IFE
04/04/2023

IFE Energia Nuclear 24

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
04/04/2023

IFE nº 24

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Energia Nuclear 24

Políticas Públicas e Planos de Governo

Brasil: Número de assinaturas para formação de frente parlamentar nuclear é atingido

O segmento nuclear, que vinha articulando a formação de uma frente parlamentar focada nas pautas do setor, atingiu um novo marco no mês de março. A iniciativa estava sendo liderada pelo deputado federal Júlio Lopes (foto), com o apoio da Associação Brasileira para Desenvolvimento das Atividades Nucleares (ABDAN). No dia 17, o parlamentar conseguiu atingir a meta de assinaturas necessárias para a efetiva implantação da frente. Ao todo, foram colhidas 204 assinaturas, sendo 195 de deputados federais e nove de senadores. Em entrevista recente ao portal Petronotícias, o deputado Júlio Lopes disse que o papel da frente será defender a indústria nuclear no Brasil em todas suas variações, seja na aplicação direta na energia nuclear, como também na irradiação dos alimentos e na área nuclear médica. (Petronotícias - 17.03.2023) 
Link Externo

Brasil: PL reinstitui regime fiscal de incentivos para setor nuclear

O deputado federal Julio Lopes (PP-RJ) protocolou nesta semana um projeto de lei (PL) para reinstituir o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento de Usinas Nucleares (Renuclear). Pela proposta, a ideia é que o benefício fiscal seja aplicado aos projetos aprovados para implantação de obras de infraestrutura no setor de geração de energia nuclear até 31 de dezembro de 2025. Segundo a justificativa apresentada pelo deputado, a retomada do Renuclear vai possibilitar a execução de importantes projetos, como a extensão de vida útil por 20 anos da usina de Angra 1. O projeto de lei também propõe estender benefícios fiscais para locações, aquisições e importações de máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos realizadas entre 1º de julho de 2021 até 31 de dezembro de 2028 pela pessoa jurídica habilitada ou coabilitada ao Renuclear. (Petronotícias - 24.03.2023) 
Link Externo

Brasil: Militares se preocupam com nomeações para chefiar projetos nucleares

A Marinha é a Força mais preocupada com as movimentações do Centrão no Congresso Nacional. Elas passam pela nomeação das diretorias da Nuclep, das Indústrias Nucleares do Brasil e da Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional (ENBPar). A ala do PT quer substituir o contra-almirante Carlos Henrique Seixas, visto como homem ligado ao ex-ministro de Minas e Energia, o almirante Bento Albuquerque, desgastado pelo episódio das joias do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) - caso revelado pelo Estadão. Seixas, no entanto, tem apoio do deputado Aureo Ribeiro (SD-RJ), que pressiona o governo pela manutenção do almirante ou pelo direito de indicar o novo presidente da estatal. Com sede em Itaguaí (RJ), a Nuclep é uma das empresas do Prosub, o programa de submarinos da Marinha. Ela está trabalhando agora no Bloco 40, seção onde ficará o reator do protótipo, em terra e escala real, do submarino de propulsão nuclear do Brasil (SN-BR) - o projeto deve consumir mais R$ 17,5 bilhões antes do término. (UOL - 28.03.2023)  
Link Externo

Brasil: Energia nuclear e visão estratégica para o setor de energia elétrica

Ao longo das décadas de 1990 e 2000, importantes modificações no sistema elétrico nacional foram feitas, de modo que o planejamento energético do país, sob responsabilidade da EPE, tornou-se apenas indicativo. As oportunidades de investimento, desse modo, passaram a valorizar mais a atratividade para os agentes e menos a confiabilidade para o sistema elétrico como um todo. Com a ascensão das fontes solar e eólica, problemas de intermitência passaram a ser um desafio para o sistema elétrico e, assim, o reforço da importância de fontes despacháveis torna-se essencial. No campo da energia nuclear, o Brasil se destaca por suas reservas de urânio, por sua Fábrica de Combustível Nuclear (FCN) e por suas usinas em Angra dos Reis. Há, desse modo, uma brecha para promoção de estudos e cooperações internacionais relativos às novas tecnologias nucleares, que são mais atrativas para investidores e advogam ainda outras vantagens como modularidade, segurança, maior integração e capacidade de transporte. (Diário do Poder - 30.03.2023) 
Link Externo

Brasil: Angra 1 bate recorde histórico de geração em janeiro

A usina termonuclear Angra 1 bateu recorde de geração em janeiro de 2023, atingindo a marca de 485,03 gigawatts-hora (GWh), superando sua melhor marca, obtida em julho de 2021, de 483,79 GWh. Esta foi a maior produção de energia registrada em um mês de toda a sua história. Entre as melhorias que possibilitaram o marco, destacam-se a limpeza dos 48.000 tubos das caixas dos condensadores do sistema secundário (não nuclear), as melhorias na instrumentação de leitura de vários parâmetros eletromecânicos e a redução das perdas de vapor que otimizam a operação das turbinas, além do uso mais efetivo da água que é empregada na condensação de vapor no ciclo de operação termodinâmico da usina. No consolidado de 2022, a Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA) também teve bons resultados no ano passado, produzindo um total de 4.872,45 GWh, enquanto Angra 2, 9.686,5 GWh. Juntas, as duas usinas geraram 14.559 GWh, energia suficiente para abastecer com sobras toda a região Centro-Oeste do país. (Valor Econômico - 20.03.2023) 
Link Externo

Marinha e Amazul: Acordo de cooperação técnica para programas de defesa

A Marinha do Brasil e a estatal Amazul fortaleceram ainda mais seu relacionamento com a assinatura de um novo acordo de cooperação técnica. A parceria visa ampliar o relacionamento entre as partes no contexto dos programas estratégicos da Marinha dos quais a empresa participa. O documento foi assinado pelo diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha (DGDNTM), Almirante de Esquadra Petronio Augusto Siqueira de Aguiar, e pelo diretor-presidente da Amazul, Vice-Almirante Newton de Almeida Costa Neto. O acordo é composto por um documento principal e por onze anexos que estabelecem rotinas importantes com relação à segurança e medicina do trabalho, relações trabalhistas, gestão e desenvolvimento de pessoas e do conhecimento, justiça e disciplina, comunicação social, ouvidoria, dentre outros temas relevantes. O documento detalha ainda que as partes vão compartilhar o pleno intercâmbio de conhecimentos e informações técnico-científicas decorrentes dos trabalhos realizados. (Petronotícias - 22.03.2023) 
Link Externo

