IFE
20/03/2023

IFE Energia Nuclear 23

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
20/03/2023

IFE nº 23

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Energia Nuclear 23

Políticas Públicas e Planos de Governo

Brasil: Frente parlamentar quer incentivar políticas públicas para tecnologia nuclear

O segmento nuclear está se movimentando no Congresso Nacional para a criação de uma frente parlamentar para estimular políticas públicas para o desenvolvimento de tecnologias e atividades nucleares. A proposta é encabeçada pelo deputado federal Júlio Lopes (PP-RJ) e tem o apoio da Abdan, que acredita que a nova legislatura da Câmara dos Deputados debaterá mais o tema. Um dos objetivos da frente parlamentar é consolidar a participação política das empresas que fazem parte da cadeia produtiva de base nuclear, como as de bens de capital, de construção e montagem, do segmento de consultoria e engenharia, de operação de usinas e de unidades fabris de sistemas e equipamentos. “Na geração de energia, a principal pauta será a viabilidade das usinas nucleares, em termos econômicos e técnicos. Também queremos pautar a questão da irradiação de alimentos, um tema importante em todo o mundo. Diversos países não aceitam mais produtos que não estejam irradiados. E o Brasil, hoje, perde uma oportunidade enorme de exportar seus produtos com maior valor agregado. Então é um tema importante ainda a ser trabalhado”, afirma o presidente da Abdan, Celso Cunha. (Valor Econômico – 08.03.2023) 
Link Externo

ABDAN: Associação organiza reunião de entidades brasileiras com DOE

No dia 13, uma delegação do Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE) participou de uma reunião na sede da Associação Brasileira para Desenvolvimento das Atividades Nucleares (ABDAN), no Centro do Rio de Janeiro. O encontro teve ainda a participação do vice-secretário de energia americano, David Turk. Ele foi recepcionado pelo presidente da ABDAN, Celso Cunha. A reunião teve uma agenda com a participação de alguns representantes do Ministério de Minas e Energia (MME), da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), do governo americano e de algumas empresas brasileiras associadas à ABDAN. Entre os representantes das empresas nacionais, estavam o presidente da Nuclep, Carlos Seixas, o presidente da INB, Carlos Freire, o diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da EPE, Giovani Vitória Machado, o diretor técnico da Amazul, Carlos Alberto Matias, o coordenador do comitê da ENBPar para monitoramento para implementação de Angra 3, Leonam Guimarães, entre outros. (Petronotícias - 13.03.2023) 
Link Externo

ABDAN: Planejamento para 2023 passa por fomento de frente parlamentar

A Associação Brasileira para Desenvolvimento das Atividades Nucleares (ABDAN) está com um planejamento com novas ações para o restante do ano de 2023. Além de reuniões em Brasília com representantes do governo federal, a associação também está colaborando com a criação da Frente Parlamentar Nuclear. “Precisamos agora de apenas 25 assinaturas para criar a Frente Parlamentar. Ou seja, em praticamente um mês e meio vamos conseguir as 198 assinaturas necessárias”, comentou o presidente da ABDAN, Celso Cunha. A associação realizará ainda três missões internacionais ao longo do ano para estreitar ainda mais os laços entre as empresas brasileiras e companhias estrangeiras do setor nuclear. Segundo Cunha, as missões terão como destino o Canadá/Estados Unidos, a Áustria (sede da AIEA) e a França. O presidente da ABDAN também falou sobre os preparativos para o evento Nuclear Trade and Technology Exchange (NT2E), em maio, que será realizado pela primeira vez no formato presencial. (Petronotícias - 15.03.2023) 
Link Externo

Bolívia: Primeiros radiofármacos fornecidos por Complexo Pré-Clínico

O presidente Luis Arce Catacora entregou os primeiros radiofármacos fluorodesoxiglicose produzidos no novo Complexo Pré-Clínico de Radiofarmácia Cyclotron (CRPC) da Bolívia a pacientes dos Centros de Medicina Nuclear e Radioterapia de El Alto e Santa Cruz. Nesse caso, o ciclotron - um acelerador de partículas - destina-se a fornecer radiofármacos suficientes para permitir que 5.000 pacientes por ano na Bolívia sejam submetidos a exames médicos usando produtos avançados de medicina nuclear. Segundo o presidente, atualmente o país importava esses radiofármacos para atender seus pacientes tanto em El Alto quanto em Santa Cruz, mas a partir de agora eles estão sendo tratados e já estão recebendo esse medicamento produzido pelos bolivianos. (WNN - 10.03.2023) 
Link Externo

Canadá: Reator Bruce 3 inicia interrupção para reforma

A unidade Bruce 3 iniciou oficialmente sua interrupção de substituição de componentes principais (MCR). Nesse caso, a unidade Candu foi retirada de serviço em 1º de março e está programada para voltar a funcionar em 2026. O projeto MCR fará com que seis das oito unidades no local de Bruce sejam reformadas, permitindo que continuem em operação até 2064. O Bruce 3 segue o Bruce 6, que iniciou sua interrupção do MCR em janeiro de 2020 e deve retornar ao serviço ainda este ano. (WNN - 03.03.2023) 
Link Externo

