sexta, 24 de maio de 2019

Visão 2013

Publicações

  • Fevereiro 2016 COSTA, Ana Thereza Carvalho; CASTRO, Nivalde José de; LEITE, Andre Luis da Silva; MENDES, Ana Luiza Souza "Analysis of the determinants of the Brazilian energy mix"

    In 2004 came into force a new model for the Brazilian Electricity Sector (BES). This model was established based on three pillars: expansion of the installed capacity, reasonable tariffs and universalization of the access to electricity. The main change that took place was the resumption of the energy planning for the State’s responsibility, which had been transferred to private players in the previous liberal period. This resumption takes place through the creation of the Empresa de Pesquisa Energética (EPE), whose purpose is the development of studies and researches to support the planning of the energy sector, guiding the government and industry players in their decision making process and guidelines establishment. Among the major studies carried out by EPE is the Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE), that annually formulates forecasts for the expansion of the supply and demand of energy for a period of 10 years ahead, therefore becoming an important planning tool for the BES. Thus, the PDE indicates the future electricity mix for the sector. However, EPE’s planning is only indicative, making it essential to analyze whether their propositions occur in reality. Therefore, the procurement of installed capacity to be added to the BES and the sources that will compose this future mix need to be investigated. Moreover, with the new model, the procurement of new installed capacity starts to occur through energy auctions. In these auctions, the concession of new plants occurs and it is guaranteed the future supply to attend the demand anticipated by the distribution companies for the regulated consumers. The electricity auctions aim to contract energy with reasonable tariffs. In order for that to happen, the criterion used to define the winner is the lowest rate offered. Thus it is through the electricity auctions that the government coordinates the expansion of the generating capacity and the winner sources will compose the future electricity mix. The composition derived from the results of the auctions often differs from the projections of the PDE, making this differentiation the central object of analysis in this article. In that way, the question that arises is what are the causes that explain the differences between the results of these energy auctions and what it was projected and estimated by EPE in its ten-year planning. The article seeks to make a comparison of PDE’s projections since its first formulation in 2006, with the results of the new energy auctions held so far. Essentially, it seeks to answer if, through the indicative planning and the auctions, we are in fact moving towards a strategic electricity mix for the BES.

  • Fevereiro 2016 CASTRO, Nivalde de; MARTINS, João; PENNA, Caetano C.R.; ALVES, Cristóvão; ZAMBONI, Lucca; MOSZKOWICZ, Mauricio "Innovation Process in the Brazilian Electric Sector"

    The electrical sector is in the eve of profound modifications due to the market diffusion of several related technologies. Some drivers of this transition are: the increasing support from society for reducing carbon emissions; the growing speed of development and cost reduction of renewable energy generation technologies; new energy storage devices; new automation spread all over the network; a dramatic increase of the computational capacity; and new regulations related to energy usage. Innovation will play a key role in the transition process of the electric sector, promoting changes and creating opportunities for new technology, products, system, regulation and business structures. Since July 2000, law 9.991 established the Brazilian Electric Sector R&D Program that states that 1% of the income of the electric companies must be invested in R&D (research and development) projects, 40% of this overall budget stay under the electric company discretion (the Program is coordinated by the Brazilian electric sector regulatory agency, ANEEL). As a result, BRL 13.5 Billion (approximately equivalent to USD 3.5 Billion) were invested in 4,300 projects from the year 2000 until 2014. What were the results achieved by the Program? And how has it contributed (or not) to the ongoing transition process? To date, no systematic and comprehensive study has looked at the whole period of the Program. This study introduces the first insights of a two-year research project that seeks to address these questions and to fill this gap. It presents an overview of the projects that have been carried out since 2000, and develops a unique methodology that will be used to evaluate the qualitative and quantitative historical benefits of the Program. The methodology considers four perspectives: electric companies, electric sector, academic sector and systems and services providers. It will also present scenarios that will be considered to improve the R&D Program and to inform related public policies and regulations that seek to stimulate Brazilian companies to invest in the electric sector innovation process, and ultimately contribute to the sector’s transition.

