IFE
01/03/2023

IFE Energia Nuclear 22

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
01/03/2023

IFE nº 22

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Isadora Correa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Energia Nuclear 22

Políticas Públicas e Planos de Governo

Brasil: MME vai ter pasta específica para energia nuclear

O Ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, reuniu-se nesta semana com membros da indústria nuclear para discutir novas medidas e ações para esse segmento. Uma das principais novidades anunciadas pelo ministro foi a criação de uma coordenação específica para o setor nuclear dentro da pasta. O novo organismo ficará subordinado à Secretaria Executiva do ministério. Além disso, Silveira também declarou que irá criar um grupo de trabalho para avaliar as ações prioritárias do setor. “Nosso foco é uma gestão eficiente dos recursos públicos, trabalhando, por exemplo, na conclusão de importantes obras estruturantes para, assim, avançarmos no equilíbrio da matriz energética brasileira. Precisamos entregar resultados reais para a população como retorno efetivo dos seus impostos”, escreveu Silveira em uma rede social. (Petronotícias - 16.02.2023) 
Link Externo

Brasil: ABDAN discute pautas com ministro do GSI

O presidente da Associação Brasileira para Desenvolvimento das Atividades Nucleares (ABDAN), Celso Cunha, esteve recentemente em Brasília para participar de uma reunião com o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Marco Gonçalves Dias. A pauta do encontro girou em torno do destravamento de novos projetos nucleares no Brasil nos próximos anos. Um dos principais pontos debatidos foi a efetivação da criação da chamada Autoridade Nacional de Segurança Nuclear (ANSN), órgão que será responsável por monitorar, regular e fiscalizar a segurança nuclear e a proteção radiológica no país. O presidente da ABDAN destacou a importância de pacificar a implantação da Lei Nº 14.222/2021, que cria a ANSN, a partir da nomeação do presidente da autoridade. Cunha também conversou com o ministro sobre a aprovação de nova lei de flexibilização do monopólio de construção e operação da geração de energia elétrica. Eles também discutiram sobre a regulamentação para escolha de sítios de centrais nucleares. (Petronotícias - 23.02.2023) 
Link Externo

Bélgica: Construção de instalação de reciclagem de resíduos

Atualmente, mais de 25% de isótopos para fins médicos são produzidos no reator de pesquisa BR2 do Centro de Pesquisas Nucleares (SCK-CEN) em Mol, na Bélgica. Durante esse processo químico, os resíduos deixados contêm uma série de substâncias que podem ser recuperadas. Por isso, uma cerimônia de inauguração foi realizada em Mol, no nordeste da Bélgica, para marcar o início da construção de uma instalação para reciclar resíduos radioativos da produção de radioisótopos médicos. Em suma, a instalação RECUMO - que recuperará urânio - está programada para começar a operar em 2026. (WNN - 14.02.2023) 
Link Externo

Bielo-Rússia: Nova instalação de armazenamento radioativo estará pronta até 2030

Segundo o Ministério da Energia da Bielo-Rússia, o país está criando uma organização para o gerenciamento de resíduos radioativos. Nesse caso, a meta é colocar uma instalação voltada a este gerenciamento em operação até 2030. De acordo com o ministério, os resíduos radioativos tratados não seriam apenas os gerados na usina nuclear bielorrussa, mas também na medicina, indústria, ciência e agricultura. Em suma, a nova organização supervisionará o pré-projeto, o projeto e o trabalho de pesquisa, bem como a construção da instalação. (WNN - 23.02.2023) 
Link Externo

China: Gasoduto de aquecimento nuclear de longa distância

Começou a construção de um duto de 23 quilômetros de comprimento que transportará calor gerado por energia nuclear da usina nuclear de Haiyang, na província chinesa de Shandong, para uma área mais ampla, anunciou a State Power Investment Corp (SPIC). Realizou-se no dia 4 de fevereiro, na cidade de Yantai, perto da fábrica de Haiyang, uma cerimónia que marcou o início da construção de um oleoduto até à cidade de Weihai. De acordo com a SPIC, a rede de tubos de calor marca o início oficial do primeiro projeto de fornecimento de calor de energia nuclear de longa distância da China em cidades de nível municipal. (WNN - 17.02.2023) 
Link Externo

EAU: Terceira unidade de Barakah inicia operação comercial

A terceira unidade da usina nuclear dos Emirados Árabes Unidos (EAU) foi declarada em operação comercial, menos de um ano depois que Barakah 2 atingiu o mesmo marco. De acordo com a Emirates Nuclear Energy Corporation (ENEC), a ENEC anunciou que sua subsidiária operacional e de manutenção Nawah Energy Company (Nawah) iniciou as operações comerciais da Unidade 3 da Usina de Energia Nuclear de Barakah, localizada na região de Al Dhafra, em Abu Dhabi. Esta grande conquista adiciona mais 1.400 MW de capacidade de eletricidade neutra em carbono, aumentando a produção total das Unidades 1, 2 e 3 de Barakah para até 4.200 MW de carga base. (WNN - 24.02.2023) 
Link Externo

