IFE
27/11/2023

IFE Energia Nuclear 39

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Gustavo Esteves
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
27/11/2023

IFE nº 39

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Gustavo Esteves
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Energia Nuclear 39

Políticas Públicas e Planos de Governo

Brasil: Angra 2 conclui atividades de manutenção

A Usina Nuclear Angra 2, que teve uma parada programada em 25 de setembro, foi reconectada ao Sistema Interligado Nacional (SIN) em 16 de novembro. Durante a parada, foram realizadas o reabastecimento de combustível e outras atividades de modernização da proteção elétrica dos principais dispositivos para o funcionamento da usina e a substituição do rotor do gerador principal. “São atividades complexas que foram realizadas com sucesso”, destacou o superintendente da planta, Fabiano Portugal. Além disso, a Eletronuclear afirmou que, na mesma semana do religamento o SIN, a usina já alcançaria 100% da potência. (Valor Econômico - 17.11.2023) 
Link Externo

Brasil: Câmara dos Deputados debate o potencial da energia nuclear para a descarbonização

A Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados debateu, em 08 de novembro, o potencial da energia nuclear na descarbonização da matriz energética, a pedido do deputado Julio Lopes (PP-RJ). A justificativa do político contemplava a necessidade de desmistificar os usos da energia nuclear e reconhecer seus benefícios enquanto energia limpa, segura, confiável e disponível – que salientou serem atributos essenciais para a consolidação da transição energética. Além disso, destacou a oportunidade que o Brasil tem de fortalecer sua posição e autonomia em escala industrial através de investidas na cadeia produtiva de urânio. (Câmara dos Deputados - 08.11.2023) 
Link Externo

Brasil: Governo do Ceará vislumbra avanços na ciência e tecnologia com auxílio da energia nuclear

A secretária da Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Ceará, Sandra Monteiro, cumpriu uma agenda de trabalhos em Brasília que percorria temas que visam o desenvolvimento de iniciativas de apoio e popularização da Ciência. As propostas em destaque envolviam a ativação de novos negócios e o estabelecimento de corredores criativos no Estado. Além disso, Monteiro participou de reuniões na Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), onde foram discutidos assuntos como a fosfatização, potenciais avanços tecnológicos para o segmento da segurança alimentar no Ceará e qualificação da mão de obra. (SECITECE - 06.11.2023) 
Link Externo

África do Sul: Koeberg I volta a ficar online após longa interrupção

O reator de água pressurizada da Central Elétrica de Koeberg, na África do Sul, foi sincronizado com a rede elétrica em 18 de novembro, após quase um ano de desligamento para a substituição dos três geradores de vapor originais, um requisito para o funcionamento a longo prazo. A conclusão desta interrupção, considerada a mais longa da história da central, é um "grande marco" em seu plano de recuperação geracional, segundo a Eskom. A unidade 1 já foi reconectada à rede, mas as medidas de redução de carga continuam devido a limitações no sistema elétrico da África do Sul. (WNN - 20.11.2023) 
Link Externo

Canadá: Ministério aprova projeto de urânio da NexGen

O Ministério do Meio Ambiente de Saskatchewan aprovou integralmente o desenvolvimento do projeto de urânio Rook I da NexGen Energy, tornando-a a primeira empresa em mais de 20 anos a receber tal aprovação na província. O CEO da NexGen, Leigh Curyer, destacou a importância desse marco e o reconhecimento do valor e das oportunidades futuras que o Projeto Rook I oferecerá. Agora, a NexGen submeteu todas as respostas à revisão técnica federal da Declaração de Impacto Ambiental do projeto. O Rook I, de propriedade total da NexGen, abriga o depósito de urânio Arrow, com recursos minerais suficientes para uma vida útil inicial de 10,7 anos. A empresa está envolvida em fases iniciais, incluindo aprovação de terraplenagem, infraestrutura e gestão de água, mantendo diálogo contínuo com o Ministério do Meio Ambiente de Saskatchewan. (WNN - 09.11.2023) 
Link Externo

Coreia do Sul e Reino Unido concordam em reforçar a cooperação nuclear

Durante a visita de Estado do Presidente sul-coreano Yoon Suk Yeol ao Reino Unido, foi assinada uma nova Parceria para Energia Limpa, juntamente com nove memorandos de entendimento (MoUs) focados na cooperação em energia nuclear. A parceria visa reforçar a colaboração em energias limpas, tecnologias de baixo carbono, políticas nucleares civis e climáticas nacionais, considerando até mesmo a construção de reatores de concepção coreana no Reino Unido. Além disso, os MoUs abrangem diversos aspectos da energia nuclear, incluindo design, construção, operação, manutenção, combustível nuclear, gestão de resíduos e desmantelamento. A parceria é considerada crucial para a transição energética e para alcançar as metas de segurança energética e zero emissões líquidas no Reino Unido, enquanto também busca afastar a Rússia do mercado global de combustível nuclear. (WNN - 22.11.2023) 
Link Externo

