IFE
25/10/2023

IFE Diário 5.831

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e Sérgio Silva
Pesquisador: Rubens Rosental
Assistentes de pesquisa: Ana Eduarda Oliveira, Bruno Elizeu, Gabriela Mesquita de Vasconcelos, Gustavo Rodrigues Esteves, Maria Luísa Michilin, Paulo Giovane e Sofia Paoli

IFE
25/10/2023

IFE nº 5.831

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e Sérgio Silva
Pesquisador: Rubens Rosental
Assistentes de pesquisa: Ana Eduarda Oliveira, Bruno Elizeu, Gabriela Mesquita de Vasconcelos, Gustavo Rodrigues Esteves, Maria Luísa Michilin, Paulo Giovane e Sofia Paoli

Ver índice

IFE Diário 5.831

Regulação

GESEL: convite para associado honorário da ABSAE

O Gesel foi convidado para ser associado honorário da ABSAE (Associação Brasileira de Soluções de Armazenamento de Energia). A Associação é uma pessoa jurídica de direito privado, de âmbito nacional, sem fins lucrativos e que tem o objetivo de promover o armazenamento de energia como uma solução para o setor elétrico brasileiro. (GESEL-IE-UFRJ - 24.10.2023) 
Link Externo

Silveira vai à Venezuela para negociar importação de energia para Roraima

O Ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, cumpre agenda na Venezuela com intuito de acelerar as negociações para a retomada da importação de energia elétrica do país vizinho para abastecer Roraima. Nesta segunda-feira, Silveira se reuniu com Nestor Luis Reverol Torres, ministro del Poder Popular para la Energia Eléctrica, em Caracas. Na terça, 24, participou de inspeção técnicas das instalações de geração e transmissão da usina hidrelétrica de Guri. Silveira falou sobre a viagem na última sexta-feira, 20. Segundo ele, pelas informações que o governo brasileiro tem até o momento, acredita ser possível restabelecer a parceria dentro de 30 dias. Contudo, afirmou que tudo será feito com acompanhamento dos órgãos setoriais. (Broadcast Energia - 23.10.2023) 
Link Externo

Agentes temem que PDL do sinal locacional avance em reunião com baixo quórum

A Comissão de Infraestrutura do Senado está avaliando o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 365/2022, que visa sustar resoluções técnicas da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) relacionadas ao sinal locacional, suscitando desconfiança em partes do setor elétrico. Essas resoluções alteraram a forma de rateio do custo do sistema de transmissão de energia, gerando descontentamento entre alguns geradores, principalmente os que dependem de subsídios. Por outro lado, houve uma redução nos custos para a energia gerada próximo aos locais de consumo, beneficiando regiões como Norte e Nordeste, com grande presença de projetos de energia renovável. Contudo, a iniciativa do Legislativo aumenta a percepção de risco no setor, pois invalida normas técnicas aprovadas pela Aneel após debate com os agentes, sendo vista como uma intervenção em um tema técnico bem conduzido pela agência reguladora. O projeto segue para a Comissão de Constituição e Justiça, podendo se tornar lei ordinária caso não haja um requerimento assinado por nove senadores pedindo sua apreciação em plenário. (Broadcast Energia - 23.10.2023)
Link Externo

Aneel reduz pela metade multas de R$ 460 mi de subsidiárias da Eletrobras

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reduziu pela metade as multas aplicadas à CGT Eletrosul, Eletronorte e Chesf, subsidiárias da Eletrobras, totalizando quase R$ 460 milhões. As penalidades foram relacionadas à caducidade de concessões de transmissão não implementadas. A Aneel alterou a dosimetria das multas, reduzindo de 10% para 5% do investimento previsto no contrato. A maior multa, originalmente R$ 365,371 milhões para a Eletrosul, foi reduzida para R$ 182,685 milhões. A decisão também permite um desconto de 25% se o pagamento for feito em até 20 dias. As multas serão atualizadas pelo IPCA até o pagamento ou execução das garantias. (CanalEnergia - 23.10.2023)
Link Externo

Transição Energética

Descarbonização e modernização industrial são prioridades do governo

O vice-presidente e também ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, declarou que o foco do governo está na descarbonização da economia e no lançamento de um programa para a modernização dos equipamentos industriais. A principal ação do governo para reduzir os gases de efeito estufa é o combate ao desmatamento, que, de acordo com Alckmin, não é realizado por agricultores, mas sim por grileiros.(Valor Econômico - 24.10.2023)
Link Externo

