IFE
31/10/2022

IFE Energia Nuclear nº 15

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
31/10/2022

IFE nº 15

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Energia Nuclear nº 15

Políticas Públicas e Planos de Governo

Brasil: PL abre linha especial de crédito para INB

O Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 36/22, do Poder Executivo, abre crédito especial de R$ 26,5 milhões destinado às Indústrias Nucleares do Brasil (INB). Os recursos decorrem da geração de recursos próprios da estatal. Conforme a proposta, o dinheiro deverá assegurar o desempenho operacional da empresa e os investimentos em 2022, entre eles a segunda fase de implantação de unidade de enriquecimento de urânio destinado às usinas de Angra 1, 2 e 3. O projeto será analisado pela Comissão Mista de Orçamento antes de seguir para votação no Plenário do Congresso Nacional. (Agência Câmara - 17.20.2022) 
Link Externo

Brasil: Deputado do RJ estuda criação de subsecretaria para administrar Angra 3

As obras da construção da Usina Nuclear de Angra 3, no Sul do estado, que de acordo com o cronograma já deveriam estar concluídas desde 2019 e vêm sofrendo grandes atrasos desde então, podem ganhar em breve um reforço articulado pelo deputado Júlio Lopes (PP) para finalmente produzir energia. O representante, que acompanha de perto o projeto, vai pleitear a criação de uma subsecretaria que além de acompanhar o andamento das obras, também vai se dedicar à aplicação de novas tecnologias. (ABDAN - 14.10.2022) 
Link Externo

MME: Ministro critica demora em licenciamento para usina de urânio no Ceará

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, afirmou que “é inacreditável não conseguir minerar em Santa Quitéria”. Segundo o ministro, esse projeto significa empregos para o Ceará. A fala ocorreu em palestra a grandes empresários cearenses, no Seminário Energia Brasil, na tarde do dia 21, em Fortaleza. No entanto, o ministro mostrou-se otimista com o destravamento do lendário projeto, que vem se arrastando desde os anos 1980. O empreendimento está em fase de obtenção de licenciamento ambiental, após a realização de audiência pública em junho deste ano. O cronograma prevê início das obras em 2023. A previsão do consórcio responsável — formado por INB (Indústrias Nucleares do Brasil) e Galvani — é que sejam gerados 8.400 postos de trabalho diretos e indiretos criados durante a construção e outros 2.800 na fase de operação. (ABDAN - 24.10.2022) 
Link Externo

Argentina: Visita da AIEA reforça papel da energia nuclear no país

Rafael Grossi, diretor-geral da AIEA, disse durante sua primeira visita oficial à Argentina que a agência “continuará apoiando as aplicações nucleares da Argentina e sua contribuição para o desenvolvimento regional por meio do uso pacífico da ciência e tecnologia nuclear”. No dia 18 de outubro, Grossi se reuniu com o presidente da Argentina, Alberto Fernandez, e Santiago Cafiero, ministro das Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto, e expressou gratidão pelo apoio da Argentina aos esforços da AIEA para estabelecer uma zona de segurança e proteção nuclear em torno da Usina Nuclear de Zaporizhzhya, na Ucrânia. Em encontro com Flavia Royon, Secretária de Energia, as discussões giraram em torno da importância do programa de energia nuclear da Argentina e seu papel na matriz energética do país. A Argentina tem três usinas nucleares em operação. (IAEA - 18.10.2022) 
Link Externo

Bangladesh: Primeiro-ministro celebra construção de primeira central nuclear do país

O primeiro-ministro da Bangladesh, Sheikh Hasina, participou virtualmente da instalação do vaso de pressão do reator nuclear em Rooppur 2. Agradecendo à Rússia por ajudar a construir a usina, Sheikh afirmou que a central nuclear de Rooppur ajudará a proporcionar uma vida melhor para seus compatriotas. O diretor-geral da Rosatom, Alexey Likhachov, que está visitando Bangladesh, celebrou a ocasião dizendo: "a construção da primeira usina nuclear em Bangladesh está avançando ativamente, apesar dos obstáculos que a pandemia criou para nós." (WNN - 20.10.2022) 
Link Externo

EUA: Novo financiamento para pesquisa em Energia Nuclear

O governo dos Estados Unidos (EUA) anunciou US$ 150 milhões em financiamento fornecido pela Lei de Redução da Inflação do presidente Joe Biden para melhorias de infraestrutura no Laboratório Nacional de Idaho (INL) do Departamento de Energia (DOE) para aprimorar a pesquisa e o desenvolvimento de energia nuclear. Este financiamento - por meio do Departamento de Energia dos EUA - apoiará quase uma dúzia de projetos no Reator de Teste Avançado (ATR) do INL e no Complexo de Combustíveis de Materiais (MFC), ambos em operação há mais de 50 anos e desempenham um papel fundamental no avanço de tecnologias nucleares para agências federais, indústria e parcerias internacionais. (WNN - 26.10.2022) 
Link Externo

