IFE
16/01/2023

IFE 5.644

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e Sérgio Silva
Pesquisador: Rubens Rosental
Assistentes de pesquisa: Ana Eduarda Oliveira, Felipe Gama Diniz, José Vinícius S. Freitas, Luana Oliveira, Maria Luísa Michilin, Sofia Paoli e Vinícius José

IFE
16/01/2023

IFE nº 5.644

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e Sérgio Silva
Pesquisador: Rubens Rosental
Assistentes de pesquisa: Ana Eduarda Oliveira, Felipe Gama Diniz, José Vinícius S. Freitas, Luana Oliveira, Maria Luísa Michilin, Sofia Paoli e Vinícius José

Ver índice

IFE 5.644

Regulação

Aneel fixa valores de TFSEE para autoprodutores e produtores independentes de energia em 2023

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) publicou nesta sexta-feira, 13, despacho no Diário Oficial da União (DOU) com os valores da Taxa de Fiscalização de Serviços de Energia Elétrica (TFSEE) relativos ao exercício de 2023 para autoprodutores e produtores independentes de energia elétrica. Os valores correspondentes a cada concessionária podem ser conferidos no anexo do despacho disponível no link. O valor da TFSEE é divido em duodécimos, sendo que a parcela do mês de competência terá vencimento no dia 15 do mês seguinte e estará disponível em até cinco dias úteis do mês do respectivo pagamento no endereço eletrônico disponível no link informado pela agência. As empresas podem apresentar eventual recurso em 10 dias. Depois disso, estará configurado o lançamento dos créditos tributários do montante fixado. (BroadCast Energia – 13.01.2023) 
Link Externo

Fase sugere órgão permanente para prevenir e combater sabotagem 

O Fórum das Associações do Setor Elétrico sugeriu ao diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica, Sandoval Feitosa, a criação de um gabinete permanente para atuar na prevenção e no combate a atos de sabotagem a instalações do sistema interligado. A proposta foi formalizada nesta sexta-feira, 13 de janeiro, em correspondência na qual o Fase elogia a iniciativa de criação do gabinete de crise pelo governo, após o registro de ataques a torres de transmissão desde o ultimo domingo, 8 de janeiro. Para o setor elétrico, a Abrate, que representa as transmissoras, não pode estar à frente desse combate, pois não tem poder de polícia. (CanalEnergia - 13.01.2023) 
Link Externo

EPE participa do webinar internacional "Novas políticas energéticas desde o ponto de vista da demanda" 

No dia 12 de janeiro de 2023, o Consultor Técnico da Superintendência de Estudos Econômicos e Energéticos, Arnaldo Junior, esteve presente no Webinar internacional "Novas políticas energéticas desde o ponto de vista da demanda". Este foi o primeiro webinar do ciclo de conversas World Economic Council/WEC –Asociación de Distribuidoras de Energía Eléctrica Latinoamericanas/ADELAT, referentes a 5D (Descarbonização, Diversidade, Digitalização, Descentralização, Demand Disruption). O painel foi moderado por Felipe Gonçalves (FGV) e, além da EPE, teve participação de Angela Gomes (PSR), Felipe Acosta (ADELAT), Eduardo Melano (EPEC/Argentina) e João Gomes (EDP/Portugal). Arnaldo versou sobre a relação entre a matriz energética e as características socioeconômicas brasileiras e suas eventuais influências sobre a adoção de novas tecnologias no longo prazo. (EPE – 13.01.2023) 
Link Externo

EPE participa do workshop: "Key Factor for Successful Development of Offshore Wind in Emerging Markets eLearning Course" 

Nesta quinta-feira (12/01) a EPE participou do workshop de lançamento do curso online "Key Factors for Successful Development of Offshore Wind in Emerging Markets", do Banco Mundial, ESMAP e IFC. O evento foi organizado em parceria com o GWEC, e contou com a participação de especialistas de diversos países. Após a introdução e explicação sobre o curso, aconteceu uma mesa-redonda onde os debatedores conversaram sobre como o curso e o relatório podem ajudar no desenvolvimento das eólicas offshore em novos mercados e sobre as principais recomendações trazidas no material. (EPE – 13.01.2023) 
Link Externo

Transição Energética

Rumo à energia verde: América Latina tem casos de sucesso, mas desafios continuam

Quando se fala em energia, pensa-se de imediato nas correntes elétricas que recarregam celulares e acendem lâmpadas. Mas eletricidade é apenas uma fração da matriz energética de um país: a ela somam-se o combustível dos carros, o gás dos fogões, o diesel dos caminhões... Para neutralizar as emissões de gases-estufa até 2050 e evitar um cataclisma, uma transição verde generalizada é imprescindível. Na contramão, o carvão, vilão-mor dos combustíveis fósseis, ganhou impulso com a guerra na Ucrânia e a crise energética por ela catalisada, dificultando ainda mais um já complicado processo. Em 2019, estimava-se que apenas 11,2% da energia consumida no mundo eram renováveis. Na América Latina, no entanto, o percentual chega a 25%, e a região tem bons exemplos no caminho da transição verde. (O Globo – 15.01.2023) 
Link Externo