Governo intensifica ações de combate às mudanças climáticas

O governo atual está intensificando as ações de combate às mudanças climáticas, com 19 ministérios envolvidos em alguma capacidade. O Ministério da Fazenda é um dos principais atores, com o ministro Fernando Haddad apresentando o Plano de Transformação Ecológica ao presidente. Este plano, contém mais de cem ações para "descarbonizar" a economia brasileira e impulsionar o crescimento econômico, abrange desde obras do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) até medidas regulatórias para setores específicos. Embora a maioria das medidas ainda esteja no papel, a dependência do Brasil em fontes renováveis de energia já coloca o país em uma posição vantajosa. (Valor Econômico - 24.10.2023)
Link Externo

Ministérios atuam em conjunto para reduzir emissões

Vários ministérios têm iniciativas para combater as mudanças climáticas, incluindo a criação da Procuradoria Nacional de Defesa do Clima e do Meio Ambiente pela AGU, uma força-tarefa do Ministério da Defesa que reduziu o garimpo ilegal no Território Yanonami em 80%, apoio do Ministério das Cidades para atualização de planos diretores municipais, criação do Programa Combustível do Futuro pelo Ministério de Minas e Energia, e a expansão do Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, Comunicadores e Ambientalistas pelo Ministério Direitos Humanos e da Cidadania. Gustavo Pinheiro, do Instituto Clima e Sociedade, elogia o avanço do PL do mercado de carbono e a redução do desmatamento na Amazônia, mas critica que 61% dos recursos do PAC para energia estão ligados a combustíveis fósseis. (Valor Econômico - 24.10.2023)
Link Externo

Plano de transformação ecológica do governo tem custo reduzido

O Ministério da Fazenda planeja divulgar os custos do Plano de Transformação Ecológica até o final do ano, mas espera que o impacto no orçamento federal seja pequeno, pois a maioria das propostas pode ser financiada com recursos internacionais ou privados ou implementada por meio de mudanças regulatórias. O Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima tem se destacado pelo recuo de cerca de 50% no desmatamento da Amazônia de janeiro a setembro de 2023, em comparação com o mesmo período de 2022. O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação também é notável, planejando investir R$ 200 milhões em um supercomputador para melhorar a capacidade do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais de prever eventos climáticos extremos, com recursos provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (Valor Econômico - 24.10.2023)
Link Externo

IFC destaca potencial do Brasil para liderar a transição energética

O economista senegalês Makhtar Diop, diretor-geral da IFC, braço de investimentos privados do Grupo Banco Mundial. Segundo Diop, o Brasil possui um grande mercado interno e um setor privado vibrante. Além disso, o país tem potencial para se beneficiar da transição energética devido à sua matriz energética verde existente, que pode ser utilizada para produzir produtos verdes. Diop enfatiza que “não dá para falar de mudança climática sem falar do Brasil”. Ele também menciona que a IFC destinou mais de US$ 14 bilhões para investimentos relacionados ao clima no ano fiscal encerrado em junho, um recorde para a organização. (Valor Econômico - 24.10.2023)
Link Externo

AIE: demanda de petróleo, carvão e gás natural deve atingir pico até 2030

A demanda das três categorias de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) deverão atingir um pico até 2030, é o que avalia a Agência Internacional de Energia (AIE), em seu novo relatório de perspectivas para a energia global, divulgado hoje. "Juntamente com a implantação de alternativas de baixas emissões, o ritmo a que novos ativos que utilizam combustíveis fósseis estão sendo ao sistema energético abrandou". Segundo o documento, entretanto, ainda sim os projetos de energia limpa enfrentam "obstáculos" nos mercados devido à inflação dos custos, gargalos na cadeia de oferta e custos de financiamento mais elevados. De acordo com a análise, o fim da era de crescimento dos combustíveis fósseis não significa o fim do investimento, "mas enfraquece a justificação para qualquer aumento nas despesas". (Broadcast Energia - 23.10.2023) 
Link Externo

Empresas

Petrobras: Conselho da empresa propõe revisão de estatuto social

A Petrobras anunciou que o Conselho de Administração aprovou a revisão de alguns pontos em seu estatuto social. Uma das alterações mais polêmicas é referente à indicação de pessoas para a alta administração da companhia. Segundo a Petrobras, os objetivos dessa revisão residem na eliminação de vedações de indicações - previstas na Lei das Estatais - que podem ser consideradas inconstitucionais. A proposta, então, contemplaria casos de conflitos de interesses reconhecidos em lei. Para outros pontos, seriam respeitados os critérios do dispositivo legal para cargos em empresas controladas pelo Estado. A mudança, no entanto, não foi bem percebida pelos investidores, que estão interpretando a medida como uma brecha para indicações políticas na empresa, e as ações da companhia expressaram queda acentuada. (Petronotícias - 21.10.2023)
Link Externo

