores nucleares avançados Xe-100 da X-energy . O sistema de proteção do reator (RPS) é um conjunto de instrumentação e componentes de controle independentes e redundantes que permitem o desligamento automático e seguro de um reator nuclear, fornecendo uma camada adicional de proteção para a usina e seu ambiente. Nesse caso, o protótipo, que usa a tecnologia Highly Integrated Protection System (HIPS) da Paragon, foi instalado no simulador de sala de controle Xe-100 na sede da X-energy em Rockville, Maryland. (WNN - 22.12.2022)
Link Externo

Empresas

Eletronuclear: Foco em conclusão de Angra 3 e estudos de novos sítios

A mudança de governo não deverá afetar o desenvolvimento do Programa Nuclear Brasileiro, que deverá continuar com seu ritmo de expansão ao longo deste novo ano. Essa é a visão do presidente da Eletronuclear, Eduardo Grand Court, que faz um balanço positivo das operações da empresa no último ano - quando a Eletronuclear retomou as obras de Angra 3 e avançou em outros importantes projetos. Grand Court detalhou que o foco deste ano da empresa será a continuidade das obras de Angra 3 e na expansão de vida útil da usina de Angra 1. Além disso, a Eletronuclear também diz que irá contribuir com os estudos para a localização da quarta usina nuclear brasileira, anunciada no último Plano Decenal de Energia. (Petronotícias - 04.01.2023)
Link Externo

Bruce Power e OPG: Projetos de reabilitação de usinas em andamento

A Bruce Power e seus parceiros concluíram a maior parte da fase de construção da interrupção de substituição de componentes principais (MCR) na unidade 6 de Bruce e estão fazendo a transição para as atividades para colocar a unidade novamente online no quarto trimestre de 2023. Enquanto isso, a Ontario Power Generation (OPG) está se preparando para começar a reformar seu terceiro reator e está a caminho de concluir todos os quatro até 2026. Em suma, a Unidade 6 é o primeiro dos seis reatores Bruce a passar pelo MCR como parte do Programa de Extensão de Vida da empresa, um programa de investimento de longo prazo para atualizar todos os oito reatores Bruce e garantir a operação do local até 2064. (WNN - 30.12.2022)
Link Externo

Energoatom e Urenco: Aumento no fornecimento de urânio

A operadora de energia nuclear ucraniana Energoatom manteve conversas com a Urenco sobre aumentar o fornecimento de urânio enriquecido à Westinghouse para a produção de combustível nuclear para suas usinas em 2024-25. Segundo a Energoatom, seu presidente, Petro Kotin, e o CEO da Urenco, Boris Schucht, realizaram uma reunião online para discutir a situação. Além disso, a empresa também disse que concordou com uma cooperação de longo prazo no campo do fornecimento de urânio enriquecido para a Energoatom a partir de 2026. A Urenco, sediada no Reino Unido, opera plantas na Alemanha, Holanda, Reino Unido e EUA usando sua própria tecnologia de centrifugação para enriquecer urânio para uso como combustível nuclear para geração de energia civil. (WNN - 20.12.2022)
Link Externo

Holtec: Solicitação de financiamento para reiniciar Palisades

A Holtec International anunciou sua intenção de solicitar novamente financiamento federal para permitir o reinício da usina nuclear de Palisades, em Michigan, que fechou em maio após mais de 50 anos em operação. Nesse caso, um pedido no início deste ano não teve sucesso. Em julho, a Holtec - com o apoio da governadora de Michigan, Gretchen Whitmer - apresentou um pedido de financiamento no âmbito do programa de Crédito Nuclear Civil (CNC) do Departamento de Energia dos EUA, poucos dias após concluir a aquisição da usina. (WNN - 20.12.2022)
Link Externo

Kazatomprom: Conclusão da entrega de urânio

Segundo a empresa atômica nacional do Cazaquistão, a entrega de urânio de propriedade da Kazatomprom e da joint venture Inkai chegou a um porto canadense. A Rota de Transporte Internacional Trans-Caspian (TITR) foi desenvolvida em 2018 para mitigar o risco caso a rota principal usual, via São Petersburgo, não esteja disponível - a rota alternativa foi desenvolvida porque o Porto de São Petersburgo está temporariamente indisponível. Desde então, a Kazatomprom manteve a rota, que não cruza o território russo, para fornecer uma rota alternativa objetivando a entrega de seu material a clientes ocidentais. A rota passa pelo Azerbaijão e pela Geórgia, portanto, as remessas devem atender às exigências das autoridades de trânsito desses países. (WNN - 20.12.2022)
Link Externo

