quarta, 05 de agosto de 2020

Visão 2013

Publicações

  • Agosto 2019 CASTRO, Nivalde de; MOSZKOWICZ, Mauricio; LUDOVIQUE, Camila A Precificação do Carbono e a Transição Energética

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Nivalde de Castro, Mauricio Moszkowicz e Camila Ludovique (respectivamente coordenador geral, coordenador executivo e pesquisadora do GESEL/UFRJ), tratam de dois sistemas importantes de precificação do carbono: a tributação de emissões e os sistemas de comércio de emissões. Segundo os autores, “as empresas para operar sob restrições climáticas deverão desenvolver estratégias de comercialização e gestão de emissão, com participação ativa nos leilões, nos lances de abertura e na comparação do preço de carbono, analisando os valores primários versus os secundários e diversificando sua carteira de mecanismos de compensação de carbono (offsets), com a finalidade de reduzir suas emissões e sobreviver aos preços competitivos do carbono.”
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Julho 2019 CASTRO, Nivalde de; GUERRA, Matheus Inteligência Artificial na Mobilidade Elétrica

    Em artigo do GESEL publicado pelo Broadcast/Estadão, Nivalde de Castro e Matheus Guerra falam sobre veículos elétricos e a utilização de Inteligência Artificial (IA) para a concepção de veículos autônomos. Segundo os autores, “este cenário tecnológico, aparentemente distante, não deve ser desprezado no país, basicamente por três razões: (i) nossas dimensões econômica, demográfica e continental; (ii) a indústria automobilística ser globalizada; e (iii) o impacto imperativo na economia brasileira em decorrência da dimensão disruptiva da mobilidade elétrica”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

  • Julho 2019 CASTRO, Nivalde de; GOUVÊA, Adriana Ribeiro; CHAVES, Ana Carolina; COSTA, Luana Carolina da O processo de Transição Energética: Brasil e a Dinâmica Internacional

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Nivalde de Castro, Adriana Ribeiro Gouvêa, Ana Carolina Chaves e Luana Carolina abordam a questão do processo de transição energética no cenário internacional, dando destaque à situação do Brasil. Segundo os autores, “nos termos da transição energética vinculada diretamente à integração das renováveis na matriz elétrica, o marco regulatório e as políticas públicas para o desenho de mercado são desafios bem distintos para, por exemplo, EUA, China, Alemanha e Brasil. Mesmo assim, o compartilhamento dos desafios determinados pela transição energética e das experiências em curso permitem e induzem a uma maior cooperação internacional”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Julho 2019 CASTRO, Nivalde de; ALVES, André; SALLES, Diogo Leilão de Energia e Usinas Termelétricas

    Em artigo do GESEL publicado pelo Broadcast/Estadão, Nivalde de Castro, André Alves e Diogo Salles falam sobre as perspectivas para o Leilão A-6 para UTEs, notadamente aquelas a gás. Segundo eles, as causas centrais que explicam os números do Leilão (52 projetos de térmicas a gás natural, com 41,7 GW de capacidade instalada) são, basicamente, as seguintes: “primeiro, a consistência do modelo e os ajustes que foram feitos nos editais, notadamente em relação ao nível de inflexibilidade (...). Segundo, a perspectiva de metamorfose do mercado de gás natural, reduzindo significativamente o poder de mercado da Petrobras (...). Terceiro, a exigência de novas termelétricas para dar mais segurança ao suprimento de energia elétrica, frente à intermitência das fontes eólica e solar e à sazonalidade da geração hidrelétrica. E, por fim, o Brasil está aproveitando o processo de transição energética do carvão para o gás natural, vinculado ao esforço de descarbonização.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

  • Julho 2019 CASTRO, Nivalde de; GOUVÊA, Adriana; CASTRO, Bianca de; CÂMARA, Lorrane; GUERRA, Matheus Tecnologias exponenciais quebram paradigmas do Setor Elétrico

