IFE
20/10/2023

IFE Energia Nuclear 37

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Gustavo Esteves
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

IFE
20/10/2023

IFE nº 37

Assinatura:
Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e João Pedro Gomes
Pesquisadores: Cristina Rosa e Gustavo Esteves
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

Ver índice

IFE Energia Nuclear 37

Políticas Públicas e Planos de Governo

Brasil: Programa nuclear autofinanciável pelo urânio será apresentado ao Congresso

Durante o Rio Innovation Week, o deputado federal Júlio Lopes (PP-RJ) revelou que será apresentado ao Congresso Nacional uma proposta de financiamento de programa nuclear por meio da exportação de urânio. O objeto é o programa de R$ 60 milhões que visa concluir Angra 3, revitalizar Angra 1 e modernizar tecnologia nuclear brasileira. “Dominamos o ciclo inteiro da cadeia do urânio e é por isso que estamos trabalhando incansavelmente junto ao MME num projeto autofinanciável”, disse o deputado. Ele reforça o potencial brasileiro enquanto a sexta maior reserva do combustível no mundo e salienta a tecnologia e mão de obra especializada como trunfos para o sucesso do país no contexto redescoberto da energia nuclear. De acordo com a proposta, seria necessária uma produção adicional de 540 toneladas, para além das 800 toneladas atuais, para financiar o programa. (Canal Energia – 06.10.2023) 
Link Externo

Brasil: Congresso Nacional remaneja recursos para segurança nuclear

O Congresso Nacional aprovou projeto de crédito especial para o Ministério da Tecnologia, Ciência e Inovação (MCIT) no valor de R$22,8 milhões. O montante será utilizado para custear despesas com monitoramento, regulação e fiscalização da segurança nuclear e proteção radiológica – competências da autoridade nuclear. Os recursos serão remanejados do MME para o MCIT. O recipiente do aporte financeiro, no entanto, será a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), em razão do presidente da Autoridade Nacional da Segurança Nuclear ainda não ter sido nomeado, fator que, conforme a lei, impede o órgão de funcionar. (Agência Senado – 04.10.2023) 
Link Externo

Brasil e Argentina assinam MoU sobre radioisótopos e pesquisa

A Comissão Nacional de Energia Atômica da Argentina (CNEA) e a Comissão Nacional de Energia Nuclear do Brasil (CNEN) reuniram um memorando de entendimento para fortalecer sua colaboração na área de usos pacíficos da tecnologia nuclear, especialmente em relação aos novos reatores de pesquisa planejados. Esse acordo amplia a cooperação já existente, abrangendo aspectos como medicina nuclear, ensaios de irradiação de combustíveis e materiais, além de pesquisas envolvendo feixes de nêutrons. Ambos os países têm projetos de reatores de pesquisa em andamento, como o RA-10 da Argentina e o Reator Multiuso Brasileiro (RMB), e buscam alavancar uma expertise mútua para promover avanços no setor nuclear. (WNN - 09.10.2023) 
Link Externo

Brasil e França discutem vínculos de energia nuclear

A França e o Brasil buscam restabelecer sua cooperação no setor energético, com ênfase na energia nuclear, após conversas entre os ministros da energia dos dois países em Paris. Os representantes discutiram questões de transição energética e oportunidades de parceria estratégica, com foco especial na energia nuclear. O Brasil manifestou interesse em trabalhar cada vez mais próximo da França nesse campo e foi estabelecida uma agenda permanente de trabalho abrangendo diversas áreas. Isso reflete a tentativa de retomar a colaboração histórica no setor energético, que havia estagnado nos últimos anos. O Brasil tem planos de adicionar 10 GW de capacidade nuclear nos próximos 30 anos, enquanto a França já opera 56 usinas nucleares e planeja a construção de novas instalações. (WNN - 16.10.2023) 
Link Externo

Argentina: Segurança radiológica de bens de consumo

A Vice Presidente do regulador nacional da Argentina, Marina Di Giorgio, e a Vice Diretora da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA), Lydie Evrard, assinaram um acordo de segurança radiológica e monitoramento. Isso renova o acordo de 2015 e prolonga a cooperação das partes na segurança radiológica, que beneficia não apenas a Argentina e a América Latina, mas todos os países membros do IAEA. A parceria se empenhará em atividades relacionadas à detecção de radioisótopos em bens de consumo e no desenvolvimento de critérios de proteção radiológica. (IAEA – 09.10.2023) 
Link Externo