IRENA ajuda o setor marítimo a aumentar os esforços de descarbonização 

A indústria de transporte marítimo contribui com 3% das emissões mundiais de gases de efeito estufa e depende fortemente de combustíveis fósseis. Representando mais de 90 por cento do volume do comércio global, o setor marítimo é considerado a espinha dorsal da economia mundial. À medida que os negócios se expandem, prevê-se que as emissões aumentem ainda mais. Se a indústria naval deseja seguir o caminho rumo à emissão zero, é necessária uma ação urgente coordenada e abrangente. Em 14 de janeiro, em sua 13ª Assembleia em Abu Dhabi, a IRENA organizou uma mesa redonda ministerial de alto nível para facilitar uma conversa entre a indústria de transporte marítimo e os governos sobre as ações prioritárias necessárias para descarbonizar o setor de transporte marítimo. (IRENA – 16.01.2023)  
Link Externo

Sinais mistos para energia e renováveis em 2023 

Uma mistura complicada de ventos favoráveis e contrários afetará as empresas de energia e renováveis em 2023. A ambição nacional na Europa, EUA e Ásia de descarbonizar o fornecimento de energia continua alta – com ímpeto renovado da crise energética europeia. Mas a realidade não corresponde à ambição. As políticas não acompanham o mercado. Será um ano lidando com sinais confusos para as equipes de gerenciamento. E isso não favorece a aceleração dos orçamentos de capital, especialmente na Europa. As empresas adaptarão suas estratégias e planos de investimento às diferentes perspectivas de energia e renováveis em várias regiões. (WoodMac – 16.01.2023) 
Link Externo

Soluções descentralizadas de energias renováveis podem melhorar os serviços de saúde para quase 1 bilhão de pessoas

Quase 1 bilhão de pessoas em países de renda baixa e média-baixa são atendidas por instalações de saúde que carecem de um fornecimento confiável de eletricidade, de acordo com um novo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) , Banco Mundial , Agência Internacional de Energia Renovável ( IRENA) e Energia Sustentável para Todos (SEforAll) . O acesso à eletricidade é fundamental para a prestação de serviços de saúde de qualidade, desde o parto até o gerenciamento de emergências, como ataques cardíacos, ou a imunização que salva vidas. Sem eletricidade confiável em todas as instalações de saúde, a Cobertura Universal de Saúde não pode ser alcançada, observa o relatório. O relatório conjunto, Energizing health: Accelerating Electricity Access in Health-Care Facilities , apresenta os dados mais recentes sobre eletrificação de instalações de saúde em países de baixa e média renda. Também projeta os investimentos necessários para alcançar a eletrificação adequada e confiável na área da saúde. (IRENA – 15.01.2023) 
Link Externo

Número de empregados no setor de energia limpa irá mais que dobrar até 2030, afirma Agência Internacional de Energia

O mundo da energia está no alvorecer de uma nova era industrial – a era da fabricação de tecnologia de energia limpa – que está criando grandes novos mercados e milhões de empregos, mas também levantando novos riscos, levando países de todo o mundo a desenvolver estratégias industriais para garantir seu lugar na nova economia global de energia. A constatação faz parte de um novo relatório divulgado no dia 12 pela Agência Internacional de Energia (AIE). Os empregos relacionados à produção de energia limpam mais do que dobrariam, segundo estimativas, de 6 milhões atuais para quase 14 milhões até 2030 – e um crescimento industrial e de emprego ainda mais rápido é esperado nas próximas décadas, à medida que as transições avançam. Além disso, a análise mostra que o mercado global para as principais tecnologias de energia limpa fabricadas em massa valerá cerca de US$ 650 bilhões por ano até 2030 – mais de três vezes o nível atual – se os países em todo o mundo implementarem totalmente suas promessas anunciadas de energia e clima. (Petronotícias - 12.01.2023)
Link Externo

Startup climática remove carbono do ar pela primeira vez no setor

Uma das principais tecnologias de combate às mudanças climáticas ganhou força nesta quinta-feira, com a notícia de que uma startup extraiu dióxido de carbono do ar e armazenou no subsolo. A empresa obteve lucro com a iniciativa, o que deve criar um modelo de negócios viável, dando início a um novo setor. A Climeworks é líder na corrida para remoção de dióxido de carbono da atmosfera, usando o processo chamado captura direta do ar. Os clientes da empresa, incluindo a Microsoft, pagaram um prêmio significativo para comprar os créditos de carbono gerados pela Climeworks, o que lhes permite compensar emissões de forma efetiva. (BroadCast Energia – 12.01.2023) 
Link Externo

EDF e Respect Energy assinam acordo para desenvolver projetos de energia nuclear na Polônia