EUA: Extensão de vida útil de usinas nucleares

O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou nesta quinta-feira que vai destinar US$ 1,2 bilhão para prolongar a vida útil de usinas nucleares no país, parte do pacote da Casa Branca para acelerar a transição energética do país. O financiamento vem do programa de Crédito Nuclear Civil de 6 bilhões e será distribuído pelo Departamento de Energia (DOE). Esse novo pacote de ajuda será destinado a usinas com risco de fechamento dentro de alguns anos, e primeira vez, também poderá ser usado para usinas que pararam de operar em novembro de 2021. As usinas nucleares nos EUA vem perdendo competitividade em relação a outras fontes de energia renovável e vem fechando desde 2013. Atualmente há 92 usinas nucleares em funcionamento no país. (Valor Econômico - 02.03.2023) 
Link Externo

EUA: NRC concede liberação para operação de Usina de Diablo Canyon

Dias depois que a comissão de energia da Califórnia concordou que a operação contínua da usina nuclear Diablo Canyon até pelo menos 2030 era necessária, a Comissão Reguladora Nuclear dos Estados Unidos (NRC/EUA) concedeu uma isenção permitindo que as duas unidades continuem operando enquanto a agência considera a renovação da licença da usina. Nesse caso, a licença atual da unidade 1 do Diablo Canyon expira em novembro de 2024 e a da unidade 2 em agosto de 2025. De acordo com a NRC, depois de avaliar o pedido de isenção da empresa, a sua equipe determinou que a isenção é autorizada por lei, não apresentará risco indevido à saúde e segurança pública e é consistente com a defesa e segurança comuns. Além disso, a equipe determinou que a operação contínua do Diablo Canyon é de interesse público por causa dos sérios desafios à confiabilidade da rede elétrica da Califórnia. (WNN - 03.03.2023) 
Link Externo

EUA: DOE amplia elegibilidade para o fundo CNC

O primeiro ciclo de concessão do Programa de Crédito Nuclear Civil (CNC) do Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE/EUA) limitou a elegibilidade a proprietários ou operadores de reatores nucleares que anunciaram intenções de se aposentar dentro do período de concessão de quatro anos. Porém, a segunda rodada também está aberta a proprietários ou operadores de reatores nucleares que encerraram suas operações após 15 de novembro de 2021. O anúncio chamou a atenção para a usina nuclear de Palisades em Michigan, que foi fechada em maio de 2022. Nesse caso, o proprietário Holtec havia solicitado fundos na primeira rodada para reabrir a usina, mas seu pedido foi rejeitado. (WNN - 03.03.2023) 
Link Externo

EUA, Reino Unido, Canadá e França colaboram em instalações nucleares herdadas

O Departamento de Energia dos EUA (DoE), a Autoridade de Descomissionamento Nuclear (NDA) do Reino Unido, a Energia Atômica do Canadá Ltda (AECL), a Comissão Francesa de Energias Alternativas e Energia Atômica (CEA) e a Agência Nacional de Gerenciamento de Resíduos Radioativos da França (Andra) comprometeram-se a desenvolver sua colaboração de longa data no descomissionamento e remediação bem-sucedidos de instalações nucleares herdadas. Esta declaração conjunta foi emitida pelo NDA do Reino Unido. Em suma, as partes estão "orgulhosas" de sua colaboração ao longo de três décadas e esperam uma relação de trabalho positiva e produtiva contínua no futuro. (WNN - 28.02.2023) 
Link Externo

Dinâmica Internacional

AIEA: Conselho apoia segundo mandato de Grossi em ‘sinal de confiança’

O conselho de governadores de 35 países da agência nuclear da ONU apoiou na sexta-feira a renomeação do argentino Rafael Grossi para um segundo mandato de quatro anos como diretor-geral, disseram diplomatas na reunião a portas fechadas. A decisão foi uma formalidade, já que não havia adversário. O conselho da Agência Internacional de Energia Atômica aprovou sua renomeação por aclamação, o que significa que nenhuma votação foi realizada e nenhum país expressou oposição, disseram diplomatas. A decisão está sujeita à aprovação da Conferência Geral da AIEA, uma reunião anual de todos os Estados membros realizada no outono. (Reuters - 10.03.2023) 
Link Externo

AIEA: Reunião de governadores mantém Irã em foco

O Irã concordou em intensificar a cooperação com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) ao realizar suas atividades de verificação e monitoramento, incluindo a reinstalação de câmeras de monitoramento, após uma visita do diretor-geral da agência, Rafael Mariano Grossi, à República Islâmica e uma reunião com a cúpula do governo iraniano. As visitas ocorreram nos dias 3 e 4 de março e Grossi enfatizou para o Conselho de Governadores da AIEA, com a qual se reuniu em Viena, que as reuniões de alto nível abordaram a importância de tomar medidas para facilitar a cooperação aprimorada, para agilizar, conforme apropriado, a resolução de questões pendentes de salvaguardas. A agência é responsável por verificar e monitorar a implementação dos compromissos relacionados ao acordo internacional acerca do programa nuclear do país, que foi acordado em 2015 entre o Irã e o chamado P5+1 – EUA, Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha. (Petronotícias - 06.03.2023) 
Link Externo

