IFE
21/08/2023

IFE Energia Nuclear 33

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e João Pedro Gomes
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
21/08/2023

IFE nº 33

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e João Pedro Gomes
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Energia Nuclear 33

Políticas Públicas e Planos de Governo

Brasil: Investimento em Energia Nuclear está previsto em novo PAC

O governo brasileiro está planejando investimentos substanciais na geração de energia como parte de seu novo programa de investimentos, com um total previsto de R$ 757 bilhões. Essa iniciativa visa impulsionar o setor de energia no país, com foco em diversas fontes, incluindo hidrelétrica, solar, eólica e nuclear. O programa também busca melhorar a infraestrutura de transmissão e distribuição de energia, visando reduzir as interrupções e aumentar a eficiência. A diversificação das fontes de energia é uma prioridade para o Brasil, visando aumentar a segurança energética e reduzir a dependência de fontes tradicionais, como hidrelétricas. Além disso, esses investimentos têm o potencial de gerar empregos e promover o desenvolvimento econômico sustentável. A iniciativa representa um compromisso significativo com a expansão e modernização do setor de energia do país. (Valor Econômico – 15.08.2023) 
Link Externo

Brasil: Novo PAC destina bilhões para defesa e prevê construção de submarino nuclear

O novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), anunciado nesta sexta-feira (11/8) pelo governo federal, destina R$ 52 bilhões para projetos de defesa nacional e prevê a construção de um submarino nuclear. Equipar as Forças Armadas com tecnologias de ponta, aumentar a capacidade de defesa nacional e de monitoramento das fronteiras são algumas das diretrizes do Novo PAC. A maior parte do montante será direcionado à Marinha, cerca de R$ 20,6 bilhões, para seis projetos; a Aeronáutica terá R$ 17,4 bilhões, com quatro projetos; o Exército, R$ 12,4 bilhões, também com quatro projetos. O Estado Maior terá dois projetos, em um total de R$ 2,4 bilhões. Entre os investimentos estão a aquisição de aeronaves cargueiro, caças Gripen, helicópteros leves e de médio porte, construção de submarinos e navios-patrulha, viaturas blindadas, e implantação de sistemas de controle de faixa de fronteira. (CNN – 11.08.2023) 
Link Externo

Brasil: De acordo com novo PAC, Angra 3 terá estudos e Angra 1 receberá melhorias

O governo federal incluiu a análise sobre as obras para conclusão da usina de Angra 3, localizada no Rio de Janeiro, no pacote do Novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Conforme a Agência Estado, o portfólio do programa não prevê a conclusão do projeto, apenas a realização de "estudo de viabilidade técnica, econômica e socioambiental" das obras da usina, paradas desde 2015. A princípio, havia a possibilidade de Angra 3 ficar de fora da lista. Contudo, conforme apurou a reportagem, a inclusão sobre a continuidade do projeto no Novo PAC foi defendida pelo ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, a partir de demandas da bancada do Rio de Janeiro no Congresso. A Eletrobras trabalha com o cenário de execução e conclusão das obras da usina nuclear Angra 3, mesmo que o governo não incluísse o empreendimento no novo PAC, disse o diretor-presidente da companhia, Wilson Ferreira Júnior, durante teleconferência de resultados. "Por fazer parte do processo de capitalização, esperamos que seja continuado e concluído. Houve especulação e ela é sempre ruim", comentou o executivo. (Jornal do Comércio – 14.08.2023) 
Link Externo

Brasil: ABDAN se reúne com CGI e propõe elaboração de novo PNB, incluindo SMRs

A atualização do Programa Nuclear Brasileiro (PNB) entra em pauta. O tema foi apresentado no dia 2 de agosto ao ministro-chefe do GSI, Marcos Antonio Amaro dos Santos, pela Associação Brasileira para Desenvolvimento das Atividades Nucleares (ABDAN). As diretrizes da atual Política Nuclear Brasileira são relativamente recentes – já que foram lançadas em 2018 durante o governo de Michel Temer. No entanto, o PNB foi elaborado na década de 1970 e já não reflete mais a realidade e as tecnologias mais atuais do setor. O tema foi levado ao ministro do GSI pelo presidente da ABDAN, Celso Cunha, e também pelo membro do Conselho Curador da associação, Aldo Malavasi. “Levamos ao GSI a necessidade dessa atualização do Programa Nuclear Brasileiro e o ministro ficou muito interessado em fazer isso acontecer”, contou Cunha. Além disso, o encontro serviu também para debater sobre o potencial do Brasil na utilização dos chamados Pequenos Reatores Modulares (SMRs, na sigla em inglês). O presidente da ABDAN lembrou que essa tecnologia poderá ajudar muitas indústrias a trilharem o caminho da descarbonização. Mas para que isso seja efetivamente possível, segundo Cunha, será preciso rever o monopólio da União. (Petronoticias – 14.08.2023) 
Link Externo

Argentina e Índia: Avanços na cooperação voltada para a tecnologia nuclear

Durante a segunda reunião do Comitê Conjunto de Coordenação entre Índia e Argentina, foram realizadas diversas reuniões e visitas, incluindo ao produtor de combustível nuclear Combustibles Nucleares Argentino e ao local do reator RA-10. A presidente da Comissão Nacional de Energia Atômica (CNEA) da Argentina, Adriana Serquis, destacou a importância da cooperação bilateral em áreas como medicina nuclear e reatores, ressaltando a valorização das instalações e projetos em andamento. A delegação indiana foi liderada pelo CEO da Heavy Water Board, S Satyakumar. A cooperação entre os dois países incluiu o start-up de uma planta produtora de radioisótopos em Mumbai e o projeto RA-10 em conjunto com a INVAP. A Argentina possui três reatores nucleares, enquanto a Índia tem um setor de energia nuclear predominantemente indígena, com planos de expansão. (WNN - 03.08.2023) 
Link Externo