Austrália: Atividades de mineração recomeçam no projeto ISL

A Boss Energy Limited anunciou que o pré-condicionamento do Wellfield iniciou no projeto de urânio de lixiviação in-situ (ISL) Honeymoon, localizado no sul da Austrália. Esse processo de pré-condicionamento envolve a remoção de cloretos e cálcio indesejados dos poços antes da remoção de urânio. A empresa já concluiu atividades de construção, incluindo o desenvolvimento de campos de poços e plantas de tratamento de água. O pré-condicionamento durará cerca de dois meses, após o qual será iniciada a remoção de urânio por lixiviação in situ. Honeymoon está a caminho de retomar a produção até o final deste ano, produzindo 2,45 milhões de libras de U3O8 por ano durante uma vida útil de 11 anos da mina. A mina foi colocada sob cuidados e manutenção em 2013, mas a Boss adquiriu o projeto em 2015. (WNN - 11.10.2023) 
Link Externo

Canadá: Nova estratégia integrada de gestão de resíduos radioativos aceita

O Canadá planeja adotar uma estratégia de gerenciamento integrada para resíduos radioativos não relacionados ao nuclear usado, com a Organização de Gerenciamento de Resíduos Nucleares do Canadá (NWMO) assumindo a responsabilidade pela disposição de resíduos de nível intermediário e alto nível não combustíveis em um depósito geológico profundo, enquanto os resíduos de baixo nível serão eliminados em instalações de superfície supervisionadas pelo governo federal. Essa estratégia visa preencher lacunas nos planos de eliminação de resíduos a longo prazo e foi desenvolvida após extenso envolvimento com partes interessadas e considerações técnicas. O Ministro de Energia e Recursos Naturais, Jonathan Wilkinson, expressou seu apoio à estratégia, enfatizando o compromisso contínuo do Canadá em gerenciar resíduos radioativos de forma segura e ambientalmente responsável, mantendo seu setor nuclear e contribuindo para uma futura matriz com baixas emissões energéticas de carbono. (WNN - 06.10.2023) 
Link Externo

China: Construção da primeira unidade em Lianjiang em andamento

O primeiro concreto relacionado à segurança foi lançado na ilha nuclear da unidade 1 da usina nuclear de Lianjiang, na província chinesa de Guangdong. Este evento marca o início da construção das duas unidades CAP1000, a versão chinesa do Westinghouse AP1000, aprovada em setembro de 2022. A concretagem foi concluída antes do prazo, com a unidade 1 de Lianjiang planejada para entrar em operação em 2028. Quando todas as seis unidades CAP1000 forem concluídas, a usina contribuirá para uma geração anual de energia significativa, reduzindo consideravelmente o consumo de carvão e as emissões de poluentes na China. A usina de Lianjiang também será a primeira a adotar a tecnologia de resfriamento por circulação secundária de água do mar e usar uma torre de resfriamento supergrande no país. (WNN - 09.10.2023) 
Link Externo

Egito: Coletor de núcleo instalado na usina nuclear de El Dabaa

Funcionários da Autoridade de Usinas Nucleares do Egito (NPPA) e da empresa russa Rosatom realizaram uma cerimônia marcando a instalação do coletor de núcleo na primeira unidade da usina nuclear de El Dabaa. Este coletor de núcleo, com 6,1 metros de diâmetro, é uma parte vital do sistema de segurança passiva do reator VVER-1200 e tem a função de conter com segurança fragmentos do núcleo fundido em caso de emergência, impedindo a liberação além da contenção faça reator. A instalação é um marco importante na construção da usina de quatro unidades, demonstrando os esforços conjuntos do Egito e da Rússia para cumprir o cronograma planejado. A usina de El Dabaa consistirá em quatro unidades VVER-1200, com a Rosatom fornecendo não apenas a construção da usina, mas também combustível nuclear russo e assistência na formação e manutenção durante os primeiros 10 anos de operação. (WNN - 06.10.2023) 
Link Externo

EUA: NRC autoriza Southern Nuclear a usar combustível mais enriquecido

A Southern Nuclear recebeu autorização da Comissão Reguladora Nuclear dos Estados Unidos (NRC/EUA) para usar combustível nuclear avançado enriquecido até 6% de urânio-235 na unidade 2 de Vogtle. Isso marca a primeira vez que um reator comercial nos EUA foi autorizado a utilizar combustível com mais de 5% de enriquecimento. A autorização permite que a Southern Nuclear e a Westinghouse iniciem a fabricação de conjuntos de teste de chumbo do chamado Combustível Tolerante a Acidentes (ATF) de próxima geração. O ATF é uma tecnologia revolucionária que melhorou o desempenho e a confiabilidade do reator, e está prevista para ser carregada na unidade em 2025. (WNN - 03.10.2023) 
Link Externo

