IFE
21/08/2023

IFE 5.788

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e Sérgio Silva
Pesquisador: Rubens Rosental
Assistentes de pesquisa: Ana Eduarda Oliveira, Bruno Elizeu, Leonardo Gonçalves, Maria Luísa Michilin, Sofia Paoli e Vinícius José

IFE
21/08/2023

IFE nº 5.788

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e Sérgio Silva
Pesquisador: Rubens Rosental
Assistentes de pesquisa: Ana Eduarda Oliveira, Bruno Elizeu, Leonardo Gonçalves, Maria Luísa Michilin, Sofia Paoli e Vinícius José

Ver índice

IFE 5.788

Regulação

Aneel revoga autorizações para comercializadoras

A Aneel revogou os despachos que autorizam a Fisher Energy Comercializadora de Energia Elétrica e a Lumen Comercializadora de Energia a atuarem como Agentes Comercializadores de Energia Elétrica no âmbito da CCEE. (Energia Hoje - 21.08.2023)
Link Externo

Transição Energética

Lançamento de Aliança Global para Biocombustíveis

Brasil, Índia e Estados Unidos vão lançar formalmente uma Aliança Global para os Biocombustíveis (Global Biofuels Alliance, GBA) à margem da cúpula do G20, em setembro em Nova Deli, pavimentando o caminho para o etanol se tornar uma commodity internacional. A aliança, que vai atrair mais países, busca acelerar a implantação de biocombustíveis sustentáveis em apoio à transição energética global. Isso passa pela ampliação da cooperação técnica e tecnológica para a expansão do etanol e biodiesel e oferecer ao mundo uma proposta concreta e imediata de descarbonização do setor de transportes. Conforme a Agência Internacional de Energia, os biocombustíveis líquidos forneceram mais de 4% do suprimento total de energia para o transporte em 2022, mas insiste que sua implantação não está acelerando com rapidez suficiente. Além disso, mais de 80% da produção total de biocombustíveis está concentrada em quatro mercados - Estados Unidos, Brasil, Europa e Indonésia. O relatório da entidade sugere que os países podem expandir a produção e o uso de biocombustíveis sustentáveis elaborando estratégias de longo prazo, promovendo investimentos, apoiando a inovação, garantindo suprimentos acessíveis, abordando as questões de sustentabilidade e incentivando a colaboração internacional. Essas são áreas prioritárias para a GBA. (Valor Econômico - 21.08.2023)
Link Externo

Governo lança programa para reduzir geração de energia com fontes fósseis na Amazônia

O governo federal lançou o Programa Energias da Amazônia por meio de um decreto, com o objetivo de reduzir a geração de energia a partir de combustíveis fósseis e diminuir as emissões de gases de efeito estufa na Amazônia Legal, especialmente em áreas isoladas. Além disso, o programa visa melhorar a qualidade e segurança do fornecimento de energia elétrica, bem como reduzir os custos associados à Conta de Consumo de Combustíveis (CCC). Coordenado pelo Ministério de Minas e Energia (MME), o programa utilizará leilões de transmissão, soluções de suprimento, reembolso da CCC e outras estratégias, com foco em fontes renováveis e soluções híbridas de geração e armazenamento de energia. O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) estabelecerá as metas do programa. (Petronotícias – 17.08.2023)
Link Externo

Rota 2030: Regras sobre emissões e combustíveis

A nova etapa do programa Rota 2030 (criado pelo Governo Federal com o objetivo de elaborar uma política industrial de longo prazo para o setor automotivo e de autopeças), que será anunciada ainda este mês, vai beneficiar uma gama maior de produtos. O programa não ficará restrito ao setor automotivo, como está hoje, mas abarcará diversos tópicos relacionados à mobilidade, como emissões e combustíveis. Um exemplo é a mudança na auferição das emissões de gases poluentes realizadas pelo veículo, que passarão da metodologia “tanque à roda” para “poço à roda”. Essa última metodologia avalia a emissão em seu “ciclo completo, da extração da fonte energética até o consumo final”. A auferição será realizada por Inmetro e ministérios de Minas e Energia e Meio Ambiente. A renovação do programa é parte de um projeto de lei mais abrangente, que trata do combustível do futuro e regulará o biocombustível para aviões (SAF, na sigla em inglês) e o diesel verde. Também tratará da elevação do percentual do etanol misturado à gasolina e de outras iniciativas, como o RenovaBio e o Programa Nacional de Etiquetagem. (Valor Econômico - 21.08.2023)
Link Externo