EUA: DOE concede financiamento para projetos de reciclagem nuclear

O Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE/EUA) selecionou doze projetos que buscam avançar na reciclagem de combustível nuclear usado - ou UNF - de reatores de energia comercial para receber US$ 38 milhões de financiamento. Os projetos, liderados por universidades, empresas privadas e laboratórios nacionais, trabalharão para reduzir os impactos do descarte de combustível usado, disse o DOE. Segundo Jennifer Granholm, secretária de Energia dos EUA, para que o país aproveite ainda mais a energia limpa e confiável produzida em instalações nucleares em todo o país, a administração Biden-Harris e o DOE reconhecem a importância de desenvolver usos práticos para o combustível nuclear usado. Em suma, a reciclagem de resíduos nucleares para geração de energia limpa pode reduzir significativamente a quantidade de combustível gasto em instalações nucleares e aumentar a estabilidade econômica das comunidades que lideram este importante trabalho. (WNN - 24.10.2022) 
Link Externo

Finlândia: AIEA apresenta recomendações para legislação nuclear

Uma missão da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) disse que a Finlândia fortaleceu sua estrutura regulatória para segurança nuclear e de radiação e fez progressos nos últimos anos. A equipe também identificou áreas para possíveis melhorias, incluindo agilizar uma alteração planejada da legislação para que ela abranja todas as etapas do ciclo de vida das instalações nucleares e de radiação. A equipe do Serviço de Revisão Regulatória Integrada (IRRS) concluiu uma missão de 12 dias à Finlândia em 14 de outubro. A missão foi realizada a pedido do Governo da Finlândia e organizada pela Autoridade de Radiação e Segurança Nuclear (STUK), a autoridade reguladora nacional para radiação e segurança nuclear. A análise concluiu que o país possui uma estrutura regulatória robusta e atualizada que se alinha com os padrões de segurança da agência. (AIEA - 14.10.2022) 
Link Externo

França: Reativação de reatores nucleares

O presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou nesta semana que mais dez unidades de energia nuclear paradas começarão a operar na França nas próximas semanas. Atualmente, 30 dos 56 reatores franceses estão ativos; segundo Macron, nas próximas semanas mais 10 serão ativados, passo adicional rumo à meta de manter 45 reatores ativos em janeiro de 2023. Com os 56 reatores nucleares, a França possui capacidade total de 61,4 GW. Em maio deste ano, a Agência Francesa de Segurança Nuclear (ASN, na sigla em inglês) revelou vestígios de corrosão em 12 reatores nucleares, o que levou ao desligamento das unidades. Além disso, vários outros reatores foram fechados para reparos programados. A empresa de energia francesa Eletricidade da França (EDF, na sigla em francês), operadora das usinas nucleares do país, disse que reiniciaria todos os reatores desligados antes do inverno para evitar uma escassez de eletricidade no país em meio ao aumento acentuado de utilização dos recursos energéticos. (ABDAN - 14.10.2022) 
Link Externo

Suécia: Retomada da geração de energia nuclear

Partidos suecos alcançaram um acordo para reativar o uso da energia nuclear no país. O líder do partido Moderados, Ulf Kristersson, afirmou que os parlamentares conservadores (do seu partido), os Democrata-Cristãos e os Liberais formarão o governo e colaborarão com os Democratas da Suécia no Parlamento para o avanço da pauta. Os aliados revelaram um plano que pretende reativar o uso da energia nuclear, da qual a Suécia se afastou nas últimas décadas. A líder dos democrata-cristãos, Ebba Busch, declarou que novos reatores serão construídos. Nos últimos anos, a Suécia fechou seis de seus 12 reatores. Os que permanecem abertos geram quase 30% da energia elétrica usada no país. O governo social-democrata que comandou o país nos últimos oito anos era tradicionalmente contrário à construção de novos reatores, mas admitiu este ano que a energia nuclear é crucial para o futuro próximo. (ABDAN - 17.10.2022) 
Link Externo

Polônia: País busca parceiros para construção de centrais nucleares

A Polônia pretende construir seis usinas nucleares nos próximos anos e recebeu ofertas da Westinghouse dos EUA, da KHNP da Coréia do Sul e da EDF da França. À medida que o prazo do país para tomar uma decisão se aproxima, o vice-primeiro-ministro Jacek Sasin e a ministra do Clima Anna Moskwa conversaram em Washington com a secretária de Energia dos EUA, Jennifer Granholm. Falando após a reunião, Sasin disse ter sido uma reunião muito construtiva e importante sobre os projetos poloneses conjuntos no campo da energia nuclear, servindo para esclarecer todas as questões em aberto quando se trata da decisão do governo de escolher um parceiro no projeto de energia nuclear polonês. Por fim, o vice-primeiro-ministro afirmou que estão perto de tomar a decisão de escolher um parceiro. (WNN - 24.10.2022) 
Link Externo

Dinâmica Internacional

Alemanha: Centrais nucleares continuarão operando para evitar crise de energia

O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, ordenou que os ministros se preparem para manter todas as três usinas nucleares restantes do país em funcionamento até meados de abril para afastar uma possível crise de energia. O gabinete de Scholz disse que a decisão foi tomada pelo chanceler nesta segunda-feira (17) por meio de uma carta. O movimento se sobrepõe aos pontos de vista do ministro da Economia, Robert Habeck, da Aliança que inclui o Partido Verde, e do ministro das Finanças, Christian Lindner, do Partido Democrata Liberal. Habeck argumentou que apenas duas usinas deveriam continuar operando além do desligamento programado em 31 de dezembro. Já Lindner sugeriu que as três deveriam continuar operando para além de abril. (CNN - 17.10.2022) 
Link Externo

Atlantic Council: Por segurança energética, EUA deveria liderar investimentos em nuclear

