IFE
20/12/2022

IFE Energia Nuclear 18

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
20/12/2022

IFE nº 18

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Energia Nuclear 18

Políticas Públicas e Planos de Governo

Brasil: Marinha conclui primeira fase de Usina de Enriquecimento de urânio

A Marinha está avançando no setor de energia nuclear em busca da independência no segmento. O Brasil inaugurou recentemente a primeira fase da Usina de Enriquecimento de Urânio com tecnologia de ponta 100% nacional. A iniciativa favorece a geração de eletricidade nas Usinas Nucleares em Angra dos Reis, no estado do RJ, gerando benefícios à sociedade em vários setores. Dados da World Nuclear Association, afirmam que o Brasil faz parte de um grupo de 13 países reconhecidos internacionalmente pelo setor de energia nuclear como detentores de instalações para enriquecimento de urânio com diversas capacidades industriais de produção. A finalização da primeira fase de Usina de Enriquecimento, no dia 25 do último mês, em Resende (RJ), é visto como um marco para o setor no país, tendo em vista que a expansão do empreendimento reduzirá a dependência na contratação do serviço de enriquecimento isotópico no exterior para a produção de combustível das usinas nucleares brasileiras. (ABDAN - 15.12.2022) 
Link Externo

Canadá: Exploração de urânio apoiada na estratégia de minerais críticos

A estratégia recém-lançada do governo mapeia como o Canadá pode aproveitar a oportunidade geracional apresentada por uma transição energética global sustentada pela exploração, extração, processamento, fabricação de produtos e reciclagem de minerais críticos, incluindo urânio. Nesse contexto, a Estratégia Canadense de Minerais Críticos foi lançada em 9 de dezembro pelo Ministro de Recursos Naturais Jonathan Wilkinson, que disse que posicionará o Canadá como o fornecedor global de escolha para os minerais críticos e tecnologias limpas necessárias para a economia global verde e digital. (WNN - 13.12.2022) 
Link Externo

China: Usina nuclear passa a ser utilizada para aquecimento industrial

O primeiro projeto de aquecimento industrial de energia nuclear da China foi oficialmente concluído e colocado em operação na usina nuclear de Qinshan, na província de Zhejiang, anunciou a China National Nuclear Corporation (CNNC). O projeto teve início a 15 de julho deste ano, tendo a construção da rede principal sido concluída a 15 de novembro. Segundo a CNNC, o projeto pode fornecer fornecimento de calor garantido 24 horas por dia, com fornecimento anual de calor industrial de cerca de 288.000 gigajoules. Isso seria o equivalente a economizar cerca de 10.000 toneladas de carvão padrão e reduzir as emissões de dióxido de carbono em cerca de 24.000 toneladas. (WNN - 15.12.2022) 
Link Externo

China: Módulo de demonstração HTR-PM atinge potência máxima

O módulo de demonstração de reator resfriado a gás de alta temperatura com leito de seixos (HTR-PM) na China atingiu sua potência total inicial com operação estável no modo de dois reatores com uma máquina. A usina possui dois pequenos reatores que acionam uma única turbina de 210 MWe. De acordo com os responsáveis pelo módulo, o mesmo havia atingido a potência total inicial em 9 de dezembro e este estado operacional verificou que todos os sistemas do projeto de demonstração atendem às funções de design, lançando as bases para que o projeto seja colocado em operação. (WNN - 09.12.2022) 
Link Externo

Coréia do Sul: Reator volta a funcionar após interrupção de 5 anos

A Korea Hydro and Nuclear Power (KHNP) confirmou que a unidade Hanbit 4 retomou a geração de energia às 3h40 do dia 11 de dezembro, encerrando uma interrupção iniciada em maio de 2017. De acordo com a KHNP, a unidade foi desligada para uma interrupção de "manutenção preventiva planejada, mas permaneceu desligada após a descoberta de vazios em seu prédio de contenção. Esses vazios foram reparados. Além disso, a interrupção de manutenção de cinco anos também incluiu a manutenção de "grandes dispositivos e instalações, incluindo a substituição de geradores de vapor. (WNN - 13.12.2022) 
Link Externo