AIEA: Conselho discutirá resposta a enriquecimento de urânio no Irã

O Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) vai realizar sua reunião de março, a partir do dia 6, em Viena. Além de pautas relacionadas ao fortalecimento da segurança e ciência nucleares, será discutida a verificação e o monitoramento do Irã à luz da resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, a aplicação de salvaguardas na República Popular Democrática da Coreia, o Acordo de Salvaguardas do TNP com a República Islâmica do Irã e segurança nuclear, proteção e salvaguardas na Ucrânia. O diretor-geral Rafael Mariano Grossi abrirá a reunião com uma declaração introdutória que incluirá a apresentação de um relatório sobre os níveis de enriquecimento de urânio no Irã, que em inspeção recente mostrou-se próximo ao nível de armas. O Irã nega que esteja tentando desenvolver armamento nuclear e alega que o tipo de partícula identificado e apontado como preocupante pode estar presente devido a flutuações involuntárias durante o enriquecimento. (Petronotícias - 03.03.2023) 
Link Externo

AIEA: Bélgica reforça segurança de reator de pesquisa

De acordo com uma equipe de especialistas da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA), a Bélgica reforçou a segurança em seu reator de pesquisa BR2, melhorando o treinamento, a manutenção, o gerenciamento do envelhecimento e a segurança dos experimentos. Congratulou-se também com a boa prática continuada de relatórios voluntários da Bélgica sobre segurança na BR2 para as reuniões de revisão da Convenção sobre Segurança Nuclear. Por sua vez, a equipe também descobriu a necessidade de mais melhorias de segurança na estrutura organizacional do reator e nas regras e procedimentos operacionais. (WNN - 13.03.2023) 
Link Externo

EUA e Europa: Preocupação com enriquecimento no Irã

As principais potências dos Estados Unidos e da Europa expressaram preocupação no dia 8 com o fato de o Irã ter produzido uma pequena quantidade de urânio enriquecido a 84% de pureza, muito próximo ao grau de armas, e disseram que o Irã deve explicar como isso aconteceu. O órgão de vigilância nuclear da ONU encontrou partículas de urânio enriquecidas em até 83,7% em Fordow, um local escavado em uma montanha e o segundo lugar onde está continuamente enriquecendo urânio em até 60%. O grau das armas é de cerca de 90%. O chamado pico é grande, mas ainda não está claro se foi acidental. Aconteceu em duas cascatas interconectadas, ou grupos, de centrífugas que o cão de guarda descobriu recentemente que o Irã havia feito mudanças substanciais sem notificá-lo de antemão como deveria. As potenciais ocidentais se abstiveram, contudo, de pressionar por uma resolução condenando o Irã na última reunião do conselho da AIEA. (Reuters - 08.03.2023) 
Link Externo

EUA e Reino Unido: Tecnologia de submarino nuclear será compartilhada com Austrália

Os líderes dos Estados Unidos, Austrália e Grã-Bretanha revelaram nesta segunda-feira detalhes de um plano para fornecer à Austrália submarinos de ataque movidos a energia nuclear, um grande passo para conter as ambições da China no Indo-Pacífico. Sob o acordo, os Estados Unidos pretendem vender à Austrália três submarinos movidos a energia nuclear da classe Virginia no início da década de 2030, com opção de comprar mais dois, se necessário, disse o comunicado conjunto. Será a primeira vez que Washington compartilhará tecnologia de propulsão nuclear desde que o fez com a Grã-Bretanha, na década de 1950. O chamado plano Aukus, assinado pelos três países, foi condenado pela China, que o chamou de ato ilegal de proliferação nuclear. Ao lançar a parceria, a Austrália também perturbou a França ao cancelar abruptamente um acordo para comprar submarinos convencionais (Valor Econômico - 14.03.2023) 
Link Externo

França: Protestos contra reforma da previdência afetam setor nuclear

Cerca de 370 mil manifestantes marcharam no dia 11 contra a proposta de reforma previdenciária do presidente francês, Emmanuel Macron, na sétima rodada de protestos nacionais contra o plano.Desde então, as greves interromperam o serviço ferroviário e as viagens aéreas. Os sindicatos bloquearam refinarias e desligaram vários reatores nucleares, forçando a França a importar eletricidade. A extrema-esquerda Confederação Geral do Trabalho (CGT) e outros grandes sindicatos franceses disseram que o protesto de terça-feira iniciaria uma greve indefinida até que o governo abandone a reforma. Os trabalhadores do setor elétrico da CGT cortaram a energia do escritório de Gerard Larcher, presidente do Senado francês, que está discutindo a reforma da previdência neste fim de semana. (Valor Econômico - 11.03.2023) 
Link Externo