Bangladesh: BAEC aprova combustível para a carga inicial de Rooppur I

A Comissão de Energia Atômica de Bangladesh (BAEC) formalmente aceitou o primeiro combustível para a carga inicial do reator Rooppur 1, após notificação na Fábrica de Concentrados Químicos de Novosibirsk (NCCP) na Rússia. Paralelamente, a instalação dos oito trocadores de calor da unidade foi concluída em uma fábrica local em Bangladesh. A entrega do combustível está prevista para setembro e sua qualidade foi assegurada pela empresa TVEL, da divisão de combustível da Rosatom. A nuclear Rooppur 1, a primeira de Bangladesh, tem previsão de comissionamento em 2024, e a construção da segunda unidade começou em 2018. (WNN - 10.08.2023) 
Link Externo

Eslováquia: Mochovce III avança em potência de energia

A unidade 3 da usina nuclear de Mochovce, na Eslováquia, aumentou sua produção de energia de 75% para 90% à medida que prosseguem os testes de inicialização de energia. A unidade, um reator VVER-440, está se aproximando da operação comercial nos próximos meses. Os testes envolveram aumentos graduais de potência, com potência aumentando para 55% em março e 75% em julho. A conclusão bem-sucedida dos testes a 90% permitirá que a usina aumente a saída para 100%. A unidade 3 forneceu aproximadamente 650.000 MWh de eletricidade à rede, equivalente ao consumo anual de 260.000 residências. A usina de Mochovce espera alcançar a funcionalidade completa da unidade 3 após uma demonstração de 144 horas a 100% de potência, prevista para ocorrer entre setembro e outubro deste ano. (WNN - 14.08.2023) 
Link Externo

EUA: Alasca simplifica regulamentos de microrreatores

O estado do Alasca, nos Estados Unidos, promulgou regulamentos destinados a simplificar o processo regulatório relacionado à localização de microrreatores nucleares. Essas novas regulamentações, que implicam na garantia de certas exigências, satisfazem as instalações de maior porte no setor energético, entrarão em vigor em agosto. A supervisão da segurança nuclear civil é incumbência da Comissão Reguladora Nuclear (NRC), enquanto competência do estado em relação à energia nuclear se restringe à questão da localização. Essas regulamentações têm origem no Projeto de Lei do Senado (SB) 177, que o governador Mike Dunleavy sancionou em 2022, atualizando o Estatuto do Alasca (AS) 18.45, ajustando os requisitos de licenciamento, eliminando a necessidade de a legislação designar um terreno para a instalação de um microrreator nuclear avançado com capacidade de até 50 MW. (WNN - 28.08.2023) 
Link Externo

França: ASN aprova operação de Usina Nuclear Tricastin I por mais dez anos

O regulador de segurança nuclear da França, a Autorité de Sûreté Nucléaire (ASN), autorizou a usina nuclear de Tricastin, no sul do país, a operar sua unidade 1 por mais dez anos, tornando-se o primeiro reator nuclear francês a ser licenciado para operar além de 40 anos. A decisão foi baseada nas melhorias de segurança iniciadas pela operadora EDF e nas medidas prescritas pela ASN, garantindo a segurança da unidade por mais uma década. As medidas específicas para cada reator serão aplicadas durante uma quarta revisão periódica de segurança, programada até 2031. A ASN afirmou que considerou as particularidades de cada instalação e concluiu que a continuação da operação do reator atende aos requisitos de segurança garantidos. (WNN - 14.08.2023) 
Link Externo

Irã: Cerimônia marca início de construção de complexo de mineração de urânio

Uma cerimônia marcou o início da construção de um novo complexo de mineração de urânio em Jang-e Sar, noroeste do Irã. A Organização de Energia Atômica do Irã (AEOI) realizou explorações específicas de urânio e elementos de terras raras na região, com o objetivo de fornecer matérias-primas para combustível nuclear e apoiar os planos de capacidade nuclear do país. O cronograma de construção está previsto para 30 meses, com um investimento de cerca de US$ 240 milhões para a primeira fase do projeto. O complexo alcançará um papel importante nos planos do Irã para 20.000 MWe de capacidade nuclear. (WNN - 15.08.2023) 
Link Externo

Itália: Edital para desmantelamento de reator e componentes da central de Garigliano

A empresa estatal Societa Gestione Impianti Nucleari SpA (Sogin), responsável pelo descomissionamento das usinas nucleares italianas do país, lançou uma licitação avaliada em cerca de 36 milhões de euros para o desmantelamento do reator e componentes internos da usina nuclear de Garigliano. O processo envolverá operações de segmentação e gestão subaquática para garantir a proteção dos trabalhadores. Com o desmantelamento previsto até 2027, a Sogin entrará na fase final do descomissionamento da usina de Garigliano, produzindo aproximadamente 268.000 toneladas de materiais, com 96% destinados à reciclagem. A Sogin também lançou um concurso para construir uma instalação de recuperação e tratamento de resíduos radioativos na usina nuclear de Latina, que começou a operar em 1964 e foi fechada em 1987. (WNN - 03.08.2023) 
Link Externo

Reino Unido: Comitê de Ciência e Inovação e Tecnologia cobra governo sobre planos para energia nuclear