Coréia do Sul e Polônia: Fornecimento de combustível nuclear para reator de pesquisa

O Instituto de Pesquisa de Energia Atômica da Coreia (KAERI) planeja fornecer combustível nuclear para o reator de pesquisa MARIA da Polônia usando a tecnologia de fabricação de combustível nuclear em forma de placa de siliceto de urânio enriquecido e de alta densidade (U3Si2). O diretor da KAERI, Park Won-seok, disse: "A comunidade internacional está procurando novos fornecedores de combustível nuclear após a eclosão da guerra Ucrânia-Rússia." Em suma, o Memorando de Entendimento com o Centro Nacional de Pesquisa Nuclear da Polônia vê o instituto sul-coreano procurando fornecer dois pacotes de combustível para MARIA em caráter experimental em 2024 para triagem de segurança, para se qualificar para o fornecimento de combustível nuclear em 2026. (WNN - 05.12.2022) 
Link Externo

EUA: Primeiros contratos concedidos para reserva estratégica de urânio

A Energy Fuels Inc e a Strata Energy Inc, subsidiária da Peninsula Energy Limited, receberam contratos para fornecer concentrados de urânio natural para estabelecer uma reserva federal de material produzido internamente. Esta reserva destina-se a ser uma fonte de reserva de abastecimento para as usinas nucleares dos EUA no caso de uma interrupção significativa do mercado. Nesse caso, a Administração Nacional de Segurança Nuclear do Departamento de Energia dos EUA (DOE) emitiu no início deste ano uma solicitação para comprar até um milhão de libras de U3O8 produzido domesticamente, por meio de até quatro prêmios de 100.000 a 500.000 libras de U3O8. (WNN - 16.12.2022) 
Link Externo

Finlândia: Revogação do contrato de Hanhikivi é considerada ilegal

A decisão da Fennovoima de rescindir o contrato de engenharia, aquisição e construção (EPC) com a Rosatom para a usina nuclear Hanhikivi 1 em Pyhäjoki, no norte da Finlândia, foi ilegal, determinou o Dispute Review Board. A Fennovoima assinou o contrato de fornecimento da usina para Hanhikivi com a Rusatom Overseas - a subsidiária de exportação de usinas nucleares da Rosatom - em dezembro de 2013. Nesse caso, a Rosatom se ofereceu para construir uma usina usando um VVER AES-2006 de 1200 MWe sob um contrato de preço fixo. (WNN - 15.12.2022) 
Link Externo

Finlândia: Produção de energia elétrica em Usina Olkiluoto 3 é adiada

De acordo com a Teollisuuden Voima Oyj (TVO), a data mais próxima para retomar a produção de eletricidade em Olkiluoto 3 foi adiada duas semanas para 25 de dezembro, o que levaria a produção regular de eletricidade a começar em fevereiro de 2023. Esta atualização da TVO disse que a investigação sobre os danos nas bombas de água de alimentação de Olkiluoto 3 prosseguiu em seus estágios final. Nesse caso, a investigação mais detalhada, bem como a análise da causa raiz, continuam relacionadas às rachaduras encontradas nos impulsores das bombas de água de alimentação na ilha de turbinas de Olkiluoto 3. (WNN - 09.12.2022) 
Link Externo

Holanda: Usina de Borssele poderá ter dois novos reatores

O Conselho de Ministros holandês designou a atual usina nuclear de Borssele como o local preferido para dois novos reatores. Adicionalmente, o conselho também pediu um estudo de viabilidade para estender a operação da fábrica existente de Borssele além de 2033. Em dezembro de 2021, o novo governo de coalizão da Holanda colocou a energia nuclear no centro de sua política climática e energética. Dentro desse contexto, cerca de USD 529 milhões foram destinados para apoiar a construção de novas usinas nucleares no período até 2025. (WNN - 12.12.2022) 
Link Externo