Segundo Robert Ichor, membro sênior do think-thank de relações internacionais Atlantic Council, a crise energética somada às ambições geopolíticas da Rússia e da China configura a razão pela qual os EUA e aliados devem priorizar a energia nuclear. Todas as três nações têm setores nucleares líderes mundiais bem desenvolvidos. Mas é a Rússia que tem sido o maior exportador de reatores nucleares para o mercado mundial. Enquanto isso, a China tem o maior número de plantas em construção. Na opinião de Robert, os EUA e seus aliados devem dominar as novas tecnologias nucleares, em vez de seus rivais, por uma questão de segurança energética. Isso significa manter a liderança na formação de estruturas regulatórias internacionais e avançar rapidamente além do P&D e de demonstrações, partindo para estratégias eficazes de fabricação, financiamento e implementação, diz Ichord. (Energy Post - 21.10.2022) 
Link Externo

Atlantic Council: "Ordem mundial tripolar" envolve segurança energética e energia nuclear

A invasão russa da soberana Ucrânia, juntamente com o aumento militar chinês e as ameaças contra Taiwan, parecem pressagiar o surgimento de uma nova ordem mundial tripolar e uma mudança de paradigma de competição de grande potência para confronto de grande potência. Isso porque a recente reunião entre o presidente Xi e o presidente Putin no Uzbequistão confirmou a aliança contínua desses estados contra os Estados Unidos e a OTAN. Dentro desse cenário, em 2 de maio, os líderes do G7 declararam seu compromisso de: (i) eliminar gradualmente a dependência da energia russa; (ii) trabalhar com parceiros para garantir suprimentos globais de energia estáveis, sustentáveis ​​e baratas; e (3) acelerar a transição para energia limpa. Com isso, a liderança dos EUA no desenvolvimento de energia nuclear em estreita cooperação com aliados ocidentais será essencial para aumentar a segurança energética global e atender o mercado internacional de energia nuclear, bem como apoiar a concorrência militar e econômica relacionada à Rússia e à China. (Atlantic Council - 12.10.2022) 
Link Externo

EUA: Conflito sobre origem de combustível nuclear prejudica novos reatores

A única empresa que vende o alto ensaio de urânio baixo enriquecido (HALEU), combustível necessário para abastecimento dos reatores nucleares avançados, é russa. Sem uma fonte confiável para a indústria nuclear americana, os desenvolvedores temem que não recebam pedidos para suas plantas. E sem ordens, é improvável que os potenciais produtores do combustível coloquem cadeias de suprimentos comerciais em funcionamento para substituir o urânio russo. Segundo um porta-voz do Departamento de Energia dos EUA (DOE), “a produção da HALEU é uma missão crítica e todos os esforços para aumentar sua produção estão sendo avaliados”. O governo dos Estados Unidos está procurando urgentemente pelo uso de parte de seu estoque de urânio de nível de armas para ajudar a alimentar os novos reatores avançados e iniciar uma indústria que vê como crucial para os países cumprirem as metas globais de emissões líquidas zero. (ABDAN - 20.10.2022) 
Link Externo

Finlândia: Danos em tubulação de água adiam operação de central nuclear

O início da produção regular de eletricidade no EPR Olkiluoto 3 na Finlândia, atualmente programado para dezembro, provavelmente será adiado após a descoberta de danos nas partes internas das bombas de água de alimentação localizadas na ilha de turbinas da usina durante os trabalhos de manutenção e inspeção. Nas bombas de água de alimentação, a água do tanque de água de alimentação é bombeada para os geradores de vapor. O operador Teollisuuden Voima Oyj (TVO) disse que os danos detectados nas bombas não têm impacto na segurança nuclear. De acordo com a empresa, o consórcio fornecedor da usina Areva-Siemens informou que o impacto do cronograma dos danos nas bombas de água de alimentação ainda não é conhecido. (WNN - 19.10.2022) 
Link Externo

França: Reatores nucleares são afetados por greves

Greves afetaram o trabalho em quase um terço dos reatores nucleares da França, disse um representante do sindicato de energia FNME-CGT nesta quarta-feira (19/10), atrasando a manutenção em muitos deles antes das negociações planejadas com a operadora EDF. Três dos reatores reduziram a produção em um total de 1,8 gigawatt até 08h37 (horário de Brasília), mostraram dados da EDF. A produção nuclear da França já deveria atingir uma baixa de 30 anos em 2022 devido a um número recorde de interrupções de reatores devido a problemas de corrosão e manutenção planejada, em um momento em que a Europa enfrenta uma crise de energia desencadeada pela guerra na Ucrânia. (CNN - 19.10.2022) 
Link Externo

NEI: Energia nuclear estará nos principais fóruns globais de energia

A fonte nuclear ganhará holofotes em alguns dos principais fóruns de discussões do setor global de energia até o final deste ano. A avaliação é da presidente do Nuclear Energy Institute (NEI), Maria Korsnick. A especialista aponta que a fonte tem ganhado função de destaque no planejamento energético dos Estados Unidos, assumindo um papel crucial nos planos de descarbonização da matriz elétrica do país. Ao mesmo tempo, durante a COP 27, que será realizada em novembro no Egito, a expectativa é que a nuclear também ganhe destaque mais uma vez nas conversações, assim como aconteceu na COP 26, em Glasgow, no ano passado. “A evidência é clara – o momento da nuclear certamente chegou”, disse Maria. A presidente da NEI destacou que o governo dos Estados Unidos voltou a “nivelar o campo de jogo”, garantindo o papel crucial da energia nuclear na descarbonização, ao lado de fontes renováveis como eólica e solar. (Petronotícias - 25.10.2022) 
Link Externo