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, os pesquisadores do GESEL falam sobre as mudanças no setor causadas por novas tecnologias. Segundo os autores, “com uma difusão tecnológica ainda bem menos desenvolvida do que a geração distribuída, o armazenamento de energia, em baterias e veículos elétricos, também possui o condão de alterar o fluxo da energia. Uma vez que as baterias podem desempenhar as funções de fonte de geração ou de demanda, o cenário previsível de implementação de tarifas horárias irá dar mais flexibilidade ao sistema elétrico”. Eles concluem que “o desenvolvimento da geração solar fotovoltaica é um vetor dinâmico e direto de disrupção dos paradigmas do Setor Elétrico. No mesmo sentido, pode-se afirmar, com baixa margem de erro e risco, que uma mesma trajetória verificada na geração solar fotovoltaica irá ocorrer no desenvolvimento das baterias e dos veículos elétricos”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Julho 2019 CASTRO, Nivalde de; SALLES, Diogo; MASSENO, Luiza Geração de Energia e Mudanças Climáticas

    Em artigo do GESEL publicado pelo Broadcast/Estadão, Nivalde de Castro, Diogo Salles e Luiza Masseno falam sobre o relatório publicado pela BP, do qual constam dados sobre geração e consumo de energia. O relatório afirma que “o crescimento da demanda [...] em 2018 parece estar associado aos efeitos das mudanças climáticas resultantes da emissão de gases poluentes”, e conclui que “há a configuração deum possível círculo vicioso”. Com isso, os autores do artigo destacam a posição do Brasil, que é um dos países com a matriz elétrica que menos polui, atrás apenas do Paraguai e da Noruega. Segundo eles, “esta característica marcante do Brasil no cenário elétrico mundial determina uma posição de ‘ponto fora da curva’ no quesito de energia limpa. Projeções feitas pela EPE apontam para a manutenção desta posição de destaque”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

     

  • Junho 2019 CASTRO, Nivalde de; VIEIRA, Camila; CHAVES, Ana Carolina O processo de transição energética e as Usinas Hidroelétricas Reversíveis

    Em artigo do GESEL publicado pela Agência CanalEnergia, Nivalde de Castro, Camila Vieira e Ana Carolina Chaves falam sobre os ganhos operacionais que podem ser alcançados com o emprego de Usinas Hidroelétricas Reversíveis (UHR) em um cenário com fontes cada vez mais renováveis e intermitentes. Segundo os autores, “a EPE realizou um primeiro estudo de inventário, mapeando possíveis locais de construção de UHR no estado do Rio de Janeiro. [...] A análise, por si só, já demonstra uma atenção do setor para esta alternativa tecnológica”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

     

  • Junho 2019 CASTRO, Nivalde de BNDES e o Setor Elétrico

    Em artigo publicado pelo Estadão Broadcast, o coordenador do GESEL, Nivalde de Castro, fala sobre o papel do BNDES no setor elétrico. Segundo o autor, “desde 2000 até 2017, o Banco teve um papel estratégico no financiamento da expansão dos segmentos de geração e transmissão. Estes financiamentos foram obtidos sempre associados aos leilões que definiam contratos de longo prazo, oferecidos como garantias ao BNDES, em uma modalidade típica e segura de project finance”. Ele conclui que “as projeções estabelecidas pelos estudos da EPE indicam a necessidade de volumes expressivos de investimentos com longo prazo de maturação, o que reforça a necessidade do BNDES no Setor Elétrico, em função, principalmente, da sua experiência e credibilidade”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

     

  • Junho 2019 CASTRO, Nivalde de; OLIVEIRA, Carlos A energia eólica no Brasil e no mundo: desafios e perspectivas

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, o coordenador geral do GESEL, Nivalde de Castro, e o pesquisador Carlos Oliveira falam sobre processo de desenvolvimento da energia eólica discutido no 10º Brazil Wind Power. Segundo os pesquisadores, o evento mostrou que é promissor o futuro do Setor Elétrico Brasileiro e da fonte eólica. Há, porém, “a necessidade de ajustes e aperfeiçoamentos dos diferentes elementos que formam o modelo do SEB, muitos dos quais foram indicados e analisados no evento”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Junho 2019 CASTRO, Nivalde de; ALVES, André Metamorfose no mercado de gás natural

    Em artigo publicado no serviço Broadcast do jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro, coordenador do GESEL, e André Alves, pesquisador do Grupo, tratam da nova agenda política e econômica para o mercado de gás natural. Segundo os autores, “os objetivos do novo programa estão assentados nas expectativas consistentes de aumento da oferta de gás natural vinculada ao pré-sal. A reforma proposta impacta tanto a oferta, quanto a demanda”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