Irã: Novas estratégias visando o enriquecimento de urânio

O órgão de vigilância nuclear da ONU confirmou que o Irã está enriquecendo urânio a 60% em uma segunda usina, em meio ao colapso do acordo nuclear com as grandes potências. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) disse na terça-feira que o Irã também planeja uma expansão maciça de sua capacidade de enriquecimento. O aumento do enriquecimento foi visto como uma adição significativa ao seu programa nuclear. O enriquecimento para 60% de pureza está a um pequeno passo técnico do grau de armas, 90%. Especialistas em não proliferação alertaram nos últimos meses que o Irã tem urânio enriquecido a 60% o suficiente para reprocessar em combustível para pelo menos uma bomba nuclear. (The Guardian - 23.11.2022) 
Link Externo

Reino Unido: Financiamento para reatores de nova geração

O financiamento do governo do Reino Unido de USD 74 milhões para pesquisa em Reatores de Gás de Alta Temperatura (HTGR), um tipo de Reator Modular Avançado (AMR), visando ajudar a colocar um projeto de demonstração em funcionamento até o final da década. Os anúncios de financiamento do governo do Reino Unido também divulgaram investimentos voltados para o AMR Knowledge Capture Project, que busca facilitar a captura e o compartilhamento de conhecimento para reduzir o tempo, o risco e o custo da entrega do programa. (WNN - 13.12.2022) 
Link Externo

Dinâmica Internacional

AIEA: Bangladesh está comprometido com a segurança nuclear

Bangladesh está comprometido com a melhoria contínua da segurança nuclear e radioativa, concluiu uma equipe de especialistas da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Além disso, a equipe de missão do Serviço de Revisão Regulatória Integrada (IRRS) identificou áreas para possíveis melhorias. Em suma, a equipe do IRRS concluiu uma missão de 13 dias a Bangladesh em 8 de dezembro, a primeira missão do IRRS ao país. (WNN - 15.12.2022) 
Link Externo

Irã: Cobrança de garantias para retomada de acordo nuclear

O embaixador do Irã no Brasil, Hossein Gharibi, disse ao Poder360 que o Irã cobra “mais garantias” para a retomada do acordo nuclear firmado em 2015. Disse também que o país “quer ter a certeza de que a AIEA não é mal utilizada por alguns países para fins políticos”. Perguntado pelo Poder360 se o Irã faria mais compromissos próprios para retomar o acordo, o embaixador disse: “Já fizemos muitas concessões”. Porém, ao ser perguntado se estava fora de consideração, Gharibi respondeu: “Depende, é claro. Se você deu algo e pega algo, é a negociação”. (Poder 360 - 28.11.2022) 
Link Externo

Inovação Tecnológica

ABDAN: SMRs são grande aposta para o setor energético brasileiro

O engenheiro Celso Cunha, presidente da ABDAN, apresenta propostas para o impulsionamento da energia nuclear no Brasil. “O setor nuclear tem agora a sua grande vedete, a grande aposta de disruptiva mundial na geração de energia que são os SMRs – Small Modular Reactors. Temos de começar hoje, começar agora. Este é o momento e o lugar para investirmos na energia nuclear para que possamos colher os frutos lá na frente.”, afirma. Cunha afirma que os pequenos reatores modulares podem tornar a energia nuclear grande novamente. “Hoje o Brasil é a sétima maior reserva de urânio e em breve poderá ser até a segunda. Estamos literalmente sentados em um barril de dinheiro. Com isso, é fundamental que o país se posicione para exportar não apenas minério, mas o combustível com valor agregado. A entrada do setor privado na atividade de extração do urânio será de suma importância. É possível construir os reatores por aqui, o custo deles em termos de tarifa e risco é muito menor e ainda podemos exportar para o mundo. Estamos de fato no momento e no local certos!”, finaliza. (ABDAN - 14.12.2022) 
Link Externo