França: Desmantelamento completo do reator experimental francês prosseguirá

A EDF recebeu autorização para iniciar a terceira e última fase do desmantelamento da usina nuclear de Brennilis, localizada em Monts d'Arée, na Bretanha, França. Esta usina foi um reator único de água pesada refrigerada a gás com capacidade de 75 MWe, operando entre 1972 e 1981. Após a conclusão das fases anteriores, a autorização para a "desativação total" permitiu à EDF desmantelar o reator, limpar as instalações civis e concluir a reabilitação do local de Brennilis. Este processo de desativação é complexo, devido ao design exclusivo da usina de água pesada, e a EDF está trabalhando com parceiros para implementar soluções inovadoras de teleoperação e robótica, com o desmantelamento dos circuitos periféricos do reator começando ainda este ano. (WNN - 10.10.2023) 
Link Externo

Marrocos reforça regulação e quer capacitação para países africanos

Saïd Mouline, Diretor Geral do corpo regulatório do Marrocos e a Vice Diretora da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Lydie Evrard, assinaram acordo que estabelece e fortalece infraestrutura regulatória para segurança radiológica. O compromisso fortifica a parceria já existente entre as partes na promoção de atividades de capacitação, como cursos e mentorias de proteção à radiação. Os focos do marco cooperativo serão a preparação da infraestrutura regulatória para o longo prazo e o estabelecimento de uma instituição de ensino, a Escola Africana para Reguladores da Segurança Radiológica. (IAEA – 09.10.2023) 
Link Externo

Mianmar e Rússia assinam MoU sobre infraestrutura nuclear

Rússia e Mianmar assinaram um novo Memorando de Entendimento (MoU) que aborda as necessidades de desenvolvimento de infraestrutura nuclear para Mianmar e identifica áreas prioritárias para o desenvolvimento de um projeto de pequeno reator modular. O MoU estipula que o desenvolvimento da infraestrutura nuclear seguirá as recomendações da AIEA e as melhores práticas da Rosatom, incluindo a cooperação na formação e desenvolvimento de recursos humanos e o aprimoramento da cultura de segurança nas organizações envolvidas no programa de desenvolvimento de energia nuclear. Isso segue um acordo anterior entre os dois países para cooperação na utilização da tecnologia nuclear para fins pacíficos, com a criação de um comitê conjunto de coordenação para facilitar a implementação desse acordo. (WNN - 11.10.2023) 
Link Externo

Suécia: Governo toma medidas para mudar a legislação nuclear

O governo sueco apresentou um projeto de lei ao parlamento com o objetivo de modificar a legislação de energia nuclear do país, eventualmente eliminar as atuais limitações de dez reatores em funcionamento e permitir a construção de reatores em novos locais, em oposição ao requisito atual de substituição de reatores permanentemente fechados. Essas mudanças têm como objetivo acelerar a transição verde da Suécia, com a expansão da energia nuclear sendo considerada fundamental para aumentar a produção de eletricidade e reduzir as emissões de carbono. O governo também pretende criar as condições para a operação de Pequenos Reatores Modulares (SMRs) no país, reduzir os obstáculos à nova energia nuclear e estabelecer um sistema elétrico robusto. As mudanças propostas estão programadas para entrar em vigor em 1º de janeiro de 2024. (WNN - 05.10.2023) 
Link Externo

Tadjiquistão: Limpeza do legado de urânio concluída antes do previsto

A Rosatom anunciou a conclusão do trabalho de recuperação da fábrica de minério de urânio de baixo teor e dos depósitos de rejeitos em Taboshar, no Tajiquistão. O projeto visa melhorar a condição ambiental da antiga instalação de mineração e processamento de urânio e foi financiado pelos países participantes do programa-alvo internacional - Rússia, Cazaquistão, Tajiquistão e Quirguistão. Isso marcou um passo importante na reabilitação de áreas afetadas pela mineração de urânio na Ásia Central, que serviu como uma importante fonte de urânio para a antiga União Soviética. Além disso, a Rosatom expressou interesse em expandir a cooperação com o Tajiquistão no setor nuclear, incluindo possíveis projetos de energia nuclear no país. (WNN - 04.10.2023) 
Link Externo

Rússia construirá usinas nucleares na África subsaariana

Líderes militares de Burkina Faso assinaram acordo com a Rússia para construção de uma usina nuclear para ampliar a oferta de eletricidade. O país é um dos menos eletrificados globalmente, com apenas 21% da população tendo acesso à energia, e tem um dos custos de energia mais elevados da África. Com o acordo, a meta é atingir 95% de acesso nas áreas urbanas e 50% nas rurais até 2030. Além de Burkina Faso, a Nigéria também fez acordo com a Rússia para a construção de usinas nucleares e o Kenya revelou o desejo de realizar esse empreendimento, mas ainda não escolheu um parceiro. Ruanda, por sua vez, escolheu a companhia Dual Fluid Energy para construção de um reator nuclear que, segundo o governo do país, será essencial para o suprimento da África Central. (BBC – 12.10.2023) 
Link Externo