EUA: NRC considera ilegal extensão de licença de usina na Califórnia

O regulador de segurança nuclear dos Estados Unidos não tem base legal para conceder à PG&E Corp uma isenção que poderia permitir que a usina nuclear de Diablo Canyon, na Califórnia, continue operando com licenças federais vencidas, de acordo com uma petição apresentada por dois grupos ambientalistas. Os grupos disseram à Comissão Reguladora Nuclear (NRC) que as duas unidades nucleares da usina, antes programadas para fechamento, representam riscos ambientais e de segurança potencialmente graves, tornando-os inelegíveis para uma isenção às regras da agência que exigem que os pedidos de renovação sejam recebidos pelo menos cinco anos antes do vencimento das licenças. A PG&E havia concordado em um acordo de 2016 em não tentar re-licenciar os reatores gêmeos, que são os últimos operando no estado, após o vencimento de suas licenças operacionais atuais em 2024 e 2025. A companhia, contudo, mudou de rumo em meio ao apoio renovado à energia nuclear dos governos estadual e federal. (Reuters - 14.02.2023) 
Link Externo

Estônia: Estudos para nova legislação incluirão programa nuclear

O governo da Estônia nomeou a empresa de advocacia Castletown Law, com sede em Edimburgo, no Reino Unido, para aconselhá-la sobre leis e legislação para o programa avançado de energia nuclear civil do país. Na semana passada, a Fermi Energia selecionou o pequeno reator modular BWRX-300 da GE Hitachi Nuclear Energy para potencial implantação no país báltico no início da década de 2030. Segundo Castletown, o trabalho envolverá uma análise comparativa da legislação e regulamentação nuclear moderna em outras jurisdições que estão em estágios avançados de desenvolvimento de novas estruturas regulatórias, visando o desenvolvimento de tecnologia nuclear avançada. (WNN - 17.02.2023) 
Link Externo

França: País quer liderar produção de hidrogênio com energia nuclear

 Nove países-membros da UE solicitaram formalmente tratamento igual para o hidrogênio verde e o rosa, obtido através da eletrólise usando energia de usinas nucleares. Em carta oficial assinada e enviada à Comissão Europeia por vários ministros do meio ambiente, que analisam as vantagens da inclusão do hidrogênio rosa nas fontes de energia renováveis. A França lidera este movimento de uma posição vantajosa por ter mantido várias usinas nucleares em operação em seu território durante a última década. Para eles, há a possibilidade de produzi-lo em grandes quantidades e transferi-lo e vendê-lo para o exterior através do projeto H2Med, que até 2030 deverá levar à construção de um grande gasoduto para a transferência de hidrogênio da Espanha e da França para a Alemanha e outros países. (Petronotícias - 13.02.2023) 
Link Externo

Japão: NRA aprova uso de reatores além de sessenta anos

A Autoridade de Regulação Nuclear do Japão (NRA) aprovou um projeto de lei para estender a vida operacional dos reatores de energia nuclear do país além de 60 anos. Também aprovou uma emenda à Lei de Regulação de Reatores Nucleares para remover a regra que especifica os períodos de operação dos reatores. Nesse caso, as extensões podem ser concedidas apenas uma vez e estão limitadas a um máximo de 20 anos, dependendo de requisitos de segurança exigidos. Em uma reunião extraordinária em 13 de fevereiro, a maioria dos comissários da NRA votou pela adoção de um novo sistema no qual extensões operacionais adicionais podem ser concedidas a cada 10 anos após 30 anos de operação. (WNN - 14.02.2023) 
Link Externo

Rússia: Usina Kursk II-1 recebe componentes internos do seu reator

A usina nuclear Kursk II, no oeste da Rússia, recebeu os componentes internos do seu reator - incluindo um eixo interno de 10 metros, um defletor e um bloco de tubos de proteção - no canteiro de obras da sua primeira unidade de energia. Estes componentes internos foram fabricados pela filial de Volgodonsk da JSC AEM-Technologies (parte da divisão de construção de máquinas da Rosatom - Atomenergomash). Nesse caso, todos os componentes serão instalados dentro do vaso do reator da unidade, onde serão hermeticamente fechados com a tampa do reator. (WNN - 16.02.2023) 
Link Externo

Rússia: Usina Smolensk entrega primeiro lote de cobalto-60 para uso em diferentes segmentos

Na Rússia, a usina nuclear Smolensk enviou para a usina nuclear de Leningrado o primeiro lote de cobalto-60 (Co-60) em quatro contêineres. O Co-60 é utilizado na produção de fontes de radiação gama amplamente empregadas na medicina, indústria e agricultura. Nesse caso, o Co-60 mais utilizado da usina nuclear Rosenergoatom é a produção de fontes de radiação ionizante Co-60 para irradiadores que esterilizam dispositivos médicos, alimentos e outros produtos. Em suma, uma dessas remessas de Co-60 de Smolensk esterilizará pelo menos 30.000 metros cúbicos de produtos médicos. (NEI - 24.02.2023) 
Link Externo