Empresas querem colaborar para a produção de hidrogênio com SMRs

NuScale Power, Shell Global Solutions e participantes de pesquisa, incluindo Idaho National Laboratory, Utah Associated Municipal Power Systems (UAMPS), Fuel Cell Energy, FPoliSolutions e GSE Solutions desenvolverão um sistema de produção de hidrogênio limpo para uso em pequenas usinas de reator modular (SMR). Para isso, o acordo de colaboração recém-assinado prevê um projeto de duas fases para desenvolver e demonstrar um conceito para um sistema integrado de energia economicamente otimizado (IES) para produção de hidrogênio usando eletricidade e calor de processo de uma planta NuScale VOYGR SMR. (WNN - 01.12.2022) 
Link Externo

EUA: Pesquisadores dos EUA alcançam ignição por fusão

O primeiro experimento de fusão controlada para produzir mais energia a partir da fusão do que a energia do laser usada para acioná-la foi conduzido no National Ignition Facility (NIF) no Lawrence Livermore National Laboratory (LLNL) em 5 de dezembro - um avanço que já dura décadas a confecção. O LLNL tem buscado o uso de lasers para induzir a fusão em um ambiente de laboratório desde a década de 1960, levando à criação do NIF, descrito como o maior e mais energético sistema de laser do mundo. Nesse caso, a instalação usa feixes de laser poderosos para criar temperaturas e pressões semelhantes às encontradas nos núcleos de estrelas e planetas gigantes - e dentro de explosões nucleares. (WNN - 13.12.2022) 
Link Externo

Fortum e Kärnfull: Desenvolvimento de SMR na Suécia

A Fortum, concessionária finlandesa, e a Kärnfull Next AB, empresa sueca de desenvolvimento de projetos de pequenos reatores modulares (SMR) assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) para explorar conjuntamente oportunidades em novas usinas nucleares para o desenvolvimento de SMRs na Suécia. As empresas disseram que a colaboração lhes permitirá abordar em conjunto projetos SMR suecos que podem levar a estudos de viabilidade concretos. Adicionalmente, eles observaram que o cronograma do primeiro SMR operacional na Suécia depende em grande parte do progresso nas permissões, licenciamento e legislação sobre a localização e o número de reatores em operação e quaisquer decisões sobre investimentos futuros serão tomadas no devido tempo. (WNN - 15.12.2022) 
Link Externo

Lightbridge e INL: Parceria visa o desenvolvimento de combustível avançado

A empresa de combustível nuclear avançado disse que espera que a primeira fase do trabalho sob dois acordos "inovadores" com o Laboratório Nacional de Idaho (INL), em colaboração com o Departamento de Energia dos EUA (DOE), culmine em testes de irradiação de amostras de combustível. Os dois acordos "guarda-chuva" - um Acordo de Projeto de Parceria Estratégica e um Acordo Cooperativo de Pesquisa e Desenvolvimento - são com a Battelle Energy Alliance, LLC, a empreiteira operacional do DOE para o INL, com uma duração inicial de sete anos, disse a empresa. Nesse caso, a tecnologia de combustível nuclear de metal da Lightbridge, adequada para uso em pequenos reatores modulares e reatores de água leve existentes, foi desenvolvida com o apoio do DOE por meio de seu programa Gateway for Accelerated Innovation in Nuclear. (WNN - 12.12.2022) 
Link Externo

Rosatom: Combustível de nitreto de urânio-plutônio testado para reator rápido BN-1200

Segundo a Rosatom, os conjuntos experimentais de combustível para o reator BN-600 incorporando varetas de combustível BN-1200 foram fabricados na Siberian Chemical Combine em Seversk com a intenção de serem carregados no reator de nêutrons rápidos BN-600 em Beloyarsk, Rússia, em 2023. O BN-1200 é um reator rápido de sódio - o plano é construir a primeira unidade de energia na usina nuclear de Beloyarsk, onde as unidades BN-600 e BN-800 já estão operando. Nesse caso, os reatores de nêutrons rápidos são capazes de operar com plutônio e são capazes de ajudar a fechar o ciclo do combustível, disse Rosatom, o que torna a mistura urânio-plutônio o combustível ideal. (WNN - 14.11.2022) 
Link Externo