Empresas

Caixa/Serrano: Vamos assinar acordo com Itaipu Binacional amanhã, com R$ 1 bi

A Caixa Econômica Federal firmará um acordo com a Itaipu Binacional para financiar obras de infraestrutura em cidades próximas à usina, destinando R$ 1 bilhão a 434 municípios, principalmente no Paraná. O vice-presidente de Atacado do banco, Ronny Peterson, destacou o resgate do projeto após longo período de inatividade na Caixa, ressaltando a importância do programa para suprir deficiências em áreas como saneamento básico, prevendo impacto positivo nessas localidades. A assinatura ocorre na sexta-feira, 18, e faz parte dos resultados do banco no segundo trimestre. (Broadcast Energia 17.08.2023)
Link Externo

Vestas e ZF Wind Power fecham parceria com ABS para reparo de gearboxes no RN

A ABS Wind estabeleceu uma parceria com a Vestas e a ZF Wind Power para a reparação de caixas de transmissão em sua nova unidade em Macaíba, Rio Grande do Norte, atendendo inicialmente o mercado eólico brasileiro, com potencial expansão para outras partes da América Latina. Com um investimento de cerca de R$ 30 milhões, a fábrica visa aprimorar a cadeia de fornecimento local e aumentar a competitividade, reduzindo custos e tempos de reparo dos aerogeradores. A operação concentrará no Nordeste do Brasil, buscando atender parques eólicos com contratos de operação e manutenção, antes de considerar uma expansão para outros países da região. A transferência de conhecimento e treinamento internacional está em andamento, com oportunidades promissoras no mercado de O&M brasileiro, à medida que os parques eólicos amadurecem e requerem mais serviços de reparo. (Broadcast Energia 17.08.2023)
Link Externo

Heineken: Parceria com Ultragaz, Raízen e M.O.E por energia renovável

A Heineken se juntou à Ultragaz, Raízen Power e a My Own Energy (M.O.E) para promover iniciativas que facilitem o acesso à energia renovável por pessoas físicas, bares e restaurantes. Segundo a produtora de cervejas, os descontos na conta de luz chegam a até 20%. Desde o lançamento, em 2021, o programa Heineken Energia Verde alcançou a marca de R$ 1,3 milhão em economia para clientes e gerou 22 mil contratos, abastecidos por 140 mil placas solares. O projeto tem como meta alcançar 50% dos pontos de venda em 19 capitais até 2030. O desconto é possível pela compensação energética feita pelas empresas de energia Grupo Ultragaz, Raízen Power e M.O.E (My Own Energy). Por meio de usinas de fontes renováveis como solar, eólica, biomassa (materiais orgânicos) e biogás (aterro urbano) é gerada uma carga de energia nos geradores, que direcionam para a distribuidora local, responsável pela conexão com os endereços cadastrados. “O uso dessas energias gera créditos energéticos revertidos em desconto na fatura do consumidor. Quando a concessionária distribuidora recebe uma energia de uma empresa geradora, ela reduz a necessidade de obter energia de fontes tradicionais”, explica Ornella Vilardo, diretora de Sustentabilidade do Grupo Heineken, em nota. (Valor Econômico - 19.08.2023)
Link Externo

Oferta e Demanda de Energia Elétrica

Eletrobras: Apagão em 44 cidades na Grande Fortaleza ocorreu por falha em subestação da Enel

Apenas três dias após o apagão que atingiu Estados do país inteiro, moradores de pelo menos 44 cidades da Região Metropolitana de Fortaleza, no Ceará, voltaram a ficar sem luz durante a madrugada e início da manhã deste sábado. O desabastecimento de energia provocou ainda pane em sinais de trânsito e na iluminação pública, causando transtornos no trânsito. Questionada sobre a nova pane na energia, a Enel Distribuição Ceará afirmou que, após um desarme na linha da empresa transmissora que atende ao Ceará (a Chesf, Companhia Hidro Elétrica do São Francisco), a companhia identificou um desligamento também em sua linha de transmissão de 69 KV, o que causou a interrupção no fornecimento de energia para alguns clientes nas regiões Metropolitana e Fortaleza nesta madrugada. O desligamento na rede da distribuidora, discorre a empresa, trata-se de processo normal de proteção do sistema elétrico que ocorre após alguma oscilação na rede. Também procurada, a Eletrobras, por sua vez, afirmou que o desligamento teve origem em defeito na subestação Pici II, em setor sob responsabilidade da Enel Ceará. Segundo a responsável pela Chesf, a subestação é compartilhada entre a Eletrobras Chesf e a distribuidora Enel Ceará, no qual o setor de 69 kV é de responsabilidade da Enel Ceará e o setor de mais alta tensão (230 kV), de responsabilidade da Eletrobras Chesf. O problema, segundo a empresa, ocorreu no setor de 69 kV, portanto, sob responsabilidade da Enel Ceará. (Valor Econômico - 19.08.2023)
Link Externo

CCEE: PLD médio diário permanece no piso regulatório de R$ 69,04 por MWh em todo o País

O Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) permanece no piso regulatório de R$ 69,04 por MWh nesta sexta-feira, segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Já são onze meses de PLD no patamar regulatório mínimo, que em 2022 era de R$ 55,70 por MWh. O preço não apresenta oscilações ao longo do dia em todo o Sistema Interligado Nacional (SIN), de forma que os PLDs médios, mínimos e máximos coincidem em todos os submercados do País. O cálculo considera os limites máximos e mínimos para cada período e submercado. O valor reflete os modelos computacionais do setor, que levam em conta fatores como carga, incidência de chuvas e o nível de armazenamento dos reservatórios das usinas hidrelétricas. (Broadcast Energia - 18.08.2023)  
Link Externo

ONS: Custo Marginal da Operação segue zerado na semana de 12 a 18 de agosto

O Custo Marginal da Operação (CMO) para a semana operativa de 19 a 25 de agosto foi mantido em R$ 0,00 por MWh em todos os subsistemas, informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) no mais recente Programa Mensal da Operação (PMO), divulgado nesta sexta-feira. O CMO representa o custo para se produzir 1 MWh para atender ao Sistema Interligado Nacional (SIN), e está nesse patamar desde o final de 2022, devido aos altos níveis de água armazenados nos reservatórios das hidrelétricas. Na reunião mensal do PMO realizada no fim de julho, o ONS já sinalizava a manutenção dos preços zerados ao longo deste mês. (Broadcast Energia - 18.08.2023) 
Link Externo

ONS eleva previsão de afluências em agosto na maior parte do País

O ONS elevou a estimativa para a quantidade de água que chega aos reservatórios das hidrelétricas no mês de agosto na maior parte do País. Conforme o mais recente informe do Programa Mensal de Operação (IPMO), divulgado hoje, a Energia Natural Afluente (ENA) deve checar a 90% da média de longo termo (MLT) no subsistema Sudeste/Centro-Oeste neste mês. O número está 3 pontos porcentuais acima do estimado na semana passada. Caso a nova projeção se confirme, a energia armazenada nos reservatórios das hidrelétricas deve alcançar 79,7% no final do mês, 1,3 p.p. superior ao anteriormente estimado. No Sul, a expectativa é que a afluência fique em 99% da MLT em agosto, ante os 65% estimados anteriormente. Com isso, a previsão para o armazenamento passou de 85% para 92,8%. Para o Nordeste, a projeção de ENA aumentou 2 p.p., para 64% no período, enquanto o armazenamento foi mantido praticamente estável, em 73,4% ao fim do mês. Já no Norte a expectativa de afluência foi mantida em 70% da MLT, com os níveis de armazenamento ajustados para 86,3%, abaixo dos 88% indicados na semana passada. (Broadcast Energia - 18.08.2023) 
Link Externo

ONS reduz projeção de crescimento da carga no SIN em agosto para 1,9%

O ONS reduziu a previsão para a carga de energia no Sistema Interligado Nacional (SIN) em agosto no montante de 966 MWm, para 71.855 MWm. O novo valor consta no mais recente informe do Programa Mensal, divulgado nesta sexta-feira e corresponde a um crescimento de 1,9% na comparação com o mesmo mês de 2022. Até a semana passada, a previsão era de alta de 3,3%. No Sudeste/Centro-Oeste, principal centro de carga do País, a redução foi de 278 MWm. Com isso agora o ONS espera que a carga neste submercado fique em 40.632 MWm, alta de 1,7% na comparação anual, ante crescimento estimado anteriormente em 2,4%. No Sul, a estimativa foi reduzida em 334 Mwm, para 11.952 MWm, passando de uma perspectiva de alta anual de 0,8% para uma queda de 1,9%. No Nordeste, a expectativa foi reduzida em 302 MWm, para 11.795 MWm, alta de 1,7% em relação a agosto do ano passado. Em termos porcentuais, o crescimento é 2,6 pontos porcentuais (p.p.) menor que a previsão anterior. No Norte, o ONS passou a esperar carga de 7.476 Mwm (-52 MWm ante projeção anterior), alta de 10,1% (-0,8 p.p.). (Broadcast Energia - 18.08.2023) 
Link Externo

Mobilidade Elétrica

Programa de eletromobilidade da Raízen em três países da América do Sul já atingiu 13 mil recargas

O Programa de Eletromobilidade Shell Recharge, executado pela Raízen Power em várias regiões, completou seu primeiro ano no Brasil, Argentina e Paraguai, realizando 13 mil recargas de veículos elétricos com energia renovável e certificada. A iniciativa tem se destacado pela expansão da infraestrutura de carregamento de alta potência, incluindo recentes inaugurações de estações de recarga em São Paulo, e visa alcançar 500 mil carregadores globalmente até 2025. A Raízen Power continua investindo na infraestrutura elétrica por meio de parcerias, incluindo acordos com montadoras e redes de supermercados para aumentar a adoção de veículos elétricos e expandir a rede de recarga em diversos estados do Brasil. (Petronotícias – 17.08.2023)
Link Externo