O Comitê de Ciência, Inovação e Tecnologia da Câmara dos Comuns do Reino Unido instou o governo a desenvolver uma estratégia abrangente e detalhada para cumprir sua meta de alcançar 24 GWe de capacidade nuclear até 2050, observando que a ambição atual carece de especificidade. Atualmente, apenas um dos reatores do Reino Unido está previsto para continuar operando após 2028, o que intensifica a necessidade de novos projetos. O comitê solicitou uma estratégia mais clara que incluía detalhes sobre o papel de reatores modulares pequenos (SMRs) e reatores modulares avançados (AMRs), os modelos de financiamento e desenvolvimento da força de trabalho necessária para atender à expansão da energia nuclear. O recomendou um Plano Estratégico Nuclear abrangente para garantir a realização desses objetivos. (WNN - 01.08.2023) 
Link Externo

Rússia: CP sobre plano de descomissionamento para Leningrado I e II

Os planos de descomissionamento padrões para as usinas energéticas Leningrado 1 e 2 na Rússia foram avaliados como conformes aos padrões da Agência Russa e Internacional de Energia Atômica, após Consulta Pública (CP) e mesa redonda que reuniram várias organizações, incluindo representantes do governo local e regional, organizações ambientais e reguladoras. Os próximos passos envolvem a finalização dos materiais antes de submetê-los para obtenção das licenças e aprovações necessárias. Esses reatores RBMK-1000 estão sendo substituídos por unidades VVER-1200 mais avançadas, seguras e automatizadas. Nesse caso, o descomissionamento está programado para começar em 2025. (WNN - 31.07.2023) 
Link Externo

Rússia e Burundi: Memorando de cooperação sobre tecnologia nuclear

O Burundi e a Rússia assinaram um memorando de cooperação durante o Fórum Econômico e Humanitário Rússia-África em São Petersburgo. O acordo, assinado pelos Ministros de Relações Exteriores e Cooperação para o Desenvolvimento do Burundi e pelo Diretor Geral da Rosatom, permite a colaboração em projetos que abrangem a infraestrutura nuclear, segurança nuclear e radioativa, pesquisa em energia atômica protegida, produção de radioisótopos, medicina nuclear e tecnologias de radiação. Um comitê de coordenação será criado para troca de especialistas e informações técnicas, e o acordo contribuirá para os objetivos do projeto Burundi-2040 de alcançar a independência energética e diversificação do consumo de energia no país. (WNN - 27.07.2023) 
Link Externo

Rússia, Zimbábue e Etiópia: Assinatura de acordos de cooperação em energia nuclear

Durante o evento do Fórum Econômico e Humanitário Rússia-África realizado em São Petersburgo, os governos do Zimbábue e da Etiópia formalizaram acordos de colaboração com a Federação Russa, destinados à cooperação no âmbito do uso pacífico da tecnologia nuclear. O Zimbábue concretizou um acordo intergovernamental que estabelece uma estrutura jurídica para uma parceria abrangente em diversas esferas, englobando a infraestrutura nuclear, a regulamentação da segurança, a produção de radioisótopos e a aplicação na medicina nuclear. Paralelamente, a Rússia e a Etiópia subscreveram um plano de ação para a cooperação bilateral no campo da energia atômica, visando à exploração conjunta da possibilidade de edificação de uma usina nuclear e de um Centro de Ciência e Tecnologia Nuclear na Etiópia. (WNN - 28.07.2023) 
Link Externo

Suécia: Regulador propõe marco regulatório para expansão da energia nuclear

A Radiation Safety Authority (SSM) da Suécia entregou ao governo seu relatório final sobre o desenvolvimento do marco regulatório e outras medidas para expandir a energia nuclear no país. Iniciada em 2022, uma revisão incluiu uma necessidade de regras para energia nuclear existente e futura, incluindo pequenos reatores modulares (SMRs). Embora o regulamento atual funcione para novas tecnologias de reatores, o SSM propõe alterações para flexibilizar regulamentações, melhorar licenciamento e cooperação internacional, e adaptação legislativa às novas condições e desenvolvimentos tecnológicos. O governo planeja um roteiro de expansão nuclear ainda este ano, com o objetivo de alcançar emissões líquidas zero até 2045. Atualmente, a Suécia possui seis reatores energéticos que fornecem cerca de 40% de sua eletricidade. (WNN - 09.08.2023) 
Link Externo

Dinâmica Internacional

AIEA: Revisão dos planos da Lituânia para escolher local de descarte geológico profundo

Uma missão da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) afirmou que o processo da Lituânia para selecionar um local para seu repositório geológico profundo para resíduos radioativos está em conformidade com os padrões internacionais de segurança. A equipe de revisão do Serviço de Revisão Integrada para Descomissionamento e Remediação de Gerenciamento de Resíduos Radioativos e Combustível Usado (ARTEMIS) da AIEA conduziu uma revisão do processo, elogiando a Lituânia por seu desenvolvimento inicial do programa de depósito geológico profundo e recomendado para aprimorar o processo de seleção do local. O planejado, planejado para 2068, resíduo radioativo de vida longa, incluindo a usina nuclear de Ignalina, que foi fechado em 2009. A AIEA entregará o relatório completo ao governo lituano em cerca de dois meses. A usina nuclear de Ignalina, composta por reatores RBMK, foi fechada como condição para a adesão da Lituânia à União Europeia. (WNN - 01.08.2023) 
Link Externo