Empresas

INB e Rosatom: Contrato visando o fornecimento de materiais enriquecidos em urânio

A Rosatom, empresa nuclear nacional da Rússia, diz que sua subsidiária Internexco GmbH e a estatal brasileira Indústrias Nucleares do Brasil (INB) assinaram um contrato visando o fornecimento de materiais enriquecidos em urânio à usina nuclear de Angra de 2023 a 2027. Segundo a mesma, o contrato foi resultado de uma licitação internacional aberta que terminou em agosto e é o primeiro contrato de longo prazo com o Brasil para o fornecimento de produtos de urânio enriquecido para a Rosatom. Além disso, de acordo com os documentos do site da INB, a licitação era para a empresa contratante fornecer 330.000 kg de U na forma de UF6 natural (hexafluoreto de urânio natural). (WNN - 07.12.2022) 
Link Externo

Bureau Veritas e ThroCon: Desenvolvimento de reator flutuante na Indonésia

Bureau Veritas, provedor de serviços de teste, inspeção e certificação, firmou um contrato com a ThorCon para a qualificação de tecnologia e subsequente desenvolvimento de um reator de sal fundido ThorCon flutuante de 500 MWe (TMSR-500) a ser implantado na Indonésia. Pelo acordo, o Bureau Veritas apoiará a ThorCon no processo de qualificação tecnológica, tanto para o próprio reator nuclear quanto para seu encapsulamento (compartimentação segura e fechada que permite a substituição do combustível esgotado) e integração com os sistemas do casco. Além disso, especialistas do Departamento de Certificação Nuclear do Bureau Veritas e da Divisão Marítima e Offshore colaborarão durante todo o processo. (WNN - 14.12.2022) 
Link Externo

BWXT: Iniciada a produção de combustível para microrreator

O combustível TRISO produzido nas instalações de Lynchburg da BWX Technologies Inc, na Virgínia, alimentará o microrreator Projeto Pele - o primeiro microrreator a ser construído e operado nos Estados Unidos (EUA). Nesse caso, a empresa está fabricando um núcleo para o Projeto Pele, combustível TRISO para reatores adicionais e combustível de partículas revestidas para a NASA sob um prêmio de US$ 37 milhões do Laboratório Nacional de Idaho (INL), com o laboratório gerenciando o contrato e fornecendo suporte técnico e supervisão. (WNN - 08.12.2022) 
Link Externo

Framatome e NuScale: Fornecimento de equipamentos para manuseio e armazenamento de combustível

A NuScale Power concedeu dois novos contratos à Framatome para projetar equipamentos de manuseio de combustível e racks de armazenamento de combustível para sua usina de pequeno reator modular (SMR) VOYGR. Isso porque, a Framatome está em parceria com a American Crane para projetar o equipamento de manuseio de combustível que transportará conjuntos de combustível dentro da fábrica da NuScale. Segundo a Framatome, os recursos do equipamento de manuseio de combustível VOYGR serão baseados em designs Framatome comprovados com aprimoramentos adicionais para executar totalmente o manuseio remoto de combustível. (WNN - 06.12.2022) 
Link Externo

Framatome: Contrato preliminar para construção de Sizewell C no Reino Unido

O acordo-quadro inicial que a Framatome assinou com a Nuclear New Build Generation (SZC) Ltd (NNB SZC) - que pertence à EDF e ao governo do Reino Unido - abrange as atividades iniciais de engenharia e aquisição, entre outras coisas para construção de Sizewell C. O acordo segue o investimento recentemente anunciado pelo governo do Reino Unido no projeto de construção da usina PWR. O CEO da Framatome, Bernard Fontana, descreveu a assinatura do acordo como um marco significativo para a Framatome, pois reafirmamos nosso compromisso de fornecer novas usinas de geração nuclear de baixo carbono no Reino Unido. (WNN - 09.12.2022) 
Link Externo