Dinâmica Internacional

AIEA: Inaugurado centro de treinamento em segurança nuclear

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) inaugurou o Centro de Treinamento e Demonstração de Segurança Nuclear, permitindo que participantes de 45 países aprendam sobre a proteção física de materiais nucleares e outros materiais radioativos, bem como a detecção e resposta a atos criminosos envolvendo materiais e instalações nucleares. Esta iniciativa foi financiada por 15 doadores e contribuições em espécie, no valor de 18 milhões de euros, em resposta ao aumento na demanda por treinamento em segurança nuclear, especialmente após a entrada em vigor da Emenda da Convenção sobre a Proteção Física dos Materiais Nucleares em 2016. O centro oferece uma ampla gama de cursos e simulações, aprimorando as habilidades de especialistas em segurança nuclear e proteção de materiais nucleares em todo o mundo. Rafael Mariano Grossi, Diretor Geral da AIEA, destacou a importância da segurança nuclear e o papel desse centro no equipado de ferramentas para tornar a energia nuclear mais segura e protegida. (WNN - 04.10.2023) 
Link Externo

AIEA: Tentativa de acesso a todas as salas de turbinas de Zaporizhzhia

Especialistas da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) estão solicitando acesso às seis salas de turbinas da usina nuclear ocupada de Zaporizhzhia, controladas pelo exército russo desde fevereiro de 2022, para confirmar o cumprimento das normas de segurança e princípios de segurança. A equipe da AIEA está autorizada a confirmar o estado de uma sala de turbinas por vez. Eles também solicitaram acesso aos telhados dos edifícios dos reatores 1, 2, 5 e 6. Os operadores russos transferiram novamente a unidade 4 para o desligamento a quente após reparos em um vazamento de água, enquanto a unidade 6 retornou ao desligamento a frio. A AIEA começou a encontrar opções de segurança para fornecer vapor, uma vez que a Inspeção Estatal de Regulação Nuclear da Ucrânia exige que todos os reatores permaneçam desligados a frio. O diretor-geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi, enfatiza a importância de garantir que a planta não seja usada para fins militares. (WNN - 05.10.2023) 
Link Externo

AIEA: Acesso ao telhado de unidade de Zaporizhzhia

Especialistas da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) fizeram uma inspeção no telhado da segunda unidade realizada na central nuclear de Zaporizhzhia e não encontraram minas ou explosivos. No entanto, a AIEA continua a solicitar acesso aos telhados de todos os edifícios dos seis reatores e às salas das turbinas. A agência está buscando confirmar a conformidade com os cinco princípios de segurança estabelecidos pela ONU para a central, incluindo a não utilização para fins militares. O acesso solicitado ainda não foi concedido, mas a AIEA persistirá em seus pedidos. A central permanece em foco devido a preocupações com a segurança, com relatos de explosões próximas e a necessidade de acesso a áreas específicas para avaliação de segurança. (WNN - 12.10.2023) 
Link Externo

AIEA: Outra unidade de Zaporizhzhia será desligada a quente

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) foi informada de que um segundo reator na usina nuclear de Zaporizhzhia, sob controle russo na Ucrânia, está sendo transferido para o desligamento a quente a fim de fornecer água quente e aquecimento urbano durante o inverno. A central já mantém um reator em desligamento a quente, enquanto os demais estão em desligamento a frio desde abril. A AIEA encorajou a usina a encontrar uma fonte alternativa de produção de vapor para manter os reatores desligados no frio, mas a instalação de equipamentos externos pode levar até 2024. Isso ocorre após a destruição da barragem de Kakhovka, que afetou o fornecimento de água de resfriamento. A AIEA continuará monitorando a situação. (WNN - 16.10.2023) 
Link Externo

AIEA e IRPA prolongam cooperação para protocolos de segurança

O presidente da Associação Internacional de Proteção a Radiação (IRPA, da sigla em inglês), Bernard Le Guen, e a Vice Diretora da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Lydie Evrard, assinaram um Memorando de Entendimento de cinco anos acerca da proteção e segurança radiológica. A IRPA concordou em dar suporte à IAEA na aplicação de medidas de segurança radiológica relevantes, inclusive em atividades de combate ao câncer na África e no desenvolvimento de instrumentos de educação sobre o assunto. A IAEA, por sua vez, continuará apoiando a IRPA em congressos internacionais e regionais, com atenção especial para o engajamento de jovens profissionais e promoção de profissões de segurança radiológica para mulheres. Em colaboração, ambas as organizações prometem manter sua contribuição significativa no alinhamento internacional de procedimentos de proteção à radiação. (IAEA – 09.10.2023) 
Link Externo