EAU: Quarta unidade Barakah recebe licença de operação

O regulador nuclear dos Emirados Árabes Unidos, a Autoridade Federal para Regulamentação Nuclear (FANR), emitiu a licença para a Nawah Energy Company, permitindo o comissionamento e a operação comercial da quarta unidade APR-1400 em Barakah. Esse marco representa a concretização da visão dos Emirados Árabes Unidos em desenvolver um programa de energia nuclear pacífica na região. A construção da unidade começou em 2015, e a FANR, após uma avaliação rigorosa, inspeções e revisões regulatórias, considerou a Nawah em conformidade com os requisitos regulamentares. Os Emirados Árabes Unidos iniciaram seu programa de energia nuclear em 2008, buscando diversificar fontes de energia e atingir metas de energia limpa. A usina Barakah, propriedade da Emirates Nuclear Energy Corporation e operada pela Nawah, contribuirá significativamente para as necessidades de eletricidade do país. (WNN - 17.11.2023) 
Link Externo

EUA: NRC libera antigo reator para uso irrestrito

A Comissão Reguladora Nuclear dos Estados Unidos (NRC/EUA) liberou a maior parte do antigo local da usina nuclear de Zion, em Illinois, para uso irrestrito, marcando a conclusão do descomissionamento local. A instalação de armazenamento para o combustível usado permanecerá sob licença e supervisão do NRC. Zion, que abrigava duas unidades de água pressurizada, encerrou suas operações em 1997 e 1996. Em 2010, as licenças foram transferidas para a ZionSolutions, subsidiária da Constellation Energy, para um descomissionamento acelerado de 10 anos, considerado o maior já realizado nos EUA. A liberação para uso irrestrito indica que a radiação residual está abaixo dos limites da NRC, permitindo à Constellation usar o local para qualquer aplicação, enquanto a instalação de armazenamento permanece sob supervisão regulatória até uma solução permanente estar disponível. (WNN - 10.11.2023) 
Link Externo

EUA e Filipinas assinam acordo nuclear

Os Estados Unidos e as Filipinas assinaram um acordo de cooperação nuclear civil – conhecido como Acordo 123 – permitindo a transferência de materiais e componentes relacionados à energia nuclear. O acordo, assinado durante a Cúpula da Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico, estabelece um quadro abrangente para a cooperação nuclear pacífica entre os dois países, com foco na não-proliferação nuclear. Ele viabiliza a transferência de equipamentos e materiais nucleares para fins pacíficos, abrindo caminho para a colaboração em tecnologias avançadas, incluindo pequenos reatores modulares (SMR) nas Filipinas. O acordo estabelece critérios de não proliferação, incluindo conformidade com normas internacionais, salvaguardas e restrições ao enriquecimento e reprocessamento. (WNN - 17.11.2023) 
Link Externo

EUA: Illinois suspenderá moratória sobre construção nuclear

O governador JB Pritzker anunciou que assinará um novo projeto de lei suspendendo a proibição de Illinois à construção de novos reatores nucleares, após a aprovação de legisladores estaduais. A nova legislação permitirá a construção de pequenos reatores modulares de até 300 MWe a partir de 2026. O projeto de lei instrui a Gestão de Emergências de Illinois e o Gabinete de Segurança Interna a estabelecer regras para a regulamentação desses reatores, abordando questões como desmantelamento e preparação para emergências. Pritzker destacou a importância de avançar para o desenvolvimento responsável de pequenos reatores nucleares como parte dos esforços do estado em direção a um futuro mais limpo e favorável ao clima. (WNN - 13.11.2023) 
Link Externo

EUA: Remoção do reator Vallecitos concluída

O recipiente do reator protótipo de reator de água fervente Vallecitos (VBWR) na Califórnia, que operou de 1957 a 1963 e foi o primeiro a ser licenciado nos EUA, foi removido de sua contenção e enviado para descarte final pela NorthStar Group Services, Inc. O VBWR, situado no Centro Nuclear Vallecitos, foi preparado para embarque após mais de um ano de planejamento e transportado para a instalação de descarte no Texas. O reator, de propriedade da GE Hitachi Nuclear Energy, é parte do projeto de descomissionamento do VNC, onde outros reatores também estão em processo de desmantelamento. A NorthStar, que busca aprovações regulatórias para transferir a propriedade do VNC, está envolvida em outros projetos de descomissionamento nuclear nos EUA, incluindo a usina Vermont Yankee e a Crystal River 3 na Flórida. (WNN - 14.11.2023) 
Link Externo