Irã e Arábia Saudita: Aproximação prejudica esforços de Israel contra programa nuclear iraniano

O relaxamento diplomático saudita-iraniano atrasa os esforços do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para isolar Teerã, mas ainda é incerto se isso também impedirá sua aproximação a Riad ou o planejamento de qualquer eventual ataque militar contra instalações nucleares iranianas. Amos Yadlin, ex-chefe de inteligência militar de Netanya, disse que a aproximação do Irã com a Arábia Saudita deveria ser um alerta. Acusando Netanyahu de "gerar danos extraordinários à nossa segurança nacional", Yadlin disse que deveria descartar as reformas judiciais e cerrar fileiras com Biden sobre como forjar laços entre israelenses e sauditas para enfrentar em conjunto programa nuclear iraniano. Yadlin esteve entre os pilotos que bombardearam o reator nuclear do Iraque em 1981 e serviu como general durante o ataque de Israel em 2007 a um suposto reator na Síria. (Reuters - 12.03.2023) 
Link Externo

Reino Unido: Nova estrutura de política externa menciona questões nucleares

O Reino Unido publicou uma atualização de sua estrutura de política externa na qual afirma que a segurança do Reino Unido depende do resultado da guerra na Ucrânia. A atualização do plano britânico de segurança e política internacional alertou também para o aprofundamento da parceria da China com a Rússia e a crescente cooperação de Moscou com o Irã após a invasão da Ucrânia. O plano aponta para o crescimento de uma “retórica nuclear irresponsável” que ameaça criar um mundo definido por perigo, desordem e divisão. Dos gastos extras com defesa, a Grã-Bretanha anunciou o aporte de 3 bilhões de libras para projetos nucleares, incluindo ajuda para a Austrália construir submarinos movidos a energia nuclear pela primeira vez, parte dos esforços para combater a China no Indo-Pacífico. (Reuters - 13.03.2023) 
Link Externo

UE: Ministros de energia pedem maior cooperação para segmento nuclear

Durante a reunião de 27 a 28 de fevereiro, os ministros e representantes de alto nível de 11 estados membros reuniram-se com a Comissão Europeia e a Presidência sueca para reafirmar conjuntamente seu desejo de fortalecer a cooperação em energia nuclear. A convocação ocorreu durante um Conselho informal de Ministros de Energia em Estocolmo, na Suécia, para discutir o mercado de energia e o fornecimento de energia, com foco nos preparativos para o próximo inverno e além. Segundo o Ministério da Transição Energética da França em um comunicado, de acordo com os objetivos do Tratado Euratom, a promoção da pesquisa e a divulgação de informações técnicas, o estabelecimento de padrões de segurança uniformes de acordo com as melhores práticas internacionais e o fortalecimento da cooperação industrial no desenvolvimento das capacidades nucleares europeias são objetivos importantes da política energética comum. (WNN - 28.02.2023) 
Link Externo

Ucrânia e Rússia: Negociação mediada pela AIEA perde força e chega a impasse

Um diplomata russo disse que as negociações sobre uma zona de segurança em torno da usina nuclear de Zaporizhzhia “estão perdendo força“, enquanto o ministro da Energia da Ucrânia diz que as medidas diplomáticas para devolvê-la à Ucrânia “chegaram a um beco sem saída”. O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) tem pressionado pelo estabelecimento de uma zona de segurança e proteção ao redor da usina nuclear localizada na linha de frente da guerra. Tal proteção seria necessária para reduzir o risco de danos à usina, ocupada pelos militares russos desde março de 2022. O ministro da energia da Ucrânia, Herman Halushchenko, afirmou que a posição do país para qualquer negociação envolve a desmilitarização da usina, a saída dos funcionários da Rosatom do ZNPP e a possibilidade de que funcionários ucranianos trabalhem na região sem pressões. (Petronotícias - 08.03.2023) 
Link Externo

Inovação Tecnológica

Canadá: Programa de incentivo ao desenvolvimento de SMRs

O governo canadense lançou um programa para apoiar o desenvolvimento comercial de SMRs, oferecendo US$ 21,8 milhões de financiamento ao longo de quatro anos para desenvolver cadeias de suprimentos para fabricação de SMR e fornecimento e segurança de combustível, além de financiar pesquisas sobre soluções seguras de gerenciamento de resíduos SMR. O programa foi lançado na conferência anual da Associação Nuclear Canadense (CNA) por Julie Dabrusin, Secretária Parlamentar do Ministro de Recursos Naturais e do Ministro do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas. “Ao investir nesta próxima geração de tecnologia nuclear, o Canadá pode ajudar seus parceiros em todo o mundo a atingir suas metas climáticas enquanto exporta tecnologias limpas e minerais críticos como urânio para nossos parceiros globais. Este programa ajudará a combater a poluição e criar empregos sustentáveis por gerações vir”, declarou Dabrusin. (Petronotícias - 02.02.2023) 
Link Externo