AIEA: Diretor-Geral emite declaração sobre situação na Ucrânia

O Diretor-Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA) emitiu uma declaração sobre a situação na Ucrânia, expressando preocupação com o conflito em andamento e seus possíveis impactos nas instalações nucleares do país. Ele destacou a importância da segurança nuclear e pediu a todas as partes envolvidas que tomem medidas para proteger essas instalações críticas. A IAEA está pronta para fornecer assistência e apoio técnico à Ucrânia, conforme necessário, para garantir a segurança de suas instalações nucleares. A declaração reforça o compromisso da IAEA com a segurança nuclear global e seu papel na monitorização e avaliação de situações que envolvem instalações nucleares. A agência está pronta para cooperar com a Ucrânia e outros Estados membros para mitigar quaisquer riscos relacionados à segurança nuclear no contexto do conflito em andamento. (IAEA – 11.08.2023) 
Link Externo

AIEA: Parceria com universidades e instituições de pesquisa visa a educação em segurança nuclear

A Agência Internacional de Energia Atômica está colaborando com universidades e instituições de pesquisa para fortalecer a educação em segurança nuclear. Essa iniciativa visa aprimorar a capacitação de especialistas em segurança nuclear, preparando a próxima geração para enfrentar desafios complexos relacionados à segurança nuclear e à prevenção do acesso não autorizado a materiais nucleares. A AIEA está trabalhando com parceiros acadêmicos para desenvolver currículos e programas de estudo específicos em segurança nuclear, promovendo a troca de conhecimento e melhores práticas. Isso é fundamental para garantir que haja profissionais bem treinados e preparados para lidar com ameaças nucleares emergentes. Além disso, essa colaboração reforça o compromisso global de fortalecer a segurança nuclear, contribuindo para um mundo mais seguro contra os perigos nucleares. (IAEA – 01.08.2023) 
Link Externo

AIEA: Colaboração Internacional na operação de longo prazo de usinas nucleares

A Agência Internacional de Energia Atômica está promovendo a colaboração internacional para assegurar a operação contínua e segura de usinas nucleares. Esta iniciativa busca melhorar a eficiência e a segurança das usinas nucleares em todo o mundo, promovendo o compartilhamento de conhecimentos e práticas recomendadas entre os países. A IAEA está desempenhando um papel essencial ao facilitar a troca de informações sobre estratégias de operação de longo prazo, realizando revisões de segurança e incentivando o uso de padrões internacionais. A colaboração internacional é crucial para enfrentar os desafios crescentes relacionados à operação segura de usinas nucleares, garantindo que elas continuem a fornecer uma fonte confiável de energia. A IAEA está comprometida em garantir a segurança nuclear em todo o ciclo de vida das usinas nucleares, refletindo a importância global da energia nuclear segura e sustentável. (IAEA – 10.08.2023) 
Link Externo

AIEA: Missão na Tailândia avalia gestão sustentável de fontes radioativas em desuso

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) conduziu sua primeira missão do novo serviço de revisão por pares do Centro Técnico de Fontes Radioativas Seladas Desativadas (DSRS TeC) na Tailândia. Esse serviço, lançado em 2022, visa ampliar os recursos disponíveis para apoiar a gestão sustentável de fontes radioativas seladas em desuso (DSRS), que são amplamente usadas em aplicações médicas, industriais e agrícolas. A equipe de revisão por pares avaliou as proficiências técnicas, processos operacionais e recursos do Instituto de Tecnologia Nuclear da Tailândia (TINT) no gerenciamento de DSRS. O DSRS TeC busca fortalecer as práticas de gerenciamento de DSRS em todo o mundo e oferece oportunidades para organizações compartilharem conhecimentos técnicos e experiência. (WNN - 10.08.2023) 
Link Externo

Arábia Saudita, EUA e Israel: Normalização de relação passa por aceitação de termos em acordo

Os Estados Unidos e a Arábia Saudita chegaram a um acordo sobre os termos gerais de um possível tratado para normalizar as relações de Riad com Israel, que envolve garantias de segurança e ajuda em questões nucleares-civis, segundo fontes do governo americano. As autoridades dos EUA demonstraram um otimismo cauteloso de que, nos próximos 9 a 12 meses, eles podem trazer maiores detalhes da negociação que pode resultar em um dos mais importantes acordos de paz do Oriente Médio. Os esforços liderados pelos EUA ocorrem depois que o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, se reuniu há duas semanas com Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional dos EUA, em uma tentativa de acelerar as negociações. As partes envolvidas agora estão discutindo detalhes, como uma possível ajuda americana para um projeto nuclear-civil saudita, e também garantias de segurança para Riad. Os sauditas também buscam concessões de Israel para promover a criação de um Estado palestino. Em troca, os EUA pressionam a Arábia Saudita a impor limites no relacionamento com a China. (Valor Econômico – 09.08.2023) 
Link Externo

Dependência indiana da Rússia no setor nuclear preocupa os EUA

Durante visita aos Estados Unidos em junho, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, fechou vários acordos com o presidente Joe Biden, incluindo a coprodução de motores a jato de combate fabricados nos EUA e a participação da Índia no projeto Artemis, liderado pelos EUA, que visa realizar o primeiro pouso lunar tripulado em meio século. Ao final da visita de Modi, a declaração conjunta assinada por ele e Biden incluía uma citação discreta sobre a cooperação nuclear entre os dois países. "Os líderes discutiram sobre negociações em andamento entre a Nuclear Power Corporation of India e a Westinghouse Electric Company para a construção de seis reatores nucleares na Índia", disse o comunicado. Não há nada de novo nas conversas. "Os dois líderes simplesmente confirmaram que o plano ainda existe", explica Masato Nabeshima, diretor de pesquisa do Japan Electric Power Information Center. (Valor Econômico – 02.08.2023) 
Link Externo