Ucrânia: Esforços para criar zona de segurança em Zaporizhzhia continuam

Rafael Mariano Gross, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), reiterou a urgência de estabelecer uma zona de segurança ao redor da usina nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia. Grossi disse que a usina nuclear restaurou a conexão com sua última linha de energia de 750 quilovolts no dia 18 de outubro, 18 horas depois que sua energia externa foi perdida pela terceira vez em 10 dias. Ao contrário das duas ocasiões anteriores, quando geradores a diesel de emergência tiveram que fornecer energia de backup, desta vez a usina continuou a receber eletricidade de uma linha de backup de 330kV externa. (WNN - 19.10.2022) 
Link Externo

Ucrânia: Vice-diretor de usina de Zaporizhzhia é sequestrado

A empresa estatal de energia nuclear da Ucrânia, a Energoatom, disse que um vice-diretor geral da usina de Zaporizhzhia foi sequestrado. Em uma publicação em seu canal no Telegram, a companhia afirmou que “terroristas russos sequestraram o vice-diretor geral de recursos humanos da central nuclear de Zaporizhzhia, Valeriy Martyniuk, [e estão] mantendo-o em um local desconhecido”. A Energoatom pontuou ainda que os russos queriam os arquivos pessoais da usina “para forçar a equipe ucraniana a trabalhar para a Rosatom, operadora nuclear da Rússia, o mais rápido possível”. (CNN - 11.10.2022) 
Link Externo

Ucrânia: AIEA vai verificar materiais nucleares não declarados

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) está enviando inspetores a dois locais na Ucrânia para realizar uma verificação de salvaguardas de que não há atividades e materiais nucleares não declarados. As verificações devem ocorrer a pedido da Ucrânia, uma vez que rejeita as alegações feitas pela Rússia de que tinha informações de um plano ucraniano para usar uma "bomba suja", usando material radioativo. Segundo Rafael Mariano Grossi, diretor-geral da AIEA, ambos os locais estão sob salvaguardas da AIEA e visitados regularmente por inspetores e a Ucrânia apresentou um pedido por escrito para que novas equipes de inspetores realizem atividades de verificação. (WNN - 25.10.2022) 
Link Externo

UE condena tentativa da Rússia de assumir a usina de Zaporizhzhia

A União Europeia “condena nos termos mais fortes possíveis” a tentativa da Rússia de tomar a usina nuclear de Zaporizhzhia e a anexação declarada de quatro regiões da Ucrânia, disse Josep Borrell, chefe de política externa da UE no dia 8. O presidente russo Vladimir Putin assinou um decreto que coloca a fábrica sob controle do Estado russo e altera a constituição do país ao admitir novas regiões na Rússia. A UE “não reconhece e condena veementemente a anexação ilegal da Rússia das regiões ucranianas de Donetsk, Luhansk, Zaporizhzhia e Kherson. Consequentemente, o decreto sobre a apreensão do ZNPP é ilegal e legalmente nulo e sem efeito”, disse Borrell em comunicado. Ele exortou a Rússia a “retirar totalmente suas forças e equipamentos militares e devolver o controle da NPP ao seu legítimo proprietário, a Ucrânia”. (CNN - 08.10.2022) 
Link Externo

WANO: Resolução enfatiza unidade no apoio a Zaporizhzhia, na Ucrânia

A diretoria da Associação Mundial de Operadores Nucleares (WANO, na sigla em inglês) aprovou uma resolução de que todos os esforços sejam feitos para garantir que não haja interferência na capacidade do operador de realizar seu trabalho com segurança e resolve manter a unidade da WANO no apoio à Zaporizhzhia e garante que nenhuma usina nuclear membro fique isolada da indústria. Esta resolução, que foi desenvolvida pelo conselho de administração durante a Assembleia Geral Bienal da WANO em Praga no início deste mês, também diz que a comunidade de operadores nucleares apela a todas as partes, incluindo a equipe da WANO, para se envolver mais diretamente na estabilização da situação o mais rápido possível. (WNN - 26.10.2022) 
Link Externo

Inovação Tecnológica

ABDAN e AIEA debatem aplicação de SMRs no Brasil

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) está discutindo a tecnologia SMR em parceria com a Associação Brasileira para Desenvolvimento das Atividades Nucleares (ABDAN). Recentemente, durante um evento em Viena, na sede da AIEA, foram destacados alguns dos primeiros passos do Brasil dentro do mercado de SMR. O presidente da ABDAN, Celso Cunha, lembrou que o país solicitou apoio da chamada “Plataforma SMR” no ano passado para analisar “os aspectos econômicos dos SMRs e seu custo dentro do sistema do país”. A Plataforma SMR é uma iniciativa da AIEA que coordena as atividades da agência neste domínio e oferece um “balcão único” de cooperações para os Estados-Membros e outras partes interessadas. Em abril, ainda, a AIEA participou de um curso de três dias sobre SMR organizado pela ABDAN, durante o evento Nuclear Summit 2022. (ABDAN - 17.10.2022) 
Link Externo