Rússia e Mianmar: Contrato para uso pacífico de tecnologias nucleares

Mianmar terá geração de energia nuclear depois de um acordo intergovernamental sobre cooperação no uso das tecnologias nucleares para fins pacíficos. Rússia e Mianmar trabalharão juntos para o uso da tecnologia nuclear em várias áreas, incluindo o treinamento de uma força de trabalho para construir e operar um pequeno reator modular. O Presidente do Conselho de Administração Estatal e Primeiro Ministro de Mianmar, General Min Aung Hlaing, na foto ao lado, disse que o acordo “é uma cooperação não apenas para Pequenas Centrais Nucleares, mas também para a aplicação de tecnologia nuclear em muitos setores e vai melhorar o desenvolvimento sócio-económico do país”. (Petronotícias - 11.02.2023) 
Link Externo

Dinâmica Internacional

AIEA: Transparência e abertura por meio do direito nuclear

A energia nuclear é, e será, parte da solução quando se trata de mitigação das mudanças climáticas. Mesmo assim, a tecnologia nuclear enfrenta desafios únicos no que diz respeito à compreensão e aceitação do público e nem sempre é julgada apenas com base científica. A energia nuclear é uma área transversal do direito nuclear que está crescendo em importância à medida que os países descarbonizam sua matriz energética e foi tema de um artigo para o último boletim da AIEA. Os princípios de abertura e transparência são evidentes e refletidos em várias áreas do direito nuclear, tanto em nível nacional quanto em instrumentos jurídicos nucleares internacionais e seus mecanismos, processos, arranjos e canais associados para a cooperação multilateral dos Estados. Esses princípios podem auxiliar na aceitação pública e viabilidade política da energia nuclear no contexto da transição energética atual. (AIEA - Boletim de dezembro) 
Link Externo

AIEA: Relatório sobre segurança proteção e salvaguardas na Ucrânia

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) divulgou um relatório sobre Segurança, Proteção e Salvaguardas Nucleares na Ucrânia, abrangendo o período entre fevereiro de 2022 e fevereiro de 2023. O relatório de 52 páginas fornece uma visão geral da situação e das atividades da AIEA para reduzir o probabilidade de um acidente nuclear durante o conflito armado. No ano passado, várias das cinco usinas nucleares da Ucrânia e outras instalações foram bombardeadas diretamente e cada um dos sete pilares indispensáveis ​​da AIEA para garantir a segurança nuclear em um conflito armado foi comprometido na Ucrânia. A reação da agência incluiu o envolvimento do Centro de Incidentes e Emergências da AIEA; nove missões da AIEA à Ucrânia; o posicionamento de especialistas em segurança e proteção da AIEA em todas as instalações nucleares ucranianas, incluindo a Usina Nuclear de Zaporizhzhya nas linhas de frente da guerra; facilitar um pacote de assistência internacional totalizando mais de 7 milhões de euros; e manter o mundo informado sobre a situação nas instalações nucleares da Ucrânia. (AIEA - 23.02.2023) 
Link Externo

AIEA: Diretor faz apelo sobre atraso na rotação da equipe em Zaporizhzhia

A rotação planejada dos três funcionários da Missão de Apoio e Assistência da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA) para Zaporizhzhia (ISAMZ) foi adiada por mais de duas semanas, com o Diretor Geral Rafael Mariano Grossi instando ambos os lados a ajudar a facilitar a mudança de especialistas em o site. Há funcionários do ISAMZ presentes na usina nuclear de Zaporizhzhia, com seis reatores, na Ucrânia, há quase seis meses. Nesse caso, os três especialistas ISAMZ - a quinta equipe na fábrica - estão lá desde o início de janeiro e devem ser substituídos por uma nova equipe há mais de quinze dias. Durante as rotações de pessoal, as equipes da AIEA precisam cruzar a linha de frente entre os territórios controlados pela Ucrânia e pela Rússia. (WNN - 21.02.2023) 
Link Externo

China: Governo pede que sanções contra o Irã sejam suspensas

O presidente da China, Xi Jinping, e seu colega iraniano, Ebrahim Raisi, pediram nesta quinta-feira a suspensão das sanções contra o Irã como parte integrante de um acordo internacional estagnado sobre seu programa nuclear. Xi também aceitou um convite de Raisi para visitar o Irã e o faria quando fosse conveniente, disseram os dois líderes em um comunicado conjunto no último dia de uma visita de Estado de três dias de Raisi à China. Xi visitou o Irã pela última vez em 2016 como parte de uma viagem ao Oriente Médio. Os líderes em sua declaração pediram a implementação do acordo nuclear de 2015 com o Irã, conhecido como Plano de Ação Conjunto Abrangente, sob o qual o Irã concordou com vários países, incluindo os Estados Unidos, para restringir seu programa nuclear em troca de alívio de sanções econômicas. (Reuters - 16.02.2023) 
Link Externo