TerraPower: Disponibilidade de combustível atrasa projeto de reator Natrium

Segundo a TerraPower, espera-se que a operação do reator de demonstração Natrium seja adiada em pelo menos dois anos porque não haverá capacidade comercial suficiente para fabricar combustível de urânio enriquecido e de alto ensaio a tempo de atender à data de serviço proposta de 2028. Chris Levesque, CEO e presidente da empresa, disse que a invasão russa da Ucrânia em fevereiro fez com que a única fonte comercial de combustível HALEU não fosse mais uma parte viável da cadeia de suprimentos. Desde então, a empresa tem trabalhado com o Departamento de Energia dos EUA (DOE), aliados do Congresso e partes interessadas do projeto para explorar fontes alternativas em potencial. (WNN - 15.12.2022) 
Link Externo

Westinghouse: Investimento britânico servirá para desenvolver capacidade de conversão de urânio

O dinheiro do Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial do Reino Unido, juntamente com o próprio investimento da Westinghouse, visa o progresso da instalação que forneceria serviços de conversão de urânio natural e reprocessado para concessionárias em todo o mundo "à medida que buscam diversificar suprimentos e fazer a transição de serviços fornecidos pela Rússia". Ele será baseado no local de Springfields em Lancashire, no noroeste da Inglaterra, que já produz combustível para a frota avançada de reatores refrigerados a gás do Reino Unido. O financiamento significará menos dependência de importações, com a Westinghouse dizendo que será capaz de "oferecer às concessionárias uma alternativa de combustível ocidental de alta qualidade". O Ministro de Energia e Clima do Reino Unido, Graham Stuart, disse: "Este pacote de financiamento fortalecerá nossa segurança energética, garantindo um fornecimento seguro e seguro de serviços domésticos de combustível nuclear - ao mesmo tempo em que cria mais empregos no Reino Unido e oportunidades de exportação". (WNN - 15.12.2022) 
Link Externo

Estudos

Artigo GESEL: “O Brasil e o mercado mundial de Urânio”

Em artigo publicado pelo Broadcast Energia, Nivalde de Castro (professor no Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do GESEL), Luiza Masseno Leal (pesquisadora associada do GESEL-UFRJ e da ICT-Resel) e Isadora Verde (pesquisadora júnior do GESEL) abordam o mercado mundial de urânio e a participação do Brasil. Segundo os autores, diante da retomada do crescimento da energia nuclear impulsionada pelo conflito entre Rússia e Ucrânia, o mercado mundial de urânio ganha relevância. No entanto, a Rússia segue como um produtor e exportador relevante também no mercado deste insumo energético. Concluiu-se que “diante das expectativas de retomada da expansão da geração nuclear e do cenário global do mercado de urânio, o Brasil possui condições de se posicionar como um novo player e aproveitar as oportunidades abertas pelo processo de transição energética, na vertente da descarbonização, e pela crise da Ucrânia, no que diz respeito à segurança de suprimento”. Para conferir o documento na íntegra, clique aqui: https://gesel.ie.ufrj.br/wp-content/uploads/2022/12/Castro_2022_12_02.pdf. (GESEL-IE-UFRJ – 02.12.2022) 
Link Externo