General Atomics: Conceito para planta piloto de fusão nuclear

A General Atomics (GA), com sede em San Diego, Califórnia, anunciou um conceito de planta piloto de fusão (da sigla em inglês, FPP) compacto e estável, que capitaliza suas inovações e avanços na tecnologia de fusão. Nesse caso, usando ímãs poderosos e aquecimento por micro-ondas, o sistema de fusão GA cria um plasma - um gás quente no qual os elétrons se separam dos átomos. Na operação em estado estacionário, o plasma de fusão é mantido por longos períodos de tempo para maximizar a eficiência, reduzir os custos de manutenção e aumentar a vida útil da instalação. De acordo com a empresa, a instalação utilizará seu próprio Fusion Synthesis Engine (FUSE) para permitir que engenheiros, físicos e operadores realizem rapidamente uma ampla gama de estudos e otimizem continuamente a usina para obter a máxima eficiência. (WNN - 25.10.2022) 
Link Externo

Holtec e Hyundai: Parceria visa desenvolvimento de SMRs

A americana Holtec International e a japonesa Hyundai Engineering & Construction estão unindo forças para acelerar o desenvolvimento de um modelo de pequeno reator modular (SMR, na sigla em inglês). Nesta semana, as empresas realizaram uma cerimônia no Campus de Tecnologia da Holtec em Camden, em Nova Jersey, para marcar o novo momento de cooperação, que visa completar o balanço de projeto dos sistemas e estruturas restantes para o pequeno reator modular avançado SMR-160. A Hyundai E&C vem desenvolvendo a especificação de construção do projeto da planta SMR-160 através de estreita associação com a Holtec, com o projeto e o Relatório de Análise de Segurança (SAR) associado que sustenta um pedido de licença de construção à Comissão Reguladora Nuclear dos EUA para a primeira planta SMR-160 no país. (ABDAN - 20.10.2022)
Link Externo

Laurentis e Synthos: Acordo visa a colaboração na produção de SMRs

Um contrato de serviços principais assinado pela Laurentis Energy Partners e Synthos Green Energy apoiará o desenvolvimento e implantação de pequenos reatores modulares (SMRs) na Polônia. O acordo permite a colaboração internacional entre as duas empresas, começando com o planejamento inicial do projeto. O provedor de serviços SMR Laurentis é uma subsidiária comercial de propriedade integral da Ontario Power Generation (OPG) e oferece experiência no ciclo de vida de desenvolvimento completo de instalações nucleares, desde a viabilidade e planejamento até a construção, comissionamento e operações. (WNN - 14.10.2022) 
Link Externo

OPG: Financiamento para a construção de SMR

O Canadá Infrastructure Bank (CIB) anunciou um compromisso de USD 713 milhões para o Novo Projeto Nuclear Darlington da Ontario Power Generation (OPG), no maior investimento do banco em energia limpa até hoje. O novo projeto nuclear de Darlington será um pequeno reator modular (SMR) de 300 MWe, que será construído próximo à usina nuclear de Darlington da OPG em Clarington, Ontário. A OPG em 2021 selecionou o BWRX-300 SMR da GE Hitachi Nuclear Energy para o projeto e pretende concluir o primeiro SMR comercial em escala de rede do Canadá em 2028. Dentro deste cenário, o investimento do CIB financiará o trabalho da Fase 1, cobrindo todos os preparativos antes da construção nuclear, incluindo projeto de projeto, preparação do local, aquisição de equipamentos de longo prazo, conexões de serviços públicos, implementação de uma estratégia digital e custos de gerenciamento de projetos relacionados. (WNN - 25.10.2022) 
Link Externo

Rolls-Royce: Selecionados dois novos locais para fabricação de SMRs

Em julho, a empresa anunciou seis locais potenciais para a fábrica, dizendo que a lista foi selecionada de acordo com um conjunto claro de critérios, escolhidos entre mais de 100 inscrições de parcerias empresariais locais e agências de desenvolvimento. Eles foram: Sunderland em Tyne and Wear, Richmond em North Yorkshire, Deeside no País de Gales, Ferrybridge em Yorkshire, Stallingborough em Lincolnshire e Carlisle em Cumbria. Mais dois locais - Shotton, Deeside, no norte do País de Gales e Teesworks, Redcar, no nordeste da Inglaterra - foram adicionados depois que os locais atenderam aos critérios da lista restrita para a primeira das três fábricas esperadas no Reino Unido, que produzirá os navios para o Reator de água pressurizada de 470 MWe. (WNN - 21.10.2022) 
Link Externo

Southern Company e TerraPower: Testes de novo reator rápido de cloreto fundido

A Southern Company, holding americana de eletricidade e gás, e a TerraPower, empresa de design de reatores nucleares, concluíram a construção e instalação de uma nova instalação de teste no laboratório da TerraPower em Everett, Washington. Nesse caso, o Teste de Efeitos Integrados será utilizado no desenvolvimento do Reator Rápido de Cloreto Fundido (MCFR). Segundo a Southern e a TerraPower, o teste é o maior sistema de sal de cloreto do mundo desenvolvido pelo setor nuclear. Em resumo, o projeto culmina anos de testes de efeitos separados e espera-se que demonstre como a tecnologia MCFR funcionará no fornecimento de uma fonte de energia de reator de sal fundido livre de carbono, em escala comercial e sem carbono até 2035. (WNN - 19.10.2022) 
Link Externo