  • Novembro 2015 CASTRO, Nivalde de; DORADO, Paola "O Brasil e o Processo de Integração Elétrica na América do Sul"

    O artigo, que faz parte do livro “Integração Energética Regional: Desafios Geopolíticos e Climáticos”, editado pela Fundação Konrad Adenauer (KAS), procura apontar algumas das razões pelas quais o Brasil é um ator fundamental no processo de integração elétrica da região sul-americana, embora não seja ainda possível pensar na constituição de um mercado comum de energia, pelo menos no médio prazo. Na primeira parte destacam-se as razões pelas quais não é possível viabilizar um mercado comum de energia elétrica na América do Sul no médio prazo, ressaltando as limitações impostas pelo próprio modelo brasileiro. Na segunda seção destacam-se as experiências de integração do Brasil com os países da região e o papel que este tem como catalizador do processo na América do Sul. Por fim, a conclusão aponta que embora o próprio modelo brasileiro seja um entrave à criação de um mercado comum de energia elétrica, o Brasil tem um papel estratégico e fundamental no avanço do processo de integração elétrica regional. 
    Acesse o livro na íntegra, aqui.

     

    PARA LA VERSIÓN EN ESPAÑOL, HAGA CLIC AQUI.
    Resumen en español:
    El artículo busca señalar algunas de las razones por las cuales Brasil es un actor fundamental en el proceso de integración eléctrica de la región, aunque todavía no sea posible pensar en la conformación de un mercado eléctrico común, al menos en el medio plazo. Para ello, este trabajo se divide en tres secciones. En la primera parte se destacan las razones por las cuales no es posible viabilizar un mercado común de energía en América del Sur, por lo menos en el a mediano plazo, resaltando las limitaciones impuestas por el propio modelo brasilero. En la segunda sección, se destacan las experiencias de integración de Brasil con los países de la región y el papel que este tiene como catalizador del proceso en América del Sur. Finalmente, la conclusión señala que aunque el propio modelo brasilero sea un obstáculo para la creación de un mercado común de energía eléctrica, Brasil ejerce un papel estratégico y fundamental en el avance del proceso de integración eléctrica regional.
    Acceder a todo el libro aquí.

     

    FOR ENGLISH VERSION OF THE ARTICLE, CLIK HERE.
    Abstract in english:
    The article seeks to point out some of the reasons why Brazil is a key player in the energy integration process of the region, although it is not yet possible to think of a common electric market, at least in the medium term. Therefore, this paper is divided into three sections. The first part presents the reasons why it is not possible to structure a common electric market in South America, at least in the medium-term, highlighting the limitations imposed by the Brazilian model. The second part presents the integration experiences of Brazil with its neighbors and the important role it plays in this process in South America. Finally, the conclusion points out that although the Brazilian model is an obstacle for the conformation of a common electric market, Brazil plays a strategic and key role in the progress of the regional energy integration process.
    Access the entire book here.

  • Outubro 2015 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto; ZAMBONI, Lucca “Experiências europeias de políticas para promoção de redes inteligentes e desafios para o Brasil”

    Em texto publicado na Agência CanalEnergia, o professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do GESEL, Nivalde de Castro; o pesquisador sênior do GESEL, Roberto Brandão; e o gerente de P&D da EDP Distribuição, Lucca Zamboni; analisam a viabilidade da promoção de redes inteligentes no território nacional tendo em vista as experiências europeias. Para os autores, “aumento no grau de automação das redes é desejável e merece a formulação de políticas e sinais regulatórios específicos para a sua promoção e difusão. No entanto, a massificação da instalação de medidores inteligentes, sobretudo em pequenos consumidores de baixa tensão, permanece uma questão controversa”.