A francesa EDF assinou um acordo de cooperação com a Respect Energy para desenvolver em conjunto projetos de energia nuclear na Polônia, com base na tecnologia NUWARD SMR, em sites específicos. Em comunicado, a EDF informou que o acordo marca a firme intenção das empresas em continuarem o desenvolvimento de projetos SMR na Polônia, e confirma o forte interesse pela tecnologia NUWARD, selecionada pela Respect Energy, para expandir sua presença no campo da energia nuclear. Após o acordo, ambas as empresas iniciaram o processo de avaliação de novos sites greenfield, visando uma cooperação exclusiva entre si. (BroadCast Energia – 13.01.2023) 
Link Externo

ExxonMobil previu aquecimento global desde 1977 e não agiu, aponta estudo

O gigante energético ExxonMobil, empresa que compreende as marcas Esso, Exxon, Mobil e ExxonMobil, produziu uma série de documentos científicos internos entre 1977 e 2003 que previam o aumento da temperatura global por emissões de gases de efeito estufa desde a década de 1970 e não agiu para impedir. Segundo os dados, as projeções de mudança da temperatura global de cientistas da empresa estimaram um aumento de 0,2°C (com margem de 0,04 °C para mais e para menos) a cada década, o que se aproxima em muito da previsão feita pelos principais pesquisadores do clima, de 0,19°C (com 0,03 °C de variação). Ainda, projeções internas conduzidas em 1982 estimaram que emissões na ordem de 600 partes por milhão (ppm) de CO2 (dióxido de carbono) atmosférico — muito superior aos 450 ppm considerados como emissão elevada — levariam a um aumento da temperatura em mais 1,3°C até 2080. Desde a era industrial, a temperatura média global já subiu 1,1°C. (Valor Econômico - 13.01.2023) 
Link Externo

Empresas

Bahia ajuíza ação de R$ 100 mi contra a Chesf

O estado da Bahia ajuizou uma ação civil pública em que busca responsabilizar a Chesf, enquanto operadora do reservatório de Pedra, pelas inundações na região de Jequié (BA) decorrentes das fortes chuvas ocorridas em dezembro do ano passado. A informação foi divulgada em comunicado pela holding Eletrobras, apontando prejuízos de diversas ordens e atribuindo à causa o valor de R$ 100 milhões. Além de pedidos liminares, foi pedido no mérito da ação a condenação da empresa a reparar integralmente o suposto dano socioambiental, patrimonial e extrapatrimonial, ou moral, dentre outros, provocado pelas intensas chuvas, bem como custear e implementar medidas de compensação. A controladora encerrou a nota afirmando que está tomando as medidas jurídicas cabíveis. (CanalEnergia - 13.01.2023) 
Link Externo

Chuvas fazem Light aumentar em 80% efetivo no Sul Fluminense

A Light (RJ) aumentou em 80% o número de equipes de campo para atender demandas de falta de energia, em decorrência das fortes chuvas nas cidades da região Sul Fluminense, no Vale do Paraíba. Foram convocados técnicos e eletricistas de forma extraordinária para os atendimentos de emergência. As tempestades causaram estragos na rede elétrica e ocorrências de grande complexidade, por conta da queda de árvores e barreiras sobre fiação e postes, sobretudo, em trechos dos municípios de Miguel Pereira, Paulo de Frontin, Barra do Piraí e Valença. A locomoção dos profissionais também está sendo diretamente impactada por alagamentos, buracos e deslizamento de terra em estradas e vias públicas, como, por exemplo, nas RJ-125 e RJ-143, em Miguel Pereira e Valença, respectivamente. A Light segue em permanente contato com demais órgãos públicos, como a Defesa Civil e os Bombeiros, além das prefeituras da região. (CanalEnergia - 13.01.2023) 
Link Externo

Cresce procura por programa de inovação da Copel

O programa de inovação aberta Copel Volt encerrou o período de inscrições com um aumento de 30% na procura pelas startups interessadas em desenvolver soluções com o apoio da companhia de energia. Foram registradas 284 inscrições nesta que é a segunda edição do programa, contra 216 da estreia do programa. Serão 30 startups selecionadas para apresentarem suas propostas à equipe de avaliação do Copel Volt. Destas, 15 serão selecionadas para a fase de bootcamp – uma imersão de três dias com as equipes da estatal paranaense para aprimoramento das ideias. Desse grupo serão escolhidas as cinco finalistas que receberão mentoria, suporte e um subsídio total de R$ 1,8 milhão para desenvolver a prova de conceito, ou seja, a aplicação prática dos projetos, o que deve acontecer ainda no primeiro semestre de 2023. (CanalEnergia - 12.01.2023)
Link Externo

Delta projeta expansão em geração e em baixa tensão

A Delta vê o ano de 2023 como fundamental para as empresas no setor elétrico que estão se preparando para a abertura do mercado livre. Um primeiro passo é o de janeiro de 2024 com a chegada de toda a alta tensão e a elegibilidade de seus 106 mil novos consumidores ao ACL. E posteriormente, com a ampliação dessa abertura para a baixa tensão por meio do PL 414, que está na Câmara dos Deputados desde o início do ano passado. De acordo com o vice-presidente Institucional e Regulatório do Grupo Delta Energia, Luiz Fernando Vianna, a companhia vem se preparando e está pronta para quando esses consumidores chegarem. Inclusive, lembra que investimentos recentes foram feitos tendo como objetivo chegar a esse momento. Entre eles, estão a aquisição da empresa de tecnologia BestDeal Technologies e o avanço rumo à baixa tensão com o lançamento da Luz, realizado no início de outubro do ano passado. (CanalEnergia - 13.01.2023) 
Link Externo