Ucrânia: Unidades de Zaporizhzhia passam por mudanças no estados de desligamentos

A usina nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia, está passando por mudanças nos estados de desligamento de suas unidades 4 e 6 devido a problemas operacionais. A unidade 4 foi movida para desligamento quente, mas um vazamento de água foi detectado em um gerador de vapor, levando à mudança para desligamento frio para investigação e manutenção. A unidade 6, originalmente em desligamento frio, será movida para desligamento quente para manter a produção de vapor. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) está monitorando de perto as operações para as transições entre os estados de desligamento e destacou a necessidade de falar sobre a segurança nuclear contínua na usina. Além disso, a tensão contínua na alimentação de energia externa, destacando a preocupação com a segurança da usina e a proteção na instalação. (WNN - 11.08.2023) 
Link Externo

Ucrânia: Países discutem acordo de Paz em cúpula na Arábia Saudita

Esforços para construir um consenso internacional sobre um acordo de paz durável e justo para a guerra na Ucrânia avançaram neste sábado, após discussões na Arábia Saudita entre representantes de 42 países, incluindo Estados Unidos, China, Índia e os próprios ucranianos. A Ucrânia e seus aliados ocidentais lançaram as negociações como um esforço para reunir apoio global para chegar a condições para o fim do conflito que favoreceriam Kiev, já que muitos grandes países em desenvolvimento têm se mantido neutros no conflito. Após a conclusão das negociações em Jidá, os diplomatas disseram que havia ampla aceitação de que os princípios centrais do direito internacional, como o respeito à soberania e à integridade territorial da Ucrânia, deveriam estar no centro das futuras negociações de paz entre Kiev e Moscou. Houve um acordo sobre a busca de um trabalho mais detalhado sobre o impacto global da guerra, e a maioria dos países presentes, inclusive a China, parecia disposta a se reunir nas próximas semanas com o formato atual da cúpula, que excluiu a Rússia, de acordo com fontes com conhecimento das discussões. (Valor Econômico – 05.08.2023) 
Link Externo

Inovação Tecnológica

AIEA: Potencial de reatores de pesquisa para soluções inovadoras

As missões da Agência Internacional de Energia Atômica estão enfatizando o potencial dos reatores de pesquisa para soluções inovadoras em energia nuclear. Esses reatores desempenham um papel crucial no desenvolvimento de tecnologias nucleares avançadas, como a produção de radioisótopos para medicina e pesquisa. A IAEA está colaborando com países membros para avaliar o desempenho desses reatores e identificar oportunidades para melhorar sua eficiência e segurança. Através dessas missões, a IAEA está promovendo a pesquisa e inovação em energia nuclear, facilitando o compartilhamento de conhecimento e experiência. Isso é essencial para impulsionar a utilização segura e sustentável da energia nuclear e seu impacto positivo em diversas áreas, incluindo medicina, agricultura e indústria. A IAEA está comprometida em apoiar o uso responsável da tecnologia nuclear para enfrentar os desafios globais e promover o desenvolvimento econômico e social. (IAEA – 31.07.2023) 
Link Externo

BWXT: Implantação de microrreatores em Wyoming, nos EUA

O projeto liderado pela BWXT Advanced Technologies LLC para avaliar a implantação de microrreatores em Wyoming, como complemento à geração de energia, está programado para receber financiamento do programa Energy Matching Funds (EMF) do estado. A Escola de Recursos Energéticos da Universidade de Wyoming também recomenda um projeto de armazenamento de carbono em parceria com a Frontier Carbon Solutions para receber financiamento. O projeto da BWXT busca desenvolver uma cadeia de suprimentos local e avaliar a viabilidade de microrreatores, visando atender às necessidades de energia do estado. A TerraPower adiou seus planos de solicitar uma licença de construção para um reator Natrium em Wyoming. (WNN - 14.08.2023) 
Link Externo

China: CNNC informa que módulo central de SMR foi instalado

A Corporação Nuclear Nacional da China (CNNC) anunciou a instalação bem-sucedida do módulo central no prédio do reator do projeto de demonstração do pequeno reator modular (SMR) ACP100, também conhecido como Linglong One. Esse módulo central integra várias partes essenciais do reator, incluindo o vaso de pressão, evaporador e bombas principais, eliminando a necessidade de uma tubulação principal. A instalação do módulo marca um avanço significativo na fabricação modular e instalação de reatores químicos, destacando a liderança da China na construção de SMRs. O reator Changjiang ACP100 terá capacidade de produzir 1 bilhão de quilowatts-hora de eletricidade com base em abastecimento de energia, aquecimento, produção de vapor ou dessalinização de água do mar. (WNN - 10.08.2023) 
Link Externo

EUA: Pesquisadores do LLNL alcançam ignição por fusão pela segunda vez

Pesquisadores do National Ignition Facility (NIF) no Lawrence Livermore National Laboratory (LLNL) na Califórnia alcançaram pela segunda vez um ganho líquido de energia em uma reação de fusão, um feito marcante após a primeira conquista. A fusão nuclear, onde núcleos leves se unem para liberar energia, foi projetada usando feixes de laser poderosos para criar condições de temperatura e pressão semelhantes às do interior de estrelas e explosões energéticas. A realização representa um avanço na busca pela energia de fusão por confinamento inercial (IFE). Embora os dados iniciais mostrem uma produção de energia superior a 3,5 MJ, a energia necessária para a fusão comercial é consideravelmente maior. (WNN - 08.08.2023) 
Link Externo