Energias Renováveis

Petrobras vai comprar crédito de carbono e estuda parcerias em eólicas offshore

A Petrobras está adotando a descarbonização como tendência, avançando para sua primeira compra de créditos de carbono e visando vender seus próprios créditos no futuro, impulsionados pelo projeto de captura de carbono em Macaé. Embora priorize a redução orgânica das emissões, a empresa considera a captura, armazenamento e compensação por créditos de carbono como estratégias. A construção de um hub para armazenamento de CO2 na região depende da legislação de CCUS no Brasil. Enquanto busca a produção de eólica offshore e investe em biocombustíveis, a Petrobras explora o potencial do hidrogênio verde, visando uma transição para um futuro mais sustentável e diversificado. (O Estadão – 17.08.2023)
Link Externo

Aneel concede DRO a 400 MW de projetos de geração fotovoltaica na Bahia

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) recebeu o Requerimento de Outorga (DRO) para oito projetos de geração de energia solar fotovoltaica na Bahia, totalizando 400 MW de capacidade instalada. Esses empreendimentos, nomeados Grãos de Ouro I a VIII, com 50 MW cada, serão construídos em Correntina. A concessão das outorgas está sujeita ao fornecimento de informações adicionais pelas empresas à agência reguladora. (Broadcast Energia 17.08.2023)
Link Externo

Fenasucro realiza negócios milionários e debate sobre o abastecimento de cidades com o biogás

No 13º Seminário da Bioeletricidade e do Biogás da UNICA/CEISE Br, realizado durante a Fenasucro & Agrocana, evento exclusivo da cadeia de bioenergia, o foco foi na contribuição ambiental e energética do biogás e da bioeletricidade na transição energética. Participantes discutiram como essas fontes poderiam suprir o consumo elétrico de cidades como Ribeirão Preto por uma década, enfatizando o potencial do biogás gerado a partir de resíduos orgânicos. Apenas 1% a 2% do potencial técnico do biogás é aproveitado no Brasil, destacando a necessidade de políticas setoriais de estímulo. A Fenasucro & Agrocana aumentou sua exposição ao biogás, refletindo a importância crescente dessa fonte de energia limpa. A Abiogás prevê um aumento significativo na produção de biogás no Brasil até 2030, enfatizando seu potencial para substituir o diesel e fertilizantes. Além disso, a programação abordou a "Inteligência Artificial nas Indústrias" e os desafios da bioenergia em acompanhar avanços tecnológicos. (Petronotícias – 17.08.2023)
Link Externo

Regulador nuclear francês autoriza a EDF a operar a central nuclear de Tricastin por mais dez anos

A Autorité de Sûreté Nucléaire (ASN), reguladora de segurança nuclear da França, aprovou a extensão da operação da unidade 1 da usina nuclear de Tricastin por mais dez anos, tornando-o o primeiro reator francês licenciado para funcionar além de 40 anos. Essa decisão permite que o reator continue gerando energia limpa, embora a França precise importar urânio do Níger, ao contrário do Brasil, que possui abundantes reservas de urânio. A EDF, operadora da usina, planeja melhorias de segurança em cada reator durante a revisão periódica de segurança, e a decisão da ASN também estabelece requisitos adicionais para riscos sísmicos e ondas de calor. A extensão da operação reflete a estratégia de prolongar a vida útil das usinas nucleares para atender às demandas energéticas. (Petronotícias – 17.08.2023)
Link Externo

Gás e Termelétricas

Investimento em exploração de óleo e gás está saindo de mínimo histórico e chegará a US$ 22 bilhões por ano

Os gastos com exploração estão recuperando-se de mínimos históricos alcançados durante o auge da pandemia. Para o futuro, os investimentos no segmento devem crescer para uma média de US$ 22 bilhões por ano em termos reais nos próximos cinco anos, de acordo com um novo relatório da Wood Mackenzie. Segundo a consultoria, os ventos favoráveis econômicos para a exploração, a necessidade de segurança energética e o surgimento de novas fronteiras incentivarão as empresas de petróleo e gás, lideradas por empresas estatais e Majors. Esse novo cenário irá ajudar a aumentar os recursos aplicados em exploração até 2027, de acordo com o relatório “Exploration quietly recovering”, divulgado recentemente. O crescimento começará em 2023, com gastos projetados para aumentar 6,8% sobre os totais de 2022 (em termos reais). Um dos principais impulsionadores desse aumento da atividade é o robusto caso de negócios. (Petronotícias – 17.08.2023) 
Link Externo