Irã: Relatos de enriquecimento de urânio acima do permitido são falsos

O Irã negou relatos de que tenha enriquecido urânio a 84% de pureza, o que é próximo ao grau de armas, de 90%. "Até agora, não fizemos nenhuma tentativa de enriquecimento acima de 60%. A presença de partículas acima de 60% de enriquecimento não significa produção com enriquecimento acima de 60%", disse o porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã, Behrouz Kamalvandi, na segunda-feira. , segundo a agência oficial de notícias IRNA. A Bloomberg News informou no domingo que os monitores de vigilância nuclear da ONU detectaram na semana passada urânio enriquecido a 84%. Kamalvandi chamou o relatório de "calunioso" e disse que distorcia os fatos. (Reuters - 20.02.2023) 
Link Externo

Irã: Autoridades da AIEA farão visita a Teerã

Funcionários da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) visitarão Teerã nos próximos dias, disse o ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amirabdollahian, nesta quarta-feira. "No âmbito da conclusão das negociações, os funcionários da AIEA viajarão para Teerã nos próximos dias", disse o ministro durante uma coletiva de imprensa com seu homólogo iraquiano em Bagdá. "Esperamos que o diretor da AIEA, [Rafael] Grossi, chegue a um acordo com a Organização de Energia Atômica do Irã de um ponto de vista não político e técnico", acrescentou Amirabdollahian. A agência de notícias semioficial Tasnim do Irã havia relatado anteriormente que o chefe da Organização de Energia Atômica do Irã, Mohammad Eslami, disse que os inspetores da AIEA estavam em Teerã desde terça-feira e iniciaram negociações, visitas e verificações para resolver "ambiguidades criadas por um inspetor". (Reuters - 22.02.2023) 
Link Externo

Israel: Irã tem que ser impedido de obter armas nucleares

O Governo de Israel disse nesta sexta-feira (17/02) que "todos os meios possíveis" estão sobre a mesa para evitar que o Irã obtenha uma arma nuclear e exigiu que a comunidade internacional faça mais para impedir a proliferação de armas avançadas em Teerã. O órgão de vigilância nuclear das Nações Unidas criticou este mês o Irã por fazer uma mudança não declarada na interconexão entre os dois grupos de máquinas avançadas que enriquecem urânio até 60% de pureza, próximo ao grau de armas, em sua fábrica de Fordow. "Quando falamos em impedir o Irã de obter uma arma nuclear, devemos manter todos os meios possíveis - repito, todos os meios possíveis - sobre a mesa", disse o ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, falando em um evento ao lado de autoridades dos Estados Unidos. Emirates e Bahrein à margem da Conferência de Segurança de Munique. (Reuters - 17.02.2023) 
Link Externo

Hungria: Sanções à energia nuclear russa seriam prejudiciais

Sanções contra a Rússia por causa da energia nuclear prejudicariam os interesses da Hungria e não deveriam ser apresentadas pela União Europeia, disse o ministro das Relações Exteriores húngaro, Peter Szijjarto, nesta quarta-feira. A Hungria, que compra a maior parte de sua energia da Rússia, planeja expandir sua usina nuclear em Paks, com a russa Rosatom construindo dois reatores VVER com capacidade de 1,2 gigawatts cada, além dos quatro reatores atualmente em funcionamento. O país opôs-se à inclusão da energia nuclear nas sanções da UE contra a Rússia durante as discussões sobre um novo pacote de sanções. O pacote não incluiria sancionar o setor de energia nuclear da Rússia e colocar a Rosatom na lista, disseram diplomatas, porque vários países europeus, como a França, compram urânio da Rússia para seus reatores. (Reuters - 22.02.2023) 
Link Externo

Paquistão e AIEA: Colaboração nuclear para clima, alimentação e saúde

A República Islâmica do Paquistão e a AIEA aumentarão a colaboração em aplicações pacíficas de ciência e tecnologia nuclear, particularmente na agricultura e na medicina, em benefício do país e de seus vizinhos. Esse foi o resultado da viagem de dois dias do diretor-geral Rafael Grossi ao Paquistão, durante a qual ele se reuniu com a liderança do país – incluindo o primeiro-ministro e ministros das Relações Exteriores – e visitou várias instalações nucleares em todo o país, algumas das quais ele inaugurou. O Primeiro Ministro expressou seu desejo de fortalecer a colaboração com a AIEA na agricultura e medicina e seu apoio aos esforços da Agência para promover a paz e o desenvolvimento em todo o mundo. Os dois também discutiram segurança nuclear e proteção na Ucrânia, onde Grossi está defendendo esforços para estabelecer uma zona de proteção ao redor da Usina Nuclear de Zaporizhzhya, uma instalação assolada por desafios de segurança nuclear causados ​​pela guerra no país. (AIEA - 16.02.2023) 
Link Externo