X-Energy: Nova fábrica de combustível nuclear avançado nos EUA

A TRISO-X Fuel Fabrication Facility (ou TF3) do Tennessee, será a primeira instalação de combustível nuclear avançado em escala comercial dos Estados Unidos e deve ser comissionada e estar operacional até 2025. A TRISO-X LLC é uma subsidiária da X-Energy, desenvolvedora do pequeno reator modular (SMR) refrigerado a gás de alta temperatura. Foi descrito como o combustível nuclear mais robusto do mundo. A tecnologia de reatores da X-energy está recebendo financiamento do Programa de Demonstração de Reator Avançado (ARDP) do Departamento de Energia dos EUA (DOE) como parte de um programa de US$ 3,2 bilhões para desenvolver, construir e demonstrar reatores avançados operacionais até o final da década. O combustível nuclear TRISO-X produzido nas instalações do Tenesse, será usado nos reatores Xe-100, o primeiro dos quais deverá estar operacional até 2028 em um local no estado de Washington. (ABDAN - 20.10.2022)
Link Externo

Empresas

INB passa a ser controlada pela EMBPar

Foi publicado o Decreto 11.235, de 13 de outubro de 2022, que autoriza o aumento de capital social da Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional S.A. (ENBPar) por meio do aporte das ações da União no capital da Indústrias Nucleares do Brasil S.A. Isso implicará na assunção do controle acionário da INB pela ENBPar, prevista no artigo 8º da Medida Provisória nº 1.133, de 12 de agosto de 2022. Com o decreto, a INB se tornará uma estatal não dependente da União e, portanto, não receberá mais recursos financeiros do Tesouro para pagamento de despesas com pessoal ou de custeio geral ou de capital. A INB já havia atingido a autossuficiência financeira neste ano e agora passa a ser uma subsidiária da ENBPar. A alteração acionária trará maior autonomia orçamentária e financeira e mais eficiência na gestão do caixa por parte da INB. A nova INB terá maior flexibilidade para estabelecer parcerias com a iniciativa privada, uma vez que a nova legislação permite que sejam feitos outros modelos de associação entre a INB e parceiros privados para exploração de jazidas minerais que possuam minérios nucleares. 
Link Externo

Eletronuclear: Nova diretoria do Conselho de Administração

O conselho de administração da Eletronuclear, estatal responsável pelas usinas nucleares brasileiras, decidiu alterar a composição da presidência e da diretoria-executiva da companhia. Em reunião no dia 13, o colegiado escolheu para a presidência da empresa Eduardo de Souza Grivot Grand Court. O executivo ocupa atualmente o cargo de presidente do conselho da estatal e acumula a diretoria de gestão corporativa e sustentabilidade da Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional S.A. (ENBPar). A ENBPar foi criada no ano passado e, a partir de junho de 2022, passou a controlar a Eletronuclear e Itaipu Binacional no lugar da privatizada Eletrobras. Desde 2017, a Eletronuclear era presidida por Leonam Guimarães, substituído agora por Grand Court. (ABDAN - 14.10.2022)
Link Externo

Eletronuclear: Grupo de trabalho vai mapear locais para novas usinas

A Eletronuclear, que é responsável pelas duas usinas nucleares brasileiras, Angra I e II, participou da primeira reunião do grupo de trabalho que vai analisar os estudos de localização para a construção de novas usinas nucleares. A reunião do GT aconteceu no Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI/PR), Palácio do Planalto, em Brasília. Além da Eletronuclear, o GT instituído pelo GSI conta com representantes do MME, da EPE e do Ibama, entre outras instituições. O Brasil contará também com a usina nuclear Angra III, que está em construção. (ABDAN - 13.10.2022) 
Link Externo

Cameco e Brookfield Renewable Partners pretendem comprar Westinghouse

A Cameco e a Brookfield Renewable Partners disseram nesta semana que vão comprar a fabricante de equipamentos para usinas nucleares Westinghouse por 7,9 bilhões de dólares. O acordo envolvendo um dos nomes mais célebres da indústria de energia americana, com valor patrimonial de 4,5 bilhões de dólares, ocorre no momento em que a energia nuclear está vendo um aumento no interesse em meio a uma crise de energia na Europa e preços crescentes do petróleo e do gás natural. “Estamos vendo alguns dos melhores fundamentos de mercado que já vimos em energia nuclear”, disse o executivo-chefe da fornecedora de combustível de urânio Cameco, Tim Gitzel. A Cameco deterá 49% da Westinghouse, enquanto a Brookfield Renewable e seus parceiros deterão o restante. (ABDAN - 13.10.2022) 
Link Externo

GNF-A e TerraPower: Nova instalação avançada de combustível de reator

A Global Nuclear Fuel-Americas (GNF-A) e a TerraPower devem construir a Natrium Fuel Facility em um dos complexos da GNF-A na Carolina do Norte. A instalação faz parte de uma grande expansão para as operações da GE Hitachi Nuclear Energy (GEH), que também apoiará a implantação comercial do pequeno reator modular BWRX-300 (SMR). O Natrium Fuel Facility será financiado conjuntamente pela TerraPower e pelo Departamento de Energia dos EUA por meio do Programa de Demonstração de Reator Avançado, segundo a GE. A construção da instalação de combustível, a instalação representa um investimento de mais de US$ 200 milhões.(WNN - 24.10.2022) 
Link Externo