Artigo de Giovani Loss: “O dilema da Petrobras”

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de São Paulo, intitulado “O dilema da Petrobras”, Giovani Loss, sócio do Mattos Filho Advogados, aborda o futuro da gestão dos ativos da Petrobras, tendo em vista a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da nomeação de Jean Paul Prates para a presidência da estatal. Inicialmente, o autor aponta que “as atuais condições ambientais e climáticas requerem uma grande e imediata redução nas emissões de gases de efeito estufa”. Além disso, o autor indica que “(...) com relação ao desinvestimento de ativos da Petrobras, que vinha ocorrendo desde 2012, Lula e Prates já demonstraram suas intenções de paralisá-lo. Isso se justificaria pela vontade do partido de “abrasileirar” o preço dos derivados de petróleo no Brasil e por sua ideologia estatizante”. Desse modo, “tal medida, caso concretizada, conflita diretamente com o plano de transformar a Petrobras em uma empresa de energia, como forma de contribuir para a transição energética”. Por fim, o autor conclui o artigo apontando que “questiona-se aqui a relevância de tais ativos para o desenvolvimento da Petrobras e o claro conflito entre a ideologia estatizante e a transição energética, ambos valores defendidos pelo governo que se inicia. A nosso ver, assim como no dilema dos prisioneiros, o “dilema da Petrobras” somente poderia levar a um resultado ótimo se houvesse cooperação de estratégias, seguindo a máxima reconhecida pela indústria, ou seja, transição energética com desinvestimento de ativos”. (GESEL-IE-UFRJ – 16.01.2023)
Ver PDF

Oferta e Demanda de Energia Elétrica

PLD médio diário permanece em R$ 69,04 por MWh em todos os submercados do País

O valor médio do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) válido para esta segunda-feira, 16, é de R$ 69,04 por MWh em todo o País. O montante equivale ao patamar mínimo regulatório válido para 2023. O indicador está no valor mínimo desde 14 de setembro, que, em 2022, era de R$ 55,70 por MWh. O preço praticado ao longo do dia não apresentou oscilações de modo que os valores médios, mínimos e máximos foram coincidentes em todos os submercados do Sistema Interligado Nacional (SIN). O PLD considera os limites máximos e mínimos para cada período e submercado. O valor reflete os modelos computacionais do setor, que consideram fatores como carga, incidência de chuvas sobre os reservatórios e o nível de armazenamento nas usinas hidrelétricas. (BroadCast Energia – 16.01.2023)  
Link Externo

MME: Sistema Interligado Nacional abre comportas com alto armazenamento dos reservatórios

O Ministério de Minas e Energia (MME) informou, em nota, que usinas hidrelétricas do Sistema Interligado Nacional estão com suas comportas abertas em meio ao elevado nível dos reservatórios. De acordo com o MME, o elevado abastecimento decorre da recuperação significativa dos níveis dos principais reservatórios, que superam 60% de armazenamento neste mês. O Ministério disse que algumas áreas do País registram chuvas acima da média ao longo do mês. “Isso vem fazendo com que os níveis dos reservatórios se elevem rapidamente, sendo necessário acionar planos de controle de cheias e vertimento em muitas bacias”, afirmou a pasta na nota. A medida é necessária para garantir a segurança das barragens e em virtude da menor demanda de energia em algumas regiões em meio a temperaturas mais amenas. (BroadCast Energia – 14.01.2023) 
Link Externo

ONS: Custo Marginal da Operação é mantido em R$ 0,00 por MWh entre 14/01 e 20/01

O Custo Marginal da Operação (CMO) para a semana de 14/01 a 20/01 foi mantido em R$ 0,00 por MWh em todos os submercados, informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O CMO é o custo para se produzir 1 MWh para atender ao Sistema Interligado Nacional (SIN). (BroadCast Energia – 13.01.2023) 
Link Externo

ONS: Carga de energia de janeiro é estimada em 70.658 megawatts médios, redução de 2,2%

A carga de energia do Sistema Interligado Nacional (SIN) deve encerrar janeiro em 70.658 MW med, redução de 2,2% em relação ao mesmo mês do ano passado, informou o ONS. Em relação à projeção anterior, houve redução de 1,4% na estimativa. No Sudeste/Centro-Oeste, a carga deve ficar em 39.943 MW med, 3,7% menor do que um ano antes, e uma redução de 2,0% frente a previsão da semana passada. Para o subsistema Sul, a carga foi estimada em 12.739 MW med, 7,5% menor na comparação anual, e 1,1% mais baixa em relação à projeção anterior. No Nordeste a previsão é que ela chegue a 11.509 MW med, alta de 2,3% ante janeiro de 2021, enquanto no Norte a estimativa é de carga em 6.467 MW med, elevação de 13,1%. Em comparação com a estimativa da semana passada, houve alta de 0,6% no Nordeste, mas queda de 1,2% no Norte. (BroadCast Energia – 13.01.2023) 
Link Externo