Rússia e AIEA: Expectativa de progresso para zona de proteção em Zaporizhzhia

A Rússia e o órgão regulador nuclear da ONU disseram no dia 9 que esperam fazer progressos na criação de uma zona de segurança em torno da usina nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia, que sofreu bombardeios repetidos nos últimos meses. Alexei Likhachev, chefe da empresa nuclear estatal Rosatom, e o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, fizeram os comentários após uma reunião em Moscou. "Pode ser que o resultado dessas conversas muito importantes hoje nos dê uma chance de dar um passo mais perto de criar uma zona de segurança ao redor da usina nuclear de Zaporizhzhia", disse Likhachev após a reunião ao lado de Grossi. Rosatom divulgou um vídeo dos comentários dos dois homens. (Reuters - 09.02.2023) 
Link Externo

Sanções atrapalham abastecimento de central nuclear, e Rússia pressiona governo de Bangladesh

O embaixador de Bangladesh em Moscou foi convocado ao Ministério das Relações Exteriores da Rússia depois que várias embarcações russas foram proibidas de fazer escala em portos de Bangladesh, incluindo pelo menos um navio que transportava equipamentos para a usina nuclear de Rooppur em construção. Maria Zakharova, do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, disse em entrevista coletiva no início deste mês que como exemplo específico, podemos mencionar o incidente com o navio russo Ursa Major, que em dezembro de 2022, a pedido dos americanos, as autoridades de Bangladesh retiraram suas permissão previamente emitida para entrar no porto de Mongla. Por causa disso, a entrega de um lote de equipamentos para a usina nuclear de Rooppur em construção foi adiada por mais de um mês, o que em nada atende aos interesses do próprio lado de Bangladesh. (WNN - 22.02.2023) 
Link Externo

UE: Comissão rejeita planos de sanções a indústria nuclear da Rússia

A Comissão Europeia (CE) abandonou os planos de sancionar o setor nuclear da Rússia ou seus representantes em seu próximo pacote de sanções. A CE havia dito inicialmente que tentaria redigir sanções visando o setor nuclear civil da Rússia e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, havia instado a UE a pelo menos emitir sanções contra a Rosatom. Novas regras visam setores específicos, como aviação ou militar, enquanto restrições de vistos e congelamento de ativos são impostos a indivíduos e empresas. No entanto, nenhum inclui o setor nuclear, de acordo com rascunhos vistos pelo Politico e diplomatas da UE que falaram sob condição de anonimato. (NEI - 22.02.2023) 
Link Externo

Inovação Tecnológica

Canadá e Polônia: Reguladores vão cooperar no desenvolvimento de SMRs

Reguladores nucleares canadenses e poloneses estenderam sua cooperação sob um memorando recém-assinado sobre atividades conjuntas no campo de pequenos reatores modulares (SMRs), particularmente o BWRX-300. O pacto fará com que os reguladores expandam sua cooperação em atividades associadas a tecnologias avançadas e de pequenos reatores modulares, compartilhando as melhores práticas e experiências. Por isso, o acordo especifica que esta cooperação pode ​​se expandir para facilitar uma revisão técnica conjunta de projetos de reatores modulares avançados e pequenos, incluindo o BWRX-300. (WNN - 14.02.2023) 
Link Externo

ITER: Reator experimental de fusão recebe componente feito na Rússia

Uma bobina de campo poloidal – o maior componente sendo produzido na Rússia para o projeto multinacional de fusão, já está na França para instalação final no ITER, o Reator Termonuclear Experimental Internacional. As peças já estão no canteiro de obras para a montagem. A bobina de campo poloidal PF1 deixou o porto de São Petersburgo, na Rússia, em 1º de novembro, navegando para a França, antes de viajar por estradas ao longo de uma rota selecionada para o transporte de cargas de tamanho gigante. O ITER é um grande projeto internacional para construir um dispositivo de fusão Tokamak em Cadarache, na França, projetado para provar a viabilidade da fusão como uma fonte de energia livre de carbono e em larga escala. O objetivo do ITER é operar a 500 MW (por pelo menos 400 segundos continuamente) com 50 MW de entrada de energia de aquecimento de plasma. Parece que 300 MWe adicionais de entrada de eletricidade podem ser necessários em operação. (Petronotícias 14.02.2023) 
Link Externo

NANO Nuclear Energy: Formação de subsidiária focada em HALEU

Dias depois de arrecadar US$ 4,14 milhões para pesquisa e desenvolvimento de seu microrreator nuclear avançado portátil ZEUS, a NANO Nuclear Energy Inc formou uma subsidiária para desenvolver, melhorar e acelerar a produção doméstica de urânio enriquecido de baixo teor (HALEU) nos Estados Unidos (EUA). A HALEU Energy Fuel Inc. se concentrará no desenvolvimento futuro de um oleoduto doméstico de fabricação de combustível HALEU para a indústria mais ampla de reatores nucleares avançados, um suprimento de combustível de laboratório nacional e o fornecimento de combustíveis fabricados para fins de pesquisa. Além disso, a produção da subsidiária desempenhará um papel crucial no fornecimento de energia pelo reator ZEUS (WNN - 20.02.2023) 
Link Externo