França: ASN estenderá prazo de atualizações para reatores

A Autorité de Sûreté Nucléaire (ASN), o regulador de segurança nuclear da França, está disposta a conceder à Électricité de France (EDF) mais tempo para implementar as atualizações de segurança necessárias em sua frota de reatores nucleares de 900 MWe. Esses reatores, em operação desde 1977 até 1988, compreendem os mais antigos da frota nuclear do país. Após a conclusão da fase "genérica" da revisão, que ocorreu em fevereiro de 2021, a ASN acredita que as medidas planejadas pela EDF, combinadas com as prescritas pelo regulador, garantiriam a segurança das unidades por mais 10 anos de operação. As modificações visam melhorar a resistência a ataques severos, verificar a conformidade com o sistema de referência e aprimorar a gestão de situações acidentais. A EDF solicitou um adiamento de prazos devido a dificuldades operacionais, e a ASN considera o pedido aceitável, sujeito a consulta pública. (WNN - 14.11.2023) 
Link Externo

Reino Unido: Proteção permanentemente dos cofres de resíduos nucleares

A Nuclear Waste Services (NWS) anunciou o início dos trabalhos de cobertura e segurança das trincheiras e galerias do repositório de resíduos de baixo nível em Cumbria, Reino Unido, mais de 60 anos após o início da eliminação desses resíduos no local. O projeto inicial de cobertura terá uma duração de cinco anos, com a primeira fase envolvendo a colocação de uma membrana de substituição sobre as antigas trincheiras para proteger os resíduos por até 100 anos. O repositório em Cumbria recebeu aproximadamente 800.000 metros cúbicos de resíduos de baixo nível de diversas fontes entre 1959 e 1995. O Vault 8, inaugurado em 1988, introduziu um novo sistema que colocava os resíduos em contêineres e os rejuntava antes do descarte. O projeto visa fornecer proteção de longo prazo aos resíduos e ao meio ambiente, seguindo os princípios de missão da NWS para a eliminação segura de resíduos nucleares. (WNN - 13.11.2023) 
Link Externo

Romênia: Permissão para o transporte de combustível nuclear russo para a Hungria

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria, Peter Szijjarto, anunciou que o país continuará a permitir o transporte de combustível nuclear russo para a central nuclear de Paks, durante conversações com o ministro da Energia da Roménia. Szijjarto destacou a importância da cooperação energética e assinou acordos para aumentar a capacidade da ligação de gás natural entre os dois países. A rota do combustível nuclear mudou para incluir um ferry da Rússia para a Bulgária e, em seguida, um comboio através da Roménia. A Roménia concordou em apoiar a continuação desse transporte. O transporte de combustível anteriormente passava pela Ucrânia, mas a rota foi alterada após o conflito russo-ucraniano. A Hungria está avançando com o projeto Paks 2, envolvendo dois reatores VVER-1200 fornecidos pela Rosatom, com planos para a operação até a década de 2050.(WNN - 10.11.2023) 
Link Externo

Rússia: Último conjunto de combustível descarregado em unidade de Kursk

A primeira fase do descomissionamento da unidade 1 da usina nuclear de Kursk, na Rússia, foi concluída com sucesso, após o descarregamento do último conjunto de combustível usado do núcleo do reator. A usina, que se aposentou em dezembro de 2021 após 45 anos de serviço, gerou mais de 251 bilhões de kWh de eletricidade ao longo de sua operação. O diretor da fábrica de Kursk, Alexander Uvakin, anunciou que o próximo passo será o desmantelamento do equipamento. O descomissionamento é parte do processo de substituição das quatro unidades antigas em Kursk por quatro novas unidades em Kursk II, equipadas com reatores VVER-TOI mais modernos, visando melhorias na eficiência energética. (WNN - 22.11.2023) 
Link Externo

Rússia: Reator entregue à segunda unidade do Kursk II

A Rússia avançou no projeto Kursk II, uma nova central nuclear no oeste do país, ao transportar e instalar com sucesso o vaso de pressão do reator, pesando 340 toneladas e com capacidade para suportar 250 atmosferas de pressão. O vaso foi entregue pela Rosatom por barcaça e estrada, com medidas especiais de segurança, como escolta policial. Kursk II contará com quatro reatores VVER-TOI, substituindo unidades RBMK mais antigas. O vaso de pressão é um componente vital, permitindo uma vida útil do reator estendida em até 40 anos após 60 anos de operação. A instalação do equipamento está programada para este ano, marcando uma fase crucial na construção da usina nuclear, considerada um investimento fundamental na região, contribuindo para atender a demanda de eletricidade nas próximas décadas. (WNN - 21.11.2023) 
Link Externo