EUA: Marvel Fusion e CSU fazem parceria em instalação de laser para fusão nuclear

A empresa alemã de fusão a laser, Marvel Fusion, firmou uma parceria com a Colorado State University (CSU) dos Estados Unidos (EUA) para construir uma instalação de pesquisa de fusão e laser de alta potência de US$ 150 milhões no CSU Foothills Campus. O projeto, com conclusão prevista para 2026, empregará pelo menos três sistemas de laser com potência de pico de vários petawatts e rápida taxa de repetição. Nesse caso, a CSU é financiada pelo programa LaserNetUS do Departamento de Energia dos EUA. Além disso, a Marvel também planeja construir um protótipo de usina de fusão comercial com centenas de sistemas a laser para testar a tecnologia em escala. (WNN - 08.08.2023) 
Link Externo

EUA: Grupos pedem que o regulador finalize as regras para reatores avançados

A proposta - "Requisitos de Preparação para Emergências para Reatores Modulares Pequenos e Outras Novas Tecnologias" - visa adicionar requisitos de preparação para emergências para reatores modulares pequenos e outras tecnologias, permitindo zonas escaláveis ​​para refletir seus tamanhos menores, densidades de potência inferiores e menor probabilidade de acidentes graves. Os grupos Breakthrough Institute, Clean Air Task Force, ClearPath, Nuclear Innovation Alliance e Third Way expressam preocupação com a demora na finalização das regras regulatórias relacionadas à preparação de emergência baseada em riscos, o que já afetou os desenvolvedores. Este atraso prolongado está prejudicando o processo de licenciamento, levando a mudanças nos planos de preparação para emergências e indo contra a Lei de Inovação e Modernização da Energia Nuclear de 2019, que instou a Comissão Reguladora Nuclear (NRC) a implementar estratégias para técnicas de licenciamento certificadas em riscos e desempenho. (WNN - 08.08.2023) 
Link Externo

First Light Fusion e Tractebel: Contrato para projeto de fusão nuclear

A Tractebel e a First Light Fusion firmaram um acordo-quadro para o desenvolvimento do projeto Machine 4, cujo objetivo é demonstrar ganho de líquido de energia através da fusão de projetos. A abordagem de confinamento inercial da First Light envolve a resistência de um alvo com um projeto de hipervelocidade para criar as condições de temperatura e pressão necessárias para a fusão. O projeto Machine 4, que contará com o maior driver de energia pulsada do mundo, visa desenvolver uma tecnologia para futuras usinas de fusão de confinamento inercial. Nesse caso, a Tractebel usará sua experiência em fusão para apoiar o projeto. (WNN - 09.08.2023) 
Link Externo

General Fusion: Nova máquina de demonstração de fusão

A General Fusion, uma empresa privada canadense de fusão, anunciou seus planos para desenvolver a máquina Magnetised Target Fusion (MTF) chamada Lawson Machine 26 (LM26), projetada para atingir condições de fusão de mais de 100 milhões de graus Celsius até 2025 e alcançar equilíbrio científico até 2026. O LM26 será construído em sua sede em Richmond, British Columbia, e integrará o injetor de plasma operacional existente da empresa com um novo sistema de resistências de revestimento de lítio. A General Fusion trabalhará com a Autoridade de Energia Atômica do Reino Unido para validar os dados do LM26 e incorporá-los ao projeto de demonstração em escala comercial planejada no Reino Unido. A abordagem MTF da empresa envolve a injeção de plasma de hidrogênio em uma esfera de metal líquido para criar condições de fusão em pulsos curtos. (WNN - 10.08.2023) 
Link Externo

Global Atomic Corporation: Eventos políticos no Níger influenciam comissionamento de planta de processamento de Urânio

A Global Atomic Corporation informou que os recentes eventos políticos no Níger podem atrasar o comissionamento da planta de processamento de urânio em seu projeto Dasa por até 12 meses. A empresa espera retomar o diálogo com o Ministério de Minas do país após a nomeação de um novo ministro e destaca o retorno da calma relativa ao país após os eventos de julho. A nomeação do novo Ministro de Energia, Minas e Petróleo permitirá retomar o diálogo sobre o projeto Dasa. A empresa também desenvolveu um plano de contingência que poderia adiar o comissionamento da planta de processamento e ajustar o desenvolvimento das minas subterrâneas para se alinhar à situação política e garantir o fornecimento de minério. (WNN - 11.08.2023) 
Link Externo

Rússia: Testes de painéis de parede de reator ITER em andamento

Especialistas da corporação nuclear estatal russa Rosatom, especificamente do JSC NIIEFA em São Petersburgo, estão conduzindo testes de aceitação para um projeto em escala real do primeiro painel de parede destinado ao Reator Termonuclear Experimental Internacional (ITER), que está sendo construído em Cadarache, França . A primeira etapa envolveu medições provisórias do protótipo por meio de escaneamento óptico, a fim de verificar a conformidade com os desenhos e construir um modelo 3D. Os painéis de parede são componentes críticos e complexos do ITER, que ficam em contato direto com o plasma quente. A Rússia tem a responsabilidade de fabricar 179 desses painéis, que representam 40% da área total da parede do reator. (WNN - 14.08.2023) 
Link Externo