ONS: ENAs devem encerrar o mês em 122% da média no Sudeste/Centro-Oeste

O ONS revisou a estimativa de Energia Natural Afluente (ENA) para janeiro em três dos quatro subsistemas do Sistema Interligado Nacional (SIN). No Sudeste/Centro-Oeste, que responde por 70% da capacidade de armazenamento de água para gerar energia, a previsão é de ENA em 122% da média histórica, alta de 3 pontos percentuais (p.p.) em relação à estimativa da semana anterior, de 119%. Já no Sul a ENA deve encerrar o mês em 84%, alta de 12 p.p., ante os 72% anteriores. No Nordeste a quantidade de água que chega nos reservatórios das hidrelétricas deve ficar em 108% da média em janeiro, 1% maior do que o projetado semana passada, quando a projeção era 107%. E no Norte a perspectiva é de ENA em 156% da média, redução de 7 p.p. na comparação com os 163% da semana passada. (BroadCast Energia – 13.01.2023)  
Link Externo

Região Sul opera com 84,5% em seus reservatórios

O submercado do Sul apresentou queda de 0,2 ponto percentual e estava operando com 84,5% da capacidade, na última quinta-feira, 12 de janeiro se comparado ao dia anterior. Segundo o boletim do ONS, a energia armazenada marcava 17.298 MW mês e ENA é de 5.270 MW med, equivalente a 75% da média de longo termo armazenável no mês até o dia. A região Sudeste/Centro-Oeste subiu 0,8 p.p e a capacidade está em 61,8%. A energia armazenada mostrava 126.536 MW mês e a ENA é de 91.955 MW med, valor que correspondia a 108% da MLT. Os reservatórios do Norte apresentaram elevação de 1,1 p.p níveis estáveis e contam com 75,6% da capacidade. A energia armazenada marcava 11.575 MW mês e ENA é de 19.355 MW med, equivalente a 122% da média de longo termo armazenável no mês até o dia. A Região Nordeste aumentou 0,1 p.p e operava com 74,5% da sua capacidade. A energia armazenada indicava 38.502 MW mês e a energia natural afluente computava 13.921 MW med, correspondendo a 103% da MLT. (CanalEnergia - 13.01.2023) 
Link Externo

Mobilidade Elétrica

Aeroporto do Galeão ganha carregadores de VEs

O Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, ganhou carregadores de carros elétricos que foram instalados em um dos estacionamentos do terminal carioca. O projeto foi desenvolvido pela empresa Tupinambá Energia, que atua em soluções de mobilidade elétrica. Segundo Davi Bertoncello, sócio-diretor da empresa de mobilidade, a novidade prepara o terminal para o futuro. “Sabemos por pesquisa que dois em cada três brasileiros pretendem comprar um carro elétrico no futuro”, disse. Nesta primeira fase, serão disponibilizados cinco pontos com os equipamentos de 22 kW. O serviço pode ser desbloqueado por um aplicativo gratuito, por meio da leitura do QR Code localizado no carregador. Segundo a desenvolvedora do projeto, existem hoje no Brasil 80 mil automóveis elétricos ou híbridos em circulação. Para atender esta demanda, a empresa desenvolveu soluções de recarga para todas as etapas da jornada de eletro abastecimento, do aplicativo ao carro carregado. Os pontos de recarga estão localizados no edifício-garagem do Terminal 2, em frente a um dos lounges da rede Plaza Premium. (Passageiro de Primeira - 15.01.2023) 
Link Externo

Tesla promove corte radical de preços de seus VEs

A Tesla baixou os seus preços em toda a sua linha, e embora todas elas sejam reduções notáveis, algumas são enormes. Parece que a empresa realmente quer aumentar a procura por seus veículos elétricos, e isto acontece em vários mercados globais. No entanto, um porta-voz forneceu outra razão para os cortes de preços. Sem saber como seria a economia e os custos no futuro, os preços elevados tiveram seu papel. A Tesla quase atingiu o seu recorde de produção para 2022, mas foi incapaz de entregar todos os carros, provavelmente devido ao declínio da procura e à espera de notícias sobre o novo crédito fiscal nos EUA. Embora pareça que os descontos e incentivos ajudaram, não foi suficiente. Com os negócios da Tesla longe do melhor momento e a reputação de Elon Musk em xeque, provavelmente não é um bom momento para o fabricante de veículos elétricos dos EUA sofrer mais um ano difícil. Uma vez que as suas margens são ridiculamente altas, e parecendo que os custos estão finalmente caindo, decidiu baixar os preços, e não apenas um pouco. (Inside EVs - 14.01.2023) 
Link Externo