Associação Nuclear Mundial e AFCONE: Parceria para apoiar a implantação nuclear na África

A Associação Nuclear Mundial e a Comissão Africana de Energia Nuclear (AFCONE) assinaram um memorando de entendimento para promover o crescimento económico e o desenvolvimento sustentável através da energia nuclear no continente africano. O acordo tem o objetivo de facilitar a compreensão da energia nuclear civil e apoiar o desenvolvimento de projetos nucleares nos Estados africanos, incluindo compartilhamento de informações, formação e reforço de capacidades. A África atualmente tem dois reatores nucleares em operação na África do Sul e quatro em construção no Egito, com outros países como Gana, Quênia e Nigéria avançando com seus próprios planos nucleares. A parceria visa apoiar esses esforços e promover a energia nuclear como uma fonte de energia limpa e acessível. (WNN - 12.10.2023) 
Link Externo

Japão: Começa a liberação do segundo lote de água de Fukushima

A Tokyo Electric Power Company (Tepco) iniciou a liberação do segundo lote de água tratada da usina nuclear de Fukushima Daiichi no oceano, com um volume total de cerca de 7.800 metros cúbicos. A água passou pelo Sistema Avançado de Processamento de Líquidos (ALPS) para remover a maior parte da contaminação radioativa, exceto o trítio. Este é o segundo lote de uma série planejada de liberações ao longo de cerca de 30 anos. A concentração de trítio na água diluída está bem abaixo dos limites operacionais japoneses, confirmados pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). (WNN - 05.10.2023) 
Link Externo

Inovação Tecnológica

Bruce Power: Estudo de hidrogênio rosa ganha financiamento do IESO

A Kinectrics e a FuelCell Energy estão conduzindo um estudo com apoio de Bruce Power para explorar o potencial de uso da eletricidade gerada pela energia nuclear na produção de hidrogênio. O projeto, financiado pelo Fundo de Inovação de Hidrogênio do governo de Ontário, avaliará a previsão da integração da produção de hidrogênio, geração de energia de hidrogênio e uma estação de abastecimento de hidrogênio em Toronto. O estudo também examinará o uso de células de combustível de óxido sólido na geração de energia. Além disso, este projeto será como um piloto para implantações mais amplas, incluindo a integração de sistemas de hidrogênio com usinas nucleares, como os pequenos reatores modulares. A iniciativa visa demonstrar o valor do hidrogênio como parte da rede elétrica e aprimorar a confiabilidade e flexibilidade do sistema de energia. (WNN - 13.10.2023) 
Link Externo

Edison: Implantação de SMR na Itália

A empresa italiana de energia, Edison, anunciou seus planos de construir duas centrais nucleares utilizando tecnologia de Pequenos Reatores Modulares (da sigla em inglês, SMRs) da EDF, entre 2030 e 2040, desde que sejam previstas as condições para o retorno da energia nuclear à Itália. A empresa está buscando duplicar sua receita operacional antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) até 2030, com uma ênfase significativa em atividades neutras em emissões de carbono, incluindo energia nuclear. Edison planeja ter 90% de seu mix de geração de energia descarbonizada até 2040, com foco na captura de CO2 e possivelmente energia nuclear. A empresa acredita que a energia nuclear desempenhará um papel fundamental na neutralidade de carbono da União Europeia, proporcionando estabilidade ao sistema elétrico e complementando fontes renováveis ​​intermitentes. (WNN - 06.11.2023) 
Link Externo

Espanha: Construção de instalação de testes de materiais de fusão em andamento

A construção do projeto International Fusion Materials Irradiation Facility-Demo Oriented Neutron Source (IFMIF-DONES) foi iniciada em Granada, Espanha. A instalação servirá como uma fonte de nêutrons para testar a resistência dos materiais a serem usados ​​em usinas de fusão. Essa fonte de nêutrons imitará as condições de bombardeio de materiais em uma usina de fusão. O IFMIF-DONES utilizará um acelerador de partículas para criar um feixe de deutério direcionado a um alvo de lítio líquido, gerando nêutrons para testes de materiais. A construção da instalação deverá durar cerca de 10 anos, com exploração científica e tecnológica planejada para pelo menos 30 anos. O projeto visa avaliar a resistência de materiais sob condições semelhantes às de usinas de fusão, incluindo o teste de ligas de aço como o EUROFER, destinados a serem usados ​​em estruturas de parede de usinas de fusão. (WNN - 12.10.2023) 
Link Externo