  • Maio 2019 CASTRO, Nivalde de; GOUVÊA, Adriana Ribeiro; SENRA, PAulo Mauricio; CASTRO, Bianca de Magalhães de Novos modelos de negócio para as distribuidoras de energia elétrica com a difusão de Recursos Energéticos Distribuídos

    Em artigo publicado pela Agência Canal Energia, os pesquisadores do GESEL/UFRJ, Adriana Ribeiro Gouvêa, Paulo Mauricio Senra e Bianca de Magalhães de Castro, juntamente com Nivalde de Castro, coordenador geral do Grupo, tratam de novos modelos de negócio para as distribuidoras de energia elétrica. Segundo os autores, “serão necessárias novas políticas proativas, não somente para adaptar o arcabouço regulatório em vigor para este novo contexto de reestruturação, mas também para fomentar as tecnologias de RED, que serão cada vez mais fundamentais para a nova realidade do Setor Elétrico Brasileiro”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Maio 2019 CASTRO, Nivalde de; GUERRA, Matheus Inovações Tecnológicas no Setor Elétrico

    Em artigo publicado no serviço Broadcast do jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro, coordenador do GESEL, e Matheus Guerra, pesquisador do Grupo, tratam da difusão de inovações tecnológicas no setor elétrico. Segundo os autores, a difusão das novas tecnologias tem forte componente disruptivo e, no setor elétrico, é “extremamente dependente e subordinada às inovações regulatórias, em função do seu elevado grau de regulação”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

  • Maio 2019 CASTRO, Nivalde de; MIRANDA, Murilo; GUERRA, Matheus Perdas não técnicas: origens e possíveis soluções – o Caso Light

    Em artigo publicado na Agência Canal Energia, Nivalde de Castro, coordenador do GESEL/UFRJ, Murilo Miranda e Matheus Guerra, ambos pesquisadores do GESEL, debatem o tema de perdas não técnicas sob a ótica da distribuidora fluminense Light. Segundo os autores, a métrica utilizada para determinação do índice regulatório de perdas é falha: “existem áreas com baixos índices de homicídios, mas que, por serem dominadas pelo crime organizado de traficantes e milícias, a concessionária enfrenta sérias restrições para operação, manutenção e cobrança do fornecimento”. Como alternativa, apresentam o conceito das Áreas de Severa Restrição Operativa (ASRO). Para os autores, “a ANEEL abriu um importante e qualificado canal de diálogo com as distribuidoras, solicitando o envio de documentação que qualifique e quantifique as áreas de risco, enfatizando a importância de comprovação da real restrição operacional que determinada área exerce”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Maio 2019 CASTRO, Nivalde de; CASTRO, Bianca de Magalhães de Um Ponto fora da curva

    Em artigo publicado no serviço Broadcast do jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro, coordenador do GESEL, e Bianca de Magalhães de Castro, pesquisadora do Grupo, tratam do modelo atual do Setor Elétrico no âmbito da crise econômica brasileira. Segundo eles, “o SEB é, entre todos os setores de infraestrutura, um ponto fora da curva, uma vez que não há muito do que se preocupar em relação à capacidade de atrair investimentos para garantir o equilíbrio dinâmico entre a demanda e a oferta de energia elétrica”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

  • Abril 2019 CASTRO, Nivalde de; MOSZKOWICZ, Mauricio; ALVES, André A Transição Energética e a importância das térmicas a gás natural na Matriz Elétrica Brasileira

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, os coordenadores do GESEL, Nivalde de Castro e Mauricio Moszkowicz, juntamente com o pesquisador André Alves falam sobre a importância das Usinas térmicas no processo de transição energética. Segundo eles, “as projeções realizadas pelo órgão de planejamento para os próximos anos indicam uma mudança de perfil da matriz [...] Para fins de garantia do suprimento e flexibilidade na operação, faz-se necessária a contratação de fontes controláveis de energia, dentre as quais se destacam as usinas termoelétricas a gás natural. Contudo, a utilização desta fonte de energia exige mudanças regulatórias, tanto no mercado de gás, quanto no Setor Elétrico”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

     

  • Abril 2019 CASTRO, Nivalde de Retomada da Energia Nuclear

    Em mais um artigo publicado no serviço Broadcast da Agência Estado, ligada ao jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro (coordenador geral do GESEL) trata da gestação do programa de energia nuclear para o Setor Elétrico Brasileiro no MME. Segundo Castro, “a questão de desenvolvimento tecnológico é um dos fundamentos centrais para a retomada do programa de usinas nucleares. Ele vai dar dinamismo e escala produtiva para toda a cadeia nuclear, permitindo que o Brasil passe a dominar esta tecnologia que terá papel estratégico no futuro”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