Sri Lanka: Governo possui planos para energia nuclear

O governo do Sri Lanka anunciou sua intenção de incluir a energia nuclear em seus planos de geração de energia a longo prazo, conforme revelado pelo Ministro da Energia e Energia do país. O Gabinete de Ministros aprovou uma proposta de reforma no setor elétrico, visando separar os serviços do Ceylon Electricity Board (CEB), reestruturar o CEB para melhorar eficiência, transparência e responsabilidade, e permitir a participação do setor privado na geração, transmissão e distribuição de energia. Antes dessa decisão, o governo expressou a intenção de lançar manifestações de interesse para a implementação da energia nuclear no Sri Lanka, após reuniões com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). A medida busca integrar a energia nuclear de forma segura nos planos de geração de longo prazo do país, apelando a manifestações de interesse para estabelecer usinas nucleares com tecnologia moderna. Em suma, o CEB já incluiu a energia nuclear em seus planos energéticos de longo prazo, prevendo a incorporação a partir de 2030. (WNN - 21.11.2023) 
Link Externo

UE: Deputados incluem a energia nuclear na proposta da Net-Zero Industry Act (NZIA)

O Parlamento Europeu aprovou a sua posição sobre a proposta Net-Zero Industry Act (NZIA), destinada a fortalecer a produção industrial da Europa em tecnologias essenciais para a descarbonização. Agora, a lista de 17 tecnologias incluídas na legislação, sujeita a atualizações periódicas, agora abrange fissão e fusão nucleares, combustíveis de aviação sustentáveis ​​e tecnologias industriais específicas. Nesse caso, a energia nuclear foi incluída apenas parcialmente na proposta da comissão para a NZIAA. Esta proposta será enviada aos estados membros da UE para discussão e finalização em dezembro. O objetivo é impulsionar a capacidade de produção de energia limpa e enfrentar desafios industriais, promovendo simultaneamente a descarbonização na Europa. (WNN - 22.11.2023) 
Link Externo

Dinâmica Internacional

AIEA: Projeto de programa nacional para a Argélia

A Argélia firmou, junto à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), um roteiro de programa nacional para o período de 2024 a 2029. O acordo de médio prazo para cooperação técnica entre o país e a organização foi assinado por Larbi Latroch, embaixador da República Argelina Democrática e Popular, e Hua Liu, vice diretor da AEIA e chefe do Departamento de Cooperação técnica. Esse é o terceiro documento do tipo consolidado pelo país membro e as áreas prioritárias identificadas para atuação incluem: segurança nuclear e radiológica, energia, produção de radioisótopos medicinais, monitoração e detecção de zoonoses, e mapeamento e gerenciamento de água. O objetivo é que tecnologias e recursos nucleares sejam destinados a essas áreas de modo a alavancar metas de desenvolvimento nacional na Argélia. (AIEA - 22.11.2023) 
Link Externo

AIEA: Interesses pelo serviço de segurança nuclear disparam

No último mês, delegações de mais de 40 países reportaram experiências e demonstraram interesse em explorar os benefícios do Serviço Internacional de Consultoria de Segurança Nuclear (INSServ, da sigla em inglês). O programa é um dos principais recursos oferecidos pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para países que desejam prevenir ou combater atividades nucleares não autorizadas ou inadequadas e, assim, evitar tensões pela possibilidade de uso criminal desses materiais e impactos nocivos à saúde e ao meio ambiente. Sua importância, por sua vez, se justifica pela ameaça e desconfiança que materiais ou práticas fora do controle regulatório representam a nível internacional. O Vietnam, que recebeu uma missão da INSServ no último ano, reportou que coordenação com autoridades competentes melhorou e que pretende avançar na implementação de atividades de segurança nuclear com o apoio da AIEA. Jordânia, Malásia, Sudão e Geórgia são países que também foram auxiliados pelo serviço. Cambodja, Costa Rica e Tailândia, por outro lado, esperam missões da INSServ no futuro. (AIEA - 22.11.2023) 
Link Externo

AIEA: Considerações sobre o futuro da legislação nuclear

A importância das leis nucleares nacionais e internacionais foi enfatizada em declarações recentes do diretor geral da Agência de Energia Atômica (AIEA), Rafael Mariano Grossi. Diante da crescente adesão à energia nuclear para fazer frente aos desafios das mudanças climáticas e da segurança energética, a legislação nuclear tem se deparado com novas complexidades. Para navegar esse cenário, o executivo recrutou profissionais jurídicos e de regulação ao redor do mundo para o treinamento do Instituto de Lei Nuclear (NLI, da sigla em inglês). A iniciativa visa a capacitação desses indivíduos para o entendimento, reparação e revisão das legislações nacionais para o setor nuclear. Segundo Grossi, o enquadramento legal deve ser dinâmico e adaptável e seu estabelecimento e compreensão devem ser de interesse geral, para todas as aplicações potenciais da tecnologia nuclear. (AIEA - 15.11.2023) 
Link Externo