Bulgária: Ministério não descarta acordo com Westinghouse e EDF para construção de reatores

De acordo com o ministério da energia da Bulgária, os acordos para estudos de pré-projeto devem ser assinados com a Westinghouse relativos a dois reatores AP1000 na usina nuclear de Kozloduy e com a EDF para duas unidades de 1.000 MW em Belene. O objetivo dos estudos de engenharia do pré-projeto é examinar as opções para os projetos, incluindo as opções de uso do equipamento existente, integrando-o em um sistema completo moderno. Após esta etapa, os resultados dos estudos seriam repassados ​​ao parlamento seguinte, que tomaria a decisão final. (WNN - 28.03.2023) 
Link Externo

Canadá: Orçamento destaca apoio do governo à energia nuclear

De acordo com a Associação Nuclear Canadense (CNA), a inclusão da energia nuclear no crédito fiscal de investimento em energia limpa e a qualificação para uma série de outros incentivos fiscais mostram o apoio claro e forte do governo do Canadá ao papel indispensável da energia nuclear na transição para energia limpa. O Orçamento Federal de 2023 foi divulgado na Câmara dos Comuns pela Vice-Primeira-Ministra e Ministra das Finanças Chrystia Freeland no dia 28 de março, que disse que o Canadá aproveitará a oportunidade histórica ​​de construir uma economia limpa. (WNN - 30.03.2023) 
Link Externo

Canadá e EUA: Fortalecimento das cadeias de suprimentos nucleares e desenvolvimento de SMR

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeram coordenar esforços para desenvolver cadeias seguras e confiáveis ​​de abastecimento de combustível nuclear na América do Norte e construir parcerias para ajudar a garantir o acesso ao urânio de baixo enriquecimento. Estes países lançarão uma força-tarefa de um ano para acelerar a cooperação em oportunidades críticas de energia limpa e cadeias de suprimentos, e o Canadá se juntará a um programa liderado pelos EUA para apoiar pequenos reatores modulares (SMR). (WNN - 27.03.2023) 
Link Externo

China: Primeiro reator CGN Hualong One entra em operação comercial

De acordo com um anúncio da China General Nuclear (CGN), a Unidade 3 da usina nuclear de Fangchenggang, na Região Autônoma de Guangxi, na China, entrou em operação comercial. Este evento representa o início da operação do primeiro de dois reatores Hualong One (HPR1000) projetados pela CGN nesta localidade. O reator de água pressurizada de 1180 MWe (bruto) completou um teste de teste de 168 horas às 6h55 de 25 de março, "atendendo oficialmente às condições para operação comercial", disse a CGN. (WNN - 27.03.2023) 
Link Externo

Egito: Terceira de unidade de usina de El Dabaa recebe licença de construção

A Autoridade Reguladora Nuclear e Radiológica do Egito (ENRRA) emitiu uma licença de construção para a unidade 3 da usina nuclear de El Dabaa, que eventualmente abrigará quatro reatores fornecidos pela Rússia. Isso ocorreu após a ENRRA realizar uma inspeção abrangente no local de El Dabaa entre 11 e 17 de março, verificando a prontidão para o início da construção da unidade 3. Deste modo, a construção da unidade 3 está prevista para começar nos próximos meses. (WNN - 31.03.2023) 
Link Externo

Eslovênia: Armazenamento a seco para combustível usado está previsto para 2023

O projeto da Eslovênia para construir uma instalação de armazenamento a seco para combustível usado está previsto para ser concluído ainda este ano com a transferência dos primeiros 592 elementos de combustível usado. Este edifício de armazenamento seco terá 50 metros por 70 metros por 20 metros, com uma base de concreto armado de 1,75 m, explicou a usina nuclear de Krško (NEK), incluindo as paredes do perímetro, fornece proteção contra inundações e permite a ancoragem de contêineres de armazenamento com equipamentos instalados para permitir o monitoramento pela Agência Internacional de Energia Atômica. (WNN - 21.03.2023) 
Link Externo

Reino Unido: Licenças ambientais concedidas para usina nuclear Sizewell C

A Agência Ambiental do Reino Unido concedeu à subsidiária da EDF Energy, NNB Generation Company (Sizewell C) Limited, três licenças ambientais - uma licença de atividade de substâncias radioativas, uma licença de atividade de combustão e uma licença de atividade de descarga de água - para a planejada usina nuclear Sizewell C em Suffolk, Inglaterra. Estas licenças são necessárias para a usina Sizewell C operar e permitirão que ela descarte e descarregue resíduos radioativos, opere sistemas de fornecimento de energia de reserva usando geradores a diesel e descarregue água do mar captada devolvida e outros efluentes comerciais líquidos para o norte Mar. De acordo com a Agência Ambiental, ao conceder estas licenças muitos anos antes da operação do Sizewell C, influenciasse positivamente o projeto, a aquisição e o comissionamento da usina, ao mesmo tempo em que garantimos que as pessoas e o meio ambiente sejam protegidos. (WNN - 28.03.2023) 
Link Externo

Rússia e China: Cooperação para construção de reatores rápidos

Um Programa Abrangente de Cooperação de Longo Prazo na área de reatores rápidos e fechamento do ciclo de combustível nuclear foi assinado à margem da visita de estado do presidente chinês Xi Jinping à Rússia. O documento foi assinado pelo diretor-geral da Rosatom, Alexey Likhachev, e Zhang Kejian, presidente da Autoridade de Energia Atômica da China (CAEA). O documento abrange diversas áreas estratégicas, incluindo a ampliação da interação em relação aos projetos atuais, além da implementação de novos projetos relacionados a reatores rápidos, produção de combustível urânio-plutônio e gerenciamento de combustível usado. O programa prevê a elaboração de um roteiro para sua implantação até o final de 2024. Espera-se que a cooperação continue nas próximas décadas e se estenda ao nível internacional. (NEI Magazine - 24.03.2023) 
Link Externo

Uganda, Argentina e Coréia do Sul: Parceria para o desenvolvimento de energia nuclear