Ford, GM e Google terão sua própria central virtual de energia elétrica

A Ford, GM, Google, SunPower e outras empresas americanas dos setores da mobilidade, tecnologia e energia uniram forças para criar o projeto VP3. A iniciativa, cujo nome completo é Virtual Power Plant Partnership, visa precisamente explorar o potencial deste tipo de uma central elétrica "virtual". E assim nasceu a V3P, uma empresa conjunta que irá aproveitar a perícia e o apoio dos seus membros para criar um ecossistema energético no qual famílias, empresas e comunidades inteiras se possam ajudar e apoiar mutuamente, aproveitando a energia da forma mais rentável e amiga do ambiente. V3P irá trabalhar principalmente para: i. Analisar e divulgar os benefícios de uma central elétrica virtual; ii. Desenvolver procedimentos e estabelecer normas para ajudar o setor a crescer; e iii. Apoiar as instituições na definição de políticas apropriadas. Passando ao básico, a V3P quer encontrar hardware e software adequados para regular a entrada e saída de eletricidade a partir de dispositivos ligados à central elétrica virtual, em resposta às necessidades da rede. (Inside EVs - 15.01.2023) 
Link Externo

LG Energy Solution e Honda formalizam joint venture para produção de baterias nos EUA

As empresas LG Energy Solution e Honda anunciaram nesta sexta-feira, 13, a criação de uma joint venture para produzir baterias de íons de lítio para veículos elétricos fabricados pela Honda. O investimento total esperado é de US$ 4,4 bilhões. A joint venture, chamada provisoriamente de L-H Battery Company, Inc., iniciará a construção de uma nova fábrica de baterias no Condado de Fayette, próximo a Jeffersonville, em Ohio, nos Estados Unidos, cuja conclusão está prevista para até o fim de 2024. As duas companhias se comprometeram a investir US$ 3,5 bilhões na planta. O início da produção em massa de células de bateria de íon de lítio deve se dar até o fim de 2025. A capacidade de produção anual será de aproximadamente 40 GWh. Todas as baterias produzidas serão fornecidas exclusivamente para as fábricas da Honda na América do Norte. (BroadCast Energia – 13.01.2023) 
Link Externo

Mercedes insiste na reciclagem de baterias

A Mercedes, que - através de sua divisão de Energia - está fortalecendo sua colaboração no segmento de reciclagem com a empresa indiana Lohum. Já juntos há dois anos, a empresa e a Lohum estão firmando um novo acordo que permitirá às duas empresas explorar 50 MWh de baterias por ano para convertê-las em novos módulos para diversos usos. Em detalhes, a Mercedes Energy tem acesso ao mercado de baterias usadas e desenvolveu inúmeros sistemas para sua reutilização, enquanto a Lohum é líder na Índia na produção de baterias "sustentáveis" de íons de lítio. Na prática, a empresa asiática produz sistemas de armazenamento de 6 kWh até 1 MWh, para alimentar, por exemplo, tuk-tuks elétricos nas principais cidades indianas. Assim, as duas empresas se unirão ainda mais para reduzir o desperdício e a extração de novas matérias primas. É claro que a Mercedes não está sozinha em seu interesse neste mercado, no qual já está presente e cuja importância irá de mãos dadas com a expansão dos carros elétricos no mundo inteiro. (Inside EVs - 14.01.2023) 
Link Externo

Inovação e Tecnologia

Programa de hidrogênio precisa de foco e aceleração do cronograma, dizem especialistas

O Programa Nacional de Hidrogênio (PNH2) precisa focar suas iniciativas nas frentes para desenvolvimento de mercado e tecnologia para as vertentes que buscam a neutralidade de carbono, avaliam especialistas. Há, ainda, a necessidade de acelerar o cronograma do plano de trabalho trienal (2023-2025) proposto pelo governo Bolsonaro, que está sob consulta pública, dizem. Na visão do consultor de Energia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Jurandir Picanço, trata-se de um plano "muito bem estruturado, mas que não corresponde à necessidade temporal". Para ele, "os resultados que serão obtidos nesse processo, nessa metodologia que foi adotada, vão ser obtidos em alguns anos, quando nós já precisaríamos estar diretrizes mais concretas", disse durante o seminário virtual promovido pela agência epbr sobre o tema. "Até hoje nós não temos uma diretriz. O que temos hoje é o plano de fazer o plano. O que devemos avaliar é que nós temos que países que têm muito menos oportunidade que o Brasil nesse mercado já está com suas propostas concretas", completou. (BroadCast Energia – 12.01.2023)
Link Externo

Unifei começa a testar aplicação do H2 verde na indústria

A Universidade Federal de Itajubá (Unifei) e o projeto H2 Brasil, que integra a Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Sustentável, anunciaram a construção de um Centro de Hidrogênio Verde (CH2V) na cidade mineira. O objetivo é testar a aplicação do vetor energético na indústria, numa parceria com a Neuman & Esser (NEA Brasil) e sua subsidiária Hytron, responsáveis por fornecer os equipamentos da planta piloto. Segundo as partes, o CH2V terá uma unidade de produção por eletrólise, armazenamento e abastecimento veicular de hidrogênio verde em escala e condições que permitam operá-la como laboratório para pesquisa, desenvolvimento e demonstração da produção. A ideia é cobrir os aspectos básicos de controle, medição, proteção e segurança, logística e uso final, além das aplicações de maior potencial no âmbito da mobilidade, geração de energia e usos industriais para o abastecimento de veículos a partir de 2023. (CanalEnergia - 12.01.2023)
Link Externo