  • Abril 2019 CASTRO, Nivalde de; GOUVÊA, Adriana Ribeiro; MOSZKOWICZ, Mauricio Desafios das distribuidoras de energia elétrica frente à difusão dos recursos energéticos distribuídos

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Nivalde de Castro (coordenador do Gesel), Adriana Ribeiro Gouvêa (Pesquisadora do GESEL) e Mauricio Moszkowicz (coordenador executivo e pesquisador líder do GESEL), abordam os desafios das distribuidoras de energia diante da difusão dos RED (Recursos Energéticos Distribuídos). Segundo os autores, “a regulação deverá analisar as possibilidades de diversificação do negócio de distribuição como forma de reduzir os riscos sistêmicos com a difusão dos RED, viabilizando, assim, o protagonismo das distribuidoras neste cenário e os incentivos para a inovação no longo prazo, além de aumentar investimentos em P&D e no desenvolvimento de novas tecnologias e soluções inovadoras”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Março 2019 CASTRO, Nivalde de; MOSZKOWICZ, Mauricio; ALVES, André; SALLES, Diogo Políticas de inovação tecnológicas para segmento de distribuição de energia elétrica

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Nivalde de Castro (coordenador geral do GESEL), Mauricio Moszkowicz (coordenador executivo do GESEL), juntamente com André Alves e Diogo Salles (pesquisadores do GESEL), trata do cenário que se apresenta para o Setor Elétrico com aumento e difusão de inovações tecnológicas com potencial de impacto disruptivo. Segundo os autores, “devido a fatores como a dificuldade de reconhecimento de investimentos e do curto período dos ciclos tarifários, há uma tendência de não incentivo às inovações. Em suma, há uma preferência para investimentos em inovação com resultados de curto prazo ou que resultem em redução de custos”. Eles concluem que “é de suma importância que o marco regulatório se adeque ao novo paradigma do Setor, criando um ambiente favorável ao desenvolvimento de atividades inovativas e à difusão de inovações tecnológicas”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Março 2019 CASTRO, Nivalde de; MOSZKOWICZ, Mauricio; LIMA, Antônio Perspectivas dos Veículos Elétricos

    Em mais um artigo publicado no serviço Broadcast da agência Estado, ligada ao jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro (coordenador geral do GESEL), Mauricio Moszkowicz (coordenador executivo do Grupo) e Antônio Lima (pesquisador do Grupo) tratam do novo cenário de mobilidade, com a ruptura tecnológica na direção da difusão de veículos elétricos. Segundo os autores, “todo este cenário abre espaço para a preparação do Setor Elétrico, que deve considerar: (i) impactos na rede de distribuição; (ii) novas estruturas tarifárias que promovam o uso eficiente da rede elétrica existente, incentivando a recarga dos veículos em horários de menor uso da rede elétrica; e (iii) novos processos de recarga rápida de energia que reduzam os tempos de parada, preservando, porém, a vida útil das baterias”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

  • Março 2019 CASTRO, Nivalde de; DA COSTA, Luana Carolina Alves Um Breve Panorama sobre Energias Renováveis na América Latina

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Nivalde de Castro (coordenador do Gesel) e Luana Carolina Alves da Costa (Pesquisadora do Gesel e Mestranda do PPE-COPPE/UFRJ), traçam um breve panorama sobre Energias Renováveis na América Latina. Segundo os pesquisadores, “a América Latina passou a ser influenciada diretamente por esta nossa tendência da política energética mundial, focada no tema das mudanças climáticas e alternativas energéticas mais limpas [...] na América Latina, os potenciais energéticos não convencionais proporcionam fatores de capacidade superior à média global”. Eles concluem que, “o equilíbrio entre a demanda e a oferta de energia elétrica na América Latina estará mais focado nas fontes renováveis, refletindo, assim, o processo de transição energética que já se verifica e é determinado pelos países desenvolvidos. [...] No entanto, o fator decisivo para o aumento dos investimentos em fontes renováveis é um marco regulatório sólido e consistente, que garanta, minimamente, segurança para os investimentos privados, os quais hoje têm predomínio quase absoluto na região”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

Página 3 de 8