CEA: Startups são desmembradas visando o desenvolvimento de SMRs

A Comissão Francesa de Energias Alternativas e Energia Atômica (CEA) desmembrou duas start-ups nucleares - Hexana e Stellaria - para o desenvolvimento de pequenos reatores modulares (SMRs). A Hexana pretende desenvolver um SMR com um reator de nêutrons rápidos refrigerado a sódio, integrado a um dispositivo de armazenamento de alta temperatura. Nesse caso, uma usina compreenderia dois desses reatores (400 MWt cada) fornecendo um dispositivo de armazenamento de calor. Além disso, um sistema de conversão adjacente permitirá produzir eletricidade sob demanda e de maneira flexível para competir com usinas a gás, mas também fornecerá calor diretamente para indústrias próximas com uso intensivo de energia. (WNN - 10.03.2023) 
Link Externo

CNCC: Estruturas internas do prédio de SMR chinês concluídas

De acordo com um anúncio da Corporação Nuclear Nacional da China (CNNC), a estrutura interna principal do edifício do reator para o projeto de demonstração do pequeno reator modular (SMR) ACP100 foi concluída na usina nuclear de Changjiang. Além disso, a CNNC disse que o vazamento de concreto para os painéis de parede a mais de 7 metros acima da estrutura interna do prédio do reator cria boas condições para a subsequente introdução do equipamento principal e o içamento da cabeça superior de contenção de aço. (WNN - 09.03.2023) 
Link Externo

Dual Fluid e TRIUMF: Parceria visa o desenvolvimento de SMR

A empresa canadense-alemã de tecnologia nuclear Dual Fluid assinou um memorando de entendimento (MoU) com o centro de pesquisa canadense TRIUMF para promover o desenvolvimento de um pequeno reator modular (SMR) baseado na tecnologia Dual Fluid. De acordo com a Dual Fluid, o objetivo do novo conceito de reator é usar resíduos nucleares processados ​​como combustível e aumentar exponencialmente o desempenho das tecnologias de produção de energia nuclear atuais. Além disso, como parte do MoU, a Dual Fluid e a TRIUMF se concentrarão na pesquisa de materiais para enfrentar vários desafios inerentes à energia nuclear, incluindo a identificação de materiais que possam suportar as altas demandas no núcleo do reator, que opera a temperaturas de 1000°C e produz condições altamente radioativas e corrosivas. (WNN - 13.03.2023) 
Link Externo

EUA: Usina de Nine Mile Point começa a fornecer hidrogênio

A primeira instalação de produção de hidrogênio limpo movido a energia nuclear de 1 MW nos Estados Unidos (EUA) começou a operar na usina nuclear Nine Mile Point da Constellation em Oswego, Nova York. Nesse caso, a Membrana de Troca de Prótons em contêineres do Nine Mile Point Hydrogen Generation System usa 1,25 megawatt de energia de carbono zero por hora para separar átomos de hidrogênio e oxigênio na água, produzindo 560 kg de hidrogênio por dia. Isso é suficiente para atender à necessidade da Constellation de demanda de hidrogênio no local para ajudar a resfriar a usina. Segundo a empresa, a nova instalação ajudará a demonstrar o potencial do hidrogênio para alimentar uma economia limpa. (WNN - 08.03.2023) 
Link Externo

KSOE: Projeto de embarcação movida a SMR

 A empresa de construção naval Korea Shipbuilding & Offshore Engineering (KSOE) revelou o projeto de um pequeno navio movido a partir de um pequenos reatores modulares (SMR, na sigla em inglês). Essa é a primeira vez que uma empresa coreana apresenta um conceito de projeto tão detalhado para uma embarcação movida a SMR. O projeto envolve um navio movido por um reator de 240 megawatts (MW), com quatro conjuntos de SMRs de 60 megawatts. A mudança da KSOE para a tecnologia SMR não é sua primeira incursão no campo. Em novembro de 2022, a empresa investiu US$ 30 milhões na TerraPower, uma empresa SMR fundada pelo fundador da Microsoft, Bill Gates. O projeto visa construir um SMR no estado de Wyoming, nos Estados Unidos, até 2030. (Petronotícias - 14.03.2023) 
Link Externo

ODS: Nova técnica de desmantelamento de reator usada em Crystal River

A Orano Decommissioning Services (ODS) implementou um método inovador para desmantelar reatores nucleares comerciais e de pesquisa no projeto de descomissionamento acelerado da unidade 3 de Crystal River, na Flórida. O processo patenteado de Segmentação Otimizada visa reduzir o volume de resíduos para descarte e a quantidade de trabalho de segmentação nas estruturas do reator. Nesse caso, o novo processo corta e remove tudo dentro do vaso do reator (RV) de liga de aço de paredes espessas e, em seguida, reembala com precisão os resíduos radioativos de baixo nível no RV antes de cortar o componente maciço, menos a cabeça de fechamento do vaso do reator e sua blindagem conteúdo em três grandes pedaços dimensionados para transporte e descarte. (WNN - 01.03.2023) 
Link Externo