NND: Solicitação de operação de centrais nucleares

A Norwegian Nuclear Decommissioning (NND) apresentou um pedido de licença para possuir e operar as duas instalações nucleares norueguesas em Halden e Kjeller, bem como a operação do aterro de resíduos para material radioativo de nível baixo e intermediário em Himdalen. Estabelecido como uma agência do Ministério do Comércio, Indústria e Pescas em fevereiro de 2018, o NND é responsável pelo descomissionamento dos reatores de pesquisa e outras infra estruturas nucleares relacionadas, bem como pelo manuseio, armazenamento e descarte seguros de resíduos radioativos. Os dois reatores de pesquisa da Noruega foram declarados permanentemente fechados pelo Instituto de Tecnologia Energética (IFE) em junho de 2018 e abril de 2019, respectivamente. (WNN - 23.12.2022)
Link Externo

Rosatom: Entrega de combustível nuclear para centrais chinesas

A Rosatom despachou todos os embarques para a China programados para 2022, a fim de fornecer o primeiro carregamento de núcleo do reator de nêutrons rápidos CFR-600. No total, três lotes de combustível nuclear, incluindo todos os conjuntos de combustível para o primeiro carregamento do núcleo, bem como os pacotes para o primeiro reabastecimento, foram enviados por trem. Também foram entregues os conjuntos de controle e proteção do reator, por via aérea. Após o lançamento da primeira unidade de energia CFR-600, a usina de Xiapu NPP na província chinesa de Fujian se tornará a primeira com um reator rápido de alta capacidade fora da Rússia. As outras duas instalações em funcionamento são os reatores resfriados a sódio BN-600 e BN-800 em Beloyarsk NPP, na região dos Urais, na Rússia. (Petronotícias - 30.12.2022)
Link Externo

Rosatom: Instalação de cúpula na usina de Kursk II

A cúpula da concha de contenção externa foi colocada no primeiro reator em construção na usina nuclear de Kursk II da estatal russa Rosatom. A instalação foi precedida pela pré-montagem dos componentes em local especial no terreno. A parte inferior da cúpula, uma estrutura de grande porte pesando 235 toneladas, foi inicialmente montada. Cinco dias depois foi montada a parte superior da cúpula, com 34,7 metros de diâmetro e 175 toneladas de peso. Agora com a cúpula externa instalada, o edifício de contenção da unidade tem uma altura de 65,4 metros. “A contenção externa é um dos sistemas de segurança mais importantes”, disse Andrey Osharin, primeiro vice-diretor de construção de novas unidades na fábrica de Kursk. “Esta estrutura de concreto armado protege a planta do reator de influências externas extremas. (Petronotícias - 06.01.2023)
Link Externo

Samsung Heavy Industries: Conclusão de projeto de usina embarcada

A construtora naval sul-coreana Samsung Heavy Industries (SHI) concluiu o projeto conceitual da CMSR Power Barge – uma usina nuclear flutuante baseada em reatores compactos de sal fundido – e já obteve a certificação básica do projeto do American Bureau of Shipping (ABS). Em abril do ano passado, a SHI e a Seaborg assinaram um Memorando de Entendimento para fabricar e vender usinas elétricas prontas para uso, combinando a experiência da SHI em construção naval e a CMSR da Seaborg. Também cobriu o desenvolvimento de plantas de produção de hidrogênio e plantas de amônia. O projeto da Seaborg é para barcaças de energia modulares CMSR que podem produzir entre 200 MW e 800 MW de eletricidade, com uma vida operacional de 24 anos. 
Link Externo

SKB: Licença ambiental para expansão de repositório SFR

O Tribunal de Terras e Meio Ambiente da Suécia concedeu à empresa de gerenciamento de resíduos radioativos Svensk Kärnbränslehantering AB (SKB) uma licença ambiental para estender o repositório final SFR para resíduos de nível baixo e intermediário em Forsmark. O repositório SFR está situado 60 metros abaixo do fundo do Mar Báltico e iniciou suas operações em 1988. Neste caso, a instalação compreende quatro abóbadas de rocha de 160 metros de comprimento e uma câmara na rocha com um silo de concreto de 50 metros de altura para os resíduos mais radioativos. Dois túneis de acesso paralelos com quilômetros de extensão ligam a instalação à superfície. (WNN - 23.12.2022)
Link Externo