EUA: Fornecimento de combustível TRIGA é retomado

A primeira remessa de elementos de combustível para reatores de pesquisa chegou à Universidade Estadual da Pensilvânia, como parte de um contrato de nove anos entre o Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE) e a TRIGA International, uma joint venture entre a Framatome e a General Atomics. O DOE arrecadou quase 16 milhões de dólares para modernizar as instalações da TRIGA International em Romanos, França, onde fabricaram o combustível para reatores TRIGA. Os reatores TRIGA são usados ​​principalmente para treinamento de estudantes, projetos de pesquisa e produção de isótopos, e a Penn State tem o reator Breazeale em operação desde 1955. Além disso, a General Atomics Electromagnetic Systems (GA-EMS) recebeu um contrato da Sandia National Laboratórios para fornecer serviços de desenvolvimento de projeto em apoio a um projeto conceitual de reator de pesquisa para uma nova instalação avançada. Este contrato visa apoiar as atividades experimentais, de pesquisa e desenvolvimento da Sandia para o futuro. (WNN - 04.10.2023) 
Link Externo

EUA: Começam as operações de enriquecimento na planta HALEU

A Centrus Energy Corp iniciou as operações de enriquecimento de urânio na American Centrifuge Plant em Piketon, Ohio. Essa instalação é a única nos EUA licenciada pela Comissão Reguladora Nuclear (NRC) para produzir urânio de alto teor e baixo enriquecimento (HALEU) e é a primeira usina de enriquecimento de urânio de propriedade dos EUA com tecnologia dos EUA para iniciar a produção desde 1954 O HALEU é fundamental para alimentar a próxima geração de reatores avançados, bem como a frota existente de reatores. A capacidade inicial é modesta, mas o Centrus pode expandi-la significativamente com financiamento adicional e compromissos de fornecimento. A produção de HALEU é vista como uma parte crítica da recuperação da independência nuclear dos Estados Unidos. (WNN - 12.10.2023) 
Link Externo

Jordânia: Pensando em SMRs, país avança em programa nuclear

Com apoio da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA, na sigla em inglês), a Jordânia avança na implementação de energia nuclear para produção de eletricidade e água potável. O país, que tem alta escassez de recursos hídricos, expressou interesse na utilização de reatores modulares (SMR) para gerar energia para dessalinização e bombeamento de água do mar vermelho para Amã. Para atender esse tipo de demanda, a IAEA utiliza a Plataforma de SMR, criada em 2021, que oferece serviços e suporte no desenvolvimento, instalação e fiscalização dos reatores modulares. A agência realizou uma missão com especialistas na Jordânia para examinar a viabilidade do empreendimento e promoveu um workshop que explorou as tecnologias para a dessalinização nuclear. “O apoio da IAEA para o programa nuclear da Jordânia, particularmente o projeto de SMR, é altamente valorizado e tem um papel fundamental na melhora das nossas capacidades e no avanço dos nossos esforços” disse Khalid Khasawneh, Comissário da Comissão de Energia Atômica da Jordânia (JAEC). (IEAE – 04.10.2023) 
Link Externo

Newcleo e Tosto Group: Parceria visa o desenvolvimento de LFRs

A Newcleo, uma empresa de desenvolvimento de pequenos reatores rápidos modulares refrigerados a chumbo (LFRs) com sede no Reino Unido, assinou um acordo de cooperação e investimento com o Grupo Tosto, que é composto por sete empresas baseadas na Itália e na Romênia. A parceria visa avançar na industrialização dos reatores da Newcleo, incluindo pesquisa, design, demonstração e industrialização. O primeiro marco será o projeto e a construção de um LFR de 30 MWe na França até 2030, seguido por uma unidade comercial de 200 MWe no Reino Unido. A Newcleo também planeja investir em uma planta de urânio/óxido de plutônio (MOX) para abastecer seus reatores. Além disso, em março deste ano, a Newcleo assinou um acordo com a fornecedora italiana Enel para cooperar em projetos relacionados à sua tecnologia LFR. (WNN - 11.10.2023) 
Link Externo

Rolls-Royce: Parcerias para design e análise de combustível para SMR

A Rolls-Royce SMR concedeu um contrato com a Westinghouse para o desenvolvimento de um projeto de combustível para seu Pequeno Reator Modular (SMR) no Reino Unido e nos EUA. Esse projeto é considerado vital para a Avaliação do Projeto Genérico (GDA) em andamento pelos reguladores independentes do Reino Unido. A Associação da Indústria Nuclear do Reino Unido elogiou a parceria como essencial para fortalecer a cadeia de abastecimento nuclear no país. Além disso, o Laboratório Físico Nacional (NPL) do Reino Unido anunciou uma parceria com a Rolls-Royce SMR para investigar a aplicação da espectrometria de massa tandem com plasma indutivamente acoplado na medição inteligente dos constituintes químicos da água em um Rolls-Royce SMR como indicador das condições de operação do reator. Isso visa melhorar a segurança e eficácia dos SMRs e fazer avançar a energia nuclear limpa no país. (WNN - 11.10.2023) 
Link Externo