Engie critica PDL que pode interferir na Aneel

O presidente da Engie Brasil Energia, Eduardo Sattamini, está preocupado com o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 365 de 2022, que visa revogar as resoluções da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre o "sinal locacional". Este sinal faz com que os consumidores paguem um valor proporcional ao seu consumo de energia. Atualmente, a energia gerada no Norte e Nordeste paga o maior "pedágio" por ter que percorrer distâncias maiores até os consumidores finais no Sul e Sudeste. Se o PDL for aprovado, beneficiará as empresas geradoras do Norte e Nordeste. No entanto, a intervenção do Congresso em questões técnicas pode criar incertezas regulatórias para os investidores e enfraquecer a independência das agências reguladoras. (Valor Econômico - 24.10.2023)
Link Externo

Cemig: Empresa destinará recursos para projetos de eficiência energética

A chamada pública da Cemig aprovou 17 propostas de eficiência energética que receberão recursos de R$ 17,7 milhões. O montante será utilizado em melhorias para reduzir desperdícios e estimular a geração sustentável de energia. Entre as iniciativas, destacam-se a instalação de plantas fotovoltaicas para o segmento da saúde, melhora da eficiência da iluminação pública e modernização de motores de bombeamento de água e de sistemas de refrigeração. Segundo a companhia, a previsão é que esses compromissos poderão resultar em uma economia anual de 7.552,17 MWh. (CanalEnergia - 23.10.2023)
Link Externo

CUBi Energia: Startup lidera ranking de atratividade corporativa

A CUBi Energia lidera o Ranking 100 Open Startups 2023, que avalia as startups mais atraentes para o mercado corporativo do país. Essa é a quarta liderança consecutiva da startup de gestão de energia na categoria de EnergyTechs, que contou com 171 startups validadas em open innovation, 7% a mais do que no ano anterior. A Clarke Energia e a Sinapsis Inovação em Energia completam o TOP 3. O ranking é baseado num sistema de pontuação que mede a quantidade e o tipo de relações de inovação aberta firmadas com corporações. Os setores que mais se relacionaram com essas startups foram “Energia Elétrica e Renováveis”, com 11,6% dos relacionamentos, seguida por “Petróleo e Gás” (7,2%) e “Serviços Profissionais” (6,9%). (CanalEnergia - 23.10.2023)
Link Externo

Oferta e Demanda de Energia Elétrica

CCEE: PLD segue no piso regulatório de R$ 69,04 por MWh em todo o País

O Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) médio diário inicia mais uma semana no piso regulatório, de R$ 69,04 por megawatt-hora (MWh), segundo informações da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). O valor não apresenta oscilações ao longo do dia em todo o Sistema Interligado Nacional (SIN), de forma que os PLDs médios, mínimos e máximos coincidem em todos os submercados do País. (Broadcast Energia - 23.10.2023) 
Link Externo

Região Norte diminui 0,3 p.p e opera com 63,2% da capacidade

Região Norte diminui 0,3 p.p e opera com 63,2% da capacidade A Região Norte apresentou redução de 0,3 ponto percentual, no último domingo, 22 de outubro, segundo o boletim do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O subsistema está operando com 63,2% da capacidade. A energia armazenada mostra 9.668 MW mês e a ENA aparece com 1.256 MW med, o mesmo que 59% da MLT. A UHE Tucuruí segue com 44,79%. O subsistema do Nordeste teve queda de 0,2 p.p e opera com 62% da sua capacidade. A região Sudeste e Centro-Oeste diminuiu 0,1 p.p e está com 70,2%. A Região Sul baixou 0,1 p.p e está operando com 88,2% da capacidade. (CanalEnergia - 23.10.2023) 
Link Externo

AIE: tensões no Oriente Médio podem gerar perturbações nos mercados e preços de energia