Terrafame: Possibilidade de recuperar urânio como subproduto

A Terrafame, mineradora finlandesa, planeja começar a recuperar urânio natural como subproduto da produção de zinco e níquel em sua mina de Sotkamo, no nordeste do país, até o verão de 2024. A estatal anunciou que concluiu um estudo de viabilidade relacionado à recuperação de urânio e decidiu começar a preparar as operações para a recuperação de urânio. De acordo com a mineradora, seu processo de produção permite que a baixa concentração de urânio natural encontrada no minério seja aproveitada como subproduto. Uma planta de recuperação de urânio pronta está localizada no parque industrial da empresa, que já está sendo preparada para uso operacional. No total, os preparativos requerem investimentos de aproximadamente 20 milhões de euros. (WNN - 21.12.2022)
Link Externo

Westinghouse: Novo contrato de fornecimento de combustível para central búlgara

A unidade 5 da usina nuclear de Kozloduy mudará do combustível russo com um contrato de uma década para a Westinghouse fabricar e fornecer combustível nuclear VVER-1000. De acordo com Georgi Kirkov, diretor executivo da Kozloduy, ele agradece por pder contar com a Westinghouse como parceira de negócios para este acordo e está de acordo com os objetivos de longo prazo de diversificação de combustível nuclear e segurança de abastecimento. Em resposta, Tarik Choho, presidente de combustível nuclear da Westinghouse, disse: "Estamos orgulhosos de apoiar a Bulgária em seu caminho para garantir a diversificação e a segurança energética. Essa parceria de longo prazo também reforçará a eficiência operacional da usina e os altos padrões de segurança". (WNN - 22.12.2022)
Link Externo

Estudos

AIEA: Boletim de dezembro para energia nuclear

A Agência Internacional de Energia Atômica publicou a edição de dezembro do seu boletim. Rafael Grossi, diretor-geral da agência, assina a matéria de capa discorrendo sobre as colaborações da instituição no enfrentamento das mudanças climáticas. Há ainda outro artigo que define essas mudanças e investiga os modos pelos quais a energia nuclear pode ser uma importante aliada. As ciências nucleares são apontadas, ainda, como ferramenta para resistência aos impactos dessas mudanças, como no caso de Bangladesh e dos Emirados Árabes Unidos. Aplicações não energéticas das tecnologias nucleares também são abordadas na edição, com marcos importantes no controle do câncer em países como Senegal e Chade e no uso de fertilizantes na Costa Rica. (Boletim AIEA - 12.2022)
Ver PDF

IESO: Energia nuclear pode ajudar com a descarbonização

De acordo com um novo relatório do Operador Independente do Sistema de Eletricidade (IESO) de Ontário, a província está em uma posição forte para descarbonizar sua rede elétrica em rápido crescimento, desde que novos esforços de armazenamento, energia nuclear, renováveis e conservação expandida estejam prontos para atender à crescente demanda por eletricidade. O Pathways to Decarbonization é um dos três relatórios divulgados simultaneamente pelo IESO. O estudo foi realizado a pedido do Ministério de Energia de Ontário, que solicitou à operadora que avaliasse uma moratória nas aquisições de novas usinas geradoras de gás natural em Ontário e desenvolvesse um caminho para emissões zero no setor elétrico. (WNN - 19.12.2022)
Ver PDF

Eventos

AIEA: Workshop sub-regional sobre Direito Nuclear para Ásia e Pacífico

Cerca de 40 especialistas jurídicos e técnicos de oito países se reuniram em um workshop sub-regional sobre direito nuclear para a Ásia e a região do Pacífico em dezembro para aprender sobre estruturas jurídicas nucleares internacionais e nacionais e compartilhar experiências nacionais e lições aprendidas na região. Durante o workshop de quatro dias, os representantes e participantes da AIEA discutiram os quadros jurídicos internacionais sobre segurança nuclear, segurança nuclear, salvaguardas e responsabilidade civil por danos nucleares. A terminologia utilizada no direito nuclear e os elementos de leis nucleares abrangentes também foram abordados. O workshop também proporcionou uma oportunidade para os participantes compartilharem suas experiências nacionais neste campo, incluindo desenvolvimentos desde o workshop anterior em 2019, em Viena. (AIEA - 27.12.2023)
Link Externo