quarta, 19 de setembro de 2018

Visão 2013

Publicações

  • Setembro 2018 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto; VARDIERO, Pedro Perspectivas para Racionalização dos Subsídios Custeados pelo Consumidor de Energia Elétrica: CDE

    A Agência CanalEnergia acaba de publicar o artigo GESEL escrito por Nivalde de Castro (Coordenador do Gesel-UFRJ), Roberto Brandão e Pedro Vardiero (Pesquisadores do Gesel), que analisa a atual forma do governo em lidar com a CDE. Os pesquisadores do Gesel concluem que, “a tarifa paga pelo consumidor de energia elétrica se encontra é elevada e merece profundas revisões, visando a modicidade tarifária, uma das políticas públicas mais estratégicas e dinâmicas da economia brasileira, em função das externalidades positivas (ou negativas) que ela permite. Neste sentido, a racionalização da CDE, principal encargo do Setor, é imperativa, sobretudo no que diz respeito aos incentivos a fontes de geração já maduras, como a eólica e solar, e à CCC para atendimento aos Sistemas Isolados, através de termelétricas a óleo diesel e combustível”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Setembro 2018 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto Paradoxos do Setor Elétrico Brasileiro

    Em artigo publicado pelo serviço de notícias Broadcast da Agência O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro, coordenador geral do GESEL, e Roberto Brandão, Coordenador da área de Geração e Mercados do GESEL, tratam da inadimplência, judicialização e pressão tarifária que atingem o setor elétrico. Segundo os autores, “a situação do mercado atacadista de energia é sombria e preocupante”. Eles concluem que “deve-se diferenciar o destravamento emergencial do mercado atacadista das alterações estruturais para reduzir o nível geral de risco, o que somente será possível no próximo governo, dada a complexidade da questão”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast) 

  • Setembro 2018 CASTRO, Nivalde de; MOREIRA, Greta; MOSZKOWICZ, Mauricio; LIMA, Antônio Setor Elétrico Brasileiro e as perspectivas relacionadas à Mobilidade Elétrica

    A Agência CanalEnergia publicou o artigo intitulado “Setor Elétrico Brasileiro e as perspectivas relacionadas à Mobilidade Elétrica”, de Nivalde de Castro (Coordenador do Gesel), Maurício Moszkowicz, Antônio Lima (Pesquisadores do Gesel) e Greta Moreira (Senai Cimatec – FIEB). O texto trata das perspectivas do setor elétrico quanto a mobilidade. Os autores afirmam, que “dado o enorme potencial, uma verdadeira metamorfose, que esta inovação tecnológica abre sobre o mercado de mobilidade, a pergunta que merece ser formulada, para um país em desenvolvimento, emergente, com dimensão continental e mais de 200 milhões de habitantes, é a seguinte: qual a estratégia que se deve adotar?”. Os autores concluem apontando que “a mobilidade elétrica será a primeira experiência e origem da Rede de Inovação do Setor Elétrico (RISE). Um diferencial destes projetos é que a efetiva inserção de novos produtos e serviços para a mobilidade elétrica será um dos critérios de avaliação”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

     

  • Setembro 2018 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto Subsídios às Energias Renováveis?

    Em artigo publicado por meio do serviço “Broadcast” do jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro (coordenador geral do GESEL-UFRJ) e Roberto Brandão (pesquisador Sênior e coordenador da área de Geração e Mercados do GESEL-UFRJ) tratam da discussão a respeito dos subsídios às energias renováveis. Depois de traçar um breve histórico do caso da geração eólica, os autores afirmam que “pode-se concluir que a indústria eólica não é mais de uma ‘indústria nascente’, ao contrário, já é uma indústria madura e consolidada. Não há assim justificativa para nenhum tipo de subsídio ou incentivo”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)  

  • Agosto 2018 CASTRO, Nivalde de; OLIVEIRA, Carlos; CHAVES, Ana Carolina A energia eólica no Brasil: Desafios e perspectivas