O Ministério de Energia e Desenvolvimento Mineral de Uganda assinou memorandos de entendimento (MoU) com parceiros do setor de energia nuclear da Argentina e da Coreia do Sul durante uma conferência em Kampala. O presidente ugandense lembrou que, em 2005, Uganda experimentou uma seca que afetou a geração hidrelétrica da represa Owen Falls. “Como resultado, recorremos a usinas movidas a combustíveis fósseis caras para apoiar a economia, o que me levou a direcionar o Ministério de Energia e Desenvolvimento Mineral para diversificar o mix de energia desenvolver todos os recursos disponíveis, incluindo a energia nuclear, como forma de atender às necessidades de eletricidade do país”, afirmou. Da geração de apenas 60 MW de eletricidade em 1986, Uganda em breve gerará 2.100 MW de eletricidade, mas isso não será suficiente para as necessidades futuras do país, disse o presidente. (Petronotícias - 21.03.2023) 
Link Externo

União Europeia: Novas metas ambientais excluem energia nuclear

A União Europeia (UE) firmou no dia 30 nova meta para uso de energias renováveis no bloco, que deixa de fora a geração de energia nuclear da conta, apesar dos esforços da França. Após intensas negociações, a UE definiu que todos os países do bloco terão que gerar pelo menos 42,5% de energia de fontes renováveis até 2030, aumento em relação à meta anterior que era de 32%. Eles também definiram uma nova “indicação” para que países atinjam até o final da década uma porcentagem de 45% para o uso de energia renovável na UE. A nova meta não vai incluir a geração de energia atômica, apesar dos apelos da França. Alemanha e Áustria argumentaram que a inclusão deste método de geração de energia na conta afetaria o desenvolvimento de fontes de energia eólica e solar. Pelo acordo da UE, a energia nuclear será classificada como energia de “baixo carbono” e a energia gerada por este método não entrará na meta de 42,5% recém-estabelecida. (Valor Econômico - 30.03.2023) 
Link Externo

Dinâmica Internacional

AIEA: Diretor volta à Ucrânia para inspecionar usina de Zaporizhzhia

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, chegou no dia 29 à usina nuclear de Zaporizhzhia, ocupada por forças russas e cuja segurança preocupa a comunidade internacional. Grossi disse que o plano para uma zona de segurança em torno da usina nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia, “está evoluindo” para se concentrar na própria central nuclear e no princípio de que uma usina não deve ser atacada ou ser usada para atacar. (Petronotícias - 30.03.2023) 
Link Externo

AIEA: Toneladas de urânio que estavam na Líbia desapareceram

Cerca de 2,5 toneladas de urânio natural armazenadas na Líbia estão perdidas, segundo a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), aumentando preocupações de um possível aumento na proliferação de armas nucleares no mundo. O urânio natural precisa passar por processo de refinamento para ser usado para gerar energia ou combustível para bombas, pois o processo de enriquecimento normalmente exige que o metal seja convertido em gás e, posteriormente, colocado em centrífugas para atingir os níveis necessários de radiação. No entanto, cada tonelada de urânio natural pode ser refinada para 5,6 quilos de material nuclear usado em armas. Isso faz com que encontrar o metal perdido seja importante para não aumentar a proliferação de armas nucleares no mundo, especialmente em uma região instável como a Líbia. (Valor Econômico - 16.03.2023) 
Link Externo

Austrália, EUA e Reino Unido: Universidades vão colaborar no desenvolvimento de submarinos nucleares

A Flinders University da Austrália do Sul assinou acordos com universidades nos EUA e no Reino Unido que permitirão à universidade australiana começar a desenvolver as habilidades especializadas necessárias para sustentar a futura construção de submarinos nucleares sob a parceria de segurança Austrália-Reino Unido-Estados Unidos (AUKUS). Os acordos separados com a Universidade de Manchester, no Reino Unido, e a Universidade de Rhode Island, nos EUA, permitirão que a Flinders University ofereça estudos de graduação e pós-graduação para estudantes da Austrália do Sul, disse a universidade. (WNN - 24.03.2023) 
Link Externo

China: Cooperação para submarinos nucleares pode desencadear corrida armamentista

A cooperação em submarinos nucleares entre Austrália, Estados Unidos e Grã-Bretanha pode desencadear uma corrida armamentista, disse o Ministério das Relações Exteriores da China nesta quinta-feira. "Uma vez que a 'caixa de pandora' for aberta, o equilíbrio estratégico regional será interrompido, a segurança regional estará seriamente ameaçada", disse Tan Kefei, porta-voz do Ministério da Defesa chinês, durante uma coletiva de imprensa regular. "A China se opõe firmemente ao estabelecimento da chamada 'parceria de segurança trilateral' entre os Estados Unidos, o Reino Unido e a Austrália. Este pequeno círculo dominado pela mentalidade da Guerra Fria é inútil e extremamente prejudicial", disse Tan. (Reuters - 30.03.2023) 
Link Externo

UE: Hidrogênio produzido por energia nuclear entra em negociações sobre energia renovável

A União Europeia entra na fase final de negociações tensas sobre como tratar o hidrogênio produzido com energia nuclear, em um esforço para encerrar uma disputa que ameaça frustrar um acordo sobre metas mais ambiciosas de energia renovável. Os negociadores dos países da UE e do Parlamento Europeu estão se reunindo para chegar a um acordo sobre o quão rápido expandir as fontes de energia renováveis ​​nesta década - um pilar central dos esforços do bloco de 27 membros para combater a mudança climática. Um dos principais objetivos da política de energia renovável é que todos os países da UE usem uma certa quantidade de combustíveis renováveis, como o hidrogênio, como fonte de energia na indústria até 2030. (Reuters - 29.03.2023) 
Link Externo

Ucrânia: Governo pretende produzir combustível nuclear até 2026

A Ucrânia pretende produzir seu próprio combustível nuclear dentro de três anos, com o ministro da Energia, Herman Halushchenko, dizendo que a longo prazo o objetivo é exportar para outros países. Halushchenko, falando durante uma visita do presidente da Energoatom, Petro Kotin, à usina onde o combustível nuclear será produzido, disse: "A Ucrânia é um dos primeiros países que diversificou o fornecimento de combustível nuclear e isso possibilitou abandonar sua importação da Rússia. Nossa tarefa conjunta com nossos parceiros americanos é produzir os tipos apropriados de combustível o mais rápido possível, a fim de deslocar a Rússia do mercado de combustível nuclear." (WNN - 17.03.2023) 
Link Externo