Ontario Tech: Universidade lança projeto de montagem subcrítica no Canadá

A Ontario Tech University iniciou atividades de pré-licenciamento para uma nova instalação, que será única no Canadá, para apoiar seus programas de graduação em engenharia nuclear e para pesquisa aplicada em engenharia nuclear. Uma montagem subcrítica - às vezes chamada de "reator de ensino" - é baseada nos mesmos princípios da ciência nuclear dos reatores nucleares críticos, mas permanece em um estado subcrítico, contando com uma fonte externa de nêutrons para sustentar a reação em cadeia da fissão nuclear. Ao contrário de uma usina nuclear, que opera em um estado crítico onde a reação nuclear em cadeia é autossustentável, uma montagem subcrítica não pode sustentar uma reação em cadeia por conta própria e para de operar a menos que a fonte externa de nêutrons seja fornecida proativamente. (WNN - 23.02.2023) 
Link Externo

Okapi: Investimento em tecnologia inovadora de enriquecimento de urânio

A Okapi, com sede em Perth, Austrália Ocidental, anunciou em janeiro que concordou em se tornar um "acionista fundamental" da Ubaryon Pty Ltd, uma empresa privada australiana que está desenvolvendo e comercializando uma nova tecnologia de enriquecimento de urânio. A partir disso, Okapi Resources planeja usar os recursos de um levantamento de fundos de US$ 5,1 milhões para investir em tecnologia de enriquecimento de urânio baseada na separação química de isótopos naturais, bem como para o avanço de seus projetos de urânio na América do Norte. (WNN - 20.02.2023) 
Link Externo

SCK-CEN: Drones de detecção de radiação são testados na Bélgica

Vôos de teste de drones equipados com equipamentos para identificar e medir a radiação emitida por uma fonte de pluma foram realizados no local de Mol do Centro de Pesquisa Nuclear da Bélgica (SCK-CEN). Outros voos de teste estão planejados para o final deste ano para provar uma nova e precisa técnica de medição. Em outubro do ano passado, uma equipe do Canadian Nuclear Laboratories (CNL) conduziu uma grande campanha de testes de drones no reator BR-1 em Mol como parte de uma colaboração com o SCK-CEN. Mais do que simplesmente rastreamento e medição de plumas aéreas, este projeto explorou o uso de drones para identificar e medir a radiação emitida pela fonte da pluma. (WNN - 16.02.2023) 
Link Externo

Westinghouse: Licenciamento conjunto para microrreator nos EUA e Canadá

A Westinghouse Electric Company apresentou um Aviso de Intenção para enviar os relatórios de licenciamento de seu microrreator eVinci à Comissão de Regulamentação Nuclear dos EUA (NRC) e à Comissão de Segurança Nuclear do Canadá (CNSC). Isso porque a NRC e a CNSC assinaram um Memorando de Cooperação em 2019 para facilitar análises técnicas conjuntas de tecnologias nucleares avançadas. Segundo a Westinghouse, os tópicos do relatório para revisão conjunta incluem um conjunto comum de requisitos-chave para a classificação de sistemas, estruturas e componentes para o microrreator eVinci. (NEI - 23.02.2023) 
Link Externo

Empresas

Eletrobras: Liberação de quadros para a ENBPar

Um parecer obtido pela diretoria da Eletrobras considera a Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional (ENBPar) como sucessora da ex-estatal em questões jurídicas e trabalhistas, o que pode abrir espaço para a transferência de funcionários sem a necessidade de concurso público. O parecer proferido por uma consultoria contratada pela Eletrobras não só confirma a tese defendida em uma ação judicial que o Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Energia do Rio de Janeiro e Região (Sintergia/RJ) move contra a companhia recém-privatizada como cria uma saída mais econômica para ela. A Eletrobras pretende realizar entre abril e maio um novo plano de demissão voluntária (PDV) – o último ocorreu em dezembro do ano passado. Caso o sindicato tenha sentença favorável na ação civil coletiva, a Enbpar pode receber até cerca de 500 funcionários da ex-estatal por meio de uma simples transferência. (Valor Econômico - 14.02.2023) 
Link Externo

CEZ: Modernização de usinas nucleares na República Tcheca

A empresa tcheca de energia ČEZ está fazendo investimentos nas usinas nucleares de Dukovany e Temelín para permitir sua operação a longo prazo. Sob um contrato recém-anunciado, os especialistas em engenharia da Framatome redesenharão, fabricarão, validarão e instalarão os novos testadores Spinline nas unidades Dukovany. Além disso, todas as quatro unidades também estão mudando para ciclos de combustível de 16 meses. (WNN - 15.02.2023) 
Link Externo