    A Agência CanalEnergia publicou mais um artigo do GESEL. O artigo de Nivalde de Castro (coordenador do Gesel-UFRJ), Carlos Oliveira e Ana Carolina Chaves (pesquisadores do Gesel) apresenta um resumo estruturado das principais questões e contribuições analíticas presentes no 9º Brasil Windpower Conference (BWP). De acordo com os autores, “diante dos fatos e questões abordados no evento, as análises e posições apresentadas indicam que a energia eólica tem condições de se manter como uma das principais fontes da matriz elétrica brasileira, contribuindo com o abastecimento da demanda de energia elétrica nacional e atuando de forma a diversificar e complementar as demais fontes energéticas frente às mudanças de paradigmas que o Setor Elétrico Brasileiro está se deparando”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Agosto 2018 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto A Anticrise do Setor Elétrico

    Em artigo publicado por meio do serviço “Broadcast” do jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro (coordenador geral do GESEL-UFRJ) e Roberto Brandão (pesquisador Sênior do GESEL-UFRJ) analisam o Setor Elétrico Brasileiro (SEB) como “uma cadeia produtiva de infraestrutura blindada à crise econômica-política que impacta o Brasil, desde 2014”. Segundo os autores, “os sinais mais evidentes desta diferenciação em relação ao restante da economia brasileira evidenciam-se nos elevados prêmios que os agentes econômicos estão dando”. Eles afirmam também que “há uma necessidade crescente de investimentos em toda a cadeia produtiva: geração, transmissão e distribuição”. Castro e Brandão alertam ainda que: “o SEB enfrenta um grave problema determinado pelo déficit de geração, notadamente das grandes e novas usinas hidroelétricas, que está contaminando o sistema de compensação da CCEE”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast) 

  • Agosto 2018 CASTRO, Nivalde de; LIMA, Antônio; HIDD, Gabriel; VARDIERO, Pedro Perspectivas da Energia Eólica offshore

    A Agência CanalEnergia publicou mais um artigo do GESEL, intitulado “Perspectivas da Energia Eólica offshore”. O texto, de autoria de Nivalde de Castro (Coordenador do GESEL-UFRJ), Antônio Lima, Gabriel Hidd e Pedro Vardiero (pesquisadores do Gesel), aborda o potencial de investimento na tecnologia offshore na matriz eólica. Segundo os autores, “é possível afirmar que a energia eólica offshore constitui uma tecnologia com desenvolvimento a nível industrial relativamente recente e o potencial de redução de custos por meio de economias de escala e de aprendizado é grande”. Eles concluem que, “no caso do Brasil, é possível afirmar que há diversos benefícios da inserção da fonte eólica na matriz elétrica, devido à complementaridade com o regime hidrológico e ao seu caráter renovável e sustentável. [...] observando o potencial brasileiro e o caminho que diversos países europeus têm trilhado, destaca-se que a expansão da geração elétrica brasileira poderá contar com o desenvolvimento da energia eólica offshore”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Julho 2018 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto; HUNT, Julian David; CATÓLICO, Ana Carolina Características e Funcionalidades das Usinas Hidrelétricas Reversíveis

    A Agência CanalEnergia acaba de publicar o artigo intitulado “Características e Funcionalidades das Usinas Hidrelétricas Reversíveis”, de Nivalde de Castro (coordenador do GESEL-UFRJ), Roberto Brandão (pesquisador Sênior do GESEL-UFRJ), Julian David Hunt (pesquisador associado do GESEL-UFRJ) e Ana Carolina Católico (pesquisadora líder do GESEL-UFRJ). O artigo trata da viabilidade e aplicabilidade das Usinas Hidrelétricas Reversíveis no Brasil diante do novo cenário de crescente difusão de fontes renováveis intermitentes no SEB. De acordo com os autores, “a intermitência da geração eólica e solar exige, para que seja possível uma ampla difusão destas fontes, que o sistema conte com capacidade de armazenamento de energia [...] [e] há um potencial de recursos hidroelétricos ociosos. Trata-se do potencial de usinas hidroelétricas reversíveis”. Eles concluem que “uma UHR operando somente com o ciclo sazonal já poderia resultar em um empreendimento economicamente viável. Adicionando os benefícios com a geração de ponta, armazenamento da geração intermitente, otimização do Sistema Interligado Nacional e medidas de ação direcionadas a uma melhor gestão dos recursos hídricos visando seus múltiplos usos e aplicabilidades, aumentar-se-ia ainda mais a viabilidade de um projeto de UHR no país”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Julho 2018 CASTRO, Nivalde de; DANTAS, Guilherme; MOSZKOWICZ, Mauricio Energia Solar Fotovoltaica no Brasil
    Em artigo publicado por meio do serviço “Broadcast” do jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro (coordenador geral do GESEL), Mauricio Moszkowicz (coordenador executivo do GESEL) e Guilherme Dantas (coordenador da área de Distribuição no GESEL) tratam do tema energia fotovoltaica. Segundo os autores, ela “possui condições de criar uma cadeia produtiva e uma indústria de bens e serviços muito dinâmica, em função de seu grande potencial, gerando empregos e renda de maneiramais capilar, um nível de concentração econômica bem menor do que o verificado nas outras fontes de energia”. Eles alertam ainda para um aspecto econômico que é o “desequilíbrio financeiro que a micro e mini geração distribuída – que utilize, especialmente, fonte solar fotovoltaica – (...) provoca às concessionárias de distribuição de energia elétrica”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast) 