Ucrânia e Rússia: Novas ofensivas representam riscos para usina nuclear

A atividade militar está aumentando em torno da maior usina nuclear da Europa, em Zaporizhzhia, de acordo com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), em um momento em que as forças armadas da Rússia e da Ucrânia se preparam para novas ofensivas nas próximas semanas. "A situação não está melhorando - é óbvio que a atividade militar está aumentando em toda esta região", disse Rafael Grossi, diretor-geral da AIEA, após uma visita à usina. "Há um aumento significativo no número de tropas na região e fala-se abertamente sobre ofensivas, contra-ofensivas e assim por diante". (Valor Econômico - 30.03.2023) 
Link Externo

Inovação Tecnológica

Fórum Permanente sobre SMRs: Discussões sobre localização de novas plantas

A nova reunião do Fórum Permanente sobre SMRs (sigla para pequenos reatores modulares), realizada nesta semana, discutiu os aspectos críticos para localização de plantas nucleares desse tipo no Brasil. O debate técnico foi conduzido pelo Analista de Pesquisa da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Clayton Borges. A abertura da reunião desta semana do fórum foi realizada pelo presidente da ABDAN, Celso Cunha, e pelo diretor da EPE, Giovani Machado, representando a presidente interina Angela Livino. Além disso, o encontro teve ainda a participação de Jefferson Borges (CNEN) e executivos de empresas associadas à ABDAN (EDF, Holtec, Rosatom e Westinghouse). (Petronotícias - 17.03.2023) 
Link Externo

ARC e Alberta: Acordo visa a comercialização de SMRs

A ARC Clean Technology Canada, Inc assinou um Memorando de Entendimento (MoU) com a Invest Alberta Corporation do Governo de Alberta para buscar atividades conjuntas para apoiar a comercialização da tecnologia de pequeno reator modular ARC-100 (SMR) na província. Nos termos do MoU, a ARC iniciará o processo de expansão de suas operações em Alberta com o objetivo de desenvolver uma frota de reatores ARC-100, com o apoio da Invest Alberta para atividades de engajamento e parceria com a indústria e partes interessadas. Além disso, a ARC também desenvolverá as cadeias de suprimentos associadas e os serviços de fabricação, operação e suporte necessários para a construção e operação de várias unidades ARC-100. (WNN - 24.03.2023) 
Link Externo

BWXT e GE Hitachi: Cooperação na fabricação de de SMRs

A empresa de engenharia nuclear BWX Technologies (BWXT), com sede em Cambridge, Ontário, foi contratada pela GE Hitachi Nuclear Energy (GEH) para fornecer análise de engenharia, suporte de projeto, fabricação e preparações de aquisição para o vaso de pressão do reator (RPV) para o pequeno BWRX-300 reator modular (SMR). O RPV - que contém o núcleo do reator e componentes internos associados - compreende o maior componente dentro do BWRX-300. Segundo John MacQuarrie, presidente de Operações Comerciais da BWXT, os projetos de design intrincados como o RPV para o BWRX-300 da GEH são adequados para os recursos de engenharia da BWXT, pois a BWXT se destaca no fornecimento de soluções de design para componentes nucleares complexos que a BWXT pode fabricar com eficiência. (WNN - 22.03.2023) 
Link Externo

China e Rússia: Cooperação para reatores de nêutrons rápidos

A Rosatom da Rússia e a Autoridade de Energia Atômica da China (CAEA) assinaram um Programa Abrangente para Cooperação de Longo Prazo no campo de reatores de nêutrons rápidos e fechamento do ciclo de combustível nuclear. Este documento foi assinado pelo diretor-geral da Rosatom, Alexei Likhachev, e Zhang Kejian, chefe da CAEA, à margem da visita do presidente chinês Xi Jinping à Rússia. A Rosatom disse que o documento é abrangente e cobre uma ampla gama de áreas, expandindo a cooperação em projetos atuais, bem como implementando novos projetos relacionados a reatores de nêutrons rápidos, como produção de combustível de urânio-plutônio e manuseio de combustível nuclear usado. (WNN - 22.03.2023) 
Link Externo

CNL e Kyoto Fusioneering: Parceria visa o desenvolvimento de tecnologia de fusão

Os Laboratórios Nucleares Canadenses (CNL) assinaram um memorando de entendimento (MoU) com a empresa japonesa Kyoto Fusioneering Ltd (KF) para fazer parceria na prestação de serviços técnicos para apoiar o crescente mercado internacional de reatores de fusão, com foco principal em testes relacionados ao trítio. Sob o MoU, a organização canadense de ciência e tecnologia nuclear trabalhará com a startup japonesa de tecnologias de fusão para identificar e co-desenvolver produtos e serviços de fusão, ajudando a acelerar a progressão da fusão como fonte de energia limpa. Além disso, o trabalho em conjunto abrange a cooperação em áreas que incluem a troca de informações científicas; o uso compartilhado de equipamentos e instalações técnicas; a entrega de projetos de pesquisa conjuntos; e o intercâmbio de pessoal técnico. (WNN - 31.03.2023) 
Link Externo

EUA: Governador da Virgínia assina projetos de lei para apoiar os SMRs

O governador Glenn Youngkin sancionou dois projetos de lei que apoiarão as ambições da Virgínia de incluir pequenos reatores modulares (SMRs) como parte de um plano de energia "all-of-the-above" lançado no ano passado. A primeira parte da legislação - HB 2386 e SB 1464 - cria o Virginia Power Innovation Fund para a pesquisa e desenvolvimento de tecnologias energéticas inovadoras e o Virginia Power Innovation Program para usar o dinheiro do fundo para estabelecer um centro de inovação nuclear e conceder subsídios competitivos para apoiar a inovação energética. Por sua vez, o segundo projeto de lei - HB 1779 - cria o Fundo de Subsídios para Educação Nuclear para conceder subsídios competitivos a provedores de ensino superior para estabelecer ou expandir um programa de educação nuclear. (WNN - 28.03.2023) 
Link Externo

EUA: Novo reator de pesquisa de produção de isótopos

A Universidade do Missouri lançou uma iniciativa para construir um novo e maior reator de pesquisa, o NextGen MURR - o Reator de Pesquisa MU (MURR) existente na universidade é o reator de pesquisa universitário de maior potência nos Estados Unidos (EUA). Para alcançar seu objetivo, a universidade planeja emitir uma Solicitação de Qualificação/Solicitação de Proposta (RFQ/RFP) em abril, para solicitar o interesse de partes qualificadas para fornecer projetos preliminares e parcerias industriais. A solicitação também apoiará a preparação de requisitos regulatórios para construção em potencial no Discovery Ridge em Columbia, Missouri. (WNN - 31.03.2023) 
Link Externo