Energias Renováveis

Pan American Energy investe R$ 3 bi em eólica na BA

A Pan American Energy aportará R$ 3 bilhões em investimentos na implantação do Complexo Eólico Novo Horizonte, na Bahia. O empreendimento marca a chegada ao Brasil do grupo, que já atua no Uruguai, Paraguai, Bolívia, México e Argentina. Parte dos recursos foi obtida por meio de dois empréstimos, um de R$ 900 milhões do BNDES e outro no valor de R$ 300 milhões junto ao Banco do Nordeste. Com capacidade instalada total de 423 MW, o complexo é formado por 10 parques e 94 aerogeradores, localizados nos municípios de Novo Horizonte, Boninal, Brotas de Macaúbas, Ibitiara, Oliveira dos Brejinhos e Piatã. O empreendimento também contempla 79 km de linhas de transmissão de 500 kV e uma subestação de energia para conectar os parques eólicos ao Sistema Interligado Nacional. (CanalEnergia - 13.01.2023)  
Link Externo

Vestas prevê ampliar produção de aerogeradores e avalia nova fábrica no Brasil

Interessada no crescimento do mercado de eólicas offshore e hidrogênio verde, o grupo dinamarquês Vestas, fabricante de aerogeradores, estuda ampliar sua atuação no Brasil, seja por meio da ampliação de sua fábrica em Aquiraz, no Ceará, ou com uma nova unidade no Rio Grande do Norte. Os valores a serem empregados não foram revelados. A expansão da empresa visa o potencial para implantação de novas usinas em alto mar, que segundo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) alcançam 700 GW de capacidade. Até dezembro de 2022 o órgão já havia cadastrado 70 projetos, com capacidade para produzir 176,5 GW. Além disso, há o interesse do País em se tornar um dos maiores produtores do hidrogênio verde, especialmente visando a exportação. Outro ponto observado pela companhia é o potencial da América Latina para energias renováveis. Entre os países da região que têm demonstrado maior potencial para o desenvolvimento de novas usinas, estão Chile, Colômbia e Peru. Conforme o Broadcast Energia já havia publicado, a empresa tem interesse em expandir também na região e estuda investimentos em outras localidades, especialmente na produção local das torres que sustentam as turbinas. Segundo o presidente global da empresa Henrik Andersen, aumentar a presença no Brasil faz sentido porque faz parte da estratégia da empresa fabricar os equipamentos próximos de onde eles serão implantados. Hoje o País está entre os três principais mercados para a companhia, e na América Latina a empresa é responsável por 56% dos aerogeradores implantados nas usinas eólicas. O executivo também destacou que a empresa enxerga uma demanda contínua de capacidade todos os anos na América Latina, e que é importante uma política que garanta a implantação de 2 GW a 3 GW todos os anos, para justificar novos investimentos. (BroadCast Energia – 12.01.2023) 
Link Externo

Na primeira edição do ano, Podcast Interligados traz um bate-papo sobre o futuro das eólicas

Mediante ao crescimento que a energia dos ventos tem alcançado no Brasil, em sua primeira edição de 2023, o podcast Interligados entrevistou a Presidente Executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica – ABEEólica, Elbia Gannoum, em um papo muito proveitoso sobre usinas offshore, hidrogênio verde, novas tecnologias e como a organização se reestruturou para deixar bem clara sua atuação em todas essas frentes. (CCEE - 12.01.2023)
Link Externo

Nice avança com automação em energia solar para casas e edifícios

A companhia Nice, especializada em automação residencial e de edifícios, quer aproveitar o aumento dos preços da energia convencional em 2021 e os requisitos legais menos restritivos para o uso da fonte solar para avançar com suas soluções de otimização para imóveis e localidades equipadas com painéis fotovoltaicos. Segundo a companhia, já é possível programar seu sistema Yubii Home para utilizar o excedente de energia solar gerado quando existir, possibilitando economia para o usuário e redução do impacto ambiental. Também é possível integrar inversores elétricos na casa sem custo extra. Com isso, cada consumidor pode decidir o que fazer com a energia excedente. Além de oferecer essa possibilidade de interagir com instalações fotovoltaicas, a Nice também disponibiliza ao mercado diferentes dispositivos que são alimentados por energia solar, como automatizadores de portões, portas e persianas. (CanalEnergia - 12.01.2023)
Link Externo