     

  • Julho 2018 CASTRO, Nivalde de; TOMMASO, Francesco; VIEIRA, Camila A Energia Solar no Brasil

    A Agência CanalEnergia publicou mais um artigo do GESEL, intitulado “A Energia Solar no Brasil”. O texto, de autoria de Nivalde de Castro (Coordenador do GESEL-UFRJ), Francesco Tommaso (Pesquisador Líder do GESEL) e Camila Vieira (Pesquisadora do GESEL), é uma análise do potencial de crescimento da energia solar no Brasil e das discussões ocorridas no Brasil Solar Power. De acordo com os autores “Dado que o Brasil é um país de dimensão continental, população acima de 200 milhões de habitantes e clima tropical, pode-se afirmar, com certeza absoluta, que o potencial de crescimento da energia solar no Brasil é muito, muito grande”. Eles concluem com a ideia de que a geração solar agrega ao setor como um todo, “dada às inúmeras características técnicas desta fonte, pode-se afirmar que a energia solar não é concorrente com as outras fontes, mas sim complementar, fato em si e por si, muito importante para o SEB”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Julho 2018 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto Leilão de Transmissão de Energia Elétrica

    Em artigo publicado por meio do serviço “Broadcast” do jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro – Coordenador Geral do GESEL – e Roberto Brandão – Coordenador da área de Geração e Mercados no GESEL – analisam o sucesso do último leilão de transmissão. Segundo os autores, a transmissão tem sido o principal foco para investimentos em novos ativos físicos no Setor Elétrico e os resultados do leilão reforçam uma “nova fase no segmento de transmissão, iniciada em 2016, com a atração de novos players, como a State Grid, Equatorial, EDP, Energisa, Enel, Engie, entre outros. Além disso, neste último leilão, o destaque foi a indiana Sterlite Power Grid, que arrematou seis lotes, com mais de 60% dos investimentos previstos”. Eles afirmam ainda que “a necessidade de ampliação da rede de transmissão persiste”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast) 

  • Junho 2018 CASTRO, Nivalde de; CATÓLICO, Ana Carolina; VIEIRA, Camila O Setor Elétrico Chinês e o papel das Usinas Hidrelétricas Reversíveis

    A Agência CanalEnergia publicou o artigo GESEL intitulado “O Setor Elétrico Chinês e o papel das Usinas Hidrelétricas Reversíveis”, de Nivalde de Castro (coordenador do GESEL – UFRJ), Ana Carolina Católico e Camila Vieira (pesquisadoras do GESEL). O texto trata do planejamento chinês quanto ao uso de Usinas Hidrelétricas Reversíveis (UHRs). De matriz majoritariamente térmica a carvão (flexíveis), as UHRs foram escolhidas para assegurar um sistema elétrico de potência estável e seguro, “a política energética chinesa estruturou e aplicou um plano de desenvolvimento para as UHRs em larga escala. Destaca-se que as UHRs são um bom complemento para sistemas em que a geração é fortemente baseada em usinas poucos flexíveis, como as nucleares (França) ou as usinas a carvão (China). Assim, na segunda fase das UHRs, a construção de um grande número de usinas de médio porte, na China, permitiu desincumbir as termoelétricas a carvão de fazer o acompanhamento da carga, pois estas usinas puderam gerar a plena capacidade, enquanto que as UHRs atuaram para aumentar a carga e armazenar energia, nos momentos de baixo consumo, e reforçar a geração para o atendimento de ponta”, dizem os autores.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Junho 2018 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto BNDES e o Setor Elétrico