Rosatom: Usina nuclear flutuante pronta para primeiro reabastecimento

A central nuclear flutuante russa Akademik Lomonosov recebeu com sucesso o combustível nuclear, marcando um passo significativo para o reabastecimento histórico do reator, previsto para começar antes do final do ano. A TVEL, divisão de combustíveis da Rosatom, trouxe o combustível, que foi entregue via Rota Marítima do Norte até Pevek, no nordeste da Rússia, onde a central está localizada. A Akademik Lomonosov está equipada com dois reatores KLT-40S e fornece calor e energia para a cidade de Pevek, sendo parte de um projeto piloto para usinas nucleares flutuantes que poderiam ser implantadas em áreas de difícil acesso da Rússia. (WNN - 13.10.2023) 
Link Externo

Sheffield Forgemasters, X-energy e Cavendish Nuclear: Assinatura de MoU visa a implantação de novos reatores

Sheffield Forgemasters, X-energy e Cavendish Nuclear assinaram um memorando de entendimento para colaborar na implantação de uma frota de reatores refrigerados a gás de alta temperatura (HTGRs) Xe-100 no Reino Unido. A Sheffield Forgemasters, com sua experiência em desenvolvimento de peças nucleares forjadas e fundidas, trabalhará com a X-energy e a Cavendish Nuclear para construir até 40 reatores Xe-100 em todo o país. Isso segue os esforços recentes da Great British Nuclear (GBN) para promover a geração de energia nuclear no Reino Unido, incluindo tecnologias avançadas. A parceria visa maximizar o envolvimento da cadeia de abastecimento do Reino Unido e atingir 80% de valor de conteúdo do Reino Unido no programa de implantação do Xe-100. (WNN - 13.10.2023) 
Link Externo

Standard Power: Empresa incorpora tecnologia SMR

Standard Power vai desenvolver duas instalações abastecidas com reatores modulares (SMR) da NuScale em Ohio e Pensilvânia. O projeto será desenvolvido em conjunto com a ENTRA1 Energy, companhia global de desenvolvimento e produção de energia, com quem a NuScale fechou parceria exclusiva para comercialização de sua tecnologia de SMR. A tecnologia de SMR da empresa foi a única que teve o design aprovado pela Comissão de Regulação Nuclear dos Estados Unidos e tem diversos usos, como geração de energia, aquecimento local e produção de hidrogênio em escala comercial. (Power Engineering - 09.10.2023) 
Link Externo

Empresas

EUA: NRC aprova transferência de usinas para a Vistra

A Comissão de Regulação Nuclear (NRC, da sigla em inglês) aprovou a transferência das licenças de operação das três usinas nucleares da Energy Harbor para a Vistra. Em março de 2023, a Vistra adquiriu a companhia em um acordo de US$3,4 bilhões e, assim, passará a operar o segundo maior complexo nuclear não regularizado do país, com quatro usinas que somam mais de 6400 MW. A transação, no entanto, ainda precisa da aprovação final da Comissão Federal de Regulação de Energia (FERC). (Power Engineering - 03.10.2023) 
Link Externo

Holtec: Reinicialização da fábrica fechada de Palisades

A empresa Holtec International apresentou um pedido à Comissão Reguladora Nuclear (NRC) dos EUA para iniciar formalmente o processo de reautorização das operações da usina nuclear de Palisades, localizada em Michigan. A usina havia sido desativada em maio de 2022. A Holtec planeja repotenciar a usina para aumentar a geração de energia livre de carbono em Michigan, fortalecer a confiabilidade da rede regional e reduzir a dependência de consumo de energia. Este movimento busca trazer de volta a usina nuclear para contribuir com as necessidades energéticas da região, obedecendo aos mais altos padrões regulatórios e de segurança. (WNN - 06.10.2023) 
Link Externo

KHNP: Consórcio multinacional formado para obra de Cernavoda

A Korea Hydro & Nuclear Power (KHNP) fez parceria com a Candu Energy do Canadá e o italiano Ansaldo Nucleare para realizar uma reforma na unidade 1 da usina nuclear de Cernavoda, na Romênia. O projeto, avaliado em 1,85 bilhão de dólares, abrange a substituição de componentes do reator e o isolamento do reator do restante da usina. O consórcio formado por três empresas preparará propostas comerciais e negociará com a SN Nuclearelectrica, uma empresa encomendante. A Unidade 1 de Cernavoda entrou em operação comercial em 1996, e a Nuclearelectrica planeja expandir sua vida operacional por 60 anos. (WNN - 13.10.2023) 
Link Externo