Fortum: Estudo de viabilidade para novos projetos na Finlândia

A concessionária finlandesa Fortum lançou um estudo de viabilidade de dois anos para examinar os pré-requisitos para novas construções nucleares na Finlândia e na Suécia. Este estudo considerará tanto pequenos reatores modulares (SMRs) quanto grandes reatores convencionais. Além disso, como parte do estudo, Fortum examinará as condições comerciais, tecnológicas e sociais, incluindo políticas, legais e regulatórias, para a construção de novos reatores. Segundo a concessionária, Fortum a intenção do grupo de trabalho é envolver as partes interessadas externas essenciais, como tomadores de decisões políticas, funcionários públicos e autoridades de segurança nuclear na Finlândia e na Suécia, em um diálogo ativo. (WNN - 17.10.2022) 
Link Externo

Tepco e Hitachi: Parceria visa a produção de barris de combustível usados

A Tokyo Electric Power Company Holdings Inc (Tepco) e a Hitachi Zosen Corporation estabeleceram uma joint venture 67-33 - conhecida como Toso Mirai Manufacturing Company Limited - para a fabricação e venda de transporte de combustível usado e barris de armazenamento, bem como recipientes de armazenamento de detritos de combustível. A nova empresa - cujos planos foram anunciados em abril deste ano - construirá uma fábrica para fabricar produtos relacionados ao descomissionamento na área de Hamadori, na província de Fukushima, com o objetivo de iniciar as operações durante o ano fiscal de 2025. Inicialmente, a Toso Mirai Manufacturing produzirá barris para armazenamento e transporte de combustível nuclear usado. No entanto, os parceiros acrescentaram que no futuro planejam fabricar um contêiner para armazenar detritos de combustível que esfriaram e solidificaram após o combustível nuclear e as estruturas derreterem devido ao acidente na usina nuclear de Fukushima Daiichi. (WNN - 24.10.2022) 
Link Externo

Slovenské Elektrárne: Unidade de central nuclear na Eslováquia atinge produção mínima

Segundo a Slovenské Elektrárne, concessionária de energia elétrica com sede na Eslováquia, em Bratislava, a unidade 3 da usina nuclear de Mochovce atingiu a produção mínima controlada em 22 de outubro. Branislav Strýček, CEO e presidente da Slovenské Elektrárne, disse que este é um marco muito importante na partida do reator nuclear, já que é o momento em que o combustível nuclear no reator ganhou vida, trazendo a possibilidade do reator atingir a capacidade máxima no início do próximo ano. Nesse caso, o comissionamento da unidade 3 na usina no sudoeste da Eslováquia começou em 9 de setembro com o carregamento de combustível nuclear durante três dias, seguido pela montagem do reator, que terminou em 20 de setembro, e testes de estanqueidade e resistência. (WNN - 24.10.2022) 
Link Externo

Westinghouse: Instalação de novos reatores AP1000 em usina nuclear na China

A Westinghouse Electric Company, com sede nos EUA, anunciou que adicionará dois reatores baseados na tecnologia AP1000 na usina nuclear de Lianjiang, em Zhanjiang, na China. Localizada na província de Guangdong, a usina é de propriedade da State Power Investment Corporation (SPIC) da China. Os dois reatores nucleares serão desenvolvidos como parte da primeira usina nuclear construída e gerenciada pela SPIC na província de Guangdong. A Westinghouse disse que quatro de suas unidades AP1000 estão operando atualmente na China. Diz-se que o AP1000 é o único reator avançado da Geração III+ em operação com sistemas de segurança totalmente passivos e um design modular. (Power Technology - 13.10.2022) 
Link Externo

Eventos

Brasil: Reunião avalia procedimentos especiais de salvaguardas de combustível

Entre 10 e 13 de outubro, a Marinha do Brasil recebeu em suas instalações nucleares a visita de representantes da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), da Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC), do Ministério das Relações Exteriores (MRE) e da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). O encontro deu continuidade às negociações dos Procedimentos Especiais de Salvaguardas do combustível nuclear para o Submarino Convencionalmente Armado com Propulsão Nuclear. O objetivo da visita da AIEA foi discutir a exigência de salvaguardas para aprovar o uso do combustível para o submarino nuclear da Marinha. (ABDAN - 17.10.2022) 
Link Externo

Brasil: Sipron realiza simulação de emergência em Angra

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI/PR), órgão central do Sistema de Proteção ao Programa Nuclear Brasileiro (Sipron), supervisionou o Exercício Parcial de Resposta à Emergência Nuclear. A atividade, realizada nos dias 26 e 27 de outubro, tem como objetivo avaliar a eficácia da estrutura de resposta e dos procedimentos do Plano de Emergência Externo do Estado do Rio de Janeiro (PEE/RJ) da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA), que visa a proteger a população, o meio ambiente, os trabalhadores e as instalações. Trata-se de uma grande operação, que envolve várias entidades civis e militares. (ABDAN - 26.10.2022) 
Link Externo

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia contará com participação de IEN