EUA e Indonésia: Desenvolvimento de programa nuclear focado em SMRs

Os EUA e a Indonésia anunciaram uma parceria estratégica para ajudar a Indonésia a desenvolver seu programa de energia nuclear, apoiando o interesse da Indonésia em implantar a tecnologia de pequenos reatores modulares (SMR) para atender às suas metas de segurança energética e climáticas. Este acordo avança as metas da Just Energy Transition Partnership (JETP) e fortalecerá a liderança da Indonésia na região da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) na implantação de tecnologias de energia nuclear avançadas, seguras e protegidas. Além disso, sob o acordo, a Agência de Comércio e Desenvolvimento dos EUA (USTDA) concedeu uma doação à PLN Indonesia Power para fornecer assistência para avaliar a viabilidade técnica e econômica de uma usina nuclear proposta, a ser localizada em Kalimantan Ocidental. (WNN - 20.03.2023) 
Link Externo

Finlândia, Suécia e Ucrânia consideram utilizar SMR da Rolls-Royce

A Rolls-Royce SMR da Grã-Bretanha assinou memorandos de entendimento (MoUs, sigla em inglês) para explorar a implantação de seu pequeno reator modular (SMR) na Finlândia e na Suécia, bem como para ajudar na recuperação pós-guerra na Ucrânia. Sob um MoU assinado com a Energoatom, empresa estatal de energia nuclear da Ucrânia, as empresas trabalharão juntas para explorar oportunidades futuras para implantar reatores Rolls-Royce SMR na Ucrânia quando ela começar a reconstruir. De acordo com Tom Samson, CEO da Rolls-Royce SMR, graças às tecnologias nucleares britânicas da empresa, pode-se potencialmente ajudar o povo da Ucrânia a reconstruir e restaurar rapidamente a segurança energética e a independência. (WNN - 21.03.2023) 
Link Externo

PSR: Oportunidades para descarbonização englobam novas tecnologias nucleares

A PSR, empresa de consultoria em energia, apresentou no dia 30 algumas das certezas e incertezas tecnológicas que irão nortear um caminho mais ambientalmente amigável e em linha com o movimento de transição energética no Brasil. No mapeamento de oportunidades, a empresa incluiu as novas tecnologias nucleares. Para o diretor executivo da PSR, Rafael Kelman, entre as promessas estão a fusão nuclear e pequenos reatores que podem ser viabilizados daqui 20 anos, “fazendo nuclear como se faz carro”, além dos mercados ainda incipientes de captura de carbono e do hidrogênio verde, considerado por muitos o combustível do futuro, mesmo sendo atualmente três vezes mais caro do que o H2 comum. Kelman também ressaltou que além de fazer o dever de casa, o país precisa fomentar a produção de artigos científicos, boas teses e ter pessoas preparadas representando o país nas discussões globais e a imposição de uma agenda que faça sentido ao país. (Canal Energia - 30.03.2023) 
Link Externo

Reino Unido e Coréia do Sul: P&D para componentes eletrônicos utilizados em tecnologia de fusão

A Autoridade de Energia Atômica do Reino Unido (UKAEA) e o Instituto Coreano de Energia de Fusão (KFE) assinaram um memorando de entendimento (MoU) para cooperar em pesquisa e desenvolvimento para manuseio remoto e manutenção de futuras usinas de energia de fusão. Este MoU terá como principal objetivo a pesquisa e desenvolvimento orientada a riscos, o compartilhamento de conhecimento envolvendo soldagem, as operações de braço acionado por tendão em grande escala, o desenvolvimento de componentes eletrônicos robustos e a transferência de habilidades. Neste caso, a troca técnica e de conhecimento acontecerá por meio de palestras, seminários e workshops nos dois países. (WNN - 28.03.2023) 
Link Externo

Rolls-Royce: Avaliação de progresso em projeto sobre SMRs

O projeto de reator modular pequeno (SMR) de 470 MWe da Rolls-Royce SMR Limited concluiu com sucesso a Etapa 1 do processo de Avaliação de Projeto Genérico (GDA) do Reino Unido e avançou para a próxima fase. A Etapa 1 do GDA começou em abril de 2022 e envolveu o acordo do escopo do GDA com base nas informações fornecidas pela Rolls-Royce SMR Ltd ao ONR, à Agência Ambiental e ao NRW. Segundo os reguladores do Reino Unido, as informações enviadas atenderam a todos os requisitos de nossa orientação e demonstraram um bom entendimento das práticas e expectativas regulatórias do país. Agora, o projeto SMR agora entrou na Etapa 2 do processo GDA, onde é realizada a avaliação técnica detalhada pelos reguladores. (WNN - 03.04.2023) 
Link Externo

Rolls-Royce: Financiamento para desenvolvimento de reator lunar

O grupo de engenharia britânico Rolls-Royce garantiu financiamento adicional de US$ 3,5 milhões da Agência Espacial do Reino Unido para um projeto que fornecerá uma demonstração inicial de um reator nuclear modular lunar no país. Atualmente, os cientistas e engenheiros da Rolls-Royce estão trabalhando no programa Micro-Reactor para desenvolver tecnologia que fornecerá a energia necessária para os humanos viverem e trabalharem na Lua. Em suma, a empresa planeja ter um reator pronto para enviar à Lua até 2029. (WNN - 20.03.2023) 
Link Externo

SCK: Reator de pesquisa belga testa combustível LEU de alto desempenho

Três conjuntos de teste de combustível de urânio de baixo enriquecimento (LEU) foram testados com sucesso no reator de pesquisa BR2 da Bélgica. Nesse caso, o Centro Belga de Pesquisa Nuclear (SCK-CEN) planeja converter totalmente o reator de urânio altamente enriquecido (HEU) em 2026. Segundo o SCK-CEN, a mudança para este combustível requer testes extensivos e a preparação de um arquivo de segurança significativo. (WNN - 27.03.2023) 
Link Externo

Sellafield: Instalação nuclear utilizará IA para aumentar a segurança

A instalação nuclear de Sellafield, no Reino Unido, revelou sua estratégia de IA (inteligência artificial) destinada a melhorar a eficiência e a segurança, com o objetivo de que, até 2032, a IA esteja conduzindo um desempenho mais seguro, rápido e melhor em nossas instalações e funções de negócios, com sistemas de consultoria estabelecidos e automação não crítica para a segurança. Esta estratégia sugere que Sellafield pode se tornar um líder mundial no uso de IA, que já está em uso em Sellafield, tendo demonstrado valor em várias áreas. (WNN - 29.03.2023) 
Link Externo