A Agência Internacional de Energia (AIE) avalia que as pressões imediatas da crise global de energia diminuíram, mas a instabilidade no Oriente Médio poderá levar a novas perturbações nos mercados e preços da energia. “A continuação dos combates na Ucrânia, mais de um ano após a invasão da Rússia, é agora acompanhada pelo risco de um conflito prolongado no Oriente Médio. O clima macroeconômico é pessimista, com uma inflação persistente, custos de financiamento mais elevados e níveis de dívida elevados”, indica a instituição, em seu relatório de perspectivas energéticas globais de 2023, divulgado hoje. (Broadcast Energia - 23.10.2023) 
Link Externo

Mobilidade Elétrica

CPFL Energia: Empresa investe em P&D para mobilidade elétrica

A CPFL Energia está investindo cerca de R$ 45 milhões até 2024 em projetos de Pesquisa e Desenvolvimento com recursos do PDI ANEEL e Capex da empresa. Os projetos auxiliarão o mercado a explorar modelos de negócios em mobilidade elétrica e contribuirão para sua expansão no Brasil. Segundo o diretor de Estratégia e Inovação do grupo, Bruno Monte, as iniciativas de P&D nessa modalidade tornam o negócio ainda mais sustentável e econômico. "Investimentos nesse sentido aumentam a eficiência operacional das distribuidoras do grupo e ajudam a empresa a manter seu protagonismo nas transformações no setor elétrico", disse o executivo. Propostas em andamento também incluem a parceria com o CPQD e a BYD na reciclagem de baterias para aplicações em fontes renováveis, serviços auxiliares e outros sistemas de armazenamento. (Broadcast Energia - 23.10.2023)
Link Externo

Mitsubishi vai investir 200 mi de euros em veículos elétricos da Renault

A Mitsubishi Motors tem planos de encerrar a produção de veículos na China devido a vendas insatisfatórias e uma competição mais intensa no país. A montadora japonesa pretende reestruturar sua parceria com a Guangzhou Automobile Group. A Guangzhou Automobile comprará a participação da Mitsubishi na empresa conjunta e usará isso para aumentar a produção dos veículos elétricos da marca Aion. Além disso, a Mitsubishi anunciou um investimento de até 200 milhões de euros na Ampere, uma empresa de veículos elétricos da Renault, como parte dos esforços para fortalecer sua aliança com a empresa francesa. (Valor Econômico - 24.10.2023)
Link Externo

Energias Renováveis

Cemig construirá usina solar de 10 MW em autoprodução para Laticínios Porto Alegre

A Cemig firmou um contrato com a Laticínios Porto Alegre para a construção de uma usina solar fotovoltaica de 10 megawatts em Três Marias, MG, em uma área de 22 hectares. Os detalhes financeiros não foram divulgados. Este projeto de autoprodução de energia irá gerar cerca de 3 megawatts médios, suficientes para abastecer aproximadamente 70% do consumo elétrico das instalações da Laticínios Porto Alegre. Os 30% restantes serão adquiridos no mercado livre através da comercializadora da Cemig. A iniciativa permitirá à empresa de laticínios reduzir custos com eletricidade, ao mesmo tempo em que promove a geração de energia de forma independente e sustentável. Os detalhes sobre a economia de custos não foram divulgados. (Broadcast Energia - 23.10.2023)  
Link Externo

Preços abaixo do custo da produção de cana podem impactar no fornecimento de álcool no Brasil

O mercado de álcool combustível no Brasil enfrenta iminente aumento de impacto devido a um desequilíbrio econômico que afeta os produtores de cana-de-açúcar. Estudos da Organização das Associações de Produtores de Cana-de-Açúcar do Brasil (ORPLANA) revelam que, na safra 2023/2024, os modelos de comercialização não estão remunerando adequadamente, resultando em prejuízos de R$ 17,3 por tonelada de cana. Este cenário reflete a urgência de revisão do modelo Consecana e evidencia a disparidade entre os lucros das usinas e os custos dos produtores. A ORPLANA busca alternativas de remuneração e, caso não haja a devida revisão, considera recorrer ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica. (Petronotícias - 23.10.2023)
Link Externo

GE vê melhorias no negócio de energia renovável

A General Electric Co. (GE) aumentou suas previsões de lucro e fluxo de caixa livre para o ano, com a recuperação da demanda por viagens aéreas compensando o desempenho de seu negócio aeroespacial. O CEO, Larry Culp, destacou o "crescimento rápido" nas operações de aviação da GE, impulsionado por uma demanda robusta e uma execução sólida. As melhorias no negócio de energia renovável foram apontadas como um "sinal encorajador de progresso". A GE planeja uma cisão da GE Vernova, de geração de energia e de energia renovável, prevista para o segundo trimestre de 2024. (Valor Econômico - 24.10.2023)
Link Externo