CNECC: Instalação de cúpula da usina Zhangzhou, na China

A China Nuclear Engineering and Construction Corporation (CNECC), anunciou que foi instalada a cúpula externa de aço da usina nuclear de Zhangzhou, na província chinesa de Fujian. Zhangzhou 1 é a primeira de duas unidades Hualong One sendo construídas no local, programadas para entrar em operação comercial em 2024 e 2025, respectivamente. A cúpula – medindo 55 metros de diâmetro, 13 metros de altura e pesando cerca de 420 toneladas – foi içada no topo do prédio de contenção usando um guindaste de 3.200 toneladas em 17 de fevereiro. A CNECC – uma subsidiária da China National Nuclear Corporation (CNNC) – disse que sua instalação marca “a conclusão da construção da estrutura principal da unidade e para subsequentes testes de instalação a frio e conexão à rede. Uma base sólida foi lançada para geração de energia e um passo sólido foi dado na construção em lote de Hualong One”. (Petronotícias - 22.02.2023) 
Link Externo

Clean Core: Combustível nuclear alternativo passará por revisão regulatória

A Clean Core Thorium Energy e a Canadian Nuclear Safety Commission (CNSC) iniciaram a fase de planejamento de uma revisão de pré-licenciamento do combustível de tório e urânio de baixo enriquecimento (HALEU) da Clean Core. A empresa de inovação de combustível com sede em Chicago está desenvolvendo combustível ANEEL (Advanced Nuclear Energy for Enriched Life) para uso em água pesada pressurizada e reatores Candu. A empresa também está colaborando com a empresa norte-americana Centrus como fornecedora da HALEU. O combustível avançado de alta queima pode melhorar as características de tolerância a acidentes e economia de reatores de água pesada, reduzindo a quantidade de resíduos gerados em até 87,5%, diz a empresa, e é resistente à proliferação. (WNN - 15.02.2023) 
Link Externo

Constellation: Plantas suspensas de Illinois serão atualizadas

A concessionária norte-americana Constellation anunciou que investirá US$ 800 milhões em novos equipamentos para aumentar a produção de suas usinas nucleares de Braidwood e Byron em Illinois em cerca de 135 MWe. Nesse caso, o trabalho nas atualizações será realizado em etapas durante as interrupções programadas para reabastecimento. De acordo com a Constellation, espera-se ver um aumento da produção nas fábricas já em 2026, com a produção totalmente atualizada disponível até 2029. (WNN - 22.02.2023) 
Link Externo

EDF: Prejuízo recorde devido a interrupções de reatores na França

A EDF da França registrou perdas anuais recordes de US$ 19,0 bilhões para 2022, em grande parte devido a interrupções do reator de energia nuclear em sua frota francesa para trabalhos de manutenção e reparo. Na França, a produção nuclear da estatal EDF caiu 30% em 2022, para 279 TWh, já que mais da metade de seus 56 reatores foram desligados para reparos adiados devido à pandemia de Covid-19. Além disso, foram identificados os 16 reatores mais afetados por problemas de corrosão sob tensão, 10 dos quais já foram ou estão sendo reparados. No entanto, a produção da frota de reatores da empresa no Reino Unido aumentou no ano passado. (WNN - 17.02.2023) 
Link Externo

Fortum: Empresa recebe extensão de licença para usina de Loviisa

O governo finlandês concedeu à Fortum uma extensão da licença de operação da usina nuclear Loviisa de duas unidades, permitindo que a usina continue gerando energia até o final de 2050. Segundo MEAE em um comunicado, na opinião do governo é fundamental continuar as operações da usina de Loviisa por razões de segurança do fornecimento de eletricidade na Finlândia. Esta usina foi a primeira usina nuclear na Finlândia e atualmente fornece mais de 10% da eletricidade do país. (WNN - 16.02 
Link Externo

JESS: Solicitação para construção de nova usina nuclear na Eslováquia

A Jadrová Energetická Spoločnosť Slovenska (JESS) apresentou um pedido à Autoridade Reguladora Nuclear da Eslováquia (ÚJD) para uma licença de instalação para uma nova usina nuclear perto da atual usina de Bohunice em Jaslovské Bohunice, uma pequena vila no oeste da República Eslovaca. JDe acordo com a JESS, ela apresentou o pedido de licença de localização - compreendendo quase 2.500 páginas - em 15 de fevereiro, juntamente com os requisitos para a qualidade de uma instalação nuclear e a proposta para os limites da instalação nuclear para o novo projeto de recursos nucleares (NJZ). Além dos requisitos de qualidade, o aplicativo também aborda as questões do relatório de segurança de comissionamento, a intenção do projeto para a solução físico-técnica, o método de manuseio de resíduos radioativos e resíduos nucleares usados combustível, o tamanho da zona de planejamento de emergência e a avaliação do impacto no meio ambiente. (WNN - 20.02.2023) 
Link Externo