Urenco: Projeto de microrreator U-Battery é abandonado

A Urenco anunciou que está retirando seu apoio ao projeto do reator modular avançado (AMR) U-Battery, tendo esgotado suas tentativas de garantir o compromisso de novos investidores comerciais. Além da Urenco, as organizações de apoio da U-Battery incluem BWXT Technologies Inc, Cavendish Nuclear, Costain, Kinectrics, Jacobs, o Laboratório Nuclear Nacional do Reino Unido, Nuclear AMRC, Rolls-Royce e a Universidade de Manchester. Segundo a Urenco, a equipe U-Battery concluiu seu atual programa de trabalho sob o programa AMR RD&D e, após diálogo e consulta com o Department for Energy Security and Net Zero, e com outras partes interessadas, a intenção da Urenco é preservar o investimento público em U- Battery transferindo sua propriedade intelectual para o Laboratório Nuclear Nacional, sujeito à devida diligência necessária e aprovações de governança. (WNN - 20.03.2023) 
Link Externo

Empresas

Eletronuclear: Justiça Federal determina investigação após vazamento de material radioativo

A Eletronuclear demorou 21 dias para informar o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) e a CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear) de um vazamento de material radioativo na usina de Angra 1. O derramamento no mar aconteceu em setembro do ano passado. Nesta quarta-feira (22), a Justiça Federal determinou que a companhia realize uma avaliação completa dos danos causados pelo acidente, que lançou água contaminada por radiação na baía de Itaorna, em Angra dos Reis (a cerca de 160 km da capital fluminense). A ação foi em resposta a uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal no Rio. a Eletronuclear informou em nota que Angra 1 fez uma “liberação não programada” de um pequeno volume de água contendo substâncias de baixo teor de radioatividade. A companhia afirmou que a quantidade de água liberada encontrava-se abaixo dos limites da legislação que caracterizam a ocorrência de um acidente, a empresa tratou o evento como incidente operacional e informou o assunto nos relatórios regulares previstos. (Valor Econômico - 23.03.2023) 
Link Externo

Eletronuclear: Solicitação de retratação pública sobre caso de Angra 1

A Eletronuclear publicou uma nota no dia 30 na qual afirma que o jornal O Globo teria publicado informações equivocadas sobre o incidente ocorrido em Angra em setembro de 2022. O jornal afirmou, na época, que teria sido um evento de nível 2 na escala Ines (International Nuclear and Radiological Event Scales), que caracteriza a severidade de acidentes nucleares. Na verdade, o acontecimento foi classificado como grau zero pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen). Além disso, o jornal afirmou que a Eletronuclear forneceu essa informação, o que a empresa nega. O jornal também teria utilizado um gráfico que não representa os reatores de água pressurizada (PWR), os mais utilizados no mundo, induzindo à interpretação incorreta de que a água do mar circula no reator nuclear (onde há material radioativo). (Eletronuclear - 30.03.2023) 
Link Externo

ABDAN, GSI e ABEN: Encontro é marcado por discussões sobre maior interação entre agentes

O presidente da Associação Brasileira para Desenvolvimento das Atividades Nucleares (ABDAN), Celso Cunha, teve duas reuniões importantes no dia 22 de março para tratar de tópicos relevantes sobre o setor. O primeiro encontro foi com o Secretário de Coordenação de Sistemas do Gabinete de Segurança Instituicional (GSI), Almirante Marcelo da Silva Gomes. A Secretaria de Coordenação de Sistemas do GSI participa do planejamento e da coordenação das ações referentes ao Sistema de Proteção ao Programa Nuclear Brasileiro – Sipron, como órgão central do sistema. Além disso, o órgão também exerce as atividades de Secretaria-Executiva do Comitê de Desenvolvimento do Programa Nuclear Brasileiro. A segunda reunião do dia aconteceu com membros da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN), que foi representada por Antonio Muller, André Osório e John Forman. O objetivo do encontro foi discutir sobre uma maior interação entre a ABDAN e ABEN de agora em diante. (Petronotícias - 22.03.2023) 
Link Externo

Ansaldo Nucleare: Contrato para reforma de Usina de Cernavoda, na Romênia

A italiana Ansaldo Nucleare assinou um contrato com a canadense SNC-Lavalin para o fornecimento de serviços de engenharia para a extensão da vida útil da unidade 1 da usina nuclear de Cernavoda, na Romênia. ESte projeto é uma das atividades preparatórias para a modernização concedida pela empresa romena de energia nuclear Nuclearelectrica à SNC-Lavalin. Como projetista original, Ansaldo Nucleare será responsável pelos trabalhos de balanço da usina: a engenharia e a coleta de informações e dados nesta etapa do projeto permitirão a definição correta do trabalho necessário para estender a operação da unidade. (WNN - 17.03.2023) 
Link Externo

CNCC: Iniciada a construção de quarto reator da usina de Sanmen

De acordo com a Corporação Nuclear Nacional da China (CNNC), a unidade 4 da usina nuclear de Sanmen recebeu seu primeiro concreto. Este evento marca o início oficial da construção do segundo dos dois reatores de água pressurizada CAP1000 planejados como Fase II do local na província chinesa de Zhejiang. Dentro deste contexto, a CNNC afirmou que após a conclusão e entrada em operação das unidades 3 e 4, a capacidade instalada total da usina nuclear de Sanmen chegará a 5 GWe, e a geração anual de energia chegará a 40 GWh. (WNN - 22.03.2023) 
Link Externo

Enel e Newcleo: Acordo para colaboração no desenvolvimento de LFRs

A Newcleo, desenvolvedora com sede no Reino Unido de pequenos reatores rápidos refrigerados a chumbo (LFRs) modulares, e a concessionária italiana Enel assinaram um acordo para cooperar nos projetos de usinas de energia da Newcleo, incluindo uma participação na sua primeira usina. Pelo acordo, a Enel colaborará com a Newcleo em projetos relacionados à sua tecnologia LFR, fornecendo conhecimento especializado por meio do compartilhamento de vários funcionários qualificados da empresa. Diante do apoio prestado, a Newcleo se comprometeu a garantir uma opção para a Enel como primeiro investidor em sua usina inicial, que será construída fora da Itália, que tem uma moratória na construção de usinas nucleares. (WNN - 14.03.2023) 
Link Externo