Gás e Termelétricas

Petrobras: Programa RefTop reduziu consumo de gás natural em 25,4% nas refinarias

A Petrobras informou hoje que as refinarias da estatal registraram em setembro um resultado histórico em eficiência energética, chegando ao patamar de 101 pontos no índice que mede o consumo específico de energia. De acordo com a estatal, a otimização da intensidade energética no parque de refino no período representou uma redução do consumo de gás natural de 25,4%, quando comparado ao consumo de 2020, antes da implantação do programa RefTOP. No ano, o acumulado chegou a 103,8 pontos, informou a companhia. "Esse dado indica uma redução da emissão de gases do efeito estufa equivalente a mais de 75 mil ônibus urbanos circulando cinco dias por semana", disse a Petrobras em nota. (Broadcast Energia - 23.10.2023) 
Link Externo

Secretaria de Energia do Rio assina Memorando de Entendimento com a Associação Brasileira de Energia Nuclear

A Secretaria de Energia e Economia do Mar (SEENEMAR) e a Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN) firmaram um Memorando de Entendimento no Palácio Guanabara, visando impulsionar o desenvolvimento e identificar as necessidades do setor de energia nuclear. Este acordo promoverá a troca de informações para aprimorar o ambiente de negócios e a oferta de energia. Destaca-se que a geração de energia nuclear desempenha um papel crucial no Programa Nuclear Brasileiro, trazendo benefícios significativos para o Rio de Janeiro e para o país em geral. Além do setor energético, a energia nuclear possui relevância em diversas outras áreas, como medicina, indústria, preservação ambiental, agricultura, proteção do patrimônio cultural, e avanços na propulsão naval e espacial. O estado do Rio de Janeiro concentra um conjunto diversificado de entidades e empresas ligadas à indústria nuclear, incluindo a Eletronuclear, Indústrias Nucleares do Brasil (INB), Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A. (NUCLEP), Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e institutos de pesquisa associados, reforçando sua posição como centro vital no desenvolvimento e regulação deste setor. (Petronotícias - 23.10.2023)
Link Externo

Italiana Eni firma acordo de 27 anos com QatarEnergy para receber gás natural liquefeito

A Eni assinou um contrato de longo prazo com a QatarEnergy para o desenvolvimento do projeto North Field East no Catar, para a entrega de até 1,5 bilhão de metros cúbicos por ano de gás natural liquefeito. Os volumes disponíveis serão entregues no terminal FSRU Italia, localizado em Piombino, na Itália, que entregas previstas para começar em 2026, com duração de 27 anos, diz a companhia italiana em comunicado. (Broadcast Energia - 23.10.2023) 
Link Externo

Chevron compra Hess, apostando na demanda por combustíveis fósseis

A Chevron comprou a empresa americana de petróleo e gás Hess por US$ 53 bilhões, em um negócio totalmente em ações, reforçando a crença de que a demanda por combustíveis fósseis permanecerá forte nas próximas décadas. A aquisição dá à Chevron uma base na Guiana, onde ocorreu a maior descoberta de petróleo da última década. Apesar da incerteza no setor de petróleo e gás, com os países desenvolvidos buscando reduzir drasticamente sua dependência de combustíveis fósseis, Chevron e ExxonMobil apostam na resiliência da demanda por petróleo e gás a longo prazo, em contraste com empresas europeias como BP e TotalEnergies, que estão investindo mais rapidamente em energias renováveis. (Valor Econômico - 24.10.2023)
Link Externo

Mercado Livre de Energia Elétrica

Abraceel envia propostas para aperfeiçoar comercialização varejista

A Associação Brasileira de Comercialização de Energia (Abraceel) apresentou suas propostas na Consulta Pública 28/2023 da Agência Nacional de Energia Elétrica para aprimorar a modalidade de comercialização varejista de energia. Com a abertura do mercado para consumidores de menor porte, a Abraceel destaca a importância de garantir uma transição eficaz. Entre as propostas, destaca-se o papel central da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica na gestão das informações relacionadas à migração de consumidores varejistas. Além disso, a Abraceel sugere medidas para simplificar o processo de medição e migração, promover a segurança jurídica na suspensão de fornecimento e promover a conscientização dos consumidores sobre o mercado livre de energia. (CanalEnergia - 23.10.2023)
Link Externo