Unilever investe em energia de biomassa para fábrica de sabão

A fábrica de sabão em pó da Unilever em Indaiatuba (SP) passou a utilizar energia renovável produzida a partir da biomassa de eucalipto. Ao todo, foram investidos R$ 48 milhões na instalação dos equipamentos para geração de energia. Segundo a Unilever, o projeto é composto pelo sistema de transporte do material, a estação de tratamento de água, a fornalha, o tambor de vapor, filtros multiciclones e ventiladores, entre outros, e consumirá em média 216 toneladas de cavaco de eucalipto por dia, mobilizando cerca de oito caminhões cheios do material diariamente na fábrica. O cavaco de eucalipto (madeira picada) é fornecido pela ComBio e certificado pela Madeira Legal e pela Forest Stewardship Council (FSC). A planta de biomassa tem capacidade para produzir 30 giga caloria/hora de energia. Além da utilização de energia renovável, a fábrica da Unilever foi certificada por especialistas independentes para a plataforma do Fórum Econômico Mundial que integra as melhores práticas globais em indústria avançada, o "Advanced Fourth Industrial Revolution (4IR) Lighthouse". A certificação reconhece o quanto a fábrica lidera a aplicação de tecnologias avançadas para impulsionar a produtividade, a sustentabilidade e a performance nos processos fabris com tecnologias e metodologias da quarta revolução industrial. (BroadCast Energia – 13.01.2023) 
Link Externo

Ecopetrol e a francesa Total Eren se unem para construir o maior parque fotovoltaico da Colômbia

A Ecopetrol, maior empresa da Colômbia e a francesa Total Eren, produtora independente de energia, estão associando-se para a implementação do parque solar fotovoltaico “Rubiales”. O projeto será construído no local do campo Rubiales, depropriedade da Ecopetrol, um dos campos mais importantes da indústria de hidrocarbonetos da Colômbia, localizado no município de Puerto Gaitan, na província de Meta. A Ecopetrol selecionou a Total Eren para desenvolver, financiar, construir e operar. O Parque será de 100 MWp. O projeto será de propriedade da Total Eren (51%) e da Ecopetrol (49%). O início das obras está previsto para o primeiro trimestre de 2023 e o início das operações do parque solar está previsto para o primeiro trimestre de 2024. “Temos o prazer de fazer parceria com a Total Eren, uma empresa com vasta experiência na indústria solar, para nos ajudar a avançar com nosso compromisso de acelerar a transição energética”, declarou o presidente do Grupo Ecopetrol, Felipe Bayón Pardo. Esta iniciativa faz parte da estratégia de descarbonização do Grupo Ecopetrol e seu compromisso de acelerar a transição energética na Colômbia, apoiando o crescimento sustentável regional com mais de 24 mil toneladas de emissões de CO₂ economizadas por ano. “Nosso objetivo é incorporar 900 MW1 até 2025 com energias renováveis que nos ajudem a enfrentar as mudanças climáticas. Isso está alinhado com nossa aspiração de alcançar emissões líquidas zero de carbono até 2050”, acrescentou. (Petronotícias - 12.01.2023)
Link Externo

Gás e Termelétricas

Alemanha: chanceler discute com premiê do Iraque possível fornecimento de gás iraquiano

O chanceler alemão, Olaf Scholz, se reuniu hoje com o primeiro-ministro iraquiano, Mohammed Schia al-Sudani, em Berlim, e discutiu com o líder do Iraque sobre um possível fornecimento de gás para a Alemanha. Segundo nota oficial do governo alemão, foi acordado que os líderes iriam "manter contato próximo sobre isso”. "O primeiro-ministro iraquiano havia enfatizado anteriormente à mídia que o Iraque era capaz de atender às necessidades da Alemanha e do mercado mundial. Seu governo planeja aumentar a produção de petróleo e gás", indica a nota. Além do fornecimento de gás, Scholz e al-Sudani discutiram sobre formas de aprofundar as relações econômicas entre os países, citando o acordo da Siemens Energy com o Ministério de Energia do Iraque para a modernização do setor de energia iraquiano. (BroadCast Energia – 13.01.2023)  
Link Externo

Explosão de gasoduto na Lituânia ocorreu por falha técnica

Uma explosão em um gasoduto que levou à evacuação de uma vila no norte da Lituânia foi provavelmente causada por um mau funcionamento técnico, disse o chefe do sistema de transporte de gás natural do país neste sábado. A explosão, durante a sexta-feira à noite, levantou chamas de 50 metros. Não houve relatos de vítimas, mas cerca de 250 pessoas foram evacuadas da vila vizinha de Valáquia por precaução. O fogo foi extinto por volta da meia-noite e os moradores voltaram para suas casas no sábado, quando começaram os trabalhos de reparo no oleoduto danificado. “Uma das possíveis causas é a explosão ter sido resultado de defeitos na costura de soldagem do duto, mas a investigação fornecerá todas as respostas dentro de alguns dias”, disse o chefe da AB Amber Grid, Nemunas Biknius, que opera o sistema de transporte de gás natural da Lituânia. "Não acho que tenha sido intencional; acho que é um acidente." (BroadCast Energia – 14.01.2023) 
Link Externo

Biblioteca Virtual

LOSS, Giovani. “O dilema da Petrobras”.

Ver PDF