Sellafield: Drones monitores de radiação são utilizados no Reino Unido

A Sellafield Ltd, responsável pelo nuclear local de Sellafield no Reino Unido, realizou com dois voos pioneiros de drones holandeses com monitores de radiação, marcando um marco para a utilização de drones em segurança e eficiência durante o processo de descomissionamento. A implantação do drone Elios 3, fornecido pela Flyability, com um sensor LiDAR permitiu a criação de mapeamento e modelagem 3D altamente eficaz, agilizando a tomada de decisões de engenharia. Além disso, a equipe voou com um dosímetro RAD para mapear pontos de radiação, ansiedade arranhões para os trabalhadores. A iniciativa reflete a busca por soluções inovadoras de avaliação de radiação e demonstra o compromisso da Sellafield Ltd em garantir a segurança de seus funcionários durante o descomissionamento. (WNN - 04.08.2023) 
Link Externo

Silex Systems: Testes de novo módulo de enriquecimento a laser

A Silex Systems Ltd da Austrália concluiu o teste do segundo módulo de sistema de laser em escala real para implantação na instalação de demonstração piloto comercial da Global Laser Enrichment (GLE) nos EUA. O módulo foi construído e testado em menos de 12 meses, conforme o cronograma acelerado, e está previsto para ser instalado até o final deste ano nas instalações da GLE em Wilmington, Carolina do Norte. A tecnologia laser SILEX é usada para enriquecimento de urânio, e o projeto tem o objetivo de completar um projeto comercial de demonstração em escala até meados de 2024, visando a produção de urânio de grau natural, urânio de baixo enriquecimento e urânio de baixo enriquecimento de alto ensaio para reatores modulares avançados. (WNN - 15.08.2023) 
Link Externo

Empresas

Eletrobras: Empresa entende que pode ser ressarcida em desistência de Angra 3

A Eletrobras vê espaço para ser ressarcida caso seja obrigada a honrar com os financiamentos da usina nuclear Angra 3 numa eventual desistência da implantação da central. A companhia, porém, trabalha com o cenário de que a usina será concluída e avalia que a continuidade das obras não depende de inclui-la no PAC, que será lançado na sexta-feira (11), no Rio de Janeiro. A empresa é a garantidora dos financiamentos junto ao BNDES e à Caixa Econômica Federal, da ordem de R$ 6 bilhões. Porém, segundo Wilson Ferreira Junior, presidente da Eletrobras, a empresa só seria acionada para honrar a dívida para a construção de Angra 3 caso a Eletronuclear, dona da usina, não pudesse cumprir com os pagamentos. Porém, conforme destacou o vice-presidente de regulação e relações institucionais da Eletrobras, Rodrigo Limp, a companhia não é o devedor principal, e sim a Eletronuclear, controlada pela estatal Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional (ENBpar). Para Limp, a empresa entende que poderia buscar, posteriormente, o ressarcimento dos recursos após aportar as garantias. Além disso, avalia, em tese, a empresa não seria obrigada a ofertar dinheiro para o descomissionamento da nuclear. Limp salientou que a empresa teria que realizar estudos aprofundados dos cenários de uma eventual desistência da usina. (Valor Econômico – 10.08.2023) 
Link Externo

Akkuyu Nuclear: Laje de fundação concluída em Akkuyu IV

O vazamento de concreto para a laje de fundação do prédio do reator na unidade 4 da usina nuclear de Akkuyu, na Turquia, foi concluído com 17.500 metros cúbicos de mistura de concreto. A CEO da Akkuyu Nuclear JSC expressou sua satisfação com o progresso, marcando o evento como um dos principais do ano. A laje de fundação inclui 3.500 toneladas de barras de aço de reforço para garantir a resistência da laje. A usina de Akkuyu, com quatro reatores VVER-1200, está sendo construída pela Rosatom e deve atender cerca de 10% das necessidades de eletricidade da Turquia, com todas as quatro unidades eletrônicas para operar até o final de 2028. (WNN - 09.08.2023) 
Link Externo

Bruce Power: Reator Bruce VI reiniciado após reforma

A unidade 6 da usina nuclear de Bruce em Ontário retomou a operação após seu projeto de substituição de componentes principais (MCR), que envolveu a substituição de 960 tubos de alimentação, 480 canais de combustível e 480 tubos de calandra. O reator Candu de 817 MWe havia sido desligado para as obras em janeiro de 2020 e agora atingiu a criticidade. A reforma faz parte do investimento de financiamento privado que estenderá a vida útil das unidades 3 a 8 até 2064, e espera-se que a unidade 6 retorne à operação comercial ainda este ano. A empresa Bruce Power destacou a importância desse passo para fornecer eletricidade limpa e confiável para Ontário nas próximas décadas, e o projeto visa mitigar aumentos nas emissões de gases de efeito estufa, enquanto coordena-se com o programa Projeto 2030 para expandir a capacidade do local. (WNN - 09.08.2023) 
Link Externo

Cameco e Kazatomprom: Mercado de urânio segue aquecido

A Cameco e a Kazatomprom aumentaram suas projeções de vendas e receita para 2023, impulsionadas pelo aumento na demanda e nos preços do urânio. A Kazatomprom, produtor de urânio do Cazaquistão, revisou sua orientação de vendas para 17.500-18.000 toneladas de urânio (tU), citando contratos flexíveis, novos contratos de longo prazo e outras oportunidades. A Cameco aumentou sua perspectiva de receita para CAD 2,4 bilhões a 2,5 bilhões, destacando o momento positivo na indústria nuclear e o aumento das oportunidades devido a fatores geopolíticos e de abastecimento. A primeira remessa da joint venture Inkai da Cameco foi adiada devido a preocupações geopolíticas, mas a empresa está trabalhando para mitigar atrasos usando estoque e contratos de compra de longo prazo. (WNN - 03.08.2023) 
Link Externo