País de Gales: Universidade desenvolverá sistema de propulsão nuclear espacial

A Universidade de Bangor, no País de Gales, desenvolverá um sistema de combustível térmico nuclear para apoiar a exploração do espaço profundo. Este é um dos oito projetos que recebem um total de US$ 1,9 milhão em financiamento por meio do fundo Enabling Space Exploration da Agência Espacial do Reino Unido. Segundo a agência, sem sistemas de combustível nuclear estáveis, as missões no espaço profundo não seriam bem-sucedidas. Em suma, este projeto demonstrará a fabricação aditiva de combustíveis nucleares contendo zircônio metálico e cerâmico e avaliará seu desempenho. (WNN - 07.03.2023) 
Link Externo

UKAEA e a Universidade de Sheffield: Parceria para P&D de fusão nuclear

A Autoridade de Energia Atômica do Reino Unido (UKAEA) e a Universidade de Sheffield firmaram uma parceria que visa impulsionar o desenvolvimento da tecnologia de fusão e a futura indústria de fusão do Reino Unido. Esta colaboração fará com que Sheffield nomeie dois presidentes que estabelecerão novos programas de pesquisa para enfrentar os desafios globais de fusão. Nesse caso, a posição de Presidente em Qualificação para Fusão abordará desafios fundamentais de engenharia na qualificação de componentes, montagens e sistemas fabricados para uso em futuras usinas de energia de fusão. Já a posição de presidente em materiais de fusão se concentrará na inovação em design e processamento de materiais para melhorar o desempenho do motor e o descomissionamento e reciclagem de novos materiais desenvolvidos. (WNN - 09.03.2023) 
Link Externo

X-Energy e a Cavendish Nuclear: Plano de SMRs no Reino Unido

A X-Energy UK Holdings e a Cavendish Nuclear se candidataram ao Future Nuclear Enabling Fund do Reino Unido para apoiar uma Avaliação de Projeto Genérico do Xe-100 SMR e estão desenvolvendo propostas para pequenos reatores modulares (SMRs) no Reino Unido. Ambas as empresas identificaram Hartlepool como um local preferido, pois possibilita a instalação dos SMRs em um local adjacente à uma usina nuclear existente. De acordo com as empresas, o proprietário do local e operador EDF está avaliando a aplicabilidade de tecnologias nucleares modernas, incluindo o Xe-100, como parte de um programa apoiado pelo governo para encorajar propostas nucleares avançadas. (WNN - 10.03.2023) 
Link Externo

Empresas

Eletronuclear e Rosatom: Fornecimento de lítio-7 para o Brasil

A gigante russa Rosatom venceu a licitação da Eletronuclear para fornecer mais de 100 quilos de hidróxido de lítio-7. O produto é destinado ao uso no sistema de resfriamento do reator de ambas as unidades de energia em operação da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (Central Nuclear de Angra dos Reis). O lítio-7 com fração atômica do isótopo de pelo menos 99,9%, produzido pela Planta de Concentrados Químicos de Novosibirsk, é tradicionalmente usado como aditivo para o refrigerante primário de reatores de água pressurizada (PWR) para corrigir a química da água, bem como na produção de reagentes químicos para a energia nuclear. A empresa de combustível da Rosatom, TVEL, realiza atividades de fabricação de combustível nuclear, empresas de conversão e enriquecimento de urânio, produção de centrífugas de gás, bem como organizações de pesquisa e desenvolvimento. (Petronotícias - 13.03.2023)  
Link Externo

EDF: Extensão de operação de Heysham 1 e Hartlepool por mais dois anos

A operadora nuclear EDF anunciou que manterá as unidades de energia nuclear Heysham 1 e Hartlepool operando até 2026, dois anos a mais do que o planejado anteriormente. Ambas as usinas, no norte da Inglaterra, operam há 40 anos e a EDF anunciou em setembro passado que estava revendo o caso de uma curta extensão devido ao impacto da guerra da Rússia com a Ucrânia e ao aumento dos preços da energia. Em um comunicado, a EDF disse: "A decisão foi tomada após uma rigorosa revisão pela EDF dos casos técnicos e comerciais para extensão de vida. Em particular, as inspeções positivas dos núcleos do reator de grafite durante 2022 aumentaram a confiança de que as estações podem gerar para por mais tempo e continuar a atender aos rígidos padrões regulatórios." (WNN - 09.03.2023) 
Link Externo