AIEA: Equipe conclui revisão regulatória na Romênia

A Romênia reafirma seu compromisso com a segurança nuclear e radiológica, conforme avaliado por uma equipe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) durante uma missão de 12 dias. Embora a equipe do Serviço Integrado de Revisão Regulatória (IRRS) reconheça a infraestrutura regulatória abrangente e madura do país, ela recomenda melhorias na coordenação entre agências governamentais envolvidas em atividades nucleares e aprimoramento do quadro de proteção contra radiações, especialmente no setor médico. A missão identificou pontos positivos, incluindo cooperação eficaz com autoridades aduaneiras e atualização regulamentar para reatores e instalações de múltiplos módulos. O relatório final será fornecido ao governo em três meses, e a Romênia planeja torná-lo público. (WNN - 15.11.2023) 
Link Externo

AIEA: Unidade de Zaporizhzhia mudou para desligamento a frio

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) informou que a quinta unidade da central nuclear de Zaporizhzhia, atualmente sob controle militar russo desde março de 2022, está em processo de transição do encerramento a quente para o frio. Esta mudança visa investigar a presença de boro em um circuito de refrigeração. Os operadores da usina realizarão testes para identificar a causa dos baixos níveis de boro detectados no circuito secundário de resfriamento de um dos geradores de vapor da unidade. A AIEA foi informada de que a concentração de boro permaneceu abaixo dos limites permitidos, e nenhum nível de radioatividade foi detectado no circuito afetado. A decisão de transferir a unidade para o desligamento a frio foi tomada após a operação de uma das caldeiras a diesel externas. (WNN - 22.11.2023) 
Link Externo

AIEA: Avaliação de segurança a longo prazo em Forsmark, na Suécia

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) concluiu uma revisão abrangente de segurança, conhecida como missão SALTO, nas unidades 1 e 2 da central nuclear de Forsmark, na Suécia. Operadas pela Vattenfall, as unidades, que entraram em operação comercial em 1980 e 1981, estão planejadas para operar por 60 anos. A revisão, realizada a pedido da Autoridade Sueca de Segurança de Radiação, avaliou a preparação e organização para a Operação de Longo Prazo (LTO) seguro das unidades. A equipe de especialistas identificou boas práticas, incluindo a gestão de componentes não diretamente relevantes para a segurança e um programa abrangente de gestão de obsolescência. A Vattenfall foi elogiada por implementar medidas para uma LTO segura em tempo hábil, com recomendações adicionais para melhorar os preparativos de segurança. O relatório final será submetido à administração da central, à autoridade reguladora sueca e ao governo dentro de três meses. (WNN - 21.11.2023) 
Link Externo

AIEA: Especialistas enxergam melhoria da segurança nuclear na Suíça

Uma equipe de especialistas da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) concluiu uma missão de acompanhamento em segurança nuclear na Suíça, afirmando que o país fortaleceu seu regime de segurança nuclear desde uma missão semelhante em 2018. A missão do Serviço Internacional de Aconselhamento em Proteção Física (IPPAS) abrangeu todos os cinco módulos do programa IPPAS, incluindo uma revisão da segurança do material radioativo, instalações associadas e atividades relacionadas. A equipe identificou progressos significativos e observou o compromisso da Suíça com a segurança nuclear, elogiando seu regime nacional e sua abordagem integrada à proteção física. (WNN - 14.11.2023) 
Link Externo

AIEA e ICAO reforçam cooperação sobre transporte aéreo de materiais radioactivos

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e a Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO) concordaram em reforçar a cooperação para o transporte aéreo de materiais radioativos, com o objetivo de melhorar a eficiência e rapidez desses envios. A colaboração visa garantir o transporte seguro e eficaz de radiofármacos, essenciais para a medicina nuclear, do fabricante para hospitais e clínicas médicas. O acordo, baseado na cooperação iniciada em 1960, abrange o desenvolvimento e revisão de normas de segurança da AIEA, harmonização de melhores práticas globais, sensibilização das partes interessadas, educação sobre preparação para emergências e troca de informações sobre proteção contra radiações na aviação civil. A cooperação fortalecida visa contribuir para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. (WNN - 13.11.2023) 
Link Externo

Israel-Palestina: Ameaça nuclear à Gaza é condenada globalmente

A China, o Irã e múltiplas outras nações árabes repreenderam a declaração do ministro israelense Amihai Eliyahu de que o lançamento de uma bomba nuclear na Faixa de Gaza deveria ser considerado na guerra entre Israel e o Hamas. Apesar da dimensão da capacidade nuclear de Israel ser especulativa, a ameaça foi severamente criticada, incluindo depoimentos do embaixador chinês Geng Shuang, que a classificou como “extremamente irresponsável e perturbadora”, devendo ser universalmente condenada. Ele insistiu, ainda, que o governo israelense desminta as ameaças e que considere participar de iniciativas de desarmamento nuclear. Essa postura recebeu corroboração, também, do chefe de desarmamento da ONU, Izumi Nakamitsu, que enfatizou a urgência da eliminação de armas de destruição em massa no Oriente Médio. Sobre a guerra, mais precisamente, comentou que esforços diplomáticos e ânimos controlados são o caminho para que a paz seja alcançada. (AP News - 14.11.2023) 
Link Externo