ABDAN: 13ª edição da revista Conexão Nuclear

A Agência Brasileira Para Desenvolvimento de Atividades Nuclear publicou a 13ª edição de sua revista Conexão Nuclear. Em entrevista exclusiva, a diretora geral adjunta da Agência Internacional de Energia Atômica, Najat Mokhtar, fala sobre a ampliação da cooperação entre a AIEA e a ABDAN, que agora passa a abranger medicina nuclear também. Outra recente parceria também foi destacada na publicação. Firmado em novembro, durante o Nuclear Legacy, um acordo com a associação GIFEN – que congrega empresas e organizações do setor nuclear da França – aproximou as duas entidades, que pretendem ampliar a cooperação entre Brasil e França. No editorial ‘Embarcando para o Futuro’, o presidente da ABDAN, Celso Cunha, reconhece os ‘avanços ao longo do presente ano’, como a retomada das obras de Angra 3 que ‘inaugura aquilo que pode ser um novo recomeço da indústria nuclear brasileira’ e ‘a aprovação da Medida Provisória 1.133/2022, que permite a atuação da iniciativa privada na pesquisa e lavra de minérios nucleares’. (ABDAN - 16.12.2022) 
Link Externo

AIEA: Estratégia Regional para a comunidade do Caribe

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) publicou a Estrutura Estratégica Regional (RSF) para Cooperação Técnica com os Estados Membros da AIEA–CARICOM para 2020–2026. O primeiro de seu tipo para a região do Caribe, o RSF oferece uma nova oportunidade para uma colaboração mais estreita para avançar na agenda de desenvolvimento da região, com o objetivo de facilitar a união de esforços e a criação de sinergias em todo o Caribe para responder a questões socioeconômicas que podem ser abordadas com a aplicação da ciência e tecnologia nuclear. A RSF representa uma abordagem conjunta para o desenvolvimento sustentado no Caribe por meio do uso inovador de técnicas nucleares na agricultura e produção de alimentos, saúde humana, meio ambiente, energia, segurança contra radiação e tecnologias de radiação. (AIEA - 29.11.2022) 
Link Externo

AIEA: Relatório sobre experiências em gestão para novos programas nucleares

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) divulgou relatório denominado “Experiências de Órgãos Reguladores e Organizações Proprietárias/Operadoras no Desenvolvimento de Sistemas de Gestão para Novos Programas de Energia Nuclear”. Os sistemas de gestão desempenham um papel importante no sucesso de um programa de energia nuclear. Reconhecendo que seu desenvolvimento levanta uma série de questões, o documento visa compartilhar experiências de órgãos reguladores e organizações operadoras proprietárias no desenvolvimento de sistemas de gestão consistentes com as principais atividades planejadas desde o início dessas organizações até a construção de uma usina nuclear, priorizando a segurança. (AIEA - 29.11.2022) 
Link Externo

AIEA: Sustentando a Excelência Operacional em Usinas Nucleares

A AIEA publicou mais uma versão de seu relatório periódico intitulado “Sustentando a Excelência Operacional em Usinas Nucleares”. A publicação apóia os líderes de organizações proprietárias/operadoras, fornecendo respostas estratégicas aos atuais desafios de negócios e medidas eficazes para sustentar altos níveis de desempenho. O documento considera as atividades que estão sob o controle do proprietário/organização operacional, bem como aquelas que envolvem interação com outras partes interessadas, como órgãos reguladores, pares da indústria, organizações internacionais, formuladores de políticas e academia. (AIEA - 29.11.2022) 
Link Externo

Mærsk Mc-Kinney Møller Center: Produção de amônia a partir de energia nuclear

O Centro Mærsk Mc-Kinney Møller para Transporte de Carbono Zero, organização independente e sem fins lucrativos para pesquisa e desenvolvimento de soluções para o setor de transportes, divulgou no mês de novembro um trabalho denominado “E-Ammonia Production From Nuclear Power”. O documento apresenta os resultados de um estudo para avaliar a viabilidade de custo de uma instalação de produção de combustível nuclear em grande escala para a produção de amônia, que pode ter relevância como um combustível marítimo sustentável. O principal objetivo do projeto era estimar a base de custo da produção de amônia usando energia nuclear, a fim de formar uma base para comparação de custos com usinas de produção de amônia baseadas em energia solar/eólica. (Mærsk Mc-Kinney Møller - 16.11.2022) 
Link Externo