Energoatom e Cameco: Acordo visa o fornecimento de combustível nuclear

A Energoatom, operadora das usinas nucleares ucranianas, assinou contratos com a Cameco, produtora canadense de urânio, para estender acordos de fornecimento de combustível. "De acordo com os acordos, entre 2024 e 2035 a Energoatom será totalmente abastecida com hexafluoreto de urânio natural, que será fornecido para enriquecimento e uso posterior na produção de combustível nuclear. Também se espera vender urânio extraído no VostokGOK (Planta de Processamento e Mineração do Leste) da Ucrânia para o Canadá", disse o Ministério de Energia da Ucrânia em um comunicado em seu site. A demanda total dessas usinas para o período de 12 anos é de cerca de 15.300 toneladas de hexafluoreto de urânio (o equivalente a cerca de 40,1 milhões de libras de concentrado de urânio (U3O8). (NEI Magazine - 22.03.2023) 
Link Externo

Flowserve: Aquisição de empresa estratégica para programa de submarinos franceses

A empresa americana Flowserve deu um novo passo dentro do segmento de defesa ao adquirir a Velan, empresa-mãe da Segault, que equipa todos os submarinos nucleares franceses e o porta-aviões Charles de Gaulle. A expectativa é que a transação, avaliada em aproximadamente US$ 245 milhões, seja concluída até o final do segundo trimestre. A Segault foi fundada em 1921 e é considerada estratégica dentro da base industrial e tecnológica de defesa. Desde 1950, a companhia é responsável por projetar e fabricar válvulas usadas em situações extremas de uso no setor nuclear e bancos de testes aeronáuticos. A empresa fornece, por exemplo, válvulas em prédios de reatores para um quarto das usinas nucleares em operação em todo o mundo. A companhia também entrega válvulas marítimas para caldeiras nucleares a bordo de todos os submarinos nucleares franceses e o porta-aviões Charles de Gaulle. (Petronotícias - 28 de mar. de 2023) 
Link Externo

Fortum: Licença que permite operação de repositório Loviisa é estendida

O Conselho de Estado da Finlândia concedeu uma nova licença de operação à Fortum para sua instalação de disposição de resíduos de nível baixo e intermediário (LLW/ILW) na usina nuclear de Loviisa. A nova licença permite a exploração do depósito até 2090, em vez de 2055 ao abrigo da licença anterior, e inclui agora os resíduos do desmantelamento da central de Loviisa. Além disso, a nova licença, que substitui a anterior, permite a eliminação de até 50.000 metros cúbicos de rejeitos radioativos gerados no descomissionamento e desmantelamento da usina de Loviisa, além de até 50.000 metros cúbicos de rejeitos gerados em sua operação. Ele também permite o descarte de até 2.000 metros cúbicos de LLW/ILW gerados em outras partes da Finlândia. (WNN - 31.03.2023) 
Link Externo

Georgia Power: Teste funcional quente em nova unidade nuclear na Geórgia, nos EUA

A Georgia Power anunciou que a última série de grandes testes antes da carga inicial de combustível está em andamento na segunda nova unidade nuclear no local perto de Waynesboro, na Geórgia. O teste funcional quente verifica a operação bem-sucedida dos componentes e sistemas do reator juntos e confirma que o reator está pronto para carga de combustível. Estes testes serão realizados nas temperaturas e pressões a que os sistemas do reator serão submetidos durante a operação normal, mas sem combustível nuclear dentro do reator. (WNN - 21.03.2023) 
Link Externo

KNHP e Doosan: Acordo para o fornecimento de componentes de novas unidades nucleares

Segundo o Ministério do Comércio Indústria e Energia da Coreia do Sul (MOTIE), a Korea Hydro & Nuclear Power (KHNP) e a Doosan Enerbility assinaram um contrato US$ 2,3 bilhões para o fornecimento do equipamento principal para as unidades 3 e 4 da usina nuclear Shin Hanul. Sob este contrato - que terá duração de 10 anos - a Doosan Enerbility fornecerá os reatores nucleares, geradores de vapor e geradores de turbina para as duas unidades APR1400. Nesse caso, a construção das unidades – cujos projetos foram suspensos em 2017 – deve começar no próximo ano. (WNN - 29.03.2023) 
Link Externo

Nuclearelectrica e ENEC: Cooperação em programa nuclear nos EAU e na Romênia

A Nuclearelectrica da Romênia e a Emirates Nuclear Energy Corporation (ENEC) assinaram um memorando de entendimento (MoU) para cooperar no potencial desenvolvimento e expansão de programas de energia nuclear nos Emirados Árabes Unidos e na Romênia, bem como na Europa Central e Oriental. As duas empresas disseram que o MoU as veria trabalhar juntas para avaliar possíveis parcerias em operações e suporte de manutenção de usinas de energia nuclear, capacitação e desenvolvimento de capital humano, bem como sinergias em pesquisa e desenvolvimento. Em resumo, as duas partes compartilharão experiências no desenvolvimento, financiamento e estruturas comerciais de programas nucleares, bem como a troca de conhecimentos sobre as capacidades de gerenciamento de projetos. (WNN - 22.03.2023) 
Link Externo

Slovenské Elektrárne: Unidade nuclear Mochovce 3 aumenta produção de energia

Segundo a Slovenské Elektrárne, o start-up de energia de Mochovce 3 observou um aumento de sua produção para 55% - com o teste final executado a 100% de energia por seis dias e noites previsto para maio e junho. Esta nova unidade da central nuclear de Mochovce, na Eslováquia, foi ligada à rede pela primeira vez a 20% da sua potência nominal a 31 de janeiro. Desde então, com testes e verificações, a potência foi sendo aumentada gradualmente. Nesse caso, a meta é que no estágio final a nova unidade esteja operando por 144 horas a 100% da produção. (WNN - 31.03.2023) 
Link Externo

Westinghouse: Combustível nuclear Adopt é aprovado nos EUA

A Comissão Reguladora Nuclear dos Estados Unidos deu aprovação aos pellets de combustível Advanced Doped Pellet Technology (ADOPT), da Westinghouse, para uso em reatores de água pressurizada na América. O diretor da Westinghouse responsável por este setor, Tarik Choho, disse que essa decisão era um “marco importante” para o ADOPT, que se tornou o primeiro no programa EnCore Accident Tolerant Fuel da empresa licenciado para PWRs no país. A empresa, com financiamento do Departamento de Energia dos Estados Unidos, desenvolveu sua tecnologia de pastilhas para aumentar a tolerância a acidentes com as pastilhas convencionais de combustível de dióxido de urânio. (Petronotícias - 17.03.2023) 
Link Externo