Rosatom: Expansão de cooperação na África Ocidental

A empresa nuclear estatal russa, Rosatom, assinou memorandos de entendimento com Burkina Faso e Mali inicia uma cooperação na utilização de energia nuclear para fins pacíficos. Esses acordos, firmados em Moscou, marcam o início da colaboração em uma ampla gama de áreas, incluindo geração nuclear, aplicações não energéticas da energia nuclear, desenvolvimento de infraestrutura nuclear e conscientização pública sobre tecnologias nucleares. Esses memorandos de entendimento estabelecem as bases para parcerias futuras e refletem o compromisso contínuo da Rosatom em promover a cooperação nuclear internacional. (WNN - 16.10.2023) 
Link Externo

TVO: Extensão da licença de operação e aumento de potência para centrais nucleares

A comissão finlandesa Teollisuuden Voima Oyj (TVO) iniciou um procedimento de avaliação de impacto ambiental (EIA) para considerar uma extensão possível da licença de operação e um potencial aumento de potência das unidades 1 e 2 em sua usina nuclear de Olkiluoto. As unidades, que atualmente fornecem 15% da eletricidade da Finlândia, tiveram suas licenças prolongadas por 20 anos em 2018 e agora estão sendo avaliadas para uma extensão adicional de pelo menos 10 anos. A TVO também está analisando a possibilidade de aumentar a potência das unidades em 80 MWe, o que resultaria em um aumento significativo na produção anual de eletricidade. As decisões finais serão tomadas após a conclusão do relatório de impacto ambiental. (WNN - 10.10.2023) 
Link Externo

Estudos

AIEA: Projeção revela crescimento da energia nuclear

A Agência Internacional de Energia Atômica lançou o panorama anual da energia nuclear para as próximas décadas. A agência prevê, em média, um quarto a mais de capacidade de geração nuclear instalada em 2050 do que previra em 2020, o que indicaria um número crescente de países interessados nessa fonte. Segundo Rafael Mariano Grossi, diretor geral da IAEA, esse aumento é explicado pela preocupação com a segurança energética, além da mudança climática. Além disso, afirma que muitos países estão retomando ou lançando programas nucleares e considerando reatores modulares (SMR) para aplicações além da produção de eletricidade. O relatório demonstra que, em meio a rápidas mudanças no cenário de energia global, cada vez mais países têm percebido a energia nuclear como uma alternativa resiliente e confiável, capaz de prevenir flutuações e garantir segurança de suprimento. (IAEA – 09.10.2023) 
Link Externo

AIEA: Crescimento da energia nuclear é acompanhado de desafios

Apesar da perspectiva otimista do crescimento da energia nuclear, previsto no panorama anual da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA), ainda há obstáculos a serem superados. Segundo a publicação, desafios inerentes à mudança climática, financiamento e complexidades da cadeia de valor são persistentes e, mesmo com a colaboração internacional e medidas especializadas, muito ainda precisa ser feito para atingir um ambiente de amplas possibilidades para investimento em projetos nucleares. Para Rafael Mariano Grossi, diretor geral da IAEA, para chegar a um nível equitativo as decisões devem ser guiadas por uma visão contemplativa com base na ciência, no fato e na razão. (IAEA – 09.10.2023) 
Link Externo

Eventos

AEIA: Conferência de Energia Nuclear termina apelo por ambiente mais equitativo

A 2ª Conferência de Mudança Climática e o Papel da Energia Nuclear da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA), realizada em Viena, foi encerrada com apelo para um “ambiente equitativo” para políticas de energia e acesso a financiamento. O propósito é possibilitar que a geração nuclear alcance seu potencial enquanto instrumento para cumprir as metas de descarbonização e promover segurança energética. Hamad Alkaabi, Embaixador dos Emirados Árabes, foi o presidente da conferência. Durante o evento, foram ressaltados o consenso sobre o papel central da energia nuclear sobre objetivos climáticos e a possibilidade da fonte de reduzir emissões nos setores hard-to-abate e produzir três vetores de energia essenciais para a neutralidade de carbono: eletricidade, calor e hidrogênio. “Políticas de energia de longo prazo, desenhos de mercado inovadores e redes sustentáveis de financiamento que reconhecem as contribuições da energia nuclear para a confiabilidade, flexibilidade e descarbonização são necessárias”, disse Alkaabi em conclusão à conferência. (IAEA – 13.10.2023) 
Link Externo