Southern Company: Revisão de unidades Vogtle é adiada

De acordo com Tom Fanning, CEO da Southern Company, mais tempo foi incorporado aos cronogramas de ambas as unidades Vogtle para preparar-se frente a problemas inesperados. Com isso, a unidade 3 desta usina está prevista para entrar em serviço em maio ou junho e a unidade 4 no final deste ano ou início de 2024. Em janeiro, a subsidiária do sul, Georgia Power, já havia notificado a Securities and Exchange Commission dos EUA que a criticidade inicial do Vogtle 3 seria atrasada depois que vibrações no sistema de resfriamento da planta foram encontradas durante o teste de inicialização e pré-operacional. (WNN - 17.02.2023) 
Link Externo

Westinghouse: Construção da primeiro usina nuclear de Polônia

A Polskie Elektrownie Jądrowe (PEJ) e a Westinghouse assinaram um contrato iniciando atividades conjuntas que levarão à preparação do projeto da primeira usina nuclear na Polônia. Em novembro de 2022, o governo polonês selecionou a Westinghouse para a primeira usina nuclear do país, ao estabelecer um plano ambicioso para adotar a energia nuclear no país. No mês seguinte, as empresas assinaram um acordo estabelecendo os próximos passos, incluindo layout do local, licenciamento e suporte de licenciamento, contratos de serviços de engenharia e serviços de planejamento de aquisição e construção. (WNN - 22.02.2023) 
Link Externo

Estudos

AIEA: Relatório fornece perspectiva global sobre dispositivos de fusão nuclear

Ao longo dos anos, vários dispositivos experimentais de fusão foram projetados e construídos, incluindo tokamaks, stellarators e tecnologia baseada em laser, para promover a promessa de energia de fusão e um dia transformar drasticamente a maneira como geramos energia. Para revisar a multiplicidade de dispositivos, que atualmente já são de mais de 130 tipos, a AIEA publicou um novo relatório World Survey of Fusion Devices 2022, que elabora ainda mais as informações disponíveis no banco de dados online da AIEA chamado Fusion Device Information System (FusDIS). O novo relatório dedica cada capítulo a uma classe de design diferente, fornecendo detalhes como nome, status, propriedade, país anfitrião e organização com breves descrições dos objetivos e principais recursos do dispositivo. Ele também fornece estatísticas sobre publicações, financiamento e outros parâmetros que ajudam a criar uma imagem abrangente da situação dos esforços globais de fusão. (AIEA - 20.02.2023) 
Link Externo

Nuclear Energy: Combustível Lightbridge oferece opção de gerenciamento de Plutônio

Um estudo usando uma variante do Lightbridge Fuel em que a liga de urânio-zircônio foi substituída por uma composição equivalente de plutônio-zircônio. Este estudo descobriu que a variante de combustível de disposição de plutônio Lightbridge consumia cerca de 5,5 vezes mais plutônio por barra de combustível do que o combustível de óxido misto (MOX). A pesquisa foi publicada na Nuclear Technology, em um artigo intitulado ”'Improved Disposition of Surplus Weapons-Grade Plutonium Using a Metallic Pu-Zr Fuel Design”, co-autoria de Braden Goddard, do Departamento de Engenharia Mecânica e Nuclear da Virginia Commonwealth University, e Aaron Totemeier, consultor sênior de combustível nuclear da Lightbridge. (WNN - 13.02.2023) 
Link Externo

Eventos

AIEA: Série de webinars sobre implementação de salvaguardas

A AIEA lançará uma nova série de webinars em fevereiro com foco em questões de implementação de salvaguardas. A nova série, voltada para profissionais de salvaguardas, baseia-se nos webinars interativos organizados pela AIEA em 2022. O primeiro webinar em 23 de fevereiro apresentará a série, destacando a importância de fortes estruturas legais nucleares, com referência específica a acordos e regulamentos de salvaguardas. A série de quatro webinars se concentrará na estrutura legal e regulatória, assistência da AIEA aos Estados, informações de projeto e contabilidade de material nuclear. Os temas serão: quadro legal e regulatório, assistência da AIEA aos Estados, informações de projeto e contabilidade de materiais nucleares. Os tópicos para 2023 foram identificados com base nas áreas de interesse geral e no feedback da série anterior. (AIEA - 21.02.2023) 
Link Externo

AIEA: Conferência internacional para regulação nuclear

Mais de 600 participantes de 95 Estados membros da AIEA e quatro organizações internacionais se reuniram em Abu Dhabi esta semana na Conferência Internacional sobre Regulamentação Nuclear e de Radiação Eficaz Sistemas, com o objetivo de apoiar desenvolvimentos na regulação do uso das tecnologias nucleares em uma das maiores conferências de reguladores nucleares e de radiação do mundo. Os participantes trocaram práticas regulatórias, como estratégias para o envolvimento do público e das partes interessadas durante o processo regulatório, técnicas sustentáveis ​​de capacitação e programas regulatórios relacionados ao ciclo de vida completo de instalações nucleares e de radiação. A conferência de quatro dias, organizada pela AIEA e sediada pelo Governo dos Emirados Árabes Unidos (EAU), é a sexta de uma série de conferências sobre sistemas eficazes de regulamentação nuclear e de radiação nos últimos 17 anos. (AIEA - 13.02.2023) 
Link Externo