Israel: Ministro que sugeriu bombardeamento em Gaza está suspenso de reuniões oficiais

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, suspendeu o ministro do Patrimônio, Amichay Eliyahu, de participar de reuniões governamentais após ele ter sugerido o lançamento de uma bomba nuclear na Faixa de Gaza como medida para lidar com o conflito. Em defesa, Eliyahu disse que não era de sua intenção que a declaração fosse interpretada literalmente, sendo apenas metafórica. Contudo, o depoimento teve forte repercussão internacional e foi globalmente repreendido. Em pronunciamento nas redes sociais, Netanyahu assegurou que as declarações do ministro de extrema-direita não eram verídicas. “Israel e as Forças de Defesa estão operando de acordo com os mais altos padrões do direito internacional para evitar prejudicar inocentes. Continuaremos a fazê-lo até a nossa vitória”, completou. (CNN - 05.11.2023) 
Link Externo

Rússia: Revisão da postura quanto ao banimento de testes nucleares

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou um documento que revoga o alinhamento do país ao CTBT, um tratado global de banimento de testes nucleares. Segundo ele, a medida foi necessária para estabelecer paridade com os Estados Unidos por meio da equalização das posturas dos países, assinando o tratado mas não validando o banimento. Segundo o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, a decisão russa representa um passo na direção errada e sugere que medidas de intervenção pelo uso da força podem estar se aproximando. A esse respeito, a preocupação é que a Rússia avance nos testes nucleares com a finalidade de desencorajar o apoio ocidental à Ucrânia. As autoridades russas, no entanto, disseram que a desfeita do banimento não implica que os testes serão retomados. “Precisamos que a Rússia honre essa declaração”, observou Blinken. (AP News - 02.11.2023) 
Link Externo

Inovação Tecnológica

Bruce Power: Plano para avaliação de novas tecnologias nucleares

A empresa canadense Bruce Power planeja lançar um Pedido de Informação (RFI) para avaliar novas tecnologias nucleares como parte de seus planos de expansão da geração nuclear em suas instalações existentes em Ontário. A instalação de Bruce, que já abriga oito reatores Candu, está envolvida no pré-desenvolvimento de uma nova estação nuclear em Ontário. Além da potencial nova construção em Bruce, o projeto Powering Ontario's Growth também inclui três pequenos reatores modulares adicionais nas instalações de Darlington da Ontario Power Generation. A empresa lançará o RFI em paralelo com a avaliação de impacto ambiental para considerar diversas tecnologias nucleares e fornecer opções à província no planejamento do sistema elétrico a longo prazo. (WNN - 23.11.2023) 
Link Externo

Canadá: Acordo corporativo promove colaboração com SMR

A Laurentis Energy Partners (LEP), subsidiária da Ontario Power Generation (OPG), e a concessionária de Saskatchewan, SaskPower, anunciaram um Contrato Principal de Serviços para colaborar na implementação de pequenos reatores modulares (SMRs) na província de Saskatchewan, Canadá. O acordo de até cinco anos visa estabelecer uma parceria estratégica de longo prazo para acelerar o desenvolvimento de SMRs na região, com a LEP focando na gestão de programas, licenciamento e atividades de prontidão operacional. O BWRX-300 SMR da GE Hitachi Nuclear Energy foi selecionado para potencial implantação em Saskatchewan, seguindo o mesmo modelo escolhido pela OPG para o Novo Projeto Nuclear de Darlington, em Ontário. O acordo fortalece a colaboração entre SaskPower e OPG, impulsionando a transição para a energia nuclear limpa e sustentável nas províncias canadenses. (WNN - 21.11.2023) 
Link Externo

EUA: Começa o comissionamento do sistema de ventilação WIPP

O Escritório de Gestão Ambiental (EM) do Departamento de Energia dos EUA prioriza o comissionamento do Sistema de Ventilação de Confinamento Significativo de Segurança (SSCVS) na Planta Piloto de Isolamento de Resíduos (WIPP) em 2023. À medida que o SSCVS se aproxima da conclusão, os sistemas chave estão sendo entregues para testes individuais antes da instalação entrar em operação. O novo sistema de ventilação, que será o maior do complexo DOE, aumentará significativamente o fluxo de ar subterrâneo no repositório geológico de sal profundo em Novo México. Projetado para movimentar até 540.000 pés cúbicos de ar por minuto, o SSCVS permitirá atividades simultâneas de colocação de tambores selados de resíduos transurânicos relacionados à defesa e operações de mineração. O sistema inclui o Edifício de Redução de Sal e o Novo Edifício de Filtro, proporcionando filtragem adicional quando necessário para garantir a segurança das operações e do meio ambiente subterrâneo da WIPP. (WNN - 23.11.2023) 
Link Externo