Candu Energy: Construção de pré-projeto de reforma de Usina de Cernavoda

Um contrato de US$ 65 milhões de dois anos permitirá que a Candu Energy, parte do SNC-Lavalin Group, conduza o trabalho de pré-projeto para a extensão da vida útil da unidade 1 da usina nuclear Cernavoda da operadora nuclear romena Nuclearelectrica. Espera-se que o trabalho inclua serviços de engenharia de longo prazo e front-end para a usina, que possui duas unidades CANDU que atualmente fornecem 20% da eletricidade da Romênia. De acordo com Ian Edwards, presidente e CEO da SNC-Lavalin, esta extensão de vida fornecerá a muitas gerações futuras de romenos segurança energética, energia econômica e permitirá que a Romênia continue a se beneficiar da redução de suas emissões de gases de efeito estufa. (WNN - 08.03.2023) 
Link Externo

Georgia Power: Reator Vogtle 3 atinge a criticalidade inicial

A Georgia Power anunciou que o AP1000 - a primeira nova unidade nuclear a ser construída nos Estados Unidos (EUA) em mais de três décadas - atingiu com segurança a criticidade inicial. Dentro desse contexto, a criticidade inicial significa que a reação de fissão nuclear no reator agora é autossustentável, permitindo que o reator inicie a produção calor utilizada na geração de eletricidade. No próximo passo, a potência do reator será aumentada para prepará-lo para a sincronização com a rede elétrica e o início da geração de eletricidade e os operadores aumentarão gradualmente a potência dessa unidade até atingir sua potência total. Em suma, a Georgia Power atualmente projeta uma data de serviço para o Vogtle 3 em maio ou junho. (WNN - 07.03.2023) 
Link Externo

KHNP: EUR certifica Reator APR1000 para uso europeu

O projeto do reator APR1000 da Korea Hydro & Nuclear Power (KHNP) foi formalmente certificado como compatível pela organização European Utility Requirements (EUR) - um grupo consultivo técnico para concessionárias europeias em usinas nucleares. Nesse caso, a indústria nuclear coreana - incluindo KHNP, KEPCO E&C, KEPCO NF e Doosan Enerbility - solicitou oficialmente a certificação EUR em novembro de 2019. De acordo com o KHNP, para a avaliação do projeto padrão APR1000, três patrocinadores e seis apoiadores - mais da metade do total de membros do EUR - participaram da avaliação. Além disso, o KHNP observou que passou pelo processo de avaliação em um período de tempo relativamente curto - 22 meses - fornecendo documentação de alta qualidade para a avaliação do projeto principal e respostas apropriadas às perguntas. (WNN - 02.03.2023) 
Link Externo

Rosatom: Reator Rooppur 1 teve sua concretagem de contenção externa concluída

Segundo a Rosatom, a concretagem do edifício de contenção externa da unidade 1 da usina nuclear de Rooppur, em Bangladesh, foi concluída em 110 dias, 45 dias antes do previsto. A empresa russa disse que a economia de tempo foi o resultado da implementação de sugestões para melhorias de processo, como o uso de painéis de cofragem dupla e fabricação de painéis de cofragem duplo côncavo antes da instalação. (WNN - 13.02.2023) 
Link Externo

TerraPraxis e Seaborg: Utilização de reator compacto de sal para descarbonização de frota

A TerraPraxis e o Seaborg, desenvolvedor dinamarquês de usinas nucleares flutuantes, concordaram em avaliar o Reator Compacto de Sal Molten (CMSR) de Seaborg como uma fonte potencial de calor para apoiar a rápida descarbonização da frota global de carvão. Nesse caso, ambas as empresas observaram que muitas usinas de energia a carvão estão localizadas perto de cursos de água industriais ou oceanos, fornecendo acesso direto ao local para a barcaça flutuante de Seaborg. De acordo com Jonas Stampe, diretor de negócios da Seaborg, a empresa está fortemente alinhada com a TerraPraxis em seu objetivo de permitir a rápida substituição de 2 Terawatts da capacidade global de carvão até 2050. (WNN - 13.03.2023) 
Link Externo

Urenco EUA será o primeiro fornecedor mundial de urânio enriquecido para MMR

Um acordo recém-anunciado segundo o qual a Urenco EUA fornecerá urânio enriquecido à Ultra Safe Nuclear Corporation para a fabricação de combustível para seu Micro-Modular Reactor (MMR) foi descrito pelas empresas como o primeiro fornecimento comercial de produto de urânio enriquecido (EUP) para uso em um reator nuclear avançado em qualquer lugar do mundo. O EUP será produzido e fornecido a partir da instalação de enriquecimento da Urenco EUA no Novo México e será usado na fabricação de partículas isotrópicas triestruturais (TRISO) e microencapsuladas totalmente cerâmicas da USNC ( FCM) por meio da planejada joint venture da USNC com a Framatome. (WNN - 02.02.2023) 
Link Externo