    Em artigo publicado por meio do serviço “Broadcast” do jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro – Coordenador Geral do GESEL – e Roberto Brandão – Coordenador da área de Geração e Mercados no GESEL – analisam a importância do BNDES para o Setor Elétrico Brasileiro (SEB). Os autores argumentam que O BNDES “possuiu um papel fundamental no desenvolvimento do SEB, de 2003 a 2017. Graças à implementação de um modelo de empréstimos baseado na metodologia de project finance, o Banco foi capaz de garantir e viabilizar a ampliação da capacidade de geração e transmissão, de forma consistente e sustentável”. Entretanto, afirmam Castro e Brandão, “o papel do BNDES no SEB está sendo alterado”. Eles apontam quais são estas alterações e argumentam, por fim, que há a “intenção do BNDES, não só de se manter como agente de financiamento, mas também como um instrumento financeiro de apoio ao desenvolvimento do SEB”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

  • Junho 2018 CASTRO, Nivalde de; LA ROVERE, Renata Lèbre; LIMA, Antônio Análise de Cenários de Inovações Tecnológicas no Setor Elétrico da União Europeia

    A Agência CanalEnergia publicou artigo de Nivalde de Castro (coordenador do GESEL), Renata La Rovere (professora da UFRJ e pesquisadora associada ao GESEL) e Antônio Lima (pesquisador do GESEL) intitulado “Análise de Cenários de Inovações Tecnológicas no Setor Elétrico da União Europeia”. Neste artigo, os autores abordam a inovação tecnológica aplicada à política energética europeia. Os autores concluem dizendo que, “os processos de inovação nas empresas podem aportar uma série de benefícios, como a construção de novos mercados, a geração de empregos, a redução dos custos de produção, o aumento da quota de mercado e o crescimento da competitividade. Além disso, as inovações tecnológicas trazem benefícios importantes para o consumidor final. Deste modo, a discussão sobre políticas públicas para apoio à inovação, em especial de inovações regulatórias, desenvolvida neste artigo é questão-chave para analisar o futuro do Setor Elétrico”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Junho 2018 CASTRO, Nivalde de; LUDOVIQUE, Camila Potencial da Mobilidade Elétrica no Brasil

    Em artigo publicado por meio do serviço “Broadcast” do jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro – Coordenador Geral do GESEL – e Camila Ludovique – pesquisadora do GESEL – analisam alternativas para os transportes no Brasil no cenário de crise no setor de combustíveis. Segundo os autores, “os veículos elétricos (VE) estão ganhando espaço e relevância nas políticas nacionais e internacionais, uma vez que permitem a redução da poluição e possuem maior eficiência energética”. Castro e Ludovique lembram que a Aneel “já trabalha no sentido de entender e lidar com esta nova ruptura tecnológica. Para tanto, através de seu Programa de P&D, a agência está criando as bases para a formação e implementação da Rede de Inovação do Setor Elétrico (RISE), focada, inicialmente, na mobilidade elétrica”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast) 

  • Junho 2018 CASTRO, Nivalde de; LA ROVERE, Renata Lèbre; LIMA, Antônio Quebra de Paradigmas no Setor Elétrico

    Foi publicado por meio do serviço “Broadcast” do jornal O Estado de São Paulo o artigo GESEL “Quebra de Paradigmas no Setor Elétrico”, escrito por Nivalde de Castro, Renata Lèbre La Rovere e Antônio Lima – respectivamente coordenador do GESEL, pesquisadora associada do GESEL e pesquisador do GESEL. Segundo os autores, o Setor Elétrico está vivenciando uma revolução onde as tecnologias de comunicação e de informação, infraestrutura das smart grids, serão essenciais para lidar com o cada vez mais complexo Sistema Elétrico que está se consolidando no mundo e no Brasil. Assim, três grandes forças impactarão de forma profunda e irreversível o setor nas próximas décadas: a descarbonização, a digitalização e a descentralização. Para fazer frente aos desafios do setor elétrico do futuro, os atuais agentes econômicos do Setor Elétrico Brasileiro devem, segundo o artigo, estar atentos e explorar as novas oportunidades que se concretizam por meio da realização de projetos inovadores.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

  • Junho 2018 CASTRO, Nivalde de; TOMMASO, Francesco O Potencial Uso de Dados Geoespaciais do Consumo de Energia Elétrica como Vetor de Previsão da Demanda Residencial