Westinghouse e CEZ: Acordo visando o fornecimento de combustível

A Westinghouse Electric Company e a ČEZ assinaram um acordo para o fornecimento de conjuntos de combustível VVER-440 a partir do próximo ano para a usina nuclear de Dukovany, uma vez que muda do combustível fornecido pela Rússia. Este acordo segue o do ano passado para abastecer a usina nuclear de Temelin. Bohdan Zronek, membro do Conselho de Administração da ČEZ e Diretor da Divisão de Energia Nuclear, disse: "Nosso foco não é apenas a segurança de nossas usinas nucleares, mas também a segurança energética de toda a República Tcheca. É por isso que o contrato com a Westinghouse é muito importante. Graças à ampliação do número de possíveis fornecedores, estamos fortalecendo nossa independência energética e a certeza de operação futura de nossas fontes." (WNN - 30.03.2023) 
Link Externo

Estudos

McKinsey: Energia nuclear precisa expandir capacidade de geração para atingir NetZero

Substituir combustíveis fósseis na geração de eletricidade por fontes de baixo carbono pode demandar de 400 a 800 gigawatts (GW) de energia nuclear nova até 2050, segundo o relatório da McKinsey intitulado “Perspectiva Global de Energia 2022”. Esse volume pode representar de 10 a 20% da futura demanda global de eletricidade, que deve triplicar até meados do século, com a eletrificação do transporte e processos industriais exigindo cada vez mais energia. O cenário considera restrições potenciais na expansão de solar e eólica, como escassez de terra, matérias-primas e limitações de transmissão. E estima quanta geração adicional despachável e de baixo carbono será necessária para atingir as metas líquidas zero. A energia nuclear — uma fonte de eletricidade comprovada de carbono zero — atualmente contribui com cerca de 10% da geração global de eletricidade, com 413 GW, de acordo com a Agência Internacional de Energia. Você pode acessar o relatório clicando aqui. (EPBR - 30.03.2023) 
Link Externo

NDA: Relatório aponta necessidade de nova instalação de descarte geológico

De acordo com um estudo conduzido pela Deep Isolation em nome da Autoridade de Descomissionamento Nuclear (NDA) do Reino Unido, o descarte de poços profundos não pode substituir a necessidade do Reino Unido de uma instalação de descarte geológico (GDF), mas pode, no entanto, ter um papel útil a desempenhar no descarte de parte do estoque de lixo nuclear do país. O objetivo do estudo é fornecer à NDA informações que lhe permitam avaliar a potencial adequação da solução de descarte de poço direcional da Deep Isolation para elementos do inventário de resíduos radioativos do Reino Unido. Em conclusão, o estudo constatou que 63% do volume do Inventário de Descarte Geológico (IGD) do Reino Unido é intrinsecamente incompatível com o descarte de poços. Outros 26% podem, em princípio, ser transferidos para vasilhas de descarte de Deep Isolation para descarte em poços, mas os planos existentes para descarte em um depósito mineral provavelmente serão mais econômicos. Para ter acesso ao estudo completo na íntegra, clique aqui. (WNN - 21.03.2023) 
Link Externo

NEA: Estudo rastreia progresso no desenvolvimento de SMRs

A Agência de Energia Nuclear (NEA) publicou o “NEA SMR Dashboard”, estudo que acompanha o progresso de projetos selecionados de pequenos reatores modulares (SMR) em direção à implantação. São analisados 21 SMRs específicos com relação a licenciamento, localização, financiamento, cadeia de mantimentos, engajamento, e combustível. O documento destaca, ainda, que o Painel Internacional sobre Mudanças Climáticas (IPCC) descobriu que os caminhos para o cenário de 1,5°C exigiriam capacidade nuclear instalada para atingir 1.160 GWe até 2050. A NEA conclui que essa meta pode ser alcançada por meio da operação de longo prazo das usinas existentes e da construção de novas construções e SMRs em larga escala. Estima-se que até 2050 os SMRs poderão atingir 375 GWe de capacidade instalada em um caso ambicioso, contribuindo para mais de 50% dessa lacuna de capacidade. Clique aqui para ler o relatório na íntegra. (NEI Magazine - 21.03.2023) 
Link Externo

NIA: Avalialção do impacto de combustíveis sintéticos de origem nuclear na descarbonização

O Relatório consultores de energia Equilibrion e da Associação da Indústria Nuclear (NIA) - "Synthetic Fuels: The Opportunity for Economy Scale Production of Synthetic Fuels from Nuclear Energy" -tem como principal objetivo avaliar o impacto da produção de combustíveis sintéticos de origem nuclear impactar na descarbonização de alguns setores. De acordo com este documento, a produção em larga escala de combustíveis sintéticos de origem nuclear poderia contribuir para as metas de neutralidade de setores como o de aviação e o de transporte marítimo. Além disso, este relatório insta que o governo do Reino Unido necessita reconhecer o papel potencial da energia nuclear em seu próximo Mandato de Combustível de Aviação Sustentável, recomendando a inclusão dos combustíveis sintéticos derivados de energia nuclear. Para ter acesso ao relatório completo, clique aqui. (WNN - 14.03.2023) 
Link Externo

Eventos

NT2E: Evento organizado pela ABDAN será no Rio de Janeiro, em maio

A terceira edição da Nuclear Trade & Technology Exchange (NT2E) está programada para acontecer de 3 a 5 de maio de 2023, no ExpoMAG, no Rio de Janeiro. O evento bienal é realizado pela Associação Brasileira para o Desenvolvimento de Atividades Nucleares (ABDAN), e tem inscrições gratuitas para acompanhar os debates do setor. A terceira edição da NT2E está programada para acontecer de 3 a 5 de maio de 2023, no ExpoMAG, no Rio de Janeiro. O evento tem inscrições gratuitas para acompanhar os debates do setor e contará com figuras como: Rafael Grossi, diretor-chefe da AIEA; Luciana Santos, ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação; Alexandre Silveira, Ministro de Minas e Energia; General Gonçalves Dias, ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; e Sama Bilbao e León, diretora da World Nuclear Association (WNA). (Portal Radar - 31.03.2023) 
Link Externo