ZE PAK e PGE: Parceria vai viabilizar nova usina no centro da Polônia

As empresas polonesas ZE PAK e Polska Grupa Energetyczna (PGE) assinaram um acordo preliminar sobre a criação de um veículo de propósito específico (SPV) conjunto para implementar o projeto de construção de uma usina nuclear em Pątnów, no centro da Polônia. A sociedade conjunta irá representar a parte polonesa em todas as fases do projeto, incluindo a execução dos estudos de localização e ambientais, obtenção de financiamento e preparação de um cronograma de investimento detalhado juntamente com a parte coreana, mas também, nas fases subsequentes, obtenção de licenças e decisões administrativas. (WNN - 08.03.2023)
Link Externo

Estudos

Eletronuclear: População de Angra dos Reis é favorável a uso de energia nuclear

Em nova pesquisa divulgada no dia 14 pela Eletronuclear, a companhia revelou o bom grau de aceitação das usinas nucleares brasileiras na população que vive no entorno dessas plantas. O estudo foi apresentado durante o evento Nuclear Communication 2023, realizado no Rio de Janeiro (RJ) pela Associação Brasileira para Desenvolvimento das Atividades Nucleares (ABDAN). A pesquisa, cujo levantamento foi feito em janeiro, apontou que 71% da população de Angra dos Reis e região se mostra favorável ao uso da energia nuclear para geração de energia. O dado foi apresentado pelo Superintendente de Comunicação Institucional da Eletronuclear, Marco Antonio Alves. O Superintendente destacou que um dos fatores que amplia a aceitação da população que vive no entorno da central de Angra dos Reis é a percepção do impacto positivo causado pelas usinas, como geração de empregos, investimentos realizados e trabalhos feitos com comunidades vizinhas. (Petronotícias - 14.03.2023) 
Link Externo

NEA: Relatório trata do papel das mulheres no setor nuclear

O relatório da Agência de Energia Nuclear da OCDE (NEA), Gender Balance in the Nuclear Sector, é baseado em dados coletados de mais de 8.000 mulheres na força de trabalho nuclear em 32 países, bem como dados de recursos humanos de 95 organizações nucleares em 17 países. A partir desta coleta, descobriu-se que pouco menos de um quarto dos trabalhadores do setor nuclear são mulheres. Em suma, a NEA acredita que a produção total de energia nuclear precisa triplicar até 2050 para que os governos de todo o mundo alcancem a neutralidade e, para isso, será necessário aumentar a força de trabalho neste campo, atraindo mulheres como forma de diversificar a força de trabalho. Para ter acesso ao relatório completo na íntegra, clique aqui. (WNN - 08.03.2023) 
Link Externo

SNE: Centrais nucleares são vitais para Espanha

A Sociedade Nuclear Espanhola (Sociedad Nuclear Española, SNE) publicou um manifesto destacando a importância estratégica das usinas nucleares do país - e alertou que não haverá volta se os atuais planos de fechamento forem permitidos. Adicionalmente, o Manifesto Nuclear do SNE estabelece dez razões principais pelas quais a energia nuclear é essencial para a Espanha, incluindo o aumento da geração livre de carbono, a segurança do abastecimento, ajudando a atingir as metas de emissões de gases de efeito estufa e metas de sustentabilidade, emprego e benefícios econômicos e ajudando a conter os custos de energia. Para ter acesso ao manifesto completo na íntegra, clique aqui. (WNN - 10.03.2023) 
Link Externo

Stonehaven: Cresce apoio ao uso da energia nuclear no Reino Unido e na Suíça

Uma pesquisa do Reino Unido da consultoria de estratégia internacional Stonehaven constatou um aumento de 25% no apoio líquido para novas usinas nucleares desde junho de 2021, com o apoio crescendo em todas as faixas etárias, nações e regiões do país. Hoje, o suporte líquido total é de 24% (com 46% concordando e 22% discordando). Embora o apoio de ambos os sexos tenha aumentado constantemente, há um forte contraste entre homens e mulheres. Para os homens, o suporte líquido é de 43%, enquanto para as mulheres é de 7%. Enquanto isso, uma pesquisa de opinião pública na Suíça sugere que cerca de metade da população é a favor do uso contínuo de energia nuclear. (WNN - 10.03.2023) 
Link Externo

Eventos

Nuclear Communication 2023: Deputado Júlio Lopes anuncia avanços na pauta nuclear

O deputado Júlio Lopes (PP-RJ) discursou na abertura do Nuclear Communication 2023, evento realizado pela Associação Brasileira para o Desenvolvimento de Atividades Nucleares (ABDAN) no dia 14. Júlio Lopes destacou os benefícios da energia nuclear para o estado do Rio de Janeiro e anunciou que teria duas reuniões com ministros para tratar da pauta: uma com o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, no dia 15, e outra com a Ministra do Planejamento, Simone Tebet, no dia 16. O deputado se comprometeu ainda a defender pedido para que até o fim do ano seja aprovada a construção de dois pequenos reatores no Brasil: um na usina de Angra dos Reis e outro no Nordeste. Além disso, o Grupo de Ação Nuclear no Ministério de Minas e Energia já teria sido restabelecido, segundo Lopes. (GESEL - 14.03.2023) 
Link Externo