INL produz pellets HALEU para teste

O Laboratório Nacional de Idaho (INL) alcançou um marco significativo ao fabricar cerca de duas dúzias de pellets de combustível de urânio pouco enriquecido (HALEU) de alto teor comercial para testes, com planos de produzir mais 100-150 pellets para testes de irradiação no Reator de Teste Avançado. O HALEU, enriquecido entre 5% e 20% de urânio-235, é vital para projetos de reatores de próxima geração. O INL destacou que, ao demonstrar a capacidade de fabricar dióxido de urânio (UO2) de qualidade comercial, o HALEU oferece opções para a indústria e agências governamentais produzirem amostras de combustível com maior enriquecimento, sem impactar licenças existentes. Além disso, em colaboração com a General Electric, o INL planeja irradiar esses pellets para testar um protótipo de material de revestimento que pode aprimorar o desempenho de reatores atuais e futuros. (WNN - 23.11.2023) 
Link Externo

NuScale e ORNL: Avaliação do uso de SMR pela indústria

A NuScale Power e o Laboratório Nacional Oak Ridge (ORNL) do Departamento de Energia dos Estados Unidos (EUA) colaborarão em uma avaliação técnico-econômica (TEA) para estudar a capacidade de um pequeno reator modular (SMR) NuScale implementar um projeto econômico de aumento de calor a vapor. O estudo, financiado pela iniciativa Gateway for Accelerated Innovation in Nuclear (GAIN), examinará a viabilidade da tecnologia SMR da NuScale em um sistema químico, avaliando a confiabilidade do vapor, custos operacionais e estabilidade do sistema. A parceria visa fornecer um caminho para a descarbonização em setores industriais, explorando o potencial dos SMRs em processos industriais de alta temperatura. A TEA deve ser concluída em um ano, impulsionando os esforços da NuScale na liderança do desenvolvimento de novas tecnologias nucleares para alcançar a descarbonização industrial.(WNN - 21.11.2023) 
Link Externo

Reatores flutuantes: Benefícios e desafios da modalidade foram tema na FNPP

O crescente interesse na instalação de pequenos reatores modulares (SMRs, da sigla em inglês) em plataformas flutuantes foi tema de discussão no Simpósio de Usinas Nucleares Flutuantes (FNPP, do inglês) da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Segundo o diretor geral da organização, Rafael Mariano Grossi, as considerações sobre a viabilidade e potenciais aplicações dessa modalidade têm implicações legais e regulatórias que precisam ser cuidadosamente analisadas. Em destaque, o atravessamento de fronteiras internacionais e o cruzamento de diferentes jurisdições é um dos principais focos de questionamento. Canadá, China, Dinamarca, Coréia do Sul, Rússia e EUA estão entre os países que avançam em projetos de SMRs marinhos. De maneira liminar, a AIEA está empenhada em determinar instruções e padrões necessários para a segurança das FNPP. Os próximos passos previstos, em conclusão do Simpósio, contemplam melhora na comunicação entre as indústrias nuclear e marítima e organismos regulatórios. (AIEA - 21.11.2023) 
Link Externo

Reino Unido e EUA: Cooperação para o desenvolvimento da energia de fusão nuclear

Os governos dos Estados Unidos e do Reino Unido celebraram uma parceria para a aceleração do desenvolvimento de energia de fusão nuclear para atingir a fase de viabilidade comercial. A colaboração pretende explorar sinergias para a superação dos obstáculos tecnológicos para a distribuição comercial da energia dessa fonte e unir esforços para estabelecimento de novas unidades e focos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) para a fusão nuclear. Ainda nas metas, a parceria observará oportunidades para dar apoio à harmonização de procedimentos regulatórios que permitam o fortalecimento das cadeias de valor necessárias para que a dimensão comercial seja alcançada. Além disso, programas de capacitação e engajamento público também serão incentivados, de maneira a facilitar licenças sociais para a implantação da energia de fusão. (Power Engineering - 16.11.2023) 
Link Externo

Reino Unido: Reguladores consideram aplicação de IA no setor nuclear

O Escritório de Regulamentação Nuclear (ONR) do Reino Unido e a Agência Ambiental concluíram com sucesso um projeto piloto de sandbox regulatório nuclear, utilizando a inteligência artificial (IA) como caso de teste. Este projeto visa informar o desenvolvimento de uma abordagem regulatória à IA, explorando duas aplicações específicas no setor nuclear: a utilização da IA para manutenção adequada e direcionada de instalações e o uso da IA em tempo real para facilitar a operabilidade segura de robôs em espaços restritos. O sandbox regulatório permite que a indústria e os reguladores explorem propostas de inovação, identificando benefícios, riscos e garantindo acordos robustos. O piloto, o primeiro aplicado à regulamentação nuclear em qualquer parte do mundo, destaca a importância de articular claramente os benefícios da IA, compreender e gerir riscos e avaliar a fiabilidade dos sistemas de IA. Os resultados do piloto serão utilizados para informar o desenvolvimento de uma abordagem regulatória global para a IA no setor nuclear. (WNN - 10.11.2023) 
Link Externo