  • Outubro 2015 CASTRO, Nivalde de "Integración eléctrica Bolivia-Brasil"

    Em artigo publicado no jornal boliviano La Razón, o coordenador do GESEL/UFRJ, Nivalde de Castro, afirmou que “a construção de uma hidrelétrica binacional [na bacia do Rio Madeira], que estará subordinada a um Programa de Desenvolvimento Regional Sustentável (PDRS), pode se constituir em um vetor estratégico de desenvolvimento econômico e social para a região fronteiriça” entre Brasil e Bolívia. Para Castro, o fato da construção da hidrelétrica estar inserida em um plano regional e nacional de desenvolvimento possibilita que as regiões afetadas diretamente pela hidrelétrica se desenvolvam e ganhem mais expressividade na participação econômica do país, revelando um planejamento com retorno a curto, médio e longo prazo e a iniciativa de dinamizar a região.

  • Setembro 2015 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto "Repactuando o risco hidrológico"

    Em artigo publicado pelo jornal Valor Econômico, Nivalde de Castro, coordenador do grupo de estudos do Setor Elétrico (GESEL/UFRJ) e Roberto Brandão, pesquisador sênior do grupo, falam da relação entre a seca atual e a crise financeira com acúmulo de obrigações em volumes inéditos relacionadas ao custo de curto prazo de energia. Descrevendo progressivamente as inovações regulatórias adotadas pelo governo, chega-se ao ponto de discussão atual que é uma solução para o déficit de geração das usinas hidroelétrica. Segundo o GESEL, “as inovações regulatórias introduzidas para lidar com a crise foram bem-vindas, pois mantiveram o sistema solvente. Mas espera¬-se que findo mais este capítulo da crise, seja feita uma revisão cuidadosa no modelo de comercialização de energia no atacado a fim de recriar as condições de confiança e estabilidade para o setor”.

  • Março 2015 CASTRO, Nivalde de; BIATO, Marcel; ROSENTAL, Rubens "Perspectivas da integração energética Brasil - Bolívia"

    Em artigo publicado pelo Grupo CanalEnergia, Nivalde de Castro (professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do GESEL), Marcel Biato (embaixador do Brasil em La Paz entre 2010 e 2013) e Rubens Rosental (professor e pesquisador do GESEL-UFRJ) tratam do atual cenário econômico incerto boliviano e sua relação com a integração energética Brasil-Bolívia. Segundo os autores, “o cenário para a renovação do Acordo de Gás impõe desafios à Bolívia devido às perspectivas de redução do preço internacional do gás e do aumento da concorrência interna, via pré sal e GNL importado, há necessidade de identificar e implementar alternativas para enfrentar e superar este eventual cenário”.

  • Abril 2014 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto "Sobre a forma de redução do consumo de energia elétrica"

    O artigo do professor do instituto de economia e coordenador do Gesel - UFRJ, Nivalde de Casto e do pesquisador sênior do Gesel UFRJ, Roberto Brandão trata do atual cenário do Setor Elétrico Brasileiro e defende a adoção de medidas para reduzir o consumo. Outro ponto abordado no texto é a regra de fixação do PLD, que, para os autores, é inadequada e sem fundamentação econômica. Como conclusão, os pesquisadores do GESEL avaliam que, “no curto prazo deve-se recorrer ao diálogo e ao bom senso para lograr uma necessária redução do consumo de energia sem colocar em risco a saúde financeira do setor elétrico como um todo. No médio prazo há que revisitar as regras de comercialização de energia para torná-las mais adequadas a um sistema elétrico que sempre está sujeito ao risco hidrológico”.

  • Outubro 2011 CASTRO, Nivalde de "Argentina e as perspectivas de crise energética"

    Neste artigo o coordenador do GESEL, professor Nivalde de Castro, analisa a atual conjuntura do setor energético da Argentina. Segundo o coordenador do GESEL, “em curto período de tempo a Argentina perdeu a auto-suficiência energética” e ficou dependente de importações e de uma política de subsídios, a qual está “comprometendo” as finanças do país. A atual crise energética repousa também sobre a política de investimentos do país, feitas com pouco planejamento, falta de transparência e com custos finais elevados. Castro concluiu que o atual modelo é insustentável e que a situação pede medidas “consistentes” e “sérias” que retifiquem as atuais distorções.

  • Fevereiro 2014 CASTRO, Nivalde de ; BRANDÃO, Roberto "Preço x custo da energia no setor elétrico brasileiro"

    Em artigo publicado no jornal Valor Econômico, Nivalde de Castro e Roberto Brandão, (coordenador e pesquisador sênior do GESEL, respectivamente) abordam o atual cenário do setor elétrico e a pressão exercida no preço da energia no mercado de curto prazo. Os autores avaliam que a nova fórmula adotada para o Newave (modelo computacional usados no planejamento da operação do sistema elétrico pelo ONS), deixando o PLD mais aderente ao custo marginal real do sistema, não é a opção mais eficiente. Segundo Castro e Brandão, há duas razões para que o preço não deva ser igual ao custo marginal em um sistema hídrico como o brasileiro: “primeira, porque a produção de energia elétrica no Brasil não se dá em um mercado competitivo. Em realidade, não se trata sequer de um mercado, pois o despacho das usinas é regido, como em inúmeros países, por um modelo computacional de otimização do funcionamento das usinas hidro e termelétricas. Segunda, porque o custo marginal de operação (com base no qual é calculado o PLD) não dá sinalização para a ampliação da oferta e construção de novas usinas, como ocorre em mercados competitivos”.

  • Dezembro 2013 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto "O que é preciso renovar nos contratos das distribuidoras"

    O artigo de Nivalde de Castro e Roberto Brandão (coordenador e pesquisador sênior do GESEL, respectivamente), discorre sobre a MP 579 já estabelecer a possibilidade de renovação dos contratos de distribuição de energia elétrica. Segundo os autores, há um consenso de que a prorrogação das concessões é a solução. Os novos contratos de distribuição devem inserir a modicidade tarifária e a qualidade dos serviços. De acordo com os autores, “A questão é como determinar um equilíbrio entre estes objetivos e o estímulo para que os atuais concessionários mantenham o nível de investimento necessário”.

  • Maio 2013 CASTRO, Nivalde; BRANDÃO, Roberto. "Mais reclamações acelerariam melhora do serviço"

    Em artigo publicado na folha de São Paulo, Nivalde de Castro e Roberto Brandão (coordenador e pesquisador do GESEL, respectivamente) comentaram o papel da Aneel no controle de qualidade do serviço de distribuição. Segundo os autores, a agência sofisticou os indicadores de qualidade, medindo as interrupções de fornecimento e estão transferindo para os consumidores afetados as multas aplicadas às distribuidoras por queda da qualidade. Os pesquisadores do GESEL concluem que os consumidores podem --e devem-- recorrer à Ouvidoria da Aneel: “usar a Ouvidoria da Aneel trará benefícios para o consumidor e ao mesmo tempo fornecerá mais informações para que a agência melhore a qualidade do serviço”.

  • Fevereiro 2013 CASTRO, Nivalde J. de; BRANDÃO, Roberto "2013 marca o surgimento de um novo padrão de geração elétrica no Brasil"

    Em artigo publicado na Folha de São Paulo, os professores Nivalde de Castro e Roberto Brandão, pesquisadores do Gesel/UFRJ, afirmam que 2013 é o ano do surgimento de um novo padrão de geração de energia elétrica. Para eles, o sistema elétrico torna-se mais dependente de fontes complementares por conta da legislação, que não permite a construção de usinas que não sejam fio d’agua, e da evolução do consumo de energia elétrica. A metodologia que o ONS adotou e que vem seguindo desde abril é acionar as UTEs quando preciso e por isso, esse acionamento vai ser constante, exigindo um esforço grande da política e do planejamento energético.

  • Outubro 2012 CASTRO, Nivalde de; BRANDAO, Roberto. "Sem modernização, quedas de energia serão mais frequentes"

    Em artigo publicado na Folha de São Paulo, Nivalde de Castro e Roberto Brandão relatam a situação da falta de investimentos no setor elétrico brasileiro, usando como base a série de apagões que aparecem na mídia nos últimos tempos, e como isso surge na época em outro assunto também domina o noticiário: a renovação das concessões que vencem em breve. Além disso, apresentam a necessidade das empresas de investirem na manutenção das linhas de transmissão de energia mais antigas enquanto mantém a conversação das linhas mais recentes.

  • Setembro 2012 CASTRO, Nivalde J. de; ROSENTAL, Rubens "Os desafios da integração do setor elértrico na América"

    Em artigo para o blog Infopetro, o coordenador do GESEL/UFRJ Nivalde de Castro e o pesquisador do GESEL/UFRJ Rubens Rosental discorrem sobre a integração do setor elétrico na América Latina. Os autores destacam o potencial hidrelétrico inexplorado da América Latina, cuja exploração pode se tornar inviável devido ao mercado ser inferior ao potencial da usina; problema que poderia ser solucionado pela integração elétrica entre os países. A integração também seria responsável por uma maior segurança no sistema elétrico. Outro enfoque do artigo são as possibilidades listadas pelos especialistas para a integração elétrica na América Latina com a participação direta do Brasil, como o estabelecimento de contratos de curto prazo de troca de excedentes de energia com os países com os quais já está interconectado e a aquisição de ativos na América Latina.

  • Agosto 2012 CASTRO, Nivalde de; BRANDÃO, Roberto; DANTAS, Guilherme "A indústria brasileira, o mercado elétrico e o custo da energia elétrica"

    Em artigo para a Agência CanalEnergia, a equipe do GESEL/UFRJ corrobora a visão de que o Brasil passa por um processo de desindustrialização precoce porque há uma diminuição da participação da indústria no PIB porém não devida ao aumento do nível de renda per capita, o que pode comprometer seriamente o desenvolvimento brasileiro. Essa “desindustrialização precoce” mostra-se prejudicial ao desenvolvimento econômico e social de longo prazo ao impor restrições à dinâmica do progresso técnico, aos ganhos de escala e à apropriação da produtividade por toda a economia e sociedade brasileira. Para Nivalde de Castro, coordenador do GESEL/UFRJ e sua equipe, além da abertura comercial e financeira da economia brasileira associado à valorização cambial, questões como a elevada carga tributária brasileira, custo da energia, logística deficiente, infraestrutura insuficiente e ineficiente podem ser consideradas causas da redução na participação da indústria, inclusive para a de bens primários. A revitalização do setor industrial brasileiro com o objetivo de torná-lo mais dinâmico e competitivo requer mais do que medidas paliativas. É necessária uma política industrial que estabeleça diretrizes e apresente os instrumentos necessários para que a indústria exerça seu papel de elemento indutor do desenvolvimento econômico.

  • Agosto 2012 CASTRO, Nivalde de; FRANÇA, Carlos Alberto Franco. "Dinâmica de reestructuración del sector eléctrico de Bolivia"

    Em artigo publicado no Energy Press e La Razón, Nivalde de Castro e Carlos Alberto Franco França analisam a nacionalização da boliviana TDE (Empresa Transportadora de Electricidad) em maio de 2012, no contexto de reforma do setor elétrico daquele país. A análise se inicia pelo PND (Plano Nacional de Desenvolvimento), estabelecido em 2006 com a chegada de Evo ao poder. A nacionalização da TDE deve ser entendida como a recuperação do papel central do estado no planejamento elétrico, antes perdido durante as políticas neoliberais da década de 90 e a possível solução ao problema. Os autores exemplificam esta linha de raciocínio com acontecimentos durante toda a década passada.

  • Julho 2012 CASTRO, Nivalde de; LEITE, André da; ROSENTAL, Rubens "Integração energética: uma análise comparativa entre União Europeia e América do Sul"

    Em artigo publicado na revista GTD, Nivalde de Castro e os pesquisadores do GESEL – UFRJ comparam os processos de integração energética da U.E. e da América do Sul. A hipótese central defende que os projetos estariam em diferentes fases de desenvolvimento, considerando as diferenças derivadas das peculiaridades do processo histórico-institucional em cada região. Os pesquisadores discorrem sobre as vantagens apresentadas pela integração energética e as resistências ao seu desenvolvimento. Para o GESEL, construir bases para um futuro integrado levará a superação das dificuldades conjunturais. A questão energética pode ser a alavanca do desenvolvimento mais justo e gerador de ganhos para os povos da região.

  • Julho 2012 CASTRO, Nivalde J. de; BRANDÃO, Roberto; ROSENTAL, Rubens “A redução dos custos da energia elétrica no Brasil”

    Em artigo publicado pelo Valor Econômico, o coordenador do GESEL/UFRJ, Nivalde de Castro e os pesquisadores do GESEL/UFRJ, Roberto Brandão e Rubens Rosental, analisam as possibilidades que o governo tem para conseguir diminuir os custos de energia elétrica no país. Segundo os especialistas, o primeiro componente da estrutura de custos da energia elétrica é o custo da indústria de energia. Para eles, o custo da geração e transmissão no curto prazo não há margem para alteração. Mas, no médio prazo, o vencimento de 21,5 GW de concessões de hidrelétricas e de 73 mil km de LT em 2015 abre possibilidade para redução. Já nos custos de distribuição há condições ainda no curto prazo de se diminuir as tarifas, com a redução da remuneração das distribuidoras aprovada pela ANEEL que estão sendo implementadas no 3º ciclo de RTP. Outra possibilidade de redução são os subsídios cruzados embutidos nas tarifas. O segundo componente da estrutura tarifária é o conjunto de nove encargos que incidem aumentando as contas de energia, segundo os especialistas, os principais encargos que poderiam ser reduzidos são: CDE; CCC; e RGR. O último componente da estrutura tarifária são os impostos federais (PIS/Cofins) e estadual (ICMS). “Como o governo federal afirmou que não fará uma reforma fiscal, mas ajustes cirúrgicos, um acordo poderia reduzir as alíquotas do ICMS. A redução do PIS-Cofins poderia ser usada como uma contraparte do governo federal nestas negociações pró-redução das tarifas elétricas, podendo começar alterando o status do PIS para cumulativo, como é aplicado às contas telefônicas permitindo redução de 25%”. Portanto, de acordo com os especialistas, o governo federal poderá iniciar um consistente processo de redução do custo da energia elétrica numa perspectiva de curto, médio e longo prazo. “A estratégia mais adequada e provável é reduzir, mesmo que em pequenos percentuais, todos os componentes da estrutura tarifária.”

  • Julho 2012 CASTRO, Nivalde de ; FRANÇA, Carlos Alberto “A Dinâmica de Reestruturação do Setor Elétrico da Bolívia”

    Nesse artigo publicado na Agência CanalEnergia, Nivalde de Castro, coordenador do Gesel/UFRJ e Carlos Alberto França, diplomata do Serviço Exterior Brasileiro, discutem sobre as mudanças que vem sofrendo o modelo de gestão do setor energético desde 2006, dando ênfase à recente nacionalização da TDE. Segundo o artigo, a decisão de trazer para o Estado a responsabilidade das atividades de transmissão de eletricidade, respaldada pelo aparato legal, insere-se em um novo e recente cenário político: o avanço do processo de democracia participativa e prioridade no atendimento das demandas sociais. Desse modo, o processo de estruturação do SEB, ora em curso, busca superar problemas e desafios, pois no país a cobertura elétrica tem relação direta com o nível de pobreza, sendo que 71% da população boliviana tem acesso à energia elétrica. Portanto, uma avaliação abrangente da decisão de nacionalizar a TDE deve considerar que se trata de uma estratégia de política pública focada na busca de soluções e alternativas, com o objetivo de criar bases mais sólidas para este estratégico setor de infraestrutura. Em mãos do Estado boliviano, a ENDE tem pela frente o desafio de expandir a oferta de eletricidade com modicidade tarifária. Para executar tal tarefa, deverá recompor e capacitar o seu quadro de recursos humanos, técnicos e administrativo; além de investir rapidamente em novas centrais elétricas, dando prioridade às hidroelétricas para poder avançar na diversificação da matriz energética, hoje fortemente dependente de fontes fósseis. 

Página 3 de 4