    A Agência CanalEnergia publicou artigo de Nivalde de Castro (coordenador do GESEL) e Francesco Tommaso (Pesquisador líder do GESEL) intitulado “O Potencial Uso de Dados Geoespaciais do Consumo de Energia Elétrica como Vetor de Previsão da Demanda Residencial”. Segundo os autores, o setor elétrico apresenta grande potencial para a aplicação de inovações tecnológicas e metodológicas decorrentes do desenvolvimento do Big Data. O artigo aborda então brevemente algumas das possibilidades de aplicação desses dados enquanto vetores de previsão da demanda elétrica residencial. Essas aplicações poderiam, potencialmente, reduzir os custos das redes de distribuição na baixa tensão e mitigar riscos associados a picos de demanda.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Maio 2018 CASTRO, Nivalde de; DANTAS, Guilherme; VARDIERO, Pedro O Agravamento do Furto de Energia Elétrica e a Necessidade de Aprimorar o Marco Regulatório do Setor Elétrico

    O GESEL publicou na Agência CanalEnergia um artigo, no âmbito do Projeto de P&D da Aneel "Aspectos regulatórios relacionados a perdas não técnicas em Áreas com Severas Restrições Operativas (ASROs)" (elaborado pelo GESEL em parceria com a Light), que aborda o tema furto de energia elétrica. Escrito por Nivalde de Castro (coordenador geral do Grupo), Guilherme Dantas (Coordenador da área de Distribuição) e Pedro Vardiero (pesquisador), o artigo aponta que “os furtos de energia elétrica têm crescido no Brasil como um todo, mas o estado campeão dos furtos é o Rio de Janeiro. (...) em 2016, cerca de 25% das perdas comerciais verificadas em todo o país localizavam-se dentro dos limites do estado, atendido majoritariamente pelas concessionárias Light e Enel Rio (antiga Ampla). Os autores afirmam, a título de conclusão que “entende-se que o Índice de Complexidade Socioeconômica da ANEEL já não consegue espelhar a realidade de concessionárias como a Light e a Enel Rio, sobretudo pela condição de violência latente, pela ocorrência das ASROs, e pela grave crise econômica, fiscal e de segurança pública que o estado vem enfrentando.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

     

  • Maio 2018 CASTRO, Nivalde de; ROSENTAL, Rubens; OLIVEIRA, Carlos Revolução tecnológica e o papel dos Conselhos de Consumidores das Distribuidoras

    A Agência CanalEnergia publicou novo artigo do GESEL, intitulado “Revolução tecnológica e o papel dos Conselhos de Consumidores das Distribuidoras”. Os autores, Nivalde de Castro, Rubens Rosental e Carlos Oliveira – respectivamente coordenador geral, pesquisador sênior e pesquisador líder do GESEL – afirmam que "o atual cenário de profundas modificações no Setor Elétrico impõe o desafio de envolver, com maior frequência e efetividade, os consumidores no processo de transformações em curso, estabelecendo um relacionamento baseado em informações, dados e conhecimentos, notadamente sobre a regulamentação, as inovações e os ajustes que se farão necessários. Os Conselhos de Consumidores podem desempenhar um papel importante e estratégico nesta mudança, mas, para tanto, é necessária a realização de um diagnóstico quanto à atuação pretérita dos Conselhos, buscando identificar suas limitações e assim explorar o seu potencial neste contexto dinâmico de inovações". O texto foi escrito no âmbito do Projeto de P&D da Aneel “Instrumentalização e Sistematização da Capacitação para Conselhos de Consumidores”, realizado pelo GESEL em parceria com a EDP.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Abril 2018 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto; TOMMASO, Francesco A Disputa pela Eletropaulo

    Em artigo publicado por meio do serviço “Broadcast” do jornal O Estado de São Paulo, Nivalde de Castro (Coordenador Geral do GESEL), Roberto Brandão (Coordenador da Área de Regulação do GESEL) e Francesco Tommaso (pesquisador do GESEL) analisam a disputa pelo controle da Eletropaulo. Segundo os autores, “o grupo vencedor da disputa terá tantos desafios e investimentos com a reestruturação da Eletropaulo que enfrentará dificuldades e desestímulos em participar do leilão das distribuidoras do Grupo Eletrobras”.
    (Publicado pelo Estadão Broadcast)

Página 1 de 4