O IEN vai participar da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) de 2022, refletindo uma tradição que vem desde 2016. O evento é promovido pelo MCTI, e ocorrerá entre 20 e 23 de outubro no campus do ON (Observatório Nacional) e do MAST (Museu de Astronomia e Ciências Afins), sendo aberto ao público em geral. Nesse caso, o principal objetivo da mostra do Instituto é fazer a divulgação das aplicações pacíficas da energia nuclear e o maior atrativo do estande do IEN são os usos da realidade virtual (RV) nas áreas da energia nuclear e correlatas. Em resumo, este ano há duas novidades: a sala de bombeamento hidráulico da usina de Angra 2 e uma instalação de radiofarmácia, ambas em RV. (GOV - 11.10.2022) 
Link Externo

AIEA: NLI promove treinamento em legislação nuclear

Sessenta advogados e reguladores de 54 Estados membros da AIEA estão participando de palestras e exercícios práticos que abrangem todas as áreas do direito nuclear em um curso de treinamento intensivo de duas semanas, conhecido como Nuclear Law Institute (NLI), atualmente em andamento em Viena. Os participantes estão sendo treinados em direito nuclear em geral, bem como em tópicos mais especializados na área, como os aspectos legais relacionados a reatores de pequeno e médio porte, segurança nuclear e desenvolvimentos em fusão nuclear; a relação entre o direito ambiental e o direito nuclear e os aspectos jurídicos relativos ao financiamento do desmantelamento nuclear e da gestão de resíduos. (AIEA - 20.10.2022) 
Link Externo

AIEA: Evento debate plataforma sobre SMRs

Um ano após o lançamento da Plataforma da AIEA sobre Pequenos Reatores Modulares (SMR) e suas aplicações, especialistas da AIEA e de todo o mundo se reuniram em um evento durante a 66ª Conferência Geral da AIEA para avaliar suas realizações e perspectivas no apoio ao desenvolvimento de SMR, implantação, licenciamento e supervisão em todo o mundo. O evento do dia 27 de setembro incluiu uma visão geral das últimas atualizações da plataforma, bem como apresentações sobre a Estratégia de Médio Prazo da AIEA para SMRs e sobre a Iniciativa de Harmonização e Padronização Nuclear relacionada . O evento também apresentou o apoio da AIEA SMR ao Brasil e à Jordânia e ao novo portal online da plataforma. (IAEA - 27.09.2022) 
Link Externo

AIEA: Intercâmbio de experiências em ciclo de combustível nuclear

Vinte e seis coordenadores nacionais de 20 países discutiram maneiras de aprimorar ainda mais o Sistema de Notificação e Análise de Incidentes de Combustível (FINAS) em uma reunião recente em Paris, França. O FINAS, operado em conjunto pela AIEA e pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)/NEA, auxilia na coleta, análise, manutenção e divulgação de relatórios sobre eventos relacionados à segurança em instalações do ciclo do combustível nuclear. Os participantes concordaram que a devida atenção deve ser dada ao fortalecimento do desenvolvimento e implementação de procedimentos operacionais e melhorias na automação, sensores e manuseio remoto para operações envolvendo materiais altamente radioativos. (IAEA - 17.10.2022) 
Link Externo

AIEA: Conferência Ministerial sobre Energia Nuclear será em Washington

A Conferência Ministerial Internacional sobre Energia Nuclear do século XXI da AIEA abre no período entre os dias 26 e 28 de outubro em Washington. O encontro atua fornecendo um fórum global para ministros, formuladores de políticas e especialistas discutirem a contribuição da energia nuclear para a mitigação das mudanças climáticas, segurança energética e desenvolvimento sustentável. (IAEA - 25.10.2022) 
Link Externo

Estudos

Artigo Gesel: “A retomada da energia nuclear”

Em artigo publicado pelo Valor Econômico, Nivalde de Castro (professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico) e Marcel Biato (representante Permanente do Brasil junto à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em Viena) discorreram sobre a retomada da energia nuclear dentro do cenário de acontecimentos atuais. Segundo eles, "No processo de transição energética, busca-se descarbonizar a geração de energia elétrica, através, principalmente, das fontes intermitentes eólica e solar. A energia nuclear, porém, ressurge como uma alternativa, uma vez que atende aos três principais objetivos da política energética: flexibilidade, sustentabilidade e segurança de suprimento. Neste contexto, os SMRs são uma tecnologia disruptiva que abre caminho para novos investimentos na indústria nacional, tão necessitada carente de crescimento, emprego e renda". Para ter acesso ao artigo na íntegra, clique aqui: https://valor.globo.com/opiniao/coluna/a-retomada-da-energia-nuclear.ghtml. (Gesel - 27.10.2022) 
Link Externo

AIEA: Relatório anual sobre perfis de energia nuclear

A AIEA lançou a edição de 2022 do Country Nuclear Power Profiles (CNPP), marcando mais de duas décadas desde o lançamento do guia abrangente da Agência sobre o status e desenvolvimento de programas nacionais de energia nuclear em todo o mundo. Com o aumento na busca pela energia nuclear como solução para segurança energética e sustentabilidade, o CNPP está assumindo papel mais relevante no apoio ao planejamento eficaz, tomada de decisões e implementação de programas de energia nuclear. Segundo Aline des Cloizeaux, Diretora da Divisão de Energia Nuclear da AIEA, o documento figura entre os dez mais acessados do site da AIEA e têm atendido a uma necessidade vital de uma visão geral de alto nível da infraestrutura de energia nuclear e desenvolvimentos de programas de energia nuclear nos Estados Membros participantes desde 1998. (AIEA - 19.10.2022) 
Link Externo