WANO pede adesão antecipada para projetos SMR

A Associação Mundial de Operadores Nucleares (WANO) revela que suas missões de assistência a novas unidades contribuíram para o início seguro de 53 novas unidades nucleares nos últimos oito anos. A WANO, fundada em 1989 por operadores globais de energia nuclear, promove a troca de conhecimentos de segurança e experiências operacionais entre organizações que operam reatores nucleares comerciais. Com 429 unidades nucleares como membros, a organização incentiva agora novos participantes, incluindo desenvolvedores de pequenos reatores modulares (SMR), a se juntarem antecipadamente para beneficiar-se da experiência do setor. O CEO da WANO, Naoki Chigusa, destaca a importância desse suporte para garantir a prontidão operacional, inicialização segura e desempenho operacional robusto, incentivando organizações em construção ou preparação para operar novas unidades a aderirem à WANO antecipadamente. (WNN - 16.11.2023) 
Link Externo

Empresas

Framatome: Lançamento do primeiro sistema de reabilitação de tubulações da indústria

A Framatome concluiu com sucesso um programa de testes de dois anos para validar o primeiro sistema de revestimento estrutural pulverizado no local destinado a aplicações relacionadas à segurança de usinas nucleares em operações de longo prazo e renovações de licenças. O revestimento pulverizado no local foi projetado para abordar o envelhecimento e a degradação de tubulações enterradas, oferecendo uma solução segura e eficiente que reabilita o interior dos tubos. O sistema, entregue remotamente por um rastreador robótico, não requer escavação, minimizando os riscos de segurança e reduzindo a duração das interrupções. Craig Ranson, da Framatome, destacou que essa inovação contribuirá para melhorar o desempenho das plantas nucleares, atingir metas de interrupções e garantir operações de longo prazo. (WNN - 20.11.2023) 
Link Externo

Rosatom: Desmantelamento do navio de serviço nuclear Lepse concluído

A Rosatom anunciou a conclusão do processo de desmantelamento do Lepse, um navio de serviço que serviu à frota quebra-gelo soviética e foi posteriormente utilizado para armazenar combustível nuclear usado e resíduos radioativos. O desmantelamento, que durou 10 anos, envolveu a desmontagem do navio para formar dois grandes pacotes de armazenamento. O combustível nuclear usado será enviado para reprocessamento na Combinação Química Mayak, nos Urais. A última seção do navio, a proa, foi colocada no compartimento de armazenamento do reator Sayda-Guba. A Rosatom enfatizou a importância ambiental do projeto, destacando a eliminação de objetos perigosos de radiação na região do Ártico e do Extremo Oriente. A remoção do restante da instalação de armazenamento em Gremikha está planejada até o final de 2025. (WNN - 23.11.2023) 
Link Externo

Estudos

Artigo GESEL: “Energia nuclear: Riscos e potencialidades em relação a outras fontes de energia”

Em artigo de opinião publicado pelo Gesel, a pesquisadora Isadora Verde e os pesquisadores Pedro Ludovico, João Pedro e Paulo Senra, discorrem sobre os riscos e potencialidades da energia nuclear em relação as demais fontes de geração de energia. Segundo os autores, “a energia nuclear se mostra essencial nas bases de sistemas elétricos de diversas nações”. Contudo, os pesquisadores destacam que “a invisibilidade de algumas consequências de acidentes nucleares e a temporalidade imprevisível do armazenamento de resíduos aumentam a complexidade da utilização desta fonte de energia”. Por fim, reforça-se a ideia de que uma das formas de se equilibrar segurança energética, desenvolvimento econômico e sustentabilidade, é através da energia nuclear. Para ler o artigo na íntegra, clique aqui
Ver PDF

Artigo GESEL: “A necessidade de uma autoridade nacional operante para o desenvolvimento do segmento nuclear no Brasil”

O novo artigo de opinião do Gesel, elaborado pela pesquisadora Cristina Rosa, e os pesquisadores João Pedro e Paulo Senra, aborda a necessidade de uma autoridade nacional voltada para o desenvolvimento da energia nuclear no Brasil. Segundo os autores, “O Brasil possui condições efetivas e tangíveis para se estabelecer como um importante player no mercado global das cadeias de suprimento da energia nuclear [...] No entanto, para que o país possa aproveitar o cenário delineado pelo processo de transição energética e transformar o seu potencial natural, produtivo e institucional em desenvolvimento econômico e social efetivo, capaz de gerar maior renda, emprego e arrecadação de impostos, é imprescindível, entre outras ações, a consolidação de um órgão regulador bem qualificado”. Para ler o artigo na íntegra, clique aqui
Ver PDF