Chugoku e Kansai: Desenvolvimento conjunto de depósito de combustível usado

As empresas japonesas Chugoku Electric Power Company e Kansai Electric Power Company têm planos de investigar em conjunto a construção de uma instalação de armazenamento provisório de combustível usado na cidade de Kaminoseki, na província de Yamaguchi. Originalmente, Chugoku havia planejado construir uma usina nuclear no local, mas os planos foram interrompidos após o acidente nuclear de Fukushima em 2011. Agora, a ideia é criar uma instalação de armazenamento de combustível nuclear usado em parceria com Kansai. A investigação do local deve durar cerca de seis meses e é uma resposta às necessidades de espaço de armazenamento de Kansai, cujas piscinas de armazenamento de combustível usado estão quase cheias. (WNN - 03.08.2023) 
Link Externo

Hydro-Québec: Empresa avalia recomissionamento de central Gentilly II, no Canadá

A Hydro-Québec está avaliando o estado atual da usina Gentilly 2, que foi fechada em 2012, enquanto busca opções para aumentar sua produção de eletricidade limpa. A usina nuclear de 675 MWe estava em operação no Québec e foi desativada após 29 anos de operação. A empresa está considerando recomissionar uma usina devido à crescente demanda por eletricidade limpa para descarbonizar a economia de Quebec. Embora mais de 99% da eletricidade da Hydro-Québec seja gerada a partir de fontes renováveis, a empresa busca atender às metas de neutralidade de carbono até 2050, incluindo expansões em energia eólica e hidrelétrica. (WNN - 11.08.2023) 
Link Externo

PEJ e WUT: Capacitação profissional para operação de nova central nuclear na Polônia

A Polskie Elektrownie Jądrowe (PEJ), que construirá a primeira usina nuclear em grande escala da Polônia, e a Universidade de Tecnologia de Varsóvia (WUT) firmaram um acordo para colaborar no treinamento de profissionais para a indústria nuclear do país. Este acordo abrange a cooperação entre especialistas e investigadores, o desenvolvimento de programas de bolsas, concursos de artigos científicos e projetos. Além disso, o PEJ e o WUT também criarão um currículo para capacitar os graduados da universidade com as habilidades necessárias para o setor nuclear. Como parte deste acordo, os funcionários da PEJ ministrarão aulas para alunos da WUT, visando prepará-los para carreiras no setor nuclear. Em suma, o projeto visa a formação de uma equipe capacitada para a construção, operação e manutenção segura de usinas nucleares, projetadas com os planos de desenvolvimento nuclear da Polônia. (WNN - 07.08.2023) 
Link Externo

Reino Unido: CMA analisa acordo Cameco-Westinghouse

A Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA) está buscando comentários sobre a proposta de aquisição da Westinghouse Electric Company pela Cameco e Brookfield Renewable Partners, com foco em possíveis impactos na concorrência no Reino Unido. A CMA está avaliando se a transação pode resultar em uma queda substancial da concorrência nos mercados de bens e serviços. A Cameco e a Brookfield Renewable Partners planejam adquirir a Westinghouse em uma parceria estratégica, com a Brookfield detendo 51% e a Cameco 49%. A Westinghouse é uma das maiores empresas de serviços químicos do mundo, enquanto a Cameco é uma das maiores fornecedoras globais de combustível de urânio. A conclusão do negócio é esperada até o final do ano. (WNN - 02.08.2023) 
Link Externo

Skanska e SKB: Expansão de repositório de resíduos radioativos na Suécia

A Svensk Kärnbränslehantering AB (SKB), empresa sueca de gerenciamento de resíduos radioativos, assinou um acordo de colaboração com a construtora Skanska para a expansão do resíduo final SFR existente para resíduos de nível baixo e intermediário em Forsmark, Suécia. O depósito, situado abaixo do Mar Báltico, pretende triplicar seu tamanho para cerca de 180.000 metros cúbicos. A expansão será realizada em duas fases e incluirá a construção de seis novas abóbadas rochosas. O início planejado da construção é no outono de 2024, e a expansão deve ser concluída em seis anos, após a aprovação da Autoridade de Segurança de Radiação (SSM). A instalação SFR atualmente possui capacidade de disposição de cerca de 63.000 metros cúbicos de resíduos radioativos provenientes de usinas químicas, hospitais, pesquisa e indústria. (WNN - 24.07.2023) 
Link Externo

Estudos

AIEA: Sistemas de Segurança Nuclear – Identificando Interfaces e criando Sinergias

A Agência Internacional de Energia Atômica lançou uma nova publicação que explora as interfaces e sinergias entre segurança nuclear e segurança. Este documento visa destacar como os campos da segurança nuclear e segurança podem se complementar para reforçar a proteção global contra ameaças nucleares. A publicação examina a interseção dessas disciplinas, abordando questões como o gerenciamento de material nuclear, proteção contra atos terroristas e acidentes nucleares. O objetivo é promover uma abordagem integrada e abrangente para garantir a segurança nuclear, incorporando considerações de segurança. Isso envolve o compartilhamento de lições aprendidas e melhores práticas entre esses domínios. A IAEA destaca a importância de uma cooperação sólida entre os setores de segurança nuclear e segurança para garantir que a energia nuclear seja usada de forma segura e responsável em todo o mundo, diminuindo os riscos associados a atividades nucleares. Para ler o Relatório na íntegra, clique aqui. (IAEA – 01